Type

Data source

Date

Thumbnail

Search results

You search for rosa and 100,452 records were found.

Outras formas do nome: Maria Leonarda do Coração de Maria Idade: 40 anos Crime/Acusação: fingir virtudes e favores especiais de Deus para ser tida por santa Naturalidade: Salvaterra Morada: Lisboa Pai: Manuel Carvalho Mãe: Rosa Ferreira Estado civil: casada Cônjuge: Francisco Duarte Carocho, barqueiro Data da prisão: 19/11/1789 Sentença: auto-da-fé de 07/08/1794. Açoitada publicamente, degredo por sete anos para a Casa da Correcção da Corte, sem comunicação com o exterior, penitências impostas.
Breve apontamento biográfico acerca de Joaquim Teodoro da Rosa, natural de Setúbal. Contém referências datadas do século XIX.
O Mosteiro de Nossa Senhora da Rosa de Lisboa era feminino, e pertencia à Ordem dos Pregadores (Dominicanos). Também era conhecido por Convento da Rosa ou Convento do Rosário. Em 1519, foi fundado este convento da regular observância, por iniciativa de Luís de Brito e de sua mulher, D. Joana de Ataíde. Em 1521, a 21 de Novembro recebeu as primeiras religiosas, sendo três oriundas do Mosteiro de Jesus de Aveiro e uma do Mosteiro das Donas de Santarém, e ainda nove noviças. A primeira abadessa foi a madre Francisca de São Jerónimo. Em 1551, a comunidade era composta por trinta e três freiras e doze servidores e o mosteiro dispunha de uma renda anual de quinhentos cruzados. Em 1755, o edifício do mosteiro ficou destruído, e as religiosas recolheram ao Mosteiro de Santa Joana de Lisboa.
O Mosteiro de Nossa Senhora da Rosa de Caparica era masculino, e pertencia à Ordem dos Eremitas de São Paulo, Primeiro Eremita. Teve origem em eremitério fundado possivelmente ainda no séc. XIV ou nos primeiros anos da centúria seguinte, no lugar dito da Barriga, no termo de Almada, referido também, noutros documentos do séc. XV, por Cela Nova. Conforme testemunho do regedor da casa em 1445, o lugar, habitado desde a sua fundação por pobres eremitas, fora reformado por Mendo Seabra (1442?), com a ajuda dos reis D. João I e D. Duarte e do Infante D. João, mestre de Santiago. Sujeitando-o então à Serra de Ossa, nomeou o clérigo João Eanes como regedor deste eremitério e dos de Alferrara e Mendoliva, e nele colocou outros pobres. Em 1458, pela bula "Speciali gratia", Pio II concedia-lhes a isenção do pagamento da dízima sobre os frutos das herdades da provença. Em 1466, consta da lista das casas sujeitas à Serra de Ossa. A partir do primeiro quartel do séc. XVI, a casa já surge referida como de Santa Maria da Rosa. A este cenóbio seriam anexados, em 1645, os bens do extinto mosteiro da Junqueira. Em 1834, no âmbito da "Reforma geral eclesiástica" empreendida pelo Ministro e Secretário de Estado, Joaquim António de Aguiar, executada pela Comissão da Reforma Geral do Clero (1833-1837), pelo Decreto de 30 de Maio, foram extintos todos os conventos, mosteiros, colégios, hospícios e casas de religiosos de todas as ordens religiosas, ficando as de religiosas, sujeitas aos respectivos bispos, até à morte da última freira, data do encerramento definitivo. Os bens foram incorporados nos Próprios da Fazenda Nacional.
Outras formas do nome: Rosa Pinto Eleutério
Outras formas do nome: Rosa Maria Oliveira
Outras formas do nome: Cândida Rosa Pereira
Outras formas do nome: Rosa Pereira Coelho
Outras formas do nome: Maria Rosa Gonçalves
Outras formas do nome: Maria Rosa Gonzalez
Carta. Legitimação. Filiação: Maria Clara, e Manuel António da Rosa.
Alvará. Tença de 5$000 rs cada ano no Almoxarifado de Mazagão. Filiação: Afonso Leitão Rosa.