Type

Data source

Date

Thumbnail

Search results

You search for jornais and 1,954 records were found.

Contém processos referentes às sessões dos dias: 30/4/1979; 7/5/1979; 14/5/1979; 21/5/1979; 28/5/1979; 4/6/1979; 11/6/1979; 19/6/1979; 25/6/1979; 2/7/1979; 9/7/1979; 16/7/1979; 23/7/1979; 30/7/1979. Estas sessões não têm actas finalizadas. Cada processo inclui uma anotação que remete para a gravação da reunião e, na generalidade dos casos, elementos de apoio à elaboração da acta (notas com lista de presenças, sumário de assuntos tratados, apontamentos sobre as intervenções) e documentos que constituiriam anexos à mesma (comunicado sobre a sessão, correspondência, projecto de regulamento interno, propostas, requerimentos, entre outros). Para além dos debates directamente relacionados com a recepção de queixas, recursos ou pedidos de parecer, são tratados alguns outros assuntos, nomeadamente: Revisão da Lei de imprensa; estatuto das empresas públicas dos jornais Notícias e Capital (EPNC) e Século e Popular (EPSP); estatuto do jornalista; controlo de tiragens; direito de resposta; acesso à informação: o direito a informar e a ser informado; problema do papel. Refira-se, ainda, sobre o funcionamento do Conselho de Imprensa: regulamento interno do Conselho; serviço de apoio; criação de Núcleo de Relações Internacionais; organização de conferências sobre problemas da informação.
Contém processos referentes às sessões dos dias: 3/10/1977; 10/10/1977 (não realizada por falta de quórum); 17/10/1977; 24/10/1977; 7/11/1977; 14/11/1977; 21/11/1977; 28/11/1977; 5/12/1977; 19/12/1977. Cada processo inclui, na generalidade dos casos, acta finalizada com lista de presenças, sumário dos assuntos tratados em reunião, síntese ou transcrição das intervenções, texto do comunicado referente à sessão; alguns processos incluem anexos à acta (correspondência, queixas, recortes de imprensa, entre outros). As sessões realizadas nos dias 17 de Outubro, 5 de Dezembro e 19 de Dezembro não foram transpostas para acta (finalizada); nestes casos existe uma anotação que remete para a gravação da reunião, bem como outra documentação de apoio à elaboração da acta. Para além dos debates directamente relacionados com a recepção de queixas, são tratados alguns outros assuntos, nomeadamente: Revisão da Lei de imprensa; projecto de Lei n.º 49/I do PSD sobre o Conselho de Imprensa; regulamentação da publicação na imprensa de imputações feitas a arguidos não condenados; classificação de publicações periódicas; curso de jornalismo; a CP e o transporte de jornais; subsídios à imprensa regional; abaixo-assinado de jornalistas da RTP; medidas do Governo sobre reestruturação da imprensa. Refira-se, ainda, sobre o funcionamento do Conselho de Imprensa: quórum do plenário; eleição de membros cooptados e do vice-presidente; projecto de regulamento da instrução das queixas apresentadas ao Conselho de Imprensa.
Contém processos referentes às sessões dos dias: 7/11/1983; 14/11/1983; 21/11/1983; 28/11/1983; 5/12/1983; 12/12/1983; 27-28/12/1983. Estas sessões não têm acta finalizada. Cada processo inclui uma anotação que remete para a gravação da reunião e, na generalidade dos casos, elementos de apoio à elaboração da acta (notas com lista de presenças, sumário de assuntos tratados, apontamentos sobre as intervenções) e documentos que constituiriam anexos à acta: correspondência, queixas, propostas, relatórios, declarações de voto, comunicados, entre outros. O processo da sessão de 28 de Novembro inclui textos de intervenções no seminário "A informação nos meios audio-visuais: concorrência com a imprensa escrita", nomeadamente comunicações de Frans Vink, João Soares Louro e Afonso Baptista Rato, Gouveia de Albuquerque, Rui Cartaxana, Giovanni Giovannini, José Rebelo, Pinto Garcia, António Jorge Branco. Para além dos debates directamente relacionados com a recepção de queixas, são tratados alguns outros assuntos, com destaque para a análise do anteprojecto de revisão da Lei de imprensa, "caso ANOP", "caso Pedro Cid", aumento do preço dos jornais.
Contém processos referentes às sessões dos dias: 3/11/1986; 10/11/1986; 17/11/1986; 26/11/1986; 15/12/1986; 22/12/1986; 29/12/1986. Estas sessões não têm actas finalizadas. Cada processo inclui uma anotação que remete para a gravação da reunião, alguns elementos de apoio à elaboração da acta (convocatórias, notas com lista de presenças, apontamentos sobre as intervenções) e documentos que constituiriam anexos à mesma (correspondência, recortes de imprensa, queixas, pareceres, propostas, relatórios, declarações de voto, entre outros). Para além dos debates directamente relacionados com a recepção de queixas, recursos ou pedidos de parecer, são tratados alguns outros assuntos, nomeadamente: Publicitação das partes sociais das empresas de comunicação social escrita; Decreto-Lei n.º 358/86, de 27 de Outubro, que estabelece o regime disciplinador da alienação de participações ou bens e instalações detidos pelo Estado em empresas de comunicação social; ante-projecto de "Regime de apoios económicos à comunicação social". Refira-se, ainda, sobre o funcionamento do Conselho de Imprensa: eleição dos membros cooptados; relatórios sobre a situação da imprensa; campanha de divulgação do valor e do papel da imprensa; campanha "Ler jornais é saber mais".
Gravação relativa à segunda parte da reunião referida no título. As anotações deixadas pelo produtor incluem menção dos participantes e dos assuntos tratados. São referidas as presenças de Jorge de Mendonça Torres (presidente do Conselho de Imprensa), Fernando Cascais, Adelino Cardoso, Rui Osório, Oscar Mascarenhas, Edite Soeiro, Froufe dos Santos, Lopes Feijão, Jorge Fernandes, Mário Mesquita, Maria Adelaide Paiva, José Manuel Pereira dos Santos, Silva Marques, Vítor Dias, Mário Beja Santos, Maria Germana Magalhães e, ainda, Jorge Figueiredo e Isabel Ferreira (do serviço de apoio). Quanto aos assuntos tratados nesta parte da reunião, foi concluída a análise do projecto de resposta às cartas das empresas Renascença Gráfica (jornal "Diário de Lisboa"), Presselivre (jornal "Correio da Manhã") e Afinco (jornal "A Tarde"), e da Associação da Imprensa Diária, críticas da posição tomada pelo Conselho de Imprensa (em comunicado de 7 de Janeiro de 1985) relativamente às facilidades concedidas pela banca a alguns jornais privados. Foi, ainda, discutido o controlo de tiragens e sobras de publicações periódicas.
Gravação relativa à segunda parte da reunião referida no título. As anotações deixadas pelo produtor incluem menção dos participantes e dos assuntos tratados. São referidas as presenças de Jorge de Mendonça Torres (presidente do Conselho de Imprensa), Rui Osório, Filomena Fontes, Jaime Machado, Joaquim Barbosa, José Viriato Soromenho Marques, Rita Matias, Vítor Dias, Adelino Cardoso, José Luís de Almeida e Silva, Maria Adelaide Paiva. Quanto aos assuntos tratados nesta parte da reunião, foi concluída a discussão e aprovado o parecer do Conselho de Imprensa acerca das propostas de lei do Governo e projectos de Lei do Partido Socialista (PS) e do Partido Comunista Português (PCP) sobre a lei da radiodifusão e o licenciamento das estações emissoras de radiodifusão, discutido e aprovado o parecer sobre a queixa da Comissão Concelhia de Braga do Partido Comunista Português contra os jornais "O Comércio do Porto" e "Correio dos Minho" e, ainda, discutida a sentença proferida nos autos do processo correcional n.º 956, em que é réu José Rebordão Esteves Pinto.
Gravação relativa à primeira parte da reunião referida no título. As anotações deixadas pelo produtor incluem menção dos participantes e dos assuntos tratados. São referidas as presenças de Jorge de Mendonça Torres (presidente do Conselho de Imprensa), Fernando Cascais, Adelino Cardoso, Rui Osório, Oscar Mascarenhas, Edite Soeiro, Froufe dos Santos, Lopes Feijão, Jorge Fernandes, Mário Mesquita, Maria Adelaide Paiva, José Manuel Pereria dos Santos, Silva Marques, Vítor Dias, Mário Beja Santos, Maria Germana Magalhães e, ainda, Jorge Figueiredo e Isabel Ferreira (do serviço de apoio). Quanto aos assuntos tratados nesta parte da reunião, foi abordada a evolução das palestras comemorativas do X.º aniversário da Lei de Imprensa, realizadas pelo país, e reportadas as decisões dos juris dos concursos instituídos pelo Conselho de Imprensa (concurso de ensaios ou trabalhos de investigação sobre "O direito a informar e o direito a ser informado e os conselhos de imprensa" - prémio "João Chagas", cujo vencedor foi Alberto Arons de Carvalho; de cartoons ou caricaturas sobre "Liberdade de imprensa em Portugal" - prémio "Rafael Bordalo Pinheiro" e prémio "Stuart Carvalhais", cujos vencedores foram João Freitas e José de Almeida). Foi, ainda, iniciada a análise do projecto de resposta às cartas das empresas Renascença Gráfica (jornal "Diário de Lisboa"), Presselivre (jornal "Correio da Manhã") e Afinco (jornal "A Tarde"), e da Associação da Imprensa Diária, críticas da posição tomada pelo Conselho de Imprensa (em comunicado de 7 de Janeiro de 1985) relativamente às facilidades concedidas pela banca a alguns jornais privados.
Gravação relativa à primeira parte da reunião referida no título. As anotações deixadas pelo produtor incluem menção dos participantes e dos assuntos tratados. São referidas as presenças do presidente do Conselho de Imprensa (Jorge de Mendonça Torres), Edite Soeiro, José Manuel Marques, Maria Filomena Fontes, Rui Osório, Alberto Arons de Carvalho, Mário Neves, Cordeiro Pereira, José Luís de Almeida e Silva, Rita Matias, Sarmento Moniz, Jaime Machado, Fernando Cascais, Adelino Cardoso, Adriano Lucas e Maria Adelaide Paiva. Quanto aos assuntos tratados nesta parte da reunião, antes da ordem do dia foi comunicada a designação de Agustina Bessa Luís para o Conselho de Imprensa. Dos assuntos da ordem do dia, foi discutida a proposta de parecer sobre a queixa da Associação de Futebol de Salão de Lisboa contra o jornal "A Bola" e apresentada proposta de metodologia para o processo de discussão e votação de documentos sujeitos à apreciação do plenário. Foi, ainda, iniciada a prestação de informações sobre o plano para a Campanha "Ler jornais é saber mais".
Inclui um dossier com informações redigidas por João Teixeira da Mota em 27 de Maio de 1976, sobre adesão de Portugal ao tratado de não proliferação de armas nucleares e uma outra, redigida em 25 de Maio de 1976, sobre a "proibição de acções que visem alterar o meio ambiente e o clima para fins militares ou outros fins hostis, incompatíveis com a manutenção da segurança internacional o bem-estar e a saúde dos seres humano"; informação, redigida por Augusto Deslandes em 27 de Maio de 1976, sobre a redução dos orçamentos militares; informação, redigida por Leão Lourenço em 25 de Maio de 1976, sobre a proposta soviética para a conclusão de um tratado sobre a interdição completa e geral de ensaios com armas nucleares; informação, redigida por Augusto Deslandes em 25 de Maio de 1976, relativa à declaração sobre o reforço de segurança internacional; informação, redigida por Leão Lourenço em 20 de Maio de 1976, sobre a projectada reforma da carta da ONU e a posição da U.R.S.S.; informação, redigida por Augusto Deslandes em 26 de Maio de 1976, sobre a Conferência Mundial de Desarmamento. Contém ainda um segundo dossier com o discurso proferido, a 3 de Junho de 1976, por Andrei Gromiko, em russo e respectiva tradução para português; telegramas distribuídos pela agência TASS e recortes de jornais russos ("Izvestia", "Pravda") referindo-se à visita de Ernesto Melo Antunes à União das Repúblicas Socialistas Soviéticas.
Gravação relativa à primeira parte da reunião referida no título. As anotações deixadas pelo produtor incluem menção dos participantes e dos assuntos tratados. São referidas as presenças do presidente do Conselho de Imprensa (Jorge de Mendonça Torres), Alberto Arons de Carvalho, João Bonifácio Serra, José Cordeiro Pereira, José Luís de Almeida e Silva, José Manuel Marques, Agustina Bessa Luís, Mário Neves, Joaquim Barbosa, Rui Osório, Adelino Cardoso, Sarmento Moniz, Fernando Cascais e Maria Adelaide Paiva. Quanto aos assuntos tratados nesta parte da reunião, foi lida a correspondência recebida, discutida e aprovada a proposta de parecer sobre a queixa do jornalista Paulo Barcelos contra o administrador da União Gráfica Angrense (empresa proprietária do jornal "A União") por alegada censura. Foi, ainda, iniciada a discussão sobre o projecto de parecer relativo à exposição do Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias de Celulose, Fabricação e Transformação do Papel, Gráfica e Imprensa do Sul e Ilhas - Secretariado Nacional de Angra do Heroísmo, contra os jornais "Diário Insular" e "União".
Gravação relativa à primeira parte da reunião referida no título. As anotações deixadas pelo produtor incluem menção dos participantes e dos assuntos tratados. São referidas as presenças do presidente do Conselho de Imprensa (Jorge de Mendonça Torres), Fernando Cascais, Adelino Cardoso, Rui Osório, Maria Filomena Fontes, Manuel Sebes Rodrigues, João Vilas Boas, José Luís de Almeida e Silva, Alberto Arons de Carvalho, Cordeiro Pereira, Sarmento Moniz, Miguel Lobo Antunes e, ainda, Jorge Figueiredo, Jorge Teixeira e Alcinda Martins (do serviço de apoio). Quanto aos assuntos tratados nesta parte da reunião, antes da ordem do dia foi discutida a atitude a tomar pelo Conselho de Imprensa perante o não acatamento da deliberação do Conselho de Imprensa pela Direcção-Geral da Lusa, bem como perante a publicação de um artigo pelo jornal "Tempo" em que o Conselho de Imprensa é visado; foram, ainda, produzidos esclarecimentos quanto ao andamento da Campanha "Ler jornais é saber mais", e também quanto à actividade da Comissão Política de Informação. Dos assuntos da ordem do dia, a ausência de propostas de parecer sobre os casos em análise suscitou discussão sobre o funcionamento do Conselho de Imprensa; foi, ainda, iniciada a análise da proposta de parecer apresentada por Cordeiro Pereira sobre a queixa de Maria Braga contra o jornal "O Comércio do Porto".
A secção refere-se à actividade profissional de João Brito Câmara, como advogado, desde os seus estudos em Direito, na Universidade de Coimbra. Constitui-se nas três séries seguintes: Comemorações do curso de Direito de Coimbra, de 1927 a 1932, Artigos sobre julgamentos de João Brito Câmara e Correspondência diversa recebida e expedida. Embora muito escassa para a sua longa actividade, a documentação revela que João Brito Câmara procurou dinamizar a sua profissão de jurista, quer através de contactos pessoais com outros seus pares, quer através da aquisição de publicações sobre Direito para a Biblioteca da Ordem dos Advogados, no Funchal. E, também, tentou aproximar os tribunais do cidadão comum, ao publicar alguns dos seus polémicos julgamentos em opúsculos e jornais. João Brito Câmara foi Delegado da Ordem dos Advogados, na Ilha da Madeira, em 1953. A sua vida profissional inspirou alguns dos seus poemas como em "Hasta Pública" e "Audiência" do livro Relance (1942), coligido em Poesias Completas (Coimbra, Atlântida Editora, 1967, p. 64-66 e 70-75).
Contém a carta de Albino de Sousa Cruz, Porto, dirigida ao Dr. Salazar a oferecer-lhe três volumes da "História da Colonização Portuguesa do Brasil", editados em Portugal e colocados no Brasil. A obra traz a lume a verdade histórica "Os portugueses não descobriram o Brasil 'por acaso", segundo os estudos e documentação apresentada pelos Doutores Leite e Luciano Pereira da Silva, na citada obra. O autor da carta diz: "desde então até hoje, nem no Brasil nem na Espanha apareceu quem quer que fosse a contestar as nossas afirmações sobre a prioridade, a preparação consciente e a execução propositada dos descobrimentos portugueses nas costas do extenso território que depois se chamou Brasil". Albino de Sousa Cruz sugere ao Dr. Salazar que seja retirado definitivamente do ensino (nas escolas) a lenda do descobrimento do Brasil "por acaso". Integra também cartas relativas à viagem com destino a Portugal. O autor informa o Dr. Salazar que fundaram o Instituto de Alta Cultura Luso Brasileiro, de reuniões com embaixadores, entre outros. Reúne recortes de jornais do Brasil, bem como cartas acerca de conferências realizadas no Gabinete Português de Leitura, nomeadamente do "Dr. Jaime Cortesão sobre a ação dos portugueses na descoberta da Califórnia", entre outros. Contempla o recorte de jornal sobre a Lei Brasileira relativa a casamentos com estrangeiros realizados na Embaixada de Portugal no Brasil, a propósito do casamento de Duarte Nuno com a Princesa D. Maria Francisca.
Documentação referente ao processo de liquidação da casa Bancária Pinto Fonseca e Irmão, iniciado em 1932. Neste processo de liquidação há a salientar a correspondência da comissão liquidatária com os devedores da casa Pinto Fonseca e Irmão,referência ao relatório sobre as minas de Gondomar (ouro e antimónio). Em Outubro de 1933 a comissão liquidatária coloca à venda as minas de ouro e antimónio, denominadas Ribeiro da Serra Fontinha e Formiga e sitas em Medas, Concelho de Gondomar e coloca também à venda as minas de volframite , Blenda, Galena denominadas Ribeiro de Salgueiro, Cova dos Mouros, Tapada e Gesteira e sitas nas freguesias de Arga de Cima e Arga de Baixo Concelho de Caminha. Inclui os anuncios colocados nos jornais o Primeiro de Janeiro, Comércio do Porto e Jornal de Noticias, no dia 10 e 14 de Janeiro de 1934, relativos às arrematações de minas, créditos, papeis de crédito,cotas e participações. A comissão liquidatária da firma tinha a sede no Largo do Corpo da Guarda, nº 2 na cidade do Porto e tinha um prazo limite imposto pela Inspecção do Comércio Bancário para a liquidação dos valores activos da firma.
Dirigido pelos advogados Artur Santos Silva e Francisco Manuel Lumbrales Sá Carneiro, e realizado na Cooperativa do Povo Portuense no dia 3 de dezembro de 1966. Contém: - carta enviada à Cooperativa do Povo Portuense solicitando uma sala para a realização deste evento e respetiva carta de resposta com aceitação; - requerimento enviado ao Governador Civil do Porto pedindo autorização para a realização do mesmo; - carta enviada à Cooperativa do Povo Portuense solicitando a alteração da data para a sua realização e respetiva carta de resposta aceitando a nova data proposta; - cartas enviadas aos jornais "Diário de Lisboa", "O Primeiro de Janeiro" e "O Comércio do Porto", solicitando a publicação da realização desta atividade; - carta recebida da Cooperativa do Povo Portuense informando da sala e respetivo andar; - carta da Direção agradecendo a colaboração da Cooperativa do Povo Portuense nesta iniciativa; - fotocópia do relatório semanal da PIDE - Delegação do Porto referente à atividade desta Cooperativa durante o período compreendido entre 4 a 10 de dezembro de 1966, onde fazem uma análise deste colóquio.
