Type

Data source

Date

Thumbnail

Search results

You search for vila and 224,071 records were found.

Notícias publicadas nos jornais: "O Operário"; "A Terra de Gaia": Escolas do Torne: brilhantes festas pela distribuição de prémios; Escola do Torne: festa e distribuição de prémios escolares (diretor António Ferreira Fiandor); resultados da Escola do Prado (diretor Augusto Nogueira); resultados escolares; auxílios da Câmara MUnicipal de Vila Nova de Gaia e Juntas de Freguesia de Santa Marinha e Mafamude.
Notícia do jornal "A Luz do Operário": Ecos de Gaia pelas escolas do Torne. Festa anual de distribuição de prémios. A sessão abriu com o diretor António Ferreira Fiandor, Joaquim Dias dos Santos (vereador da câmara municipal de Vila Nova de Gaia), Aureliano Tavares (inspetor-escolar da região norte). As comemorações contaram com exercícios de ginástica e marcha batalhão escolar - Hino Nacional pelo orfeão do Torne.
Pedidos de autorização para contrair empréstimos, feitos pela Câmara Municipal de Vila Real de Santo António ao Ministério das Finanças.
Pedidos de autorização para contrair empréstimos, feitos pela Câmara Municipal de Vila da Praia da Vitória ao Ministério das Finanças.
Pedidos de autorização para contrair empréstimos, feitos pela Câmara Municipal de Vila Nova de Foz Côa ao Ministério das Finanças.
Trata-se do empréstimo de 640 contos destinado ao abastecimento de água a Vila Nova de Famalicão. Foi autorizado por portaria publicada no Diário do Governo n.º 248, II série, de 23 de Outubro de 1945. O pedido inicial montava a 542.171$00.
Trata-se do empréstimo de 6.300 contos destinado a obras de abastecimento de água à sede do concelho. Foi autorizado por portaria publicada no Diário do Governo n.º 115, II série, de 14 de Maio de 1952. O pedido inicial montava a 12.000 contos e destinava-se ao abastecimento de água à zona baixa e média da vila (9.000 contos) e aquisição de contadores (3.000 contos).
Trata-se do empréstimo de 200 contos destinado à electrificação da vila. Foi autorizado por despacho ministerial de 16 de Maio de 1930.
Trata-se do empréstimo de 2.050 contos destinado à conclusão das obras de abastecimento de água à vila sede do concelho (1.850 contos) e à construção da 2.ª fase da construção da rede de esgotos na mesma vila (200 contos). Foi autorizado por portaria publicada no Diário do Governo n.º 277, II série, de 22 de Junho de 1954.
Trata-se do empréstimo de 400 contos destinado a trabalhos de arruamentos na Vila da Praia da Vitória, incluídos no Plano Comemorativo de 1966. Foi autorizado por portaria publicada no Diário do Governo n.º 8, II série, de 11 de Janeiro de 1966.
Trata-se do empréstimo de 450 contos destinado ao abastecimento de água a Vila do Bispo, Sagres e outras povoações do concelho. Foi autorizado por portaria publicada no Diário do Governo n.º 175, II série, de 23 de Julho de 1956.
Trata-se do empréstimo de 700 contos solicitado pela Câmara Municipal de Vila Velha de Ródão destinado à obra de construção da rede de esgotos na sede do concelho e na povoação de Porto do Tejo. Foi autorizado por portaria publicada no Diário do Governo n.º 2, II série, de 4 de Janeiro de 1960.
Trata-se do empréstimo de 2.000 contos destinado ao abastecimento de água a Vila Nova de Foz Côa. Foi autorizado por portaria de 25 de Outubro de 1961.
Trata-se do pedido de empréstimo de 300 contos, destinado ao abastecimento de água a Vila Real de Santo António. Desconhece-se se o empréstimo foi concedido.
Processo das Escolas do Torne e do Prado: distribuição de prémios pecuniários, relação de alunos vestidos no natal, donativos de particulares, relação de alunos aprovados em exames oficiais, relação de alunos inscritos na Escola do Prado, Classe Infantil, programas de festas escolares, relatório da Escola do Prado (1951-1952), relatório do curso noturno (1938), discursos, sessão de homenagem à professora Laurinda da Silva Rebelo, estatísticas de exames, relação de alunos aprovados no exame de admissão de 1951 para a Escola Comercial e Industrial de Vila Nova de Gaia (antiga Passos Manuel), Escola Industrial Infante D. Henrique e Liceu Alexandre Herculano. Contém ainda elementos estatísticos da Associação dos Antigos Alunos das Escolas do Torne e do Prado (1935 a 1955), receitas e despesas das escolas.
O Convento das Chagas de Vila Viçosa era feminino e pertenceu primeiro à Província da Piedade e depois à Província dos Algarves, da Ordem dos Frades Menores. Em 1530, foi fundado, por bula de Clemente VII, com o título de Real Mosteiro das Chagas de Cristo, a pedido do Duque de Bragança D. Jaime, para panteão das duquesas e para morada de religiosas clarissas. Em 1534, o papa Paulo III confirmou a bula anterior, e concedeu autorização para a fundação do Convento mais faustoso da vila, porque quase todas as professas provinham da melhor nobreza do Alentejo e do reino. Foi sua primeira abadessa madre Soror Maria de São Tomé, freira professa da Conceição de Beja, irmã de Dona Joana de Mendonça, mulher de D. Jaime, duque de Bragança. O convento tinha sido anteriormente ocupado por freiras agostinhas, que saíram para fundar o Convento de Santa Cruz de Vila Viçosa. A instituição foi