Contém: Correspondência para José da Silva Carvalho de Lord Howard de Walden, John Hatt Noble, Benjamim Oliveira, Thomas Collins. Correspondência para o duque de Terceira de Agostinho José Freire e outros. Correspondência da secretaria de estados dos Negócios Estrangeiros - negócios com a Santa Sé. Correspondência do Ministro dos Negócios Estrangeiros (Visconde de Almeida Garret). Carta do secretário de estado dos Negócios Estrangeiros a Sir Thomas Sorell, consul britânico no Porto, transmitindo ordens do rei D. Pedro IV relativas às negociações em curso em Madrid. Outra documentação: discurso de José da Silva Carvalho sobre a sucessão do reino. Notícias várias sobre o andamento da guerra civil, carta de Inácio Pedro Quintela Emauz ao duque da Terceira felicitando-o pela tomada de Lisboa, em 24 de julho de 1833, situações ocorridas em Lisboa depois da conquista da capital, proposta relativa à despesa com os batalhões nacionais, documentação sobre a dívida pública portuguesa e empréstimos ao estrangeiro, documentação sobre o Banco de Lisboa, correspondência para o visconde d'Alte, "Extracto do Diário Fluminense" de 2 de janeiro de 1829, conjunto de documentação intitulada "tradução do despacho telegráfico em cifra dirigido pelo visconde d'Alte ao governo de Sua Majestade em 11 de novembro de 1858", pareceres sobre legislação, apontamentos vários, instruções, relações diversas, extratos de jornais, propostas de leis, despachos, decretos, reflexões, relatos de acontecimentos, entre vária outra documentação.
Contém documentação relativa a audiências solicitadas pelo Conselho de Imprensa a diversas entidades, nomeadamente: ministro da Administração Interna (Ângelo Correia), ministro de Estado e dos Assuntos Parlamentares (Almeida Santos), presidentes da Assembleia da República (Fernando Amaral e Vítor Crespo), secretário de Estado Adjunto do Ministro Adjunto e da Juventude (Albino Soares), secretário-geral da Assembleia da República (Fernando Simões Alberto), ministro da Justiça (Fernando Nogueira), primeiro-ministro (Cavaco Silva), presidente da República (Mário Soares), e vários grupos parlamentares; contém, igualmente, documentação relativa a entrevistas e audiências concedidas pelo presidente do Conselho de Imprensa (José Maria Gonçalves Pereira) ao programa de televisão Clube de Jornalistas, à Direcção do Sindicato dos Jornalistas, à revista "Sábado", ao jornal "Diário de Lisboa" e ao "Diário de Notícias". A documentação é constituída por correspondência e notas com a marcação, a preparação de agenda e/ou decisões tomadas nas reuniões; legislação, relatórios e outros documentos de suporte ao tratamento dos assuntos em agenda; comunicados; recortes de imprensa. Inclui, ainda, um dossier relativo a visitas efectuadas pelo Conselho de Imprensa a órgãos de comunicação social (nomeadamente, à Empresa Pública dos Jornais Notícias Capital e à Empresa Pública do Diário Popular), um artigo do presidente do Conselho de Comunicação Social (Artur Portela) publicado no "Diário de Notícias" de 15 de Julho de 1987, e o discurso do presidente do Conselho de Imprensa (José Maria Gonçalves Pereira) na tomada de posse de novos membros do Conselho de Imprensa, em 22 de Janeiro de 1990.
Contém a carta do Dr. Nicolau Firmino, residente em Lisboa, Professor e Proprietário da Livraria e Papelaria "Académica de D. Filipa", Rua Desidério Beça, Lisboa, dirigida ao Dr. Salazar. O autor informa que recebeu do Brasil uma encomenda de "um desconhecido maçónico para eu divulgar em Portugal a sua obra recente e clandestinamente intitulada "A Maçonaria e o Cristianismo". A mesma tem na capa final, exterior, "um parecer dum patife - Agripino Grieco -, que tem escrito em vários jornais do Brasil", a difamar o Governo e Instituições de Portugal. Remete a obra ao Dr. Salazar. O Dr. Nicolau Firmino também dá a sua opinião sobre a aprendizagem do latim, dizendo "defendo o latim livre de interesses materiais. Enquanto nos Seminários de Portugal e no Brasil se estudar latim, dispenso que os alunos dos Liceus comprem os meus livrecos, e que sejam ou não aprovados". Integra "Reclamações contra o ensino liceal", nas quais o autor faz reparos ao elevado peso dos livros "calhamaços" que os alunos carregam, porque rebentam as pastas escolares e nem todos os pais dispõem de meios económicos para "pagar a um moço que leve as pastas dos filhos às aulas e lá volte a buscá-las". Por outro lado, os guaches e tintas de desenho devem ser portugueses e não ingleses - estes últimos secam mais depressa, e são mais caros, entre outros. As cartas do Dr. Nicolau Firmino, católico, antigo seminarista, nacionalista, são de uma riqueza de pormenores impressionante, critica tudo o que acha injusto passando por simples funcionários "vigaristas", personalidades, até a "legislação incompreensível" (portuguesa). Diz o autor, a propósito de uns instrumentos musicais doados por Napoleão Estêves, português, empreendedor, residente no Brasil, que após a sua morte deixou à mulher e ao filho a incumbência de remetê-los para Portugal. Ora, como tinham de passar pela Alfândega, ocorreram uma série de peripécias devido ao pagamento dos direitos. Assim o autor diz: "há três meses que ando neste fadário, de casa de Pilatos para casa de Caifás, no sentido de levantar os instrumentos (...) o Erário Português não está tão pelintra que precise destes mil escudos para equilíbrio do Orçamento da Nação". Contempla 3 exemplares da Revista "Careta", Diretor Roberto Schmidt, N.º 2.426, 2.427, e 2.544 dos anos 1954-1955; 1957. Trata-se de uma revista humorística, com notícias de factos políticos, variedades, sociedade, entre outros. O Professor Nicolau Firmino é correspondente da mesma. O N.º 2.426 contém um artigo da sua autoria acerca de Goa. O N.º 2.544 de março de 1957 cobre o evento da vinda da Rainha Isabel II de Inglaterra a Portugal, cujo artigo é da autoria de Nicolau Firmino. Reúne cartas, recortes de jornais, jornais, relacionados com diversos assuntos políticos, mas também sobre personalidades do Governo Brasileiro, Igreja Portuguesa, jornalistas, entre outros. O autor acompanha muitos dos visitantes a Portugal ao Hotel. Paga-lhes a estadia, visita os arredores de Lisboa, e dá conta de tudo ao Doutor Salazar, até do péssimo estado das estradas. Ao mencionar a visita do engenheiro eletrotécnico Frantz Manach, chefe do seu sobrinho e afilhado Nicolau Firmino Júnior "que nas Minas da Panasqueira aprendeu a profissão de eletricista com um engenheiro inglês. Emigrante na Venezuela onde trabalha numa Companhia Francesa, é responsável por "100 operários portugueses". De modo que em Portugal, Nicolau Firmino serviu de cicerone ao engenheiro e esposa. Todavia, aponta um facto negativo, isto é: "é lamentável que nos outros Museus e Palácios os cicerones não percebam nem falem uma palavra de Francês ou de Inglês (...)". Fiel ao Estado Novo, o autor em uma das cartas diz: "Com a veneração, o reconhecimento e a lealdade de sempre tenho a honra de comunicar alguns assuntos luso-brasileiros, e outros, e de os documentar com papeis diversos, cuja devolução dispenso, podendo ser rasgado...". Vai enumerando várias informações ou chamadas de atenção, veja-se a primeira quando refere: "Afinal vai prestar provas orais do exame do segundo ano do Liceu de Pedro Nunes, o menino Reinaldo Paes Barreto, filho do Cônsul Dr. Ruy Barreto (...). Também no Liceu de Oeiras faz exame do 5.º ano o menino Jorge Câmara Canto, filho do Ministro Dr. António Câmara Canto, moço que tenciona ir concluir os estudos de engenharia na Bélgica. Convém providenciar para evitar que tais jovens sejam reprovados...". Outro conjunto de jornais e cartas, importante, reporta-se ao General Humberto Delgado. Inclui uma nota manuscrita de Nicolau Firmino a acompanhar um "Brevíssimo Catálogo de Bibliografia Portuguesa". 1950, pago à sua custa, "na divulgação do livro português, no Ministério da Educação do Brasil, mais de 40.000$00" imp. A mencionada nota tem o título sugestivo: "Um escandalozinho... Álvaro Lins esteve preso em Madrid!!!", prossegue "o meu filho chegou hoje de Madrid, trazendo na sua bagagem umas malas do Embaixador Câmara Canto que contou ao meu filho o enxovalho, a humilhação que notou no Álvaro Lins, quando teve de recorrer ao seu inimigo, para ser libertado da prisão, onde fora metido com a mulher, o deputado comunista Julião, das Ligas Operárias, e outros comunistas vindos de Cuba, para Madrid, de avião, sem passaportes... E o Embaixador disse que teve dificuldade de os libertar e de os recambiar para o Brasil. Que vergonha!! Irá ele agora escrever também um livro contra Franco: Missão (comunista) em Espanha?". Integra fotografias com o Dr. Salazar, e privadas: uma da sua filha a Dr.ª Fernanda Firmino com 22 anos, professora de Latim, dos prédios urbanos e rústicos situados em Póvoa de Midões, Beira Alta, bem como da doação de alguns bens à sua terra natal. Neste conjunto documental refira-se o "Relatório sobre umas férias de Natal 'Bucólicas e Geórgicas' muito ocupadas na Agricultura, na Beira Alta", entre outros.
Rendeiro da administração da Quinta dos Caniços. Relação assinada por Domingos António Soveral. Documentos de 1784 e 1785. Refere pagamento aos azeitoneiros, despesas feitas com os que podraram e cavaram a vinha, rol do cordoeiro, recibo do pagamento do tributo da peita, recibo da sisa, despesas com o pagamento dos lavradores das sementeiras do lilho, despesas com o preparo e levantamento dos tonéis da adega, pagamento às pessoas que sacharam o milho, despesas com o pagamento das paessoas que andaram no apanho e recolhimento do milho e feijão, róis dos mestres ferreiros da obra que fizeram para a abegoaria da quinta, jornais pagos aos carpinteiros da abegoaria, pagamento aos homens que arrancaram cepa, rol do tanoeiro da barquinha, pagamento a todos os que serviram no cultivo da quinta, pagamento da gente do apanho da azeitona, pagamento da obra de tanoeiro, despesas com a ceifa do pão, recibo do pagamento das pastagens do Paul onde pastavam as éguas, despesas com a poda e cava da vinha, recibo do pagamento das pastagens do casal da comenda, recibo do pagamento do subsídio dos vinhos, pagamento das pessoas que andaram na vindima, pagamento das geiras aos lavradores de fora, despesas com a ceifa da erva da lameira para feno, despesas com a sacha do milho, despesas com o recolhimento do milho e legumes, depesas com as pessoas que mondaram o pão, muito sujo de erva.
Documentação provavelmente referente a José Basílio Rademaker (pai de Carlos João Rademaker, jesuíta). Inclui correspondência recebida por José Basílio Rademaker, de cartáter particular e profissional. Entre os remetentes encontram-se Mr. de Rossi (secretário da municipalidade de Chieri), frei António da Virgem Maria, Francisco Emery, cónego Cartollengo, Manuel Joaquim Guerreiro, marquês de Lavradio, Mr. Cabrera, José Maria de Sales Ribeiro, Lorenzo Rizzi, Duarte Cardoso de Sá, Damiel Frizoni, José Maria Borges da Silveira, António Roque de Andrade entre outros. As cartas são escritas de Chieri, Lisboa, Turim, Génova, Estrasburgo, Viena, Tomar, Rio de Janeiro, etc. Abordam temas como o pagamento de impostos em Chieri, educação da filha Maria Filomena, proposta de compra de courelas na quinta da Palma de Cima, subscrição de jornais e periódicos, convite para eventos, rendas de herdades, bilhete da lotaria da Misericórdia de Santarém, etc. Integra alguma correspondência dirigida e remetida por José Basílio Rademaker, na qualidade de oficial-maior da Secretaria de Estado dos Negócios Estrangeiros, sobre o casamento de um português, Marcelino Gonçalves, em Chieri, sobre o decreto da sua demissão do cargo de oficial maior da secretaria de Estado dos Negócios Estrangeiros (1833), suposição do estado de solteiro, embolso de letras, etc. Contém também diversos apontamentos: - "Prediction remarquable de Bartholomée Holzhauser (+ 1658)" - "Miscelanea"
Contém a seguinte documentação: Documentos de contabilidade (notas de caixas, recibos, relações de receitas) dos Caminhos de Ferro Portugueses e dos Caminhos de Ferro de Medina del Campo a Salamanca; Notas de débito ao Sindicato Portuense e à Companhia Real dos Caminhos de Ferro Portugueses; Notas de débito ao Sindicato Portuense dos jornais “Diário Popular”, “Comércio de Portugal”, “Diário da Manhã”, “Gazeta da Noite”, “Correio da Noite”, “Ao País”, “Diário de Portugal”, “A Revolução de Setembro”, Diário de Notícias”, ”A Democracia”, “O Figaro”, “Jornal da Noite” e “O Povo Ultramarino”; Projeto de conversão para pagamento aos credores; Tabela de pessoal e obrigações hipotecárias dos Caminhos de Ferro de Salamanca à fronteira portuguesa; Projeto dos estatutos da Companhia de Caminhos de Ferro de Salamanca a Vilar Formoso; Extrato do projeto para a gare comum de Salamanca; Acta da sessão do Conselho de Administração da Companhia de Caminhos de Ferro de Salamanca a Vilar Formoso, 1892; Orçamento para obras na Linha de Salamanca, 1887; Documentos de contabilidade dos Caminhos de Ferro Portugueses de Norte e Leste e de Sul e Sueste; Subscrição pública das ações da Companhia de Caminhos de Ferro de Andaluzia; “Relatórios da Direção do Banco União e pareceres do Conselho Fiscal”, 1883, 1885.
Inclui cartas, cartões de visita, recortes de jornais, ementas, listagem de vinhos, apontamentos dirigidos ao embaixador Luís Teixeira de Sampaio pelas seguintes pessoas e entidades, entre outras: - Américo Deus Rodrigues Thomaz - Cônsul Geral de Portugal em Salamanca - Consulado de Portugal em San Francisco, California - Consulado de Portugal, La Guardia, Pontevedra - Consulado Geral de Portugal em Paris - Consulat Général de Portugal à Anvers - Direcção dos Serviços de Censura - Embaixada de Portugal em Londres - Embaixada de Portugal em Londres - Embaixada de Portugal no Brasil - Júlio Artur Santos - Legação de Portugal em Praga - Legação de Portugal em Varsóvia, Cesar de Sousa mendes - Legação de Portugal em Viena - Legação de Portugal em Washington - Legação de Portugal no Vaticano - Légation de Chine, Lisbonne - Légation de Danemark - Légation de France au Portugal - Légation de Portugal à Paris - Légation de Portugal em Berlim - Livro " E se há mais atentados? Pois, senhores, nesse dia continuamos", (Oferta do Consulado de Portugal em Pernambuco) - Ministére de l'Air - Ministro da Marinha - R. Legazione D'Italia - Sociedade Propaganda de Portugal - Virgínia de Castro Almeida
Fotografia (prova a preto e branco) de salva (prata?) com retrato identificado de "Carlos Leôncio Magalhães", decorada, no fundo, com grãos de café e canas de açúcar, numa alusão à sua actividade enquanto fazendeiro e defensor da produção de café. A salva está assinada por António Maria Ribeiro, com a indicação "desenhou, modelou e cinzelou/ Porto". Peça fotografada sobre mesa (?) coberta por tecido, sobre fundo neutro claro. No verso, carimbo da casa fotográfica "Fotografia/ Guedes/ Porto/ Cliché....". Carlos Leôncio Magalhães (1875-1931), grande fazendeiro brasileiro, nasceu em Araraquara (Estado de São Paulo). Participou com seu pai, Carlos Baptista de Magalhães, abastado fazendeiro, comerciante e banqueiro de Araraquara, em 1902, numa revolta monárquica na região. Colaborou na administração das fazendas de seu pai e veio a criar outras novas. Estabeleceu a Companhia Paulista de Comércio e Finanças e organizou uma Companhia de Imigração. Em 1912, muda-se para São Paulo, onde investiu em prédios e influênciou a política paulista, sobretudo no que diz respeito à defesa da produção de café, através da publicação de artigos em jornais e da sua actuação na Sociedade Rural Brasileira, da qual foi director. O seu fundo documental encontra-se depositado na Unidade Especial de Informações e Memória do Centro de Educação e Ciências Humanas da Universidade de São Carlos, Brasil.
Fotografia (prova a preto e branco) de salva (prata?) com retrato identificado de "Carlos Leôncio Magalhães", decorada, no fundo, com grãos de café e canas de açúcar, numa alusão à sua actividade enquanto fazendeiro e defensor da produção de café. A Salva está assinada por António Maria Ribeiro, com a indicação "desenhou, modelou e cinzelou/ Porto". Peça fotografada sobre mesa (?) coberta por tecido, sobre fundo neutro claro. No verso, carimbo da casa fotográfica "Fotografia/ Guedes/ Porto/ Cliché....". Carlos Leôncio Magalhães (1875-1931), grande fazendeiro brasileiro, nasceu em Araraquara (Estado de São Paulo). Participou com seu pai, Carlos Baptista de Magalhães, abastado fazendeiro, comerciante e banqueiro de Araraquara, em 1902, numa revolta monárquica na região. Colaborou na administração das fazendas de seu pai e veio a criar outras novas. Estabeleceu a Companhia Paulista de Comércio e Finanças e organizou uma Companhia de Imigração. Em 1912, muda-se para São Paulo, onde investiu em prédios e influênciou a política paulista, sobretudo no que diz respeito à defesa da produção de café, através da publicação de artigos em jornais e da sua actuação na Sociedade Rural Brasileira, da qual foi director. O seu fundo documental encontra-se depositado na Unidade Especial de Informações e Memória do Centro de Educação e Ciências Humanas da Universidade de São Carlos, Brasil.
Escritura de confissão de dívida que fazem José Manuel de Castro e sua mulher Catarina dos Santos do lugar de Alqueidão termo desta vila a Sebastião José de Sousa Pisarro do dito lugar da quantia de 28 900 réis a razão de 5 por cento de juro. O senhorio era marnoto de uma das marinhas e a cultura e fabrico da mesma tinham sido abandonados pelo mes em vários géneros para seu sustento em dinheiro para as despesas e jornais da mesma marinha pelo que avaluado 28 900 réis em dinheiro. O credor de forma imediata não pode pagar a quantia total no entanto seguesse as seguintes condições para que tal seja possivel: os devedores cultivam o presente ano saindo parte do rendimento do sal que lhes pertencesse e não podendo levantar nenhum rendimento ou produto de sal sem que primeiro fosse pago e satisfeito o senhorio da dita quantia contratada. Foram testemunhas António Simões de Oliveira assistentes do lugar de Alqueidão e furtuoso José Martins do lugar de Alqueidão.
Constituído por registos de mapas com dados estatísticos relativos aos anos de 1904 a 1921 sobre preços dos géneros alimentícios, cães abatidos, misericórdias, irmandades, confrarias e mais estabelecimentos que têm a apresentar orçamento, percentagens votadas pelas Juntas de Paróquia, preço por que correram no mercado os cereais, azeite e vinho, capital que possui cada misericórdia, produção de géneros alimentícios, cemitérios existentes por freguesias, jornais e revistas publicados no concelho, derramas para os párocos e coadjutores e gratificações arbitradas ao secretário e cobrador, vinho e aguardente importados existentes, produção de trigo, nome dos empregados da Administração do Concelho, arrematantes do transporte de malas postais, emolumentos recebidos e expediente pago e relação dos automóveis, camiões e motocicletas existentes. Contém sete impressos em branco para a lista de preços dos géneros de primeira necessidade (documentos soltos). Folhas 17 frente, 26 verso a 27 frente, 36 frente, 60 frente, 62 frente, 71 frente, 75 verso a 100 frente e folha de guarda em branco. Tipologia e suporte: Manuscrito; impresso.
Recortes de imprensa dos jornais "El Sol", "O Az", "La voz", "O sport de Lisboa", "La libertad", "Diário de Noticias", "Os sports", "O Século", "La Nacion", "El liberal", "Motor", "Hóquei club de Portugal", "Record", "El imparcial" e "Notícias da Beira", sobre o desafio ibérico de atletismo; a preparação para os Jogos Olímpicos de Amesterdão, o rescaldo dos jogos de Paris, provas nacionais desportivas. Contém os seguintes títulos: "España vence a Portugal en el primer "match" ibérico", "Perante a lei olimpica os jogadores que foram a Paris são profissionais", "Os jogadores? Não!", "Grande acontecimento desportivo. Brilhante jornada do velho e glorioso Bemfica - Três retumbantes vitórias em Futebol, Civlismo e Hockey. O maior estádio da Peninsula inaugurar-se-ha oficialmente, nas Amoreiras, em 6 de Dezembro", "Triunfo definitivo de España en el "Match" Iberico", "Uma questão interessante", "El «match» ibérico de atletismo dio fin con la victoria de España", "Chegou ontem a Madrid a «équipe» portuguesa de desportos atleticos", "Homenagem aos Olimpistas", "Jogos Olimpicos, distribuição de premios aos vencedores", entre outros.
Contém 5 capas com documentação produzida no âmbito dos Jogos das XII e da XVI Olimpíadas, numeradas sequencialmente com "processo n.º..." e organizadas cronologicamente. A documentação é composta por correspondência trocada com estabelecimentos comerciais, jornais e outros acerca do uso indevido dos termos e emblema olímpicos por parte daqueles, tendo o Comité o direito exclusivo do uso dos mesmos, por despacho de 7 de dezembro de 1949, publicado no Diário do Governo, n.º 291, II série de 17 de dezembro de 1949. Contém também documentação relativa à comparência de Luís Figueira na Conferência Médica de Oslo; cópias de apólices de seguro feitas ao recheio da antiga sede na Av. da Liberdade e um suplemento à apólice original; e correspondência trocada com várias entidades acerca da aquisição de diversos bens e serviços pelo COP. Capas existentes na UI: capa n.º 41- Vários; capa n.º 42- Medicina desportiva e assuntos relacionados; capa n.º 43- Documentos relativos ao COP; capa n.º 45- Distribuição de regras olímpicas; capa n.º 46- Defesa dos termos e emblema olímpico.
Contém 7 capas com documentação produzida no âmbito dos Jogos Olímpicos de Amesterdão 1928, numeradas sequencialmente com "processo n.º..." e organizadas cronologicamente. A documentação é composta por correspondência sobre as provas de Pentatlo Moderno; os preparativos para a participação nos Jogos Olímpicos, como contactos com o Attaché, os cartões de identidade, alojamento, indumentária e dados pessoais dos concorrentes e membros da Comissão Executiva do COP. Contém recortes de jornais sobre a participação portuguesa nos Jogos, desenhos sobre a indumentária dos atletas de atletismo, ciclismo, esgrima, luta, pesos e traje formal de toda a equipa, na capa n.º 39. A capa n.º 34 contém recortes de jornal sobre as provas de Pentatlo Moderno e a capa n.º 40 inclui 2 postais oficiais da Olimpíada, os programas de voos da "Royal Dutch Airlines", guias da cidade de Amesterdão, Holanda e da IX Olimpíada com diversas informações pertinentes dobre o evento e o regulamento e protocolos dos Jogos Olímpicos Modernos, com a carta dos jogos e o regulamento dos congressos olímpicos. A unidade de instalação também contém cartões com "Lista geral dos processos", "Membros do Comité Olímpico Português- endereços e telefones" e "Lista das federações". Capas existentes na unidade de instalação: capa n.º 34- II Pentatlo Moderno; capa n.º 35- Generalidades J. O.; capa n.º 37- Indicações e assuntos gerais; capa n.º 38- Attaché; capa n.º 39- Indumentária e dados da Comissão Executiva; capa n.º 40- Documents Officiels; capa n.º 41- Fotografias e elementos para folhas e bilhetes de identidade.
Recortes dos jornais "ABC", "Diário de Noticias", "Sports", "Sport Lisboa", "Boletim da A.C.M.", "O Século", "O Diário de Lisboa" sobre homenagens ao Comité Olímpico Português, estatutos. Contém os seguintes títulos: "Banquete de homenagem ao pintor Eduardo Malta", "Homenagem ao «Comité» Olímpico Português, "Homenagem ao Comité Olimpico Portugues, realiza-se amanhã com um banquete", "Uma justa homenagem. No próximo dia 26 realiza-se um banquete em honra da Comissão Executiva do COP, "Os Sports" e o entrudo", "Estatutos da Federação Portugueza de Sports Atleticos", "O Chefe do Estado procedeu ontem, na Sociedade de Geografia, à distribuição de diplomas e medalhas aos atletas das olimpiadas de Paris e Amesterdam", "Homenagem ao «Comité» Olimpico Português", "A mensagem ao «Comité» Olimpico Português conta já uma mil assinaturas, "Efectua-se hoje à noite o banquete de homenagem ao «Comité» Olimpico", "O banquete de hoje. O «Comité» Olimpico e o que nos disse esta tarde o engenheiro Nobre Guedes", "O Banquete em honra da Comissão Executiva do Comité Olímpico Português", "Foi brilhante a homenagem prestada ao COP", "É esta noite, na Sociedade de Geografia, a sessão de homenagem aos nossos desportistas olimpicos.
Contém cartas do General e Comandante Geral da Guarda Nacional Republicana (GNR), Augusto Manuel Farinha Beirão, dirigidas ao Dr. Salazar. Integra uma cópia da carta de Machado Teles para o Comandante da GNR Farinha Beirão, a solicitar-lhe que obrigue o Governo a revelar à Nação Portuguesa o que realmente se passou com "o valoroso soldado Paiva Couceiro". Por outro lado, Machado Teles refere que o Dr. Salazar deve tratar do problema de Angola "criando um exército nessa Província, dotado de material moderno, aviação, artilharia e metralhadoras, em vez de mandar para Genebra o António Ferro com Fernanda de Castro para mostrar a arte portuguesa". Prossegue o autor: "então há 13 mil contos para dar ao "Século" e não há dinheiro para os colonos?". Contempla uma exposição recebida pelo General, a denunciar os ferroviários - "todo o Baixo Alentejo, Beja, Serpa, Brinches, Pias, Cabeço Gordo, Vidigueira e Cuba" - de estarem ligados ao movimento comunista cujos jornais de propaganda circulam entre os mesmos. O autor sugere, de que se existisse um quartel da GNR "seria fácil conter esta onda, porque os alentejanos são cobardes". No mesmo documento, acusa-se o Ministro da Justiça de ser "o chefe da quadrilha que apreendeu os tribunais", entre outros.
Apesar de já ter escrito no dia 6 do presente, volta a fazê-lo em virtude das notícias ultimamente recebidas. Lamenta que o seu nome não conste da lista de nomeações de Cônsules de Portugal que foi publicada nos jornais no dia 20 so corrente. Sustentando que "até aos estrangeiros parece estranho, que os agentes de uma nação sejaó escolhidos entre os que a ella naó pertencem". Vai fazer todps os esforços para ir a essa capital [do Rio de Janeiro]. Roga ao destinatário para que o empregue, por forma a não passar o resto da sua vida em mendigo depois de 16 anos injustamente expatriado, oprimido e atormentado. Comenta as mudanças verificadas no ministério francês e que se não se adoptarem outras medidas o Rei será mal servido. Circulam moedas com a efígie de Napoleão II, suspeitando-se que as mesmas são feitas em Inglaterra e na Aústria; grande circulação de proclamações e outros escritos incendiários; não há um só oficial da polícia que seja fiel ao rei; por todo o lado encontram-se indivíduos que, com palavras e distribuição de bebidas, procuram seduzir o povo tal como aconteceu umas semanas antes de Napoleão desembarcar em Cannes. Em face destes acontecimentos teme um acontecimento funesto para breve.
Informa dos tumultos que se verificam em Londres devido ao descontentamento generalizado pelo novo lançamento de impostos para cobrir o deficit das finanças públicas e das dificuldades que o Ministério enfrenta para remediar a situação. Todos aguardam com ansiedade pelo discurso do principe-regente na abertura do Parlamento. Defende que também é necessário reformar o Parlamento inglês por estar corrompido e que esta situação repercute-se no bom funcionamento dos orgãos de governo. Louva o trabalho do Conde da Barca em prol "da sua Patria tendo reconduzido a aquella ordem de preminencia que deve occupar a justo título". Elogia o recém-nomeado ministro inglês para a Corte do Rio de Janeiro, Sr. Thorthon, dizendo que irá ao encontro deste para contrapor as informações malignas que o predecessor, Lord Strangford, lhe comunicou. Comenta o desempenho do Conde de Palmela. Informa que os jornais noticiaram a assinatura de um Tratado de Comércio entre Portugal e a Aústria, onde as manufaturas desta entratrariam no Brasil sem pagar direitos. Fala num novo imposto sobre os produtos do Brasil. Informa que Manuel de Sousa Freire ofereceu-lhe ajuda nos negócios, o que o incentiva a prosseguir. Remete o discurso do Príncipe na abertura do Parlamento [inglês], o qual lhe valeu insultos e agressões vindas da população. Anotou na última página: "Copia da Carta de 29 de Janeiro por via de Lisboa".
Informa dos tumultos que se verificam em Londres devido ao descontentamento generalizado pelo novo lançamento de impostos para cobrir o deficit das finanças públicas e das dificuldades que o Ministério enfrenta para remediar a situação. Todos aguardam com ansiedade pelo discurso do principe-regente na abertura do Parlamento. Defende que também é necessário reformar o Parlamento inglês por estar corrompido e que esta situação repercute-se no bom funcionamento dos orgãos de governo. Louva o trabalho do Conde da Barca em prol "da sua Patria tendo reconduzido a aquella ordem de preminencia que deve occupar a justo título". Elogia o recém-nomeado ministro inglês para a Corte do Rio de Janeiro, Sr. Thorthon, dizendo que irá ao encontro deste para contrapor as informações malignas que o predecessor, Lord Strangford, lhe comunicou. Comenta o desempenho do Conde de Palmela. Informa que os jornais noticiaram a assinatura de um Tratado de Comércio entre Portugal e a Aústria, onde as manufaturas desta entrariam no Brasil sem pagar direitos. Fala num novo imposto sobre os produtos do Brasil. Informa que Manuel de Sousa Freire ofereceu-lhe ajuda nos negócios, o que o incentiva a prosseguir. Remete o discurso do Príncipe na abertura do Parlamento [inglês], o qual lhe valeu insultos e agressões vindas da população. Junto remete cópia da carta de 20 de Janeiro.
Contém o relatório anual das actividades escolares do Director, José Maria Pinto de Vasconcelos, da Escola Industrial e Comercial de Gondomar. Contém 8 fotografias, dentro de um envelope, oferecidas pelo Sr. Serafim Francisco do Vale(Aleixo). fotografia 1-torno mecânico, máquina de frezar e ferramentas afins; fotografia 2-sala nº1-trabalhos dos alunos do 1º e 2º anos abrangendo desenhos, jornais de turma, anuários, redacções, cadernos diários, relatórios de visitas de estudo, trabalhos manuais em madeira e em metal, etc.; fotografia 3-sala nº 2-trabalhos dos alunos do Ciclo Preparatório, tendo por centros de interesse a semana do Ultramar e o Dia do Infante D. Henrique; fotografia 4-sala nº3-trabalhos dos alunos dos Cursos de Comércio, compreendendo gráficos da balança comercial portuguêsa, modelos de documentação e contratos comerciais, monografias de contabilidade e trabalhos de caligrafia e dactilografia; fotografia 5-sala nº5-trabalhos dos alunos dos Cursos de Formação e Aperfeiçoamento de Carpinteiro-Marceneiro:desenhos, orçamentos e diversas peças de mobiliário em madeira; fotografia 6-sala nº5-trabalhos dos alunos dos cursos de Formação e Aperfeiçoamento de Carpinteiro-Marceneiro: desenhos, orçamentos e diversas peças de mobiliário em madeira; fotografia 7-sala nº6-trabalhos das alunas do Curso de Costura e Bordados: desenhos e trabalhos de economia doméstica; fotografia 8-sala nº7-trabalhos das alunas do Curso de Costura e Bordados: peças de adorno doméstico e de vestuário feminino.
O Mosteiro do Salvador de Grijó era masculino, situava-se na antiga Terra e comarca da Feira. Aderiu à Ordem de Santo Agostinho. Esteve sujeito à jurisdição ordinária do Porto. Aderiu à reforma do Mosteiro Santa Cruz de Coimbra e foi unido à Congregação do mesmo nome. Foi também designado por Mosteiro de Grijó (1452). Dois irmãos de Nuno Soares, o Velho, fidalgo importante da Feira, chamados Guterre Soares e Ausindo Soares, fundaram uma pequena igreja, "Ecclesiola" em latim, em português Igrejó ou Igrijó, que evoluíu para Grijó, que dedicaram ao Salvador do Mundo, recebendo do seu irmão o sítio para edificarem o mosteiro e a igreja, numa quinta situada na terra e comarca da Feira, estando o mosteiro já fundado no ano de 922. O seu primeiro abade foi Guterre Soares. Viviam segundo a Regra do padre Santo Agostinho, chamada canónica. A rainha D. Teresa, mulher do conde D. Henrique, fez importantes doações ao mosteiro bem como Soeiro Fromariguez, filho de Nuno Soares, o Velho, e sua mulher D. Elvira Nunes Áurea, cujo filho foi abade do mosteiro. A reformação realizada em Santa Cruz de Coimbra com o padre D. Teotónio foi seguida pelo abade D. Paio Soares do Mosteiro de Grijó, recebendo como reformadores, D. João Peculiar e seu sobrinho D. Pedro Rabaldiz, que chegaram em 21 de Novembro de 1135. D. Paio rejeitou o governo do Mosteiro e o título de abade, tal como D. Teotónio, e mandou eleger o prelado com o título de prior, sendo o primeiro eleito canonicamente, o padre D. Trutesindo. Em 1479, 1482 e 1483, o prior D. João Álvares era comendatário ou administrador perpétuo dos Mosteiros de Grijó e de São Jorge de Coimbra. Em 1517, era prior de Grijó, D. João, bispo de Safim, provedor mor do Hospital Real de Todos os Santos, reitor da Universidade de Lisboa, e do Desembargo régio. A instituição da Congregação de Santa Cruz de Coimbra, confirmada por bula do papa Paulo III, de 26 de Fevereiro de 1540, foi precedida da reforma do Mosteiro de Santa Cruz, cometida por D. João III a frei Brás de Barros, da Ordem de São Jerónimo e a Frei António de Lisboa, com início a 13 de Outubro de 1527, no dia de São Geraldo confessor. A esta reforma aderiram os priores de São Vicente de Fora de Lisboa, e do Salvador de Grijó. Iniciou-se o processo de mudança do lugar de Grijó para o de Vila Nova do Porto, sendo transferido temporariamente para o Mosteiro de Santo Agostinho da Serra do Pilar, entre 1542 e 1566. O descontentamento de alguns cónegos vindos de Grijó, levou-os a alcançar do papa Pio V, uma bula de separação entre os mosteiros antigo e novo de Vila Nova do Porto, passada em 1566. Esta estabelecia que fossem dois mosteiros distintos e que se dividissem as rendas. Em 1595, a Rainha mandou executá-las por carta régia de 1 de Janeiro e o Prior Geral, comunicou-as à Congregação por carta patente datada de 9 de Fevereiro desse ano. Em 1770, por breve de Clemente XIV e beneplácito régio de 6 de Setembro desse ano, de que foi executor o Cardeal da Cunha, foi extinto com mais nove mosteiros da Congregação e os seus bens foram anexados ao Mosteiro de Mafra para nele se desenvolverem os estudos. Foi então vendido ao desembargador João Fernandes de Oliveira. Em 1792, a bula "Expositum nobis" concedida pelo papa Pio VI, em 3 de Abril, a instâncias da Rainha D. Maria I, foi executada por 3 sentenças de D. José Maria de Melo, bispo do Algarve e Inquisidor Geral, nomeado Juiz Comissário e Delegado para proceder com todas as faculdades apostólicas, recebendo também beneplácito régio. A primeira, dada em Lisboa a 10 de Maio de 1792, mandou remover os Cónegos Regrantes do Mosteiro de Mafra para outros mosteiros da sua Congregação, restituindo-o aos religiosos da Província da Arrábida da Ordem dos Frades Menores, e estabeleceu que a união e distribuição dos mosteiros extintos, cujas rendas tinham estado unidas a Mafra, se fizesse em benefício dos que continuassem a existir, restituiu-lhes os mosteiros extintos de São Vicente de Fora, de Grijó e provisionalmente o de Refóios de Lima, e aplicou os rendimentos dos outros a usos pios. Em 1794, a segunda sentença, dada a 1 de Julho, mandou distribuir e aplicar os bens e rendimentos dos mosteiros extintos, que tinham estado unidos ao extinto mosteiro de Mafra, ou aplicados a outros fins. A terceira sentença, dada a 24 de Dezembro, estabeleceu os mosteiros que deviam constituir a Congregação dos Cónegos Regrantes de Santo Agostinho: Santa Cruz de Coimbra, São Vicente de Fora de Lisboa, Salvador de Grijó, Santo Agostinho da Serra, Santa Maria de Refóios de Lima e o Colégio da Sapiência de Coimbra, restituídos "in integrum" ao estado regular e conventual, com todos os bens, rendimentos, privilégios, isentos e padroados de que eram possuidores ao tempo da sua extinção. Estabeleceu o número prefixo de cónegos em cada um, num total de 230, exceptuando os inválidos, bem como o número de conversos e as sanções para os piores gerais infractores. Os cónegos D. Diogo da Assunção e D. Luís de Miranda Henriques, moradores no extinto mosteiro, apresentaram-se, na cidade do Porto, à chegada do Exército Libertador, onde permaneceram e foram agraciados pelo imperador do Brasil e Duque de Bragança. Em 1833, a 27 de Agosto, os deputados da Comissão administradora dos bens dos conventos extintos, ou Comissão administrativa dos bens dos conventos abandonados, o abade António Manuel Lopes Vieira de Castro e Francisco da Rocha Soares, na presença de D. Luís do Patrocínio de Nossa Senhora, cónego regular de Santo Agostinho, do juiz imediato do couto de Grijó, e de outros elementos, procederam à descrição e inventário dos objectos existentes no Mosteiro, que incluía uma hospedaria, sendo escrivão, Nicolau Joaquim Pereira, escriturário da Comissão.
Contém processo nº 52 e 52A relativo a: curso para colectores de minérios radioactivos nos Serviços Geológicos da Direcção-Geral de Minas e Serviços Geológicos, promovido pela JEN, composta por correspondência, informação relativa ao aproveitamento dos alunos, pagamento de ajudas de custo e assalariamento; processo nº 53 composto por: correspondência trocada com a Academia Portuguesa de Ex-Libris relativa a marca de posse para biblioteca da JEN, processo n.º 55 relativo a visita a Portugal do Dr. Bertrand Goldschmidt director das Relações Exteriores do Comissariado Francês da Energia Atómica, a convite da JEN para a realização de conferências e processo nº 56A relativo a visita a Portugal de Missão Inglesa composta por: Sir John Cockcroft director do Estabelecimento de Energia Atómica de Harwell e chefe da missão, Dr. Henry Seligman chefe da divisão de isótopos do Estabelecimento de Energia Atómica de Harwell e Dr. E. Eric Pochin director da investigação médica do Hospital Universitário de Londres. Contém correspondência, programa de visita e apresentação de Sir John Cockcroft e recortes de imprensa, de jornais portugueses, relativa a visita a Portugal de Missão dos cientistas britânicos.