suportada com a anexação ao cenóbio das comendas de São Miguel de Baltar e Santo Estêvão da Chancelaria, com a sua igreja de São Bartolomeu da Margem. Mas só depois de 1539, a comunidade se instalou. No reinado de D. João V, foi remodelado o edifício. Em 1834, no âmbito da "Reforma geral eclesiástica" empreendida pelo Ministro e Secretário de Estado, Joaquim António de Aguiar, executada pela Comissão da Reforma Geral do Clero (1833-1837), pelo Decreto de 30de Maio, foram extintos todos os conventos, mosteiros, colégios, hospícios e casas de religiosos de todas as ordens religiosas, ficando as de religiosas, sujeitas aos respectivos bispos, até à morte da última freira, data do encerramento definitivo. Os bens foram incorporados nos Próprios da Fazenda Nacional. Em 1905, foi encerrado, por falecimento da última freira.
Unidade de instalação
Auto de arrematação de alargamento da entrada da casa dos Paços do Concelho desta vila.
Ordens de culto realizadas na Igreja Lusitana: Igreja de S. Paulo em Lisboa, Escola Dominical do Monte Pedral e Igreja de S. João Evangelista, Vila Nova de Gaia.
Esta série é composta por correspondência recebida (cartas, telegramas e convites), no âmbito das comemorações do centenário do templo de S. João Evangelista, Torne - Vila Nova de Gaia.
Feito pelo desembargador Dr. Álvaro Fernandes. Escrivão João Lopes. Inclui três Tombos: o primeiro, datado de Beja, 3 de março de 1509; o Tombo 2 "Tombo da Confraria de Santa Maria da Feira desta vila de Beja e este é para ser posto na Câmara da dita vila", datado de Beja, 22 de maio de 1509 (f. 1 a 44); Tombo 3 "Tombo do Hospital Grande a que chamam o Hospital de Santa Maria da Piedade desta vila de Beja, instituído e ordenado por el rei D. Manuel, nosso senhor e que todos os outros hospitais da dita vila estão anexos" (f. 1 a 54). Encadernação em pergaminho, vestígios de fecho.
Unidade de instalação
Projetos de Vila Viçosa.
Trata-se do empréstimo de 1.600 contos destinado à construção de um matadouro na sede do concelho. Foi autorizado por portaria publicada no Diário do Governo n.º 274, II série, de 23 de Novembro de 1945.
Trata-se do empréstimo de 200 contos destinado à electrificação da sede do concelho. Foi autorizado por portaria publicada no Diário do Governo n.º 63, II série, de 14 de Março de 1952.
Trata-se do empréstimo de 750 contos destinado ao abastecimento de água (250 contos) e obras de esgotos (500 contos). Foi autorizado por portaria publicada no Diário do Governo n.º 249, II série, de 27 de Outubro de 1970.
Irmandades e/ou Confrarias em Vila Viçosa
Correspondência relativa ao concelho de Vila Real.
Correspondência relativa ao concelho de Vila Real.
Correspondência relativa ao concelho de Vila Real.
Correspondência relativa ao concelho de Vila Real.
Correspondência relativa ao concelho de Vila Real.
Correspondência relativa ao concelho de Vila Real.
Correspondência relativa ao concelho de Vila Real.
Copiador de correspondência enviada para a Spanish and Portuguese Aid Society sobre verbas recebidas pela igreja de Jesus, Setúbal, Porto e Vila Nova de Gaia.
Trata-se do pedido de empréstimo de 200 contos destinado à construção de uma esplanada à beira-mar (150 contos), construção de um bar (20 contos), construção de barracas, bancos e outros melhoramentos na praia (30 contos). Desconhece-se se o empréstimo foi concedido.
Trata-se do empréstimo de 112.163$15 destinado à canalização e distribuição de água à sede do concelho. Foi autorizado por portaria publicada no Diário do Governo n.º 162, II série, de 15 de Julho de 1941. O pedido inicial montava a 150 contos e destinava-se à pavimentação e regularização de todas as ruas e largos da sede do concelho e construção do novo edifício dos Paços do Concelho.
Arrolamento dos bens cultuais da freguesia de Vila Verde, distrito de Braga, concelho de Vila Verde, constando de: Igreja Paroquial de Vila Verde; Capela de Santo António.
Arrolamento dos bens cultuais da freguesia de Vila Flor, distrito de Bragança, concelho de Vila Flor, constando de: Igreja Paroquial de Vila Flor.
Arrolamento dos bens cultuais da freguesia de Vila Chã, distrito de Porto, concelho de Vila do Conde, constando de: Igreja Paroquial de Vila Chã.
Arrolamento dos bens cultuais situados na freguesia de Vila Meã, concelho de Vila Nova de Cerveira, distrito de Viana do Castelo, constando de: Igreja Paroquial de Vila Meã.
Arrolamento dos bens cultuais da freguesia de Vila Chã, concelho de Alijó, distrito de Vila Real, constando de: Igreja Matriz de Vila Chã.
Arrolamento dos bens cultuais da freguesia de Vila Jusã, concelho de Mesão Frio, distrito de Vila Real, constando de: Igreja de Vila Jusã; Capela de São Sivestre.
Arrolamento dos bens cultuais da freguesia de Vila Cova, concelho e distrito de Vila Real, constando de: Igreja Paroquial de Vila Cova; Capela em Mascoselo.
Cópia dos Estatutos da União Portuguesa de Esforço Cristão que engloba as igrejas evangélicas Metodista e Lusitana, do Porto e Vila Nova de Gaia.
Auto de arrematação dos impostos municipais nas freguesias desta vila, Pinheiro, Palmaz e Travanca, com o talho do Serro, para o ano de 1856 a 1857.
Referência aos vários nomes dados à Vila Franca.