Contém processo n.º 22A composto por estudo técnico sobre a aquisição de um acelerador Cockcroft-Walton para o LFEN e lista do equipamento do acelerador de partículas; processo n.º 23A composto por recortes de imprensa nacional relativos à criação da Junta de Energia Nuclear, enviados pelo Serviço de Informação e Imprensa do SNI - Secretariado Nacional de Informação; processo n.º 24A1, relativo a visita do presidente José Frederico Ulrich, acompanhado por comitiva a Madrid, a convite do presidente da JEN espanhola, composto por correspondência e programa da visita; processo n.º 24A2, relativo a visita do presidente da JEN de Espanha a Portugal, composto por: correspondência, programa da visita e recortes de imprensa de jornais nacionais; processo n.º 25 composto por correspondência trocada entre a JEN e os Correios, Telégrafos e Telefones e processo n.º 27, composto por: listagem de oficinas de tratamentos de minérios que perderam os direitos de laboração, listagem de oficinas de tratamento de minérios cuja não existência foi verificada e mapa de Portugal continental assinalado com a localização das oficinas de tratamento de minério.
Contém recortes de imprensa com entrevistas a José Mendes Mourão, enquanto presidente da JNICT e artigos de imprensa relacionados com I&D e Política de Ciência e Tecnologia. Nesta unidade de instalação encontram-se também, o programa com a ordem de trabalhos da Sessão de análise e reflexão sobre os resultados do projeto «Identificação de Áreas Prioritárias para Investigação e Desenvolvimento Experimental», realizado na Fundação Calouste Gulbenkian em janeiro de 1982; discurso de Mendes Mourão no Departamento de Engenharia Química da Faculdade de Engenharia do Porto a 12 de novembro de 1980, intitulada: «A Universidade no contexto do desenvolvimento nacional»; relatório preliminar da Comissão Interministerial para a Definição da Política de Investigação Científica; recortes de jornais brasileiros sobre a visita do presidente da JNICT José Mendes Mourão ao Brasil; apontamentos manuscritos do Seminário Investigação e Desenvolvimento no Instituto de Defesa Nacional realizado a 18/5/1981; documento com a atividade da Secretaria de Estado da Ciência (V Governo Constitucional) de janeiro de 1980); proposta de programa de atividade nacional no domínio investigação e desenvolvimento tecnológico; memorandum com o título: «Definição dos mecanismos institucionais adequados à formulação e ao posterior acompanhamento da política científica e coordenação das atividades científicas e técnicas a nível nacional»; plano para 1983 no setor da investigação científica e tecnológica; programa de atividade nacional no domínio da investigação e desenvolvimento tecnológico de agosto de 1978; medidas programáticas e proposta de programa de atividade nacional no domínio da investigação e desenvolvimento tecnológico.
Documentação relativa à administração do Instituto de Histologia e Embriologia da Faculdade de Medicina de Lisboa (IHE/FML), ilustra diversos processos desde a realização de obras de beneficiação, ampliação e remodelações de instalações da Faculdade de Medicina ou do Hospital Universitário de Santa Maria, à aquisição de equipamentos laboratoriais, passando pelo financiamento de projetos. Documentação mais antiga diz respeito a uma «reunião conjunta inter-faculdades de Medicina» realizada em Coimbra em maio de 1975. A presente Unidade inclui ainda documentação relacionada com a avaliação de unidades de investigação da FML, auditorias e inquéritos, bem como com um contrato de investigação com financiamento do INIC (1989-1991). Conservam-se, por fim, diversos testemunhos da atividade de David Ferreira: notas manuscritas, cartões de contactos, correspondência e convites recebidos em diferentes ocasiões, memorabilia, recortes de jornais e outros impressos, p.e., a «Oração de Sapientia» de José Sobral Cid (cópia; 1908), os opúsculos «Centro Católico Português - Princípios e organização» de Oliveira Salazar (1922) e «Salazar e a sua época» por Rolão Preto (1933), e vários recortes de imprensa de polémica católica, monárquica e anti-maçónica, assinados por Nemo (pseud. José Fernando de Sousa) ou ainda um caderno manuscrito (atribuível a Augusto Celestino da Costa), contendo apontamentos sobre técnicas histológicas, materiais que David Ferreira colecionou.
Assume a responsabilidade pela nova orientação do "Correio Braziliense". Comenta os artigos que tem escrito para o "Morning Chronicle". Os ingleses receiam tanto que o rei estabeleça definitivamente a sede da monarquia no Brasil que chegaram a aprontar uma nau para restituir a família real a Lisboa. Refere-se à evacuação das tropas inglesas da Madeira. Revela que Mr. Canning, nomeado Embaixador em Lisboa sob a influência do Conde do Funchal, [Embaixador em Londres], foi o autor do artigo publicado onde eram atribuídas a António de Araújo as culpas da retirada da Corte para o Brasil, e que conjuntamente com Lord Strangford foi o arquitetaram o "Triunvirato dos Sousas". António de Saldanha da Gama, [Min. Plenipotenciário para o Congresso de Viena], esteve de passagem em Londres e lamentou que, perante tamanha influência dos jornais na opinião pública, a Corte portuguesa gaste dinheiro com o Investigador [Portuguez] ao invés de comprar um jornalista inglês. Pede proteção para ser nomeado conselheiro ou secretário extraordinário na Embaixada de Londres.
Aglomerado de pessoas, composto maioritariamente por mulheres e crianças, posando para a fotografia em redor de uma mesa onde observamos várias bandejas com frutas, copos e bebidas. A primeira menina, em cima, usando chapéu, da esquerda para a direita, é Armanda Rosa Mendes, seguida das irmãs (também usando chapéu) Maria Justina Rosa Mendes e Maria das Dores Rosa Mendes. No canto superior direito encontramos, inscrita a caneta, a seguinte informação: “1ª Volta a Portugal bicicleta, 1927”. No verso, inscrita também a caneta, visualiza-se a seguinte mensagem: «1ª Volta a Portugal em Bicicleta. 2 de Maio de 1927. Comissão de senhoras que distribuíram refrescos e frutas aos corredores». Da esquerda para a direita, ao lado do jovem "ardina" com chapéu do “Diário de Notícias”, encontramos «dona Maria Pires, dona Catarina Ferreira, dona Mariana Contente, dona Maria Santana, dona Ana Sequeira, dona Maria sequeira, dona Júlia Santana». A 1ª Volta a Portugal em bicicleta realizou-se efectivamente em 1927, mais exactamente com início a 26 de Abril. A Volta foi realizada por parceria entre os jornais Diário de Notícias e Os Sports e percorreu o país durante 20 dias num percurso de 2000 km repartidos por 18 etapas. António Augusto Carvalho foi o primeiro vencedor daquela que viria a ser chamada de Prova Rainha do ciclismo português, continuando hoje em dia a marcar o panorama desportivo nacional.
Boletim Municipal do mês de Abril de 1990. Possui os seguintes artigos: - O Dia dos Relógios de Sol - Obras, aquisições e subsídios concedidos pela Câmara no anterior mandato – Obras; Bens patrimoniais/aquisições; Bolsas de estudo e subsídios - Na Vidigueira só abrem cafés (entrevista) - Noticiário: subsídio à Liga dos Amigos da Vidigueira; subsídio ao Clube de Futebol Vasco da Gama para pagamento de obras no pavilhão gimnodesportivo; construção da capela mortuária e torre do relógio de Marmelar; instalação da iluminação pública na estrada que atravessa a vila; conclusão do Centro de Dia de Marmelar, bem como, da delegação da Junta de Freguesia de Pedrógão e do posto médico; subsídio à Sociedade Recreativa União Vila Fradense; pagamento de transportes escolares; inauguração das novas instalações da Repartição de Finanças e da Tesouraria da Fazenda Pública; actividades na área desportiva; Jogos Concelhios; escola de natação; cinema e exposições na Biblioteca (exposição de jornais); II Mostra de Doçaria Regional no Centro de Dia de Vila de Frades; Mostra de Artesanato - Piscinas são prioridade - Calendarização das reuniões ordinárias de Câmara - Câmara aguarda actividade da nova cooperativa (Cooperativa Agrícola Fruti-Horticultura do concelho de Vidigueira) - Pelouros
Documentação relacionada com o processo judicial de que Luís Ernani Dias Amado foi alvo entre 1961 e 1964, em virtude da sua participação em organizações e movimentos anti-fascistas. O conjunto, constituído maioritariamente por cópias, inclui informações internas da polícia política, ordens de serviço (uma delas contendo a lista de personalidades abrangidas com uma pena de «interdição de saída do país», incompleta, e a respetiva contra-ordem, anulando a anterior, com data de 18 de janeiro de 1963), relatório da Polícia Internacional e de Defesa do Estado, relatório da sentença do Tribunal Plenário de Lisboa no qual Dias Amado é absolvido (cópia do julgamento realizado em 22 e 27 de outubro de 1964), e recortes de jornais com cortes dos serviços de censura. Nos documentos, e para além de Dias Amado, figuram os nomes Mário Soares, Mário de Azevedo Gomes, Carlos e Mário Cal Brandão, Armando Adão e Silva, José Magalhães Godinho, Eduardo Ralha, entre outros, todos ou praticamente todos signatários do «Programa para a democratização da República», em 31 de janeiro de 1961.
Livro de Registo de Correspondência Expedida da Sociedade Farmacêutica Lusitana, de 30 de dezembro de 1916 a 28 de novembro de 1917. O livro encontra-se organizado com um índice alfabético, em duas colunas, uma com o nome dos destinatários, outra com a data do ofício, resumo, e nº do ofício no respetivo livro copiador. Contém resumos manuscritos sobre diversos assuntos, nomeadamente acusando a receção de jornais e boletins, pagamento de quotas e diplomas, convites para sessões, matrículas nas escolas de farmácia, agradecimento de doações de diplomas e obrigações, votos de sentimento, eleição de comissões e corpos gerentes, envio de jornais e boletins, admissão e demissão de sócios, publicações no jornal, envio de consultas de sócios, reorganização dos serviços de saúde do exército, revisão do regimento de preço dos medicamentos. Entre os destinatários encontram-se Abel Martinho Alves, Academia das Ciências, Aires Silva, Alberto de Noronha, Alberto de Oliveira Malta, Alfredo Lemos, Álvaro de Sousa Leitão, Antonino Alves Barata, António Borges Sacoto, António Brás Branco, António Domingos Oliveira, António Ferreira, António Xavier Pereira Coutinho, Aprígio Dantas, Artur Barreiros, Artur da Costa Lima Grijó, Associação de Advogados, Associação de Agricultura, Associação dos Empregados de Farmácia da Região Sul, Atheneu Comercial, Augusto José Carlos de Oliveira, Augusto Máximo de Oliveira Freitas, Augusto Pereira da Silva, Augusto Simões de Abreu, Câmara Municipal de Lisboa, Carlos Abranches de Almeida Dias, Carlos Augusto Cordeiro, Carlos Cândido Coutinho, Carlos Marques Sousa, Carlos Richter, Casimiro Soares, César Guilherme da Mora Veiga, Cirino da Silva, Comissão de Farmácia, Comissão de Farmácia, Comissão de Redação, Companhia do Crédito Predial, Cooperativa de Farmacêuticos Portugueses, Elisa de Almeida Guerreiro Ferreira, Ernesto dos Santos, Fernando Silva Baptista, Flaviano Eugénio Falcão Correia, Francisco José Pereira, Francisco Manuel Moreira Pratas, Gaspar Maria do Nascimento, Hildebrando José Gonçalves, Inocência Aurora da Costa Gonçalves, Jaime Costa, Jaime Leotte do Rego, Jaime Romano Baptista, João Augusto dos Santos, João de Jesus, João de Matos Casaca, João José da Costa, João Lima Sanches, João Maria Pereira, João Norberto Gonçalves Guerra, Joaquim António Gonçalves, Joaquim Bento Pereira, Joaquim do Nascimento Viegas Soares, Joaquim José Alves, Joaquim Pedro de Morais, Joaquim Pedro Morais, José Bento de Almeida, José de Oliveira Pinto, José dos Santos Simões Borba, José Fernandes de Carvalho, José Henrique Paiva, José Maria de Sousa Telles, José Maria Reya Campos, José Maria Soares Teixeira, José Simões da Silva Guia, Josefina Azevedo Moreira Feio, Júlio Augusto Cruz, Manuel Luís Sequeira, Manuel Martins Pinheiro, Manuel Mourato Vermelho, Manuel Rodrigues Machado, Maria da Conceição Olímpia Nogueira, Maria das Dores Azevedo Pires, Maria de Sousa Feio, Miguel Fadon Lizaso, Montepio Geral, Raúl Lupi Nogueira, Rodrigo Esteves Gusmão, Rodrigo Maria Frazão, Sebastião Avelino Ramos, Serafim Alves Pereira, Silvestre Maria Lopes, Victor Branco, Victor Manuel de Jesus Abrantes. Nomes referidos na correspondência que não constam da lista de destinatários: António Alves Sabino, António Ferreira, Domingos da Silva Nogueira, Júlio Moreira Feio, Luís Barata Dinis.
Livro Copiador de Correspondência Expedida pela Sociedade Farmacêutica Lusitana, de 7 de julho de 1880 a 30 de junho de 1881, organizado cronologicamente. Inclui índice da correspondência expedida no ano económico de 1880 a 1881, contendo cópias manuscritas de correspondência sobre diversos assuntos, nomeadamente sobre parecer sobre medicamentos preparados na farmácia de Tomás de Aquino Alves, pagamento de quotas, análise de órgãos, pós, líquidos, comemorações do tricentenário de Camões, nomeação de Cândido Joaquim Xavier Cordeiro e António Augusto Félix Ferreira para sócios beneméritos e de A. Andouard e de Conde de Ficalho para sócios honorários, envio de diplomas, jornais e cópias do estatuto aos sócios, louvores pelos serviços prestados à Sociedade, admissão e demissão de sócios, eleição de Corpos Gerentes e Comissões, pagamento de selos de licenças, contribuição para monumento de homenagem a Alexandre Herculano, convites para o Congresso Internacional de Farmácia, ofertas à biblioteca e arquivo da Sociedade, medalha de sócio, projeto de regulamento para uso das medalhas de sócio, permuta de jornais entre associações, votos de sentimento pelo falecimento de José Martins Pereira. Entre os destinatários encontram-se A. Andouard, A. J. Santos Viegas, Adolpho Frederico Möller, Agostinho Dias Lima, Alfredo da Silva Machado, Álvaro José da Rosa, António Augusto de Ascensão, António Augusto Félix Ferreira, António Cândido da Cruz, António Gomes Roberto, António Joaquim Pinto, António Pinto de Magalhães, Augusto de Oliveira Abreu, Augusto Ribeiro dos Santos Viegas, Bernardo Pereira Maia, Câmara Municipal de Elvas, Cândido Joaquim Xavier Cordeiro, Carlos Augusto Lopes, Carlos Maria Monteiro Freire, Conde de Ficalho, Daniel Filipe dos Santos, David Teixeira Mendes, Domingos António Pita Simões, Duarte Pereira Dias Ribeiro, Emílio Augusto de Faria Estácio, Escola Médico-cirúrgica (Lisboa, Porto), Escola Politécnica de Lisboa, Francisco António de Gois, Francisco António Serra, Francisco Bernardo de Sousa, Francisco de Paula Martins Pereira, Francisco Maria Carvalho, Hermenegildo Carril Barbosa, João de Jesus Pires, João Dinis de Abreu, João Dinis Simões, João Francisco Delicioso, João José de Sousa Telles, João José Pereira Leal, João Maria Correia Barbosa, João Pedro de Pina, João Pires Coelho, João Soares de Oliveira, João Tomás da Silva Pinto, Joaquim de Santana Machado Figueiras, Joaquim José Alves, Joaquim Manuel Ferreira Chaves, Joaquim Simões Serra, Joaquim Urbano da Veiga, José Acúrcio Nunes Rego de Carvalho, José António de Oliveira, José Augusto da Silva Gameiro, José Bento Coelho de Jesus, José de Matos Casaca, José Dionísio Correia, José Ferreira da Silva, José Gomes de Matos, José Joaquim da Silva Pereira Caldas, José Joaquim da Silva, José Mendes de Assunção, José Mendes Jara, José Pereira Rodrigues, José Ribeiro Guimarães Drack. José Tedeschi, José Tomás de Sousa Martins, Júlio Augusto Henriques, Lino Alberto de Santa Clara, Manuel Cláudio de Assunção, Manuel Fernandes Pessoa, Manuel Lopes Afonso Ferreira, Miguel José de Sousa Ferreira, Pharmaceutical Society of Great Britain, Procurador Régio, Rodrigo da Silva Carvalho, Silvano Mattos Machado, Smithsonian Institution - Washington, Spencer F. Baird, Thomas Guerish, Tomás de Aquino Alves, Universidade de Coimbra, Veríssimo Gomes Ferreira Lobo, Visconde de Sanches Baena.
Livro Copiador de Correspondência Expedida pela Sociedade Farmacêutica Lusitana, de 28 de julho de 1884 a 30 de junho de 1885, organizado cronologicamente. Inclui índice da correspondência expedida no ano económico de 1884 a 1885, contendo cópias manuscritas de correspondência sobre diversos assuntos, nomeadamente sobre doações à biblioteca e arquivo, eleições de Corpos Gerentes e Comissões, análises de órgãos, cardo (cnicus benedictus), caldo, vinho de peptona, açúcar, bolo, pílulas, pão, pós, medicamentos, líquidos e salicilato de chumbo cristalizado, admissão e demissão de sócios, doação de preparados farmacêuticos e respetivas fórmulas à Sociedade, pagamento de quotas, lançamento do caderno da tesouraria, pareceres das Comissões, legalidade da administração por um farmacêutico de diversas farmácias, contribuição de selo de licença, envio de diplomas, jornais e cópias do estatuto aos sócios, louvores por serviços prestados à Sociedade, contributo para a construção de um mausoléu para os restos mortais de António Rodrigues Sampaio, nomeação de Pedro Augusto Franco para sócio benemérito e de Francisco Ferreira da Silva para sócio honorário, votos de sentimento pelo falecimento de José Dionísio Correia, adesão ao VI Congresso Internacional Farmacêutico, reforma do estatuto do Centro Farmacêutico Português no sentido da passagem de bens para a Sociedade, exercício ilegal de farmácia, permuta de jornais entre associações, pedido de donativos à Sociedade, representação da Sociedade na eleição de juristas para a Junta de Crédito Público. Entre os destinatários encontram-se Acelino Augusto Lopes, Agostinho Sisenando Marques, Albino António Freire de Andrade, Alfredo da Silva Machado, António Augusto da Costa Simões, António Augusto da Silva Pratas, António Augusto de Ascensão, António Augusto Franco, António Barata de Figueiredo Taborda, António Cândido da Cruz, António Dias de Oliveira, António Fortunato Romeu, António Joaquim Pinto, António José Pereira Martins, António José Pimentel, António Simões Terceiro, Associação dos Professores Primários de Lisboa, Associação Serviços Voluntários de Ambulâncias em Incêndios - Lisboa, Augusto de Oliveira Abreu, Augusto Ribeiro dos Santos Viegas, Aureliano José Santos Viegas, Câmara Municipal de Lisboa, Cândido José Pinto da Fonseca, Centro Pharmacêutico Portuguez, Congres International Pharmaceutique à Bruxeles, E. Van de Vyvere, Emílio Fragoso, Ernesto Xavier Rodrigues, Felisberto Augusto Lopes, Francisco de Assis Aragão Araújo, Francisco de Carvalho, Francisco Ferreira da Silva, Francisco João Resa, Francisco José da Costa, Francisco José de Oliveira Xavier, Francisco José Malato, Francisco Júlio Tavares de Magalhães, Francisco Maria Supico, Francisco Silvestre de Macedo Batalha, Francisco Simões da Guia, Frederico Augusto da Costa, Guilherme José Ennes, Henrique António Gama, Henrique Maurício Jorge de Lima, João Agostinho Ferreira Chaves, João de Almeida e Sousa, João de Jesus Pires, João Dias Correia Pimenta, João Joaquim da Costa, João José de Oliveira, João Soares de Oliveira, João Tomás da Silva Pinto, Joaquim de Sant’ Anna Machado Figueiras, Joaquim José Alves, Joaquim Pereira, Joaquim Simões Serra, José António de Oliveira, José Baptista da Fonseca Queiroz, José Barreiros, José Bento Coelho de Jesus, José Dionísio Correia, José Ferreira da Silva, José Gomes de Matos, José Gonçalves Marques, José Mendes de Assunção, José Mendes Jara, José Pereira Rodrigues, José Ribeiro Guimarães Drack, José Tedeschi, José Tomás de Sousa Martins, Junta de Crédito Público, Justiniano de Sousa Gonzaga, Manuel António Ferreira Mendes, Manuel Maria Vieira, Manuel S. Sariano, Manuel Vicente de Jesus, Manuel Vicente de Jesus Abrantes, Mariano Cirilo de Carvalho, Mathilde Lieuve de Séquier, Miguel Barbosa da Costa, Miguel José de Sousa Ferreira, Miguel Ventura da Silva Pinto, Pedro Augusto Franco, Pedro Fernandes da Cunha, Pedro Leite Chermont, Procurador Régio, Próspero Ribeiro Chaves Meireles, Ricardo Xavier da Silva, Roberto Duarte Silva, Rodrigo António Machado Guimarães, Silvério Mendes Marques Couceiro, Sociedad Farmacéutica de México, Theodore Belval, Visconde de Arriaga.
Livro Copiador de Correspondência Expedida pela Sociedade Farmacêutica Lusitana, de 21 de março de 1932 a 13 de agosto de 1932, organizado cronologicamente e contendo cópias datilografadas, em folhas numeradas, de correspondência expedida sobre diversos assuntos, nomeadamente sobre eleição de Corpos Gerentes, Delegados e Comissões, votos de sentimento pelo falecimento de José Ribeiro Lopes, venda ilegal de medicamentos, assuntos relativos à publicação do jornal, permuta de jornais com outras associações, patentes de especialidades farmacêuticas, doações à biblioteca e arquivo da Sociedade, marcação de reuniões, legalização da situação profissional, colónia balnear infantil, cedência de salas da Sociedade a outras instituições, envio de pública-forma de diplomas de sócios, registo de diplomas no Serviço de Inspeção do Exercício Farmacêutico, abertura de farmácias em Misericórdias, restabelecimento da Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra, medicamentos a vender em drogarias, pagamento de contribuição industrial pelas farmácias, exercício ilegal de farmácia, venda abusiva de chá argentino, abertura de farmácias, publicação de notícias em jornais nacionais, horário de trabalho nas farmácias, parecer do produto Vitamalt, lei do exercício farmacêutico, envio dos bilhetes de identidade aos sócios, reforma do ensino de farmácia. Contém no final índice de destinatários, organizado alfabeticamente. Entre os destinatários encontram-se Adolfo Teixeira, Alberto Pinheiro Falcão, Ângelo Cavaleiro Pinto Bastos, António Jorge Correia de Almeida, Assistência Nacional aos Tuberculosos, Associação de Farmacêuticos Portugueses, Barbosa de Carvalho, Carlos Alberto da Silva Pinheiro, Carmilo Pinto de Araújo, Centro Farmacêutico do Algarve, Centro Farmacêutico Português, Direção Geral da Justiça e dos Cultos, Direção Geral de Saúde, Otília Eugénia L. Velho Guerra, Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra, Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa, Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto, Imprensa Artística Lda., Inspeção do Exercício Farmacêutico, J. Alberto de Faria, João Cardoso Júnior, João Ferreira Leite, João Simões Costa, Joaquim de Jesus Cardoso e Sousa, Jornal A Acção Farmacêutica, Jornal A Voz, Jornal Diário da Manhã, Jornal Diário de Notícias, Jornal Novidades, Jornal O Monitor de Farmácia, Jornal O Século, José Bento de Almeida, José Bernardo Taveira da Silva, José Falcão de Gouveia, Joaquim Gadanho Serra Júnior, José Joaquim Ribeiro, José Manuel Ribeiro Queimado, Júlio de Almeida, Juntas de Freguesia de Lisboa, Laboratórios Bial, Laura de Almeida Leite, Luís Pedro Branquinho, Manuel Correia de Oliveira e Castro, Manuel da Costa, Manuel das Dores Tello da Fonseca, Manuel Gomes Ascenso, Manuel Joaquim de Oliveira, União Farmacêutica de São Paulo, Victor Branco, Virgínio Augusto de Medeiros Botelho. Nomes referidos na correspondência que não constam da lista de destinatários: Abílio Raúl Frazão, Alberto Mourato Vermelho, André Martins Rebocho Pais, António Villegas, Armando de Campos Palermo, Arsénio Saldanha, Augusto Peres de Figueiredo, Dilia Esteves Sanches de Brito, Emílio Fragoso, Ernesto dos Santos, Esperança Luís de Castro Ferreira, Eurico da Silva Nogueira, Faustino Martinho Serra Ferreira, Francisco Rodrigues, João Martins do Rego, João Paiva da Costa, Joaquim Rosa Bernardo, Joaquin Anaya Mesa, José Alemão de Mendonça Cisneiros e Faria, José da Costa Nogueira, José da Silva Santos, José Maria Vieira Borges Júnior, José Ricardo do Vale, José Veiga Ferrão Pais, Judite da Silva Gonçalves, Manuel Adriano Mourato Vermelho, Manuel Pinheiro Nunes, Manuel Rodrigues Machado, Maria do Rosário Ferreira, Maria Francisca Rebocho Pais, Miguel Rodrigues dos Santos Júnior, Rodrigo da Silva Ramos, Ruy Telles Palhinha, Sebastião Dias Braga, Urbano Lino de Freitas.
Livro Copiador de Correspondência Expedida pela Sociedade Farmacêutica Lusitana, de 5 de julho de 1885 a 30 junho de 1886, organizado cronologicamente. Inclui índice da correspondência expedida no ano económico de 1885 a 1886, contendo cópias manuscritas de correspondência sobre diversos assuntos, nomeadamente sobre adesão ao VI Congresso Internacional Farmacêutico, análises de substância resinosa de África, cardo, medicamento, órgãos e vinho, admissão e demissão de sócios, pagamento de quotas, eleições de Corpos Gerentes e Comissões, envio de diplomas, jornais e cópias do estatuto aos sócios, pareceres das Comissões, comissão para contributo na elaboração da farmacopeia internacional, louvores pelos serviços prestados à Sociedade, abertura de postos médico-farmacêuticos para tratamento da cólera, contributo para os festejos do regresso ao país de Hermenegildo Capelo e Roberto Soares, votos de sentimento pelo falecimento de Carlos Mallaina y Gomez e de José António de Araújo, doação do medicamento e fórmula da emulsão de Scott, ofertas à biblioteca e arquivo, nomeação de L. F. de Nobelle, Guilherme José Ennes, João Maria Holbreman do Rego Botelho de Faria, António Xavier Coutinho e José Silvestre Ribeiro para sócios honorários e de José Ribeiro Guimarães Drack e Alfredo da Silva Machado para sócios beneméritos, lei do imposto de selo, pedidos de donativo à Sociedade, comissão encarregada de elaborar o novo Regimento do Preço dos Medicamentos, fiscalização do imposto de selo, permuta de jornais entre associações, considerações relativas ao ato comercial. Entre os destinatários encontram-se Agostinho Dias Lima, Albino António Freire de Andrade, Alfredo da Silva Machado, André Joaquim Monteiro, Antero da Costa e Oliveira, Antonino Alves Barata, António Augusto da Silva Pratas, António Augusto de Ascensão, António Dinis de Abreu, António Fortunato Romeu, António Joaquim Pinto, António José de Araújo, António José Martins Pereira, António Mendes Lopes, António Rosado Caieiro, António Simões Terceiro, António Xavier Pereira Coutinho, Associação dos Estudantes do Instituto Geral de Agricultura, Augusto de Oliveira Abreu, Aureliano José Santos Viegas, Bento Pereira Pedroso, Bernardo Pereira Maia, Carlos Bernardo de Almeida Ferreira, Carlos Malaia - Viúva, Claudino José Vicente Leitão, Congrès International Pharmaceutique à Bruxelles, Domingos António Liso de Santana, E. Vande Vyvere, École d'Horticulture dans l'Université de Gand, Eduardo Augusto Marques Perdigão, Emílio Manuel Fragoso, Eugénio Albano Gonçalves, Filipe Pereira de Matos Miranda, Firmino de Almeida Brito, Francisco Cândido Barbosa, Francisco de Carvalho, Francisco José de Oliveira Xavier, Francisco José Malato, Francisco Manuel da Silva Alegria, Francisco Porfírio Albano Gonçalves, Francisco Xavier de Paiva, Guilherme José Ennes, Henrique Maria da Fonseca, Ignacio José Franco, Izidoro da Fonseca Moura, J. B. Gille, João Augusto Ferreira Braga, João de Jesus Pires, João Joaquim da Costa Júnior, João Maria Holtreman do Rego Botelho de Faria, João Maria Lopes, João Pereira Veiga, Joaquim Albino Fernandes, Joaquim António Ferreira Veiga, Joaquim António Vaz Leirinha, Joaquim de Matos Alves Cristóvão Pinheiro, Joaquim José Alves, Joaquim José Guerra, Joaquim Manuel Ferreira Chaves, Joaquim Marques de Sousa, Joaquim Pereira Júnior, Joaquim Simões Serra, Joaquim Urbano da Veiga, José António de Oliveira, José Arsénio da Fonseca, José Baptista da Fonseca Queiroz, José Bento Coelho de Jesus, José Bernardo Birra, José Cardoso da Silva Guimarães, José Diogo Pires, José Ferreira da Silva, José Gomes de Matos, José Lúcio Ferreira Gândara, José Maria da Costa Veiga, José Mendes de Assunção, José Mendes Jara, José Pedro Estanislau da Silva, José Ribeiro Guimarães Drack, José Silvestre Ribeiro, José Tedeschi, José Tomás de Sousa Martins, Júlio Moreira Feyo, Juvêncio Gomes de Figueiredo, L. F. Nobelle, Manuel Fernandes Pessoa, Manuel Maria Vieira, Manuel Pinheiro Cardoso, Manuel Saturnino Soriano, Manuel Vicente de Jesus, Miguel José de Sousa Ferreira, N. Gille, Narciso Alves Xavier, Nuno Freire Dias Salgueiro, Pedro Fernandes da Cunha, Periódico Coimbra Médica, Pharmacie Central de l'Armée Belge, Pio Martins de Miranda Júnior, Procurador Régio, Prospero Ribeiro Chaves Meyrelles, Roberto Duarte Silva, Simão José da Luz Soriano, Sociedad Farmacéutica de México, Sociedade de Geografia de Lisboa, Tomás de Aquino Alves.
Contém processos referentes às sessões dos dias: 4/7/1983; 11/7/1983; 18/7/1983; 25/7/1983; 1/8/1983; 8/8/1983; 22/8/1983; 5/9/1983; 19/9/1983; 3/10/1983; 10/10/1983; 17/10/1983; 24/10/1983; 31/10/1983. Os processos incluem acta finalizada com lista de presenças, ordem do dia, sumário dos assuntos tratados, síntese das intervenções e alguns anexos (proposta de orçamento do Conselho de Imprensa para 1984, correspondência, recortes de imprensa, exposições, queixas, recursos, relatórios, pareceres, propostas, declaração de voto, comunicados, entre outros). A acta da reunião de 22 de Agosto tem em anexo a acta da reunião do Conselho de Imprensa com a direcção do Sindicato dos Jornalistas em 19/8/1983. Para além dos debates directamente relacionados com a recepção de queixas, recursos ou pedidos de parecer, são tratados alguns outros assuntos, nomeadamente: Decreto-Lei n.º 303/83, de 28 de Junho, que regulamenta a actividade publicitária; projecto de Lei sobre o Conselho de Comunicação Social; alterações à Lei de imprensa; código de publicidade; legislação antimonopolista; constituição de uma organização internacional de conselhos de imprensa; incompatibilidade do exercício da profissão de jornalista com o desempenho de outras funções; direito a informar; acesso às fontes de informação; direito a ser informado; controlo de tiragens; "caso ANOP"; "caso Pedro Cid", jornalista da RDP; classificação da revista "Investimento e tecnologia"; caso NP-Notícias de Portugal; reestruturação do sector público da comunicação social; política de informação: situação do sector público da comunicação social face às decisões do Conselho de Ministros (processos ANOP e EPNC); porte pago a publicações periódicas; aumento do preço dos jornais; a questão do sigilo profissional dos jornalistas perante a Alta Autoridade (criada pelo Decreto-Lei n.º 369/83 de 6 de Outubro). Refira-se, ainda, sobre o funcionamento do Conselho de Imprensa: demissão do presidente, juiz-desembargador João Dias Pereira; orçamento; pessoal e funcionamento do CI; quórum do plenário; relatórios sobre a situação da imprensa.
Contém processos referentes às sessões dos dias: 5/6/1978; 12/6/1978 (não realizada por falta de quórum); 19/6/1978; 26/6/1978; 3/7/1978; 10/7/1978; 17/7/1978; 25/9/1978; 2/10/1978 (não realizada por falta de quórum); 9/10/1978; 16/10/1978 (não realizada por falta de quórum); 23/10/1978 (não realizada por falta de quórum); 30/10/1978 (sem deliberações por falta de quórum); 6/11/1978; 13/11/1978; 20/11/1978; 27/11/1978; 4/12/1978; 11/12/1978; 18/12/1978. Cada processo inclui, na generalidade dos casos, acta finalizada com lista de presenças, sumário dos assuntos tratados em reunião, síntese ou transcrição das intervenções, texto do comunicado referente à sessão; alguns processos incluem anexos à acta (anteprojectos de Lei e de proposta de Lei, projecto de Resolução do Conselho da Europa sobre o papel do Estado em relação aos media e sobre aspectos internacionais da livre circulação da informação, correspondência, requerimentos, queixas, pareceres, relatórios, propostas, declarações de voto, recortes de imprensa). Para além dos debates directamente relacionados com a recepção de queixas, recursos ou pedidos de parecer, são tratados alguns outros assuntos, nomeadamente: Autorização legislativa atribuída ao Governo em relação à liberdade de imprensa; alterações à Lei de imprensa; diplomas sobre o Conselho de Imprensa e respetivo serviço de apoio; projecto de Lei n.º 122/I sobre "Apoio à informação escrita"; projecto de Lei n.º 119/I sobre "Publicação de notas oficiosas"; projecto de Lei n.º 139/I relativo a "Subsídio de 20% sobre o custo do papel"; alteração à Lei n.º 31/78, de 20 de Junho (orgânica do Conselho de Imprensa); regulamentação da publicação na imprensa de imputações feitas a arguidos não condenados; controlo de tiragens; direito de expressão; direito de resposta; agressões a jornalistas; participação do Estado nos órgãos de comunicação social; o caso da Empresa Pública dos Jornais Século e Popular (EPSP); papel do Estado em relação aos media. Refira-se, ainda, sobre o funcionamento do Conselho de Imprensa: regulamento das queixas apresentadas ao Conselho; organização de conferência sobre Informação.
Contém documentação relativa a vários casos, nomeadamente: - "Incidentes com jornalistas no estádio do Vitória de Guimarães" - inclui recortes de imprensa, cópia do comunicado do Conselho de Imprensa relativo ao plenário do dia 14/1/1985, proposta de comunicado rejeitada no plenário do dia 1/4/1985, informação do Serviço de Apoio, notas de membros do Conselho; - "Acesso às fontes de informação - Palestras a efectuar na EPP (Escola Prática de Polícia)" - inclui correspondência recebida do Comando-Geral da Polícia de Segurança Pública (PSP) e correspondência trocada entre o Conselho de Imprensa e a Escola Prática de Polícia em Torres Novas, recortes de imprensa, cópia da circular do Comando-Geral da PSP sobre "Qualidade de jornalista e documentos de identificação própria", exemplar da publicação do Conselho de Imprensa "Direito a Informar: porquê e para quê"; - "Decreto-Lei n.º 151/85", de 9 de Maio, que aprova o estatuto da PSP (cópia da respectiva publicação no "Diário da República"); - "Conferência de imprensa do vereador da Câmara Municipal de Lisboa, arquitecto Alberto Vila Nova e técnicos franceses do sistema 'gertrudes'" - correspondência trocada entre o jornal "Diário de Lisboa", o Conselho de Imprensa e o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Nuno Krus Abecassis; - "Acesso aos estúdios da Radiotelevisão Portuguesa (RTP) no Lumiar" - correspondência trocada entre o jornalista José Luís Ribeiro Moita de Macedo (ao serviço dos jornais "Êxito" e "Correio da Manhã"), o Conselho de Imprensa e o Conselho de Gerência da RTP; - "Comissão Pró-Associação Sindical da Polícia de Segurança Pública (PSP)" - correspondência trocada entre o Conselho de Imprensa e aquela Comissão, exemplar da publicação "Código Deontológico dos Profissionais da PSP" editado pela mesma Comissão, "Manifesto da Associação Sindical dos Profissionais da Polícia de Segurança Pública (ASP/PSP), conclusões do "1.º Encontro da Comissão Executiva Nacional" da Pró-Associação Sindical da PSP.
Boletim Informativo dos meses de Novembro e Dezembro de 1993. Contém os seguintes artigos: - Igreja Matriz - Obras de beneficiação já foram iniciadas; - Autárquicas de 1993 - Os resulados de Constância; - Já chegaram as caixas "Multibanco" a Constância; - Comemoração dos 18 Anos do Clube Estrela Verde; - Junta de Freguesia de Constância organizou exposição sobre o trabalho desenvolvido nos quatro anos de mandato; - Cerimónia de extinção do Corpo de Tropas Paraquedistas de Tancos e criação do Corpo de Tropas Aerotransportadas; - Água de Castelo de Bode vai abastecer o Concelho; - Homenagem à Professora Justina Rosa - A Viagem continua; - Festa de Natal 93 - Afinal o Sol brilhou....Joel Branco fez das crianças os verdadeiros artistas; - De Escola a Biblioteca - Uma casa com muita história - Inauguração da nova Biblioteca Pública Municipal de Constância; - Jornais e Jornalistas no nosso Concelho "O Pirilampo" editado pela Escola Primária de Montalvo; - Um sorriso de 500 contos para a Escola de Montalvo, prémio atribuido pelos CTT, no âmbito de um projecto denominado "Uma Carta é um Sorriso"; - Um sismo "faz-de-conta" na Escola C+S Luís de Camões; - Apoio pedagógico às Escolas - Câmara distribui livros didácticos; - O 25 de Abril vai fazer 20 anos - as crianças merecem saber; - Serviço de fotocópias - requisições em 1993; - Visitas de Estudo a Constância/1993; - Participação da Câmara Municipal em Feiras de Artesanato/1993; - Visitantes do Posto de Turismo/1993; - Concurso de Fotografia/1993 - Festas foram tema; - Plano Director Municipal já foi aprovado pelo Governo; - Assembleia aprovou Plano e Orçamento para 1994; - Toponímia - Atribuição de nomes às ruas existentes na Zona de Constância-Sul; - Atribuição de subsídios; - Festas de Nossa Senhora da Boa Viagem - Distribuição de papel; - Reuniões de Câmara - Resumo das deliberações.
Pasta contendo documentos avulsos relativos às sessões da Sociedade Farmacêutica Lusitana para elaboração de atas, datados entre 12 de novembro de 1924 e 29 de junho de 1926. Contém documentação diversa nomeadamente minutas datilografadas e manuscritas das sessões, com rasuras e correções; moções e propostas de sócios; correspondência recebida e emitida; pareceres de sócios e comissões; excertos das atas das sessões da Sociedade publicados no Jornal; recortes de notícias publicadas nos jornais “O Século” e “Grémio”; convites aos sócios. São abordados diversos assuntos nomeadamente sobre a fusão entre a Sociedade e a Associação dos Farmacêuticos Portugueses; preços praticados nas farmácias; Regimento de Preços dos Medicamentos; quotas; eleição dos Corpos Gerentes; projeto de reforma do Exercício Profissional de Farmácia; arrendamento de laboratórios da Sociedade; eleição de José Rodríguez Carracido (Universidade Complutense de Madrid) a Sócio Honorário; donativos para Fernanda Bessa Lima, viúva do farmacêutico Bernardo Lima; fins terapêuticos do óleo de trigo (Herpes Zoster, vulgo “cobrão”); reforma do estatuto da Sociedade; reforma do ensino de farmácia; professores nas Faculdades de Farmácia de outras especialidades que não farmácia; Recorte do jornal “Grémio”; listagem de subscritores do jornal; inspeção de farmácias; Associação de Farmacêuticos do Centro; Centro Farmacêutico do Algarve; União dos Farmacêuticos do distrito de Braga; tintura de aconito, tintura de iodo, limonada de citrato de magnésio, julepo gomoso, álcoolatura de aconito; tintura de mostarda; tintura de cânfora; éter sulfúrico; clorofórmio; pomada de óxido de zinco; pomada de ichtiol; recorte do jornal “O Século”; votos de sentimento pelo falecimento de Francisco Salles da Guerra e Francisco de Almeida Silvano; medicamentos manipulados; lutuosa farmacêutica; pareceres emitidos pela Comissão Revisora de Contas, Comissão de Farmácia e Comissão de Interesses Profissionais.
Livro Minuta de Correspondência do 20º ano da Sociedade Farmacêutica Lusitana, desde 27 de julho de 1854 a 12 de julho de 1855, organizado cronologicamente e contendo minutas manuscritas sobre diversos assuntos, nomeadamente sobre as eleições dos Corpos Gerentes e Comissões, admissão e demissão de sócios, votos de sentimentos e agradecimentos, envio do jornal e exemplares do estatuto da Sociedade aos sócios, doações à biblioteca e arquivo da Sociedade - Elementos de Hygiene Militar, análise de águas (alcalina e sulfurosa) e órgãos, permutas de jornais com associações internacionais, envio de representações ao governo, aquisição de licenças de abertura de boticas, cursos de realização de análises, nomeação de membros honorários e beneméritos, envio de diplomas, relação dos subscritores do jornal da Sociedade, nomeação de delegados, pagamento de quotas, pagamento de análises solicitadas, Regimento do Preço dos Medicamentos, pedidos de pareceres às Comissões, exposição Os Progressos das Diferentes Artes e Indústrias, publicação do quadro de sócios. Entre os destinatários encontram-se Agostinho Vieira, Albino da Costa Freitas, Alexandre Rodrigues, António Baptista Alves, António Carvalho, António de Sousa Dias, António Xavier Rodrigues Cordeiro, António Joaquim Ferreira, António Vaz Teixeira, C. António Saraiva, Cajo Ruiz Peyrani, Félix Fonseca Moura, Francisco Fortunado de Assis, Frederico José V. A. Nobreza, J. Pereira de Azevedo, Jacinto Vitorino Moniz, João Augusto S., João Baptista da Silva, João Bernardo Miranda, João de Sousa Telles, João Manuel Lopes, Joaquim Augusto Simões de Carvalho, Joaquim José Dias, Joaquim Nunes Barbosa, José António Marques, José António Pereira, José Dionísio Correia, José Manuel Castro, José Nobre, José Silvério Rodrigues Cardoso, José Tedeschi, Júlio Maximino de Oliveira Pimentel, Leonardo da Guarda e Ruivo, M. António da Silva, Manuel Fernandes Tomás, Manuel Hilário Pires Ferrão, Manuel Joaquim M., Manuel Pinheiro Ramos, Manuel Vicente de Jesus, Sebastião José Esteves, Sebastião Ribeiro de Sá.
Livro de Atas das Sessões da Sociedade Farmacêutica Lusitana correspondentes ao período de 27 de abril de 1854 a 13 de dezembro de 1860. Fizeram parte dos Corpos Gerentes José Tedeschi, Henrique José de Sousa Telles, Isidoro da Costa Azevedo, Miguel Archanjo de Abreu e Manuel Vicente de Jesus. Nas sessões deste livro foram discutidos diversos assuntos nomeadamente sobre correspondência recebida; doação de livros e documentos para a biblioteca e arquivo; doação de objetos; exercício da profissão farmacêutica; admissão de sócios e nomeação de membros honorários, beneméritos, efetivos e delegados; eleições e nomeações para cargos na Sociedade e respetivas comissões; projeto lei para a criação de escolas especiais de farmácia; reforma dos estudos farmacêuticos; atribuição de prémios a diversos ajudantes farmacêuticos; pedido ao Governo para substituição do Código Farmacêutico Lusitano; redação do Regimento dos Preços dos Medicamentos; representação de farmacêuticos da província contra o regimento de preços publicado pelo conselho de Saúde Pública do Reino; envio de circulares aos delegados das províncias; exames ilegais efetuados em Angra do Heroísmo e no Porto; análises de águas e sementes; pedido de análise de órgãos de cadáveres e géneros alimentares; criação de um jornal mensal pelos delegados da Sociedade Farmacêutica Lusitana no Porto; abusos da polícia médica nos Açores; análise de pão; elaboração e publicação de uma cronologia de legislação farmacêutica; inconveniência de existirem duas classes de farmacêuticos; permuta de jornais; atrasos na publicação do Jornal; mudança de instalações para edifício arrendado; apresentação de vários trabalhos e investigações científicas relativas às carbonizações nas análises químicas legais; pesos ou medidas; a ação dos óxidos plúmbico e zíncico sobre os diversos óleos; papéis epispásticos; discussões de artigos sobre a grande reserva de água projetada para Ribeira de Carenque; presença de cobre em envenenamentos; métodos de conservar sementes.
Contém processos referentes às sessões dos dias: 4/1/1988; 11/1/1988; 18/1/1988; 25/1/1988; 1/2/1988; 8/2/1988; 29/2/1988; 7/3/1988; 14/3/1988; 21/3/1988; 4/4/1988; 11/4/1988; 18/4/1988; 26/4/1988; 2/5/1988; 9/5/1988; 16/5/1988; 23/5/1988; 30/5/1988; 20/6/1988; 27/6/1988. A maior parte dos processos inclui acta finalizada com lista de presenças, convocatória, sumário dos assuntos tratados, síntese das intervenções e anexos (correspondência, recortes de imprensa, relatórios, pareceres, propostas, entre outros). O processo relativo à sessão de dia 4/1 não tem acta finalizada mas inclui uma anotação que remete para a gravação da reunião; inclui, também, elementos de apoio à elaboração da acta e documentos que constituiriam anexos à mesma. Para além dos debates directamente relacionados com a recepção de queixas, recursos, ou pedidos de parecer, são tratados alguns outros assuntos, nomeadamente: Projecto de Lei do PCP que aprova medidas com vista à garantia da genuinidade das edições de publicações periódicas de âmbito nacional; caso "Primeiro de Janeiro"; pedido de classificação do "Jornal de Sexologia"; comunicados do Conselho de Comunicação Social; revisão da Lei de imprensa: proposta de Lei n.º 20/V do Governo; instigação ao ódio racial na prática jornalística; projecto de Portaria sobre apoios à comunicação social; o direito à privacidade e o direito à informação; publicação e difusão de sondagens e inquéritos; projectos de legislação sobre comunicação social; o futuro do Conselho de Imprensa. Refira-se, ainda, sobre o funcionamento do Conselho de Imprensa: eleição do vice-presidente do CI; eleição de membros cooptados; alteração às normas internas para instrução dos processos relativos a queixas, exposições ou pedidos de parecer; aquisição de equipamentos; orçamento do CI para 1988 e para 1989; campanha "Ler jornais é saber mais"; Comissão de Publicações e Biblioteca; relatórios sobre a situação da imprensa.
Contém processos referentes às sessões dos dias: 5/1/1987; 12/1/1987; 19/1/1987; 2/2/1987; 9/2/1987; 16/2/1987; 23/2/1987; 9/3/1987; 16/3/1987; 23/3/1987; 30/3/1987; 6/4/1987; 13/4/1987; 27/4/1987. A maior parte dos processos inclui acta finalizada com lista de presenças, convocatória, sumário dos assuntos tratados, síntese das intervenções e anexos (correspondência, queixas, exposições, relatórios, pareceres, propostas, comunicados, entre outros). Os processos relativos às sessões de dias 6/4 e 13/4 não têm acta finalizada mas incluem uma anotação que remete para a gravação da reunião; incluem, também, elementos de apoio à elaboração da acta e documentos que constituiriam anexos à mesma. Para além dos debates directamente relacionados com a recepção de queixas, exposições, recursos ou pedidos de parecer, são tratados alguns outros assuntos, nomeadamente: Decreto-Lei n.º 358/86; estatutos da Agência Lusa; Resolução do II Congresso dos Jornalistas acerca de competências do Conselho de Imprensa; ante-projecto de diploma do Governo sobre os apoios à imprensa; corte do subsídio de papel ao jornal "Badaladas"; acesso às fontes de informação; Resolução n.º 8/86-A da Assembleia Regional da Região Autónoma dos Açores; incompatibilidade da profissão de jornalista com a actividade publicitária; comunicados, recomendações e pareceres do Conselho de Comunicação Social; projecto de Lei do PS acerca da revisão do estatuto do jornalista; projecto de Decreto-Lei sobre o estatuto da imprensa regional; porte-pago para a imprensa sindical. Refira-se, ainda, sobre o funcionamento do Conselho de Imprensa: campanha "Ler jornais é saber mais"; orçamento do CI para 1987; eleição do Núcleo de Relações Internacionais; proposta do Conselho de Comunicação Social para um encontro de órgãos independentes do Estado; relatórios sobre a situação da imprensa.
Contém documentação relativa a vários casos, nomeadamente: - "Reiterada violação por parte de alguns clubes desportivos do direito de acesso às fontes de informação" - inclui propostas de Alberto Arons de Carvalho ao Conselho de Imprensa, ofícios dirigidos pelo Conselho de Imprensa a diversas entidades solicitando informação sobre eventual violação do direito de acesso a fontes de informação, algumas respostas recebidas, comunicado n.º 25/87 aprovado no plenário do Conselho de Imprensa do dia 25/5/1987; - "Incidentes no Estádio Municipal de Guimarães: impedimentos ao exercício da actividade dos jornalistas" - inclui exemplares dos jornais "Gazeta dos Desportos" e "A Bola", comunicado do Conselho de Administração da Radiodifusão Portuguesa (RDP), comunicado n.º 25/87 aprovado no plenário do Conselho de Imprensa do dia 25/5/1987; - "Direito a informar e direito à reserva da intimidade da vida privada e familiar" - inclui a deliberação sobre uma queixa contra o "Tal e Qual" apresentada pelo membro do Conselho de Imprensa Miguel Lobo Antunes, ofícios dirigidos pelo Conselho de Imprensa a diversas entidades dando conhecimento daquela deliberação, recorte de imprensa; - "Direito a informar - acesso a fontes de informação - visita à Cadeia das Mónicas": inclui deliberação aprovada no plenário do Conselho de Imprensa do dia 12/7/1982, deliberação e comunicado do plenário do Conselho de Imprensa do dia 9/5/1983, recortes de imprensa, proposta de Fernando Cascais ao plenário do dia 21/3/1988, correspondência trocada entre o Conselho de Imprensa e o Gabinete do Ministro da Justiça que inclui informação sobre "Visita da Subcomissão Permanente para os Assuntos Prisionais ao Estabelecimento Prisional das Mónicas - acompanhamento pelos senhores jornalistas"; - "Impedimento de acesso às fontes de informação" - inclui ofícios dirigidos pelo Conselho de Imprensa a diversas entidades solicitando informação sobre casos concretos de impedimentos de acesso às fontes de informação; - "Dificuldades na actividade dos jornalistas nos estádios de futebol" - inclui telex com pedido de audiência apresentado pelo Sindicato dos Jornalistas, recortes de imprensa e notas da audiência concedida pelo presidente do Conselho de Imprensa.
"Semanário Independente", iniciou a sua atividade a 3 de dezembro de 1896 foi suspenso com o n.º 122 a 13 de Abril de 1899. Era impresso na tipografia do jornal. Publicaram-se aqui as primeiras fotos de paisagens panorâmicas do Concelho de Albergaria-a-Velha. Os principais fundadores foram o Prof. Eduardo Silva e João Fortunato de Pinho, tendo Augusto de Albuquerque como administrador. Com o impulso do diretor, editor e proprietário Dr. António de Pinho reinicia-se a publicação a 14 de março de 1901 mantendo-se até ao n.º 356, de 30 de janeiro de 1908. Impresso em tipografia da empresa inicialmente na rua de Barros Gomes, depois na Rua Gonçalo Eriz, Rua Dr. José de Henriques Ferreira e finalmente no Largo do Chafariz, mantém o nome até ao n.º 517, de 18 de maio de 1911 com os redatores Camilo Rodrigues e Eugénio Ribeiro. Ângelo Ferreira Lopes foi o editor de 1901 a 1904, M. da Silva Costa em 1905 e Daniel de Pinho em 1905 e 1906. Formato inicial: 53x38. Depois, a partir do n.° 123, de 1901: 48x34; Com o n.º 184, de 1904: 59x40. Continuou, com o nome de Correio de Angeja e Albergaria. A 1 de agosto de 2012 "recuperando o título de um dos jornais mais emblemáticos do concelho", é novamente publicado num momento de marasmo editorial concelhio. Jornal informativo que acompanha a vida cultural, desportiva, social, concelhia com artigos de âmbito e crítica nacional. Tem como diretor o Dr. Delfim Bismarck Ferreira e a Dr.ª Sara Vinga da Quinta, sub-diretora. A partir do n.º 24, de agosto de 2013, a Dr.ª Sara Vinga da Quinta assume o cargo de diretora e Miguel Cunha é o editor. Impresso na FIG , Industrias Gráficas, SA em Coimbra. Formato: 40x38.
Contém cartas do Conde de Mahem, Francisco Xavier de Noronha da Costa Paulino, nascido em Goa, em 1892, sobrinho de Filomeno da Câmara, dirigida ao Dr. Salazar, a solicitar que lhe seja concedida a Comenda de Cavaleiro da Ordem de Santiago de Espada, entre outros assuntos políticos relativos à Rússia, Estados Unidos da América, China e outros países. Reúne três fotografias do Conde com os seus netos. Integra a carta do Conde a referir que os E.U.A pretendem obter lucros com os negros "que da Libéria pensam transferir um dia para Angola na cultura do açúcar, borracha e café, em concorrência com o Brasil". Menciona o assassinato de 140 indígenas portugueses no Norte de Angola às mãos dos congoleses, com o apoio dos americanos. O conde estranha que o Brasil não apoie Portugal relativamente a África, interroga-se: "Mas no Brasil, os que governam são na maioria de origem branca. Porque então o Brasil pretende que saiamos de África? Nós, que somos os melhores amigos do negro porque permitimos a união de raças, o que os outros países e principalmente os E.U.A. não consente (...)". Por outro lado, descreve a situação de horror vivida pelos brancos em Angola, bandoleiros invadem as fazendas roubam e matam. O Conde apela ao Dr. Salazar, no sentido de informar todos os portugueses "da fatalidade de perdermos as províncias do Ultramar, sobretudo Angola, onde vivem para cima de 200.000 portugueses, que teriam de regressar a Portugal". Em outra carta, o autor refere em tom de indignação "se o delegado da União Soviética tornar a dizer na Assembleia das Nações Unidas que a África é para os pretos, devemos lembrar-lhe que, se for assim, a Ásia é para os asiáticos e, nessas condições a Sibéria tem de deixar de ser russa." Inclui recortes de jornais com fotos de mulheres e crianças portuguesas que foram assassinadas.
Apontamentos manuscritos e artigos publicados em jornais, com a biografia de bispos da diocese do Funchal, do séc.. XIX ao séc. XX. Os biografados e respectivos documentos são os seguintes: D. Ayres D'Ornellas - um artigo intitulado "Embarque do Ex.mo e Revd.mo Sr. Arcebispo de Goa", A Verdade, Funchal, 18.12.1879; um artigo intitulado "D. Ayres de Ornellas e Vasconcellos. Arcebispo de Goa", O Progresso Catholico, Funchal, 15.07.1882; um artigo intitulado "Na Madeira. Magnifica série episcopal", Jornal da Madeira, 10.08.1924; D. Caetano Brandão - apontamento biográfico manuscrito a lápis [em estado precário de conservação]; D. Diogo Pinheiro de Noronha [1.º bispo do Funchal] - apontamentos biográficos manuscritos; D. Estevam Brioso de Figueiredo - um apontamento biográfico manuscrito; D. Francisco José Rui de Andrade - um apontamento biográfico manuscrito; D. Gaspar Afonso da Costa Brandão - um apontamento manuscrito com breve referência bibliográfica; D. José Xavier e Sousa - um apontamento biográfico manuscrito; uma carta com dados biográficos, de 25.01.1902; um apontamento biográfico; um apontamento de João Joaquim Bernardino de Brito e D. José Xavier Cerveira e Sousa; D. Luiz Rodrigues Vilares apontamentos; D. Joaquim de Menezes e Athaide - um apontamento biográfico; um apontamento biográfico intitulado "Decreto"; duas cartas com dados biográficos, de 14.03.1891, e de 18.07.1891; um artigo intitulado "O Bispo Athaíde", por Faria e Castro, Diário de Notícias, Funchal, 09.07.1906; um conjunto de apontamentos biográficos; vários apontamentos biográficos; vários apontamentos biográficos com referências a D. Gabriel d'Almeida; D. João do Nascimento - um caderno intitulado "Memórias do tempo do governo do E.mo Snr Bispo o snr D. Fr. João do Nascimento"; um apontamento biográfico; D. João da Costa Tavares - um apontamento biográfico; D. José de Castro Torres - um apontamento biográfico; D. Manuel Coutinho - um apontamento biográfico; D. Manoel Martins Manso - uma cópia de um artigo publicado, sem título, em Ocidente, n.º 27, vol. 2, Lisboa, 01.02.1879; D. Manuel Barreto - um apontamento intitulado "Santo da Serra. Casa e Capela do Orfanato. Notas do Bispo D. Manuel Barreto"; D. Manuel Mateus Alonso, um apontamento biográfico; D. Miguel dos Santos - um apontamento biográfico.
Esta série reúne os seguintes recortes de jornais sobre a Santa Casa da Misericórdia do Funchal, com artigos do Padre Jacinto da Conceição Nunes e de outros: Cx. 1, doc. 16 "Carta aberta. Razões porque a Misericórdia não tem tido legados ultimamente", Funchal. Cx. 1, doc. 17 "O Hospital da Santa Casa da Misericórdia. O dia de amanhã", Funchal, 1932. Cx. 1, doc. 18 "Santa Casa da Misericórdia. As suas realizações. A nova iniciativa", Funchal, 25 Dez. 1937, 14 Mar. 1937, 19 Mar. 1937 e 02 Abr. 1937. Cx. 1, doc. 19 "É chegada a hora ao Hospital dos Marmeleiros", O Jornal, Funchal, 26 Mar. 1939 e 27 Mar. 1939. Cx. 1, doc. 20 "Um decreto importante - Horizontes novos", O Jornal, Funchal, 23 Jul 1939. Cx. 1, doc. 21 "Ampliação do Hospital da Santa Casa da Misericórdia. Nova sala de operações. Entrevista com o Ilustre Provedor daquela Benemérita Instituição, Rev.º Padre Jacinto da Conceição Nunes", Diário da Madeira, Funchal, 06 Ago. 1939. Cx. 1, doc. 22 "As obras do Hospital dos Marmeleiros", O Jornal, Funchal, 03 Nov. 1939. Cx. 1, doc. 23 "A Santa Casa. No princípio do próximo Verão o Hospital dos Marmeleiros poderá receber mais cem doentes do que hoje recebe. Uma entrevista com o Rev.º Padre Jacinto da Conceição Nunes", Diário de Notícias, Funchal, 10 Nov. 1939. Cx. 1, doc. 24 "Um português de raça", O Jornal, Funchal, 19 Out. 1939. Cx. 1, doc. 25 "A uma Instituição de caridade. A generosidade de um Lord", Diário da Madeira, Funchal, 21 Out. 1939. Cx. 1, doc. 26 "A Santa Casa em festa", Funchal, 01 Jul. 1940. Cx. 1, doc. 27 Quatro recortes intitulados "Machico", s.l., 18 Nov. 1940", "Santa Casa da Misericórdia", O Jornal, Funchal, 24 Nov. 1940, "Padre Jacinto da Conceição Nunes", Diário da Madeira, 26 Nov. 1940 e "Apostilhas. Um Folheto", Diário da Madeira, Funchal, 07 Dez. 1940, assinado X.
A correspondência recebida de Fernando Namora comenta uma certa conferência e o livro Ilha (1950). Também, refere-se ao prefácio "Um Poeta da Ilha da Madeira" de Poesias Completas (1967). Embora "com algumas modificações", é um artigo publicado, anteriormente, na revista Vértice (1951). O texto apresenta várias correcções e anotações manuscritas. Cx. 1, doc. 278 Um cartão de visita. 1945. Cx. 1, doc. 279 Uma carta. 1950. Cx. 1, doc. 280 a 282 Duas cartas e um cartão de visita. 1967. Cx. 1, doc. 283 Original dactilografado do prefácio "Um Poeta da Ilha da Madeira" de Poesias Completas (1967). Junta o índice do livro. A correspondência expedida para Fernando Namora reúne oito cartas de 1967. Conforme a sua organização inicial, a série anexa o seguinte: três provas da capa e uma prova da página com dedicatória de Poesias Completas (Coimbra, Atlântida Editora, 1967); folha de rosto e prefácio de Cabral do Nascimento (21-22); os poemas "Quadras de Fé e de Amor" (23-27), "Lenda da Aldeia" (28-29), "Dia de Inverno" (30) e "Luz" (31-32) do livro Manhã (1927); uma relação (manuscrita) com o endereço de dezanove jornais e quinze revistas. Cx. 1, doc. 284 Uma cópia de 26 de Junho. Cx. 1, doc. 285 a 286 Duas cópias (iguais) de 5 de Julho. Cx. 1, doc. 287 Uma cópia (manuscrita) de 16 de Julho. Cx. 1, doc. 288 Uma cópia (manuscrita) de 25 de Julho. Cx. 1, doc. 289 a 291 Três cópias (sem data), sendo uma manuscrita. Cx. 1, doc. 292 Uma cópia do artigo de Fernando Namora, "Um Poeta da Ilha da Madeira", da revista Vértice, n.º 96, Ago. 1951. Anexa as provas e relação acima referida.
O acervo abrange as datas de 1869 a 1949. Este arquivo conta com o registo de um documento em pergaminho, datado de 1620. É uma quitação em favor de Monsieur Beaumarchais, trésorier de l'Epargne. Este documento não se enquadra na tipologia deste arquivo, que engloba estudos madeirenses, do povoamento aos nossos dias, realizados pelo padre Fernando Augusto da Silva no século XIX e XX. De acordo com a organização inicial do espólio, o investigador tinha entre mãos várias publicações sobre temas da História de Portugal e a Ilha da Madeira. Os estudos e publicações do autor continuam a ser fonte de inspiração e de consulta para muitos trabalhos de investigadores atuais. O inventário do arquivo do padre Fernando Augusto da Silva descreve as quatro secções seguintes: Documentos Pessoais; Documentos Literários; Investigação Histórica e Subsídios para o Estudo da Geologia na Ilha da Madeira. Nas quatro secções, encontra-se uma vasta documentação de estudos pessoais do padre Fernando Augusto da Silva, como apontamentos, notas, transcrições e traduções, em documentação manuscrita, recortes de jornais e livros. Dos documentos, destacam-se os seguintes títulos: Correspondência de Castilho a Monteiro Teixeira, Cristóvão Colombo, Martim Behaim, Arguim, Tratos da Guiné, A Lombada dos Esmeraldos, Ilha do Porto Santo, Relação de Capelas da Madeira, Biografias de madeirenses ilustres, para não citar outros. Assim, o espólio do padre Fernando Augusto da Silva lega importante investigação histórica, desde o povoamento do arquipélago da Madeira até o século XX. Também, pelo seu ineditismo, neste arquivo revela-se importante a correspondência literária do poeta António Feliciano Castilho ao Dr. José António Monteiro Teixeira, enviada do Rio de Janeiro e datada de 1869.
Esta caixa contém: Doc. impressa: - Regimento dos comissários escrivães do Santo Ofício. - Sentença a favor do Marquês de Gouveia sobre a sucessão da Casa de Aveiro. 1749 - Tabela das sessões e solenidades da Academia Real das Ciências de Lisboa. 1896 - Cartas pastorais de bispos. 1743. - Sentenças dadas no Juízo da Coroa. 1749-1753 - Papéis truncados. - Impressos de leis de D. Pedro IV. 1823 - Jubileus e indulgências. 1565-1759 - Breves do Papa Clemente XIV. 1770-1773 - Carta apostólica do Papa Bento XIV. 1745-1751 - Bulas da Cruzada. 1749 - Edital da Universidade de Coimbra. - Relação dos sufrágios que se fizeram pelos defuntos da Irmandade das Almas na Igreja Colegiada de São Pedro da vila de Castro Daire. 1741. Doc. relativa ao fundo Júlio de Castilho e à Colecção Olissiponense parte do mesmo fundo. Séc. XIX. Inclui correspondência, recortes de jornais, os "Índices das valiosas e numerosas estampas de todo o género que doei à Torre do Tombo" que inclui o Aqueduto das Águas Livres, "igrejas, caminhos de ferro, passeios e jardins, estabelecimentos públicos, lojas, monumentos efémeros, monumentos estáveis, paços reais, Rossio, Terreiro do Paço, teatros, vistas gerais, torres, vistas parciais, "Cromos muito bonitos". - "Pensamentos devotos dirigidos à honra e glória do Santíssimo Coração de Jesus, em forma de ofício. Dedicados à Pia e Augusta Rainha por José Jacinto Nunes de Melo, cónego prebendado na Sé de Évora." 1 liv. o liv. encontra-se envolto em capilha com etiqueta da Real Mesa Censória, mas sem número. Doc. do Arquivo do Arquivo: -"Relações de livros e papéis que em virtude da Portaria do Ministério do Reino de 13 de Fevereiro último, foram entregues à Comissão Central dos Pesos e Medidas". 1855. 1 proc.
O Diário da Manhã: jornal de doutrina política e de grande informação era o órgão oficial da União Nacional, e publicou o seu primeiro número em 4 de Abril de 1931. Era propriedade da Companhia Nacional Editora, e esteve sediado na Rua da Misericórdia, 95, em Lisboa. Entre os seus editores e directores encontram-se Domingos Garcia Pulido, António da Fonseca e Barradas de Oliveira. Da fusão entre A Voz e o Diário da Manhã, surgiu em 1 de Fevereiro de 1971, o jornal Época que teve como director A. Fialho Rico. Também este jornal era um órgão oficioso da renomeada Acção Nacional Popular e foi publicado até Maio de 1974. O Serviço Fotográfico era responsável pela manutenção do arquivo fotográfico, dispondo também de um laboratório, e dando resposta a diversos pedidos para efectuar ampliações de fotografias.
Leu com muito gosto nos jornais portugueses o discurso que a Câmara do Rio de Janeiro fez ao Soberano em agradecimento pela elevação do Brasil a Reino Unido ao de Portugal e Algarves; e com dobrado gosto a resposta que Sua Majestade deu à mesma Câmara, anuindo à súplica de se elevar um monumento à memória de tão grande benefício. O autor, aconselha que tal monumento se materialize na edificação de um Palácio para a residência real no interior do Brasil, onde se possa prever a fundação de uma cidade que possa ser a capital do Brasil e a qual deveria adoptar um nome análogo ao do Soberano que a fundar. Tal estabelecimento traria grandes vantagens comerciais e da comunicação interna, facilidade na defesa do país "fugindo ao Rio de Janeiro onde o calor impossibilita toda a actividade e energia dos trabalhos". Louva a oferta de subscrição que o corpo de comércio do Rio de Janeiro subscreveu para a fundação de estabeleciementos de educação pública. Aconselha a abertura de estabelecimentos mais utéis à cidade e outras capitanias como escola prática de minas, onde se pudesse leccionar matérias como a aritmética, a geometria, a química, a mecânica e mais ciências naturais aplicadas às artes; estabelecimento de sociedades económicas nas diversas capitanias. Critica a ideia de fundar uma Universidade no Brasil, sustentando que no estado actual da Monarquia uma basta, porque outra "Fabrica de bachareis e letrados" aumentaria a "turba miserrima" destes e roubaria braços à lavoura e às artes e produziria um grande número de "semidoutos ociosos e falladores, de poetas de agoa doce, de propagadores de ideias liberais e dos direitos do homem", gerando grandes problemas num país como o Braisl onde a maior parte da povoação é composta de escravos e de gente de cor. Seria fatal para o Brasil e para toda a monarquia pois cortaria o quase único fio de ligação entre a metrópole e o novo reino.
Contém documentos relativos à apresentação e/ou preparação de lições e conferências públicas, por José Francisco David Ferreira. As coleções encontram-se organizadas por assuntos e incluem anotações ou provas de autor manuscritas, separatas (do próprio David Ferreira: «Fecundação artificial. Reflexões sobre o progresso científico e tecnológico», publicado na revista «Medicina» ou «Advento e consolidação da investigação bio-médica em Portugal - Contribuição da escola de histologia de Lisboa», e ainda de outros autores como Luís Archer ou Manuel Valente Alves), artigos impressos (recortes de jornais genéricos, versões de artigos da Wikipédia, por exemplo), programas de conferências, alguma correspondência. Neste conjunto, encontramos refletidos os seguintes assuntos: «fertilização in vitro» e «procriação medicamente assistida», «ética e integridade científica» («ethics and scientific integrity» seminário coordenado por João Lobo Antunes, no âmbito do Programa Gulbenkian de Formação Médica Avançada, em 2009). Documentação sobre Louis Pasteur (reunida no âmbito do ciclo «Um autor, uma obra» promovido pela Cooperativa de Estudos e Documentação SARL, em 1974) ou sobre o doutoramento honoris causa de Fernando Nobre (2002), de que David Ferreira foi padrinho, refletem os diversos interesses e planos de atividade em que este último se movimentou e teve participação ativa, relacionados com a prática e o ensino médicos, com a universidade e outras instituições científicas. Ainda relacionada com a temática do ensino médico, é a coleção de artigos publicados por José Pinto Correia - que foi presidente do Conselho Científico da FML -, na imprensa genérica ou especializada entre 1958 e 1984 que David Ferreira conservou. O denominador comum desta coleção foi uma vez mais o ensino médico e, em concreto, um «Debate sobre ensino pré-graduado na Faculdade de Medicina de Lisboa», organizado em 20 de dezembro de 1984.
Contém apontamentos manuscritos organizados por assuntos, relacionando-se sobretudo com as atividades letivas e de conferencista que José Freancisco David Ferreira exerceu na qualidade de investigador, professor catedrático e depois vice-reitor da Universidade de Lisboa. Lições em cursos (por exemplo, manuscritos que suportaram as sessões de introdução no «Curso de Histologia e Embriologia» ou as aulas sobre reprodução humana e biologia celular, entre 1978 e 1987), palestras ou conferências públicas (como «As novas tecnologias da reprodução - Factos e consequências», na Universidade do Algarve, em maio de 1999), e outras intervenções que David Ferreira protagonizou encontram-se entre os documentos conservados (ainda, como exemplo, «Organismos geneticamente modificados» ou «Ciências básicas e medicina do nosso tempo», palestra proferida na Sociedade de Ciências Médicas; abertura da sessão «Estado da arte - avanços na área da biologia molecular e celular» pronunciada no Curso de Pós-Gradução «Genética, Genoma e Genómica: da clínica à saúde pública» pela Escola Nacional de Saúde Pública em parceria com a Sociedade Portuguesa de Genética Humana, em 2005). Conservam-se igualmente várias notas dispersas sobre medicina, história do ensino médico, história da ciência («Obra de Bacon», «Cronologia médica»), incluindo mais raramente recortes de jornais sobre assuntos de atualidade científica, médica ou social da época. Neste grupo, inclui-se um conjunto de memorabilia (cartões de visita, bilhete de teatro, anotações avulsas) relacionada com uma viagem que David Ferreira efetuou ao Brasil, já na qualidade de vice-reitor da Universidade de Lisboa, para participar na «Conferência Internacional sobre Educação Médica». Esta viagem realizou-se em outubro de 2000. Nessa ocasião, David Ferreira foi recebido na Academia Nacional de Medicina de Rio de Janeiro, tendo proferido um discurso, cujo texto igualmente se preservou. À margem destas coletâneas, conserva-se um conjunto de fotografias relativas à prova pública de agregação de Maria Clara Pinto Correia, apresentada à Universidade de Lisboa, em 2004, perante um júri presidido por David Ferreira, bem como outro material informativo sobre o GAPIC e o IMM.
Fundado, em finais de 1880, no rescaldo das comemorações do tricentenário da morte de Camões, "O Século", na sua fase inicial (1880-1896), empenhou-se, sobretudo, na afirmação do projecto republicano. Foi seu primeiro director, o jornalista e advogado, Sebastião Magalhães Lima, o qual fundou o jornal com Anselmo Xavier, advogado, António Pinto Leão de Oliveira, médico, João de Almeida Pinto, jornalista e José Campelo Trigueiros de Martel, proprietário. Graças à colaboração de uma élite de jornalistas e intelectuais republicanos, a propaganda intensa e desassombrada das colunas do jornal, bem como o ardor da liderança de Magalhães Lima, assente em campanhas demolidoras, como a que ocorreu, em 1881, contra o Tratado de Lourenço Marques, mantiveram elevado o interesse do público pelo periódico, granjeando-lhe, desde o início, imenso sucesso. Nos finais de oitocentos, em virtude de mudanças ocorridas na propriedade da empresa e de algumas divergências com os seus consócios, José Joaquim da Silva Graça, já então exercendo funções de administrador, tornou-se o sócio maioritário, sucedendo a Magalhães Lima na respectiva direcção. O novo director, adoptando uma estratégia de comunicação de massas, direccionadas aos mais diversos tipos de público, soube interagir sobre eles para ganhar, por um lado, a sua adesão à causa republicana, por outro, a aceitação e expansão do jornal. Introduzindo processos de atracção e de penetração até então desconhecidos em Portugal, como a organização de uma impressionante rede de correspondentes, pela sua abrangência e rapidez de expansão, Silva Graça transformou o diário, em poucos anos, num empreendimento comercial vigoroso, dando azo a novos investimentos e, consequentemente, ao aparecimento de novos suplementos ("O Século Humorístico", "Modas e Bordados", "Brasil e Colónias"), edições especiais (publicações de folhetins, "Século da Noite") e outras publicações ("Almanaque d' O Século", "Século Cómico", "Ilustração Portuguesa", "Os Sports", "Século Agrícola"). Assim, definindo a matriz d' "O Século" e a sua identidade cultural a partir da importância atribuída à informação, da preocupação com a diversidade de públicos e da defesa dos cidadãos através de campanhas e da organização de iniciativas de carácter desportivo, cultural e assistencial, Silva Graça ajudou não só a concretizar a República, como a transformar o periódico num grande órgão de informação de entre e além fronteiras, cuja divisa, "o jornal de maior circulação em Portugal" passou a ostentar no cabeçalho. Contudo, atingida a maturidade empresarial, mais precisamente, em 1920, a crise instalou-se na empresa. Na sua origem estiveram, por um lado, as repercussões da violenta campanha contra a Companhia Portugal e Colónias, em que "O Século" denunciou os abusos monopolistas referentes à questão do pão, e por outro, as divergências entre Silva Graça e seu filho relativamente à orientação do jornal. Tentando tirar partido da crise de liderança que a empresa atravessava, a já referida Companhia investiu numa grande ofensiva para controlar o periódico, acabando por o conseguir, em 1922. Na posse da Companhia Portugal e Colónias até finais de 1924, e sob a orientação de vários directores, entre os quais Cunha Leal, a viragem na propriedade do jornal processou-se ao ritmo das movimentações políticas que foram ocorrendo na sociedade portuguesa por essa altura. Das várias lutas desencadeadas contra o regime republicano, destacou-se a liderada pela confederação patronal União dos Interesses Económicos, também considerada um espaço privilegiado de oposição ao regime e, meses depois, de conspiração a favor de uma intervenção militar, congregando elementos de outras sensibilidades políticas. Assim, foi num contexto de preparação da opinião pública para a eclosão de um golpe de estado destinado a impor uma ditadura militar que, em Novembro de 1924, João Pereira da Rosa, ex-funcionário d' "O Século", desde 1920, Carlos Oliveira, um dos fundadores da organização patronal, e Mosés Amzalak, economista, além de presidente da Associação Comercial de Lisboa e da Comunidade Judaica, adquiriram para a referida organização o jornal "O Século" e a sua empresa editora, atribuindo a sua direcção ao jornalista e diplomata, Henrique Trindade Coelho, e a administração a João Pereira da Rosa, na qualidade de administrador-delegado. O reconhecimento do apoio do jornal ao novo regime viria, no entanto, a forçar a saída do seu director. Na sequência do triunfo do 28 de Maio, Trindade Coelho, agastado politicamente por críticas e ofensas de certa imprensa, abandonou a direcção, em Junho de 1926. Nos termos dos estatutos da sociedade comercial editora do jornal, sucedeu-lhe o administrador delegado. Passados os primeiros meses de mandato do novo director, o conselho de administração da empresa editora, Sociedade Nacional de Tipografia, composto pelo grupo adquirente, definindo atitudes, em notícia divulgada a 10 de Novembro, proclamou a independência do jornal face à União dos Interesses Económicos, clarificando ainda a posse exclusiva da propriedade da empresa, com fundamento nas responsabilidades assumidas no seu processo de aquisição. Várias associações, participantes no processo em causa, sentiram-se então ludibriadas. Destas, destacou-se a Associação Industrial Portuguesa que, liderando o grupo dos queixosos, sustentava que o jornal havia sido comprado para a União dos Interesses Económicos e não para os três. Instalada a polémica, a questão permaneceu em foco até 1928, sendo seguida com grande entusiasmo pela opinião pública. João Pereira da Rosa, apontado como o mentor e principal beneficiário da operação, aceitou debater o caso. Na Associação Comercial de Lisboa, de Dezembro de 1926 a Janeiro de 1927, as sessões agitadas e tumultuosas das assembleias gerais, presididas por Carlos de Oliveira, sucederam-se. Dois anos depois, a legar às gerações vindouras a sua defesa, João Pereira da Rosa publicou a separata "O Caso d' O Século". Ultrapassada a polémica, e consolidado o regime, a Sociedade Nacional de Tipografia, sob a condução de João Pereira da Rosa, voltou a caracterizar-se por um grande dinamismo empresarial, de acordo com a sua cultura organizacional. Ampliando a rede de correspondentes, melhorando a distribuição e remodelando o parque gráfico, os objectivos passaram a centrar-se na abertura de novas sucursais, na renovação de outras, no desenvolvimento da Editorial O Século, no lançamento de novas publicações ("O Cinéfilo", "O Século Ilustrado" e "A Vida Mundial") e, sobretudo, na introdução de novos suplementos e publicações, dirigidos a um público infantil, de que salientamos o popular "Pim-Pam-Pum" e a revista "Joaninha". Mas foi, sem dúvida, graças ao investimento em centenas de iniciativas de diversão, de solidariedade social, de carácter cultural, desportivo e patriótico, levadas a cabo entre 1927 e 1938, que o jornal reforçou a sua popularidade em todo o país. Dessas, a Colónia Balnear Infantil, iniciada, em 1908, e retomada em 1927, em S. Pedro do Estoril, constituiu o corolário de todas as obras que o jornal desenvolveu em prol da causa de protecção à infância desprotegida. De 1934 a 1938, João Pereira da Rosa, através de um empréstimo contraído à Caixa Geral de Depósitos, conseguiu comprar as acções de Carlos Oliveira e de Mosés Amzalak, reforçando a sua posição na Sociedade Nacional de Tipografia. Em 1938, na qualidade de accionista maioritário, fez entrar os seus dois filhos, Guilherme e Carlos Alberto Pereira da Rosa, para a administração. Estes, condicionados por uma conjuntura política, cada vez menos favorável ao debate das ideias e ao tipo de campanhas movidas pelo Século, enveredaram pela estratégia da diversão pública, organizando e promovendo variadas iniciativas populares e desportivas. Em 1940, aquando da realização da Exposição do Mundo Português, e em 1943, na sequência da instalação da Feira Popular, no Parque da Palhavã, este papel de promotor de múltiplas actividades impôs-se. Porém, com o recrudescer da oposição, desde o final da guerra, a posição d' "O Século" começou a revelar alguns indícios de ambiguidade face à continuidade do regime. Essa atitude valeu-lhe o afastamento da organização da Feira Popular, entre 1948 e 1950. Em 1951, retomou a tradição, mantendo-a, até 1956, despedindo-se da Palhavã, nesse ano, por sinal o da ocorrência nela da primeira emissão televisiva. Para colmatar o vazio deixado pelo encerramento da antiga Feira, principal fonte de receita da Colónia Balnear, a empresa lançou novas iniciativas: Os Salões de Artes Domésticas, em 1957; a Feira de Alvalade, em 1958, promovida com a colaboração do Sporting Club de Portugal; os concursos com a colaboração da Radiotelevisão Portuguesa. Todavia, face a resultados pouco satisfatórios, a organização da Feira Popular acabou por ser retomada, em 1960, no espaço do antigo Mercado Geral do Gado, em Entrecampos, único espaço que a Câmara Municipal de Lisboa se dispôs a licenciar e, ao longo de anos, a prorrogar a autorização. Sem ser o local ideal, foi, no entanto, o recurso que permitiu à empresa fazer face aos encargos de carácter social e aos défices da publicidade do jornal, cada vez mais agravados pela concorrência da rádio e da televisão. Não obstante as dificuldades, durante a década de cinquenta, "O Século" conseguiu manter o seu prestígio e popularidade. Através da diversificação de suplementos ("Desportivo", "Artes e Letras", "Vida Feminina", "As Voltas que o Mundo dá", "Portugal de Lés a Lés"), o jornal visou todo tipo de público, reforçando ainda o seu papel de escola de jornalistas. Após a morte de João Pereira da Rosa, em 1962, sucedeu Guilherme Pereira da Rosa, já então director adjunto, desde 1950. Consciente da difícil situação financeira herdada, e de um contexto político e económico desfavorável, a nova direcção lançou mão a todos os meios para responder aos problemas decorrentes da profunda alteração da imprensa, durante os anos 60, como a concorrência da televisão, as pressões dos grandes grupos económicos e o crescente endividamento à banca, motivado pelas necessidades de investimento na modernização do parque gráfico. Contudo, no início dos anos 70, as estratégias, até então adoptadas, revelaram-se insuficientes para compensar a crescente subida da inflação e das despesas. Sem qualquer apoio governamental e onerado com mais impostos sobre a publicidade, o jornal passou a evidenciar um claro alinhamento com a oposição ao regime marcelista. Em Setembro de 1972, Guilherme Pereira da Rosa, aceitando uma proposta do grupo económico de Jorge Brito, detentor do Banco Intercontinental Português, acedeu a vender a sua posição na Sociedade Nacional de Tipografia. Para gerir a empresa, numa conjuntura económica complexa, de continuidade da inflação, com subidas das matérias-primas e de custos com pessoal, foi nomeado o chefe adjunto da redacção, Manuel Figueira. Este, ligado ao jornal, desde 1964, foi o primeiro dos últimos directores à frente d' "O Século" na sua fase terminal. Após a mudança do regime, em 25 de Abril de 1974, assegurou a direcção ainda durante alguns meses. No início de 1975, face ao recrudescer da luta ideológica e partidária no seio da empresa, a qual motivou a expulsão dos seus administradores, acabou por pedir a demissão. Na sequência daquela atitude, a 14 de Fevereiro de 1975, o Conselho de Ministros nomeou uma nova administração para a Sociedade Nacional de Tipografia, alterando ainda, profundamente, a linha editorial do jornal. A intervenção do Estado, auspiciando, desde logo, o fim da empresa privada, teve como consequências: a perda da independência do periódico; as lutas internas político partidárias; a situação de agravamento económico da empresa, com um acentuado decréscimo de vendas do jornal e restantes publicações; um aumento indirecto das dívidas ao Estado. Em finais de 1975, com o governo a dar sinal de querer pôr termo à situação deficitária da imprensa dependente do Estado, surgiu o projecto de lei da imprensa estatizada, baptizado com o nome de Almeida Santos, então ministro da Comunicação Social, e, em Julho de 1976, o decreto da nacionalização das posições privadas das empresas. Por força daquele diploma, foi criada a Empresa Pública dos jornais Século e Popular, constituída em resultado da fusão das sociedades gestoras dos dois jornais: Sociedade Nacional de Tipografia e Sociedade Nacional de Imprensa. Contudo, em virtude do estado de falência técnica e dos problemas herdados de gestões anteriores, aquela empresa cedo foi considerada em situação insustentável e irrecuperável, vindo a ser extinta, em finais de 1979. Pela direcção d' "O Século" passaram, nos últimos quatro anos da sua existência, vários directores. Sucederam-se ao ritmo das mutações e vicissitudes dos contextos políticos do momento. Apesar da brevidade dos seus mandatos, registamos, entre outros, os nomes de: Adelino Tavares da Silva, João Gaspar Simões e Manuel Magro.
Livro Copiador de Correspondência Geral Expedida do Sindicato Nacional dos Farmacêuticos desde 4 de fevereiro de 1939 a 2 de novembro de 1939, encontra-se organizado cronologicamente e contém 500 registos dactilografados de cópias dos ofícios, telegramas e cartas expedidas por este Sindicato na generalidade a sócios e entidades várias sobre diversos assuntos nomeadamente reuniões da Direção e das Comissões do Sindicato, pagamento de quotas, comunicados para vários jornais, inventário da Misericórdia de Évora, eleições, partidos farmacêuticos, doações, encerramento de farmácias, publicação de notícias, queixas, carteiras profissionais e números de sócios, fiscalização de venda de medicamentos, pedidos e envio de documentos, agendamento de reuniões, transferência de sócios, fiscalização de farmácias e drogarias, licenças porta aberta de farmácias, exercício de medicina na farmácia, criação de secções distritais do Sindicato, pagamento de bilhetes para espetáculos, diretores técnicos e propriedade de farmácias, Lutuosa Farmacêutica, tradução em língua portuguesa de termos farmacêuticos, demissão coletiva da direção do Sindicato em 1939, venda ilegal de medicamentos/especialidades, inscrição/cancelamento de sócios, pareceres do consultor jurídico do Sindicato, alterações de morada, devolução de jornais, convites para cargos do Sindicato, convites para conferências, concessão de licença para a instalação de laboratório de produtos farmacêuticos, convite para sessão inaugural do II Curso de Férias de Farmácia, reclamação relativa à venda de medicamentos em mercearias e tabernas, horário de funcionamento das farmácias, categorias profissionais abrangidas pelo Sindicato, resposta acerca de memorandum da Secção Distrital do Porto ao Governador Civil, visita do Grémio Distrital dos proprietários de Farmácias de Lisboa, pedido de redação de artigos para o boletim/jornal do Sindicato, criação de comissões, licenças camarárias para as farmácias, protestos contra artigos de jornais, demissão de fiscais privativos do Sindicato, obras de limpeza do edifício sede, votos de pesar. Na sua maioria, os ofícios contidos neste livro são assinados por João Francisco de Jesus, João Marques Canas, Presidente e Secretário do da direção do Sindicato, Manuel Rodrigues Loureiro, Joaquim Pedro de Alcântara Ferreira e Costa, Gerardo Rodrigues Maria da Matta, Presidente e 1os Secretários da Comissão Administrativa do Sindicato. O final do livro apresenta um índice de destinatários organizado por ordem alfabética com indicação da localidade e dos respetivos números de ofício. Entre os destinatários encontram-se A. Romano Baptista, Abílio Monteiro, Administração Geral dos Correios e Telegrafo, Alberto Coelho Nogueira, Alberto Dias, Alberto Luís Ferreira, Alexandre José Maria Mendes, Alfredo Correia Frias, Alfredo de Oliveira, Alfredo Manuel Candeira, Alice da Glória Miranda de Morais, Aluísio da Cruz Marques Leal, Ana Vieira, Antero Leal Marques, António Augusto de Carvalho Pessoa, António Augusto Ladislau Calapez, António Augusto Rilley da Mota, António de Oliveira Salazar, António de Sousa Vieira, António Feliciano Ribeiro, António Ferreira Pinto, António José da Costa, António Maria da Gama Júnior, António Rocha da Torre, António Tibério Dores, Armando de Campos Palermo, Armando Gonçalves Ramos, Armando Maria Dionísio, Armando Nifo, Associação de Socorros Mútuos dos Empregados no Comércio e Indústria, Associação de Socorros Mútuos José Maria Correia Legado do Caixeiro Alentejano, Associação dos Farmacêuticos da Turquia, Augusta dos Reis Pais, Augusto Rosa dos Santos Arnaut, Azevedo Cabral, Bartolomeu Bana Martins, Caixa Geral de Depósitos, Crédito e Previdência, Câmara Municipal de Lisboa, Camilo Artur Girão Oliveira Veloso Osório, Carlos Cândido Coutinho, Casa do Povo de Alcains, Casa do Povo de Moncarapacho, Coelho Gonçalves, Comissão Administrativa da Fundação Nacional para a Alegria no Trabalho, Comissão Executiva da União Nacional, Conselho Geral da Ordem dos Médicos, Conselho Regional de Coimbra da Ordem dos Médicos, D. António Pereira Forjaz, Daniel Simões Lucas de Carvalho, Direção Geral de Saúde, Eduardo Matos Boavida, Escola de Farmácia de Lisboa, Estação Postal (Elvas, Estoril, Parede), Farmácia Abreu, Farmácia Barella, Farmácia Central do Exército, Farmácia Estácio, Farmácia Fénix, Farmácia Pedroso, Fernando de Araújo Ferreira, Filomena Moreira da Costa, Firma Alves e Cia. Irmãos, Francisco Pereira Campos, Francisco Pinharanda, Francisco R. dos Santos Costa, Gabriel Varela Fradinho, Gaspar Peres de Castro, Gerardo Rodrigues Maria da Matta, Governo Civil de Lisboa, Grémio Distrital dos Proprietários de Farmácia de Lisboa, Henrique António Rodrigues, Ilídio de Almeida Feliz, Inspeção do Exercício Farmacêutico, Instituto Nacional de Estatística, Instituto Nacional do Trabalho e Previdência, J. Pereira da Rocha, Jaime Alves Barata, João Afonso Pacheco, João Celestino Cerqueira Afonso, João José de Brito, João Maria da Fonseca e Pinho, Joaquim Evaristo de Almeida, Joaquim Fernandes Pestana, Joaquim José Caetano Castela, Joaquim Mota Capitão, Joaquim Pedro de Alcântara Ferreira Costa, Joaquim Pereira, Jornal 1º de Maio, Jornal da Tarde, Jornal Notícias Farmacêuticas, Jornal O Diário de Notícias, Jornal O Século, José Arede Fernandes, José Augusto Ventura, José Cipriano Rodrigues Diniz, José da Cruz Bucho, José de Avelar Almeida Ribeiro, José de Oliveira Júnior, José Dias Hipólito Parente, José Eleutério Rodrigues Dionísio, José Firmino Ribeiro da Cunha, José Gonçalves Bandeira, José Joaquim Ribeiro, José Maria Mendes, José Martinho Nunes Júnior, José Ricardo do Vale, José Vitorino Peres, Júlio Baeta Rebelo, Júlio Baptista, Júlio de Almeida, Leão Rodrigues de Almeida Correia, Lúcio António Rocha D’ Anunciada, Luís de Almeida Gomes Pacheco, Luís José Botelho Seabra Lopes, Lupi Nogueira, Manuel Baptista da Costa, Manuel do Carmo Correia, Manuel Godinho de Matos, Manuel José Rego, Manuel Lourenço dos Santos, Manuel Maria Rodrigues Taborda da Costa, Manuel Maria Salgueiro Barcelos, Manuel Marques Guerreiro Crespo, Manuel Pereira da Silva, Manuel Pinheiro Nunes, Manuel Rodrigues Loureiro, Maria Carolina de Almeida Varela, Maria Cecília de Sousa Lobo, Maria Clara Veloso Branquinho, Maria José Soares Cabeçadas, Mário de Mesquita Lopes, Mário Pais de Sousa, Miguel António Fialho Vogado, Miguel Sá da Bandeira, Ministério da Guerra, Ministério do Comércio e Indústria, Ministério Público do Tribunal do Trabalho de Lisboa, António Augusto Moz Teixeira, Pedro Maria Lecoq Júnior, Raul de Carvalho, Raul Pancada, Recorte, Ricardo Aires de Oliveira, Rodolfo Fragoso, Rodrigo Maria Frazão, Rui João Aboim de Faria Pereira, Ruy Telles Palhinha, Ruth Correia Ferreira, Saúl Alírio Pereira, Sebastião Monteiro Rego, Secção Distrital do Sindicato Nacional dos Farmacêuticos (Aveiro, Beja, Évora, Porto, Santarém, Braga, Viseu), Secretaria de Estado das Corporações e Previdência Social, Sertório Ferreira, Silvina Fontoura de Carvalho, Sindicato Nacional dos Ajudantes de Farmácia do Distrito de Lisboa, Sociedade de Produtos Químicos, Sociedade Industrial Farmacêutica, Manuel das Dores Tello da Fonseca, Thebar de Oliveira, Tomás Simões Viana, União Portuguesa de Comércio.
Júlio de Castilho, 2º visconde de Castilho, nascido a 30 de Abril de 1840 em Lisboa, na Calçada do Duque, e falecido a 8 de Fevereiro de 1919, no Lumiar, na Travessa do Prior, foi o mais velho dos filhos de António Feliciano de Castilho e de Ana Carlota Xavier Vidal. Do pai herdou o título de visconde, que deteve desde 24 de Abril de 1873. Casou com D. Cândida Possolo Picaluga, nascida a 9 de Agosto de 1840, filha de Possidónio Augusto Possolo Picaluga. Tirou o curso superior de Letras, sendo vários os cargos que posteriormente desempenhou. Poderão destacar-se o de governador civil da Horta (1877 a 1878); o de cônsul-geral de Portugal em Zanzibar (1888); o de bibliotecário, na Biblioteca Nacional de Lisboa; o de professor de História e Literatura Portuguesa do príncipe D. Luís Filipe (desde 1906). Foi correspondente literário do "Diário Oficial" do Rio de Janeiro, sócio correspondente da Academia Real das Ciências, académico honorário da Academia Real de Belas Artes, sócio efectivo da Associação dos Arquitectos e Arqueólogos Portugueses, correspondente do Instituto de Coimbra, do Gabinete Português de Leitura em Pernambuco, do Instituto Vasco da Gama de Nova Goa, da Associação Literária Internacional de Paris, membro honorário do Grémio Literário Faialense e do Grémio Literário Artista da Horta. Foi poeta, tendo publicado o seu primeiro trabalho neste domínio num almanaque de 1854, dramaturgo, tradutor, memorialista e historiador. Produziu igualmente desenhos e pinturas. Conhecido pelo seu interesse pela olisipografia, de que é considerado o fundador, publicou "Lisboa Antiga", em 8 tomos (1879 e 1884 a 1890); "A Ribeira de Lisboa" (1893). Já num outro domínio, publicou "As memórias de Castilho" (1881); "Manuelinas" (1889); "Elogio histórico do arquitecto Joaquim Possidónio Narciso da Silva" (1897); "Amor de mãe: cenas da vida moderna de Lisboa" - 1900; "Os dois Plínios? "(1906); "José Rodrigues: pintor português" (1909); "Fastos portugueses" (1918).
Livro de Atas das Sessões da Direção da Secção Distrital de Viseu do Sindicato Nacional dos Farmacêuticos com início a 25 de outubro de 1937 e termo a 31 de dezembro de 1942, contendo a ata Nº1 à ata Nº 37. As respetivas atas contêm indicação da data, hora e local de realização da sessão, dos membros presentes, da correspondência recebida e de assuntos propostos pelos diferentes membros. As sessões deste livro foram presididas por Arnaldo de Melo Machado da Silveira. Todas as folhas estão numeradas e rubricadas pelo Presidente da Comissão Administrativa da Secção Distrital de Viseu do Sindicato Nacional dos Farmacêuticos em exercício em 1937, Arnaldo de Melo Machado da Silveira. Nas sessões deste livro foram abordados temas como a tomada de posse dos Corpos Gerentes (Arnaldo de Melo Machado da Silveira, António Pais d’Oliveira e António de Almeida Feliz), tomada de posse dos Corpos Gerentes (Arnaldo de Melo Machado da Silveira, Dionísio Paula da Silveira e António d’Almeida Feliz), tomada de Posse da Comissão Dirigente (Arnaldo de Melo Machado da Silveira, João de Almeida Mateus, Dionísio Paula da Silveira e António d’Almeida Feliz), transferência dos bens da Secção Distrital de Aveiro do Sindicato Nacional dos Farmacêuticos entre a Direção e a Comissão Dirigente, admissão e demissão de sócios, análise do balanço de caixa, balanço do número de farmacêuticos em exercício no Distrito de Viseu, tomada de posse da Comissão Administrativa (António Pais de Oliveira, João d’Almeida Mateus, e Dionísio Paula da Silveira), envio de circular acerca da instituição da carteira profissional, pagamento ao Sindicato Nacional dos Farmacêuticos relativo às quotas dos sócios, envio de fotografias e dados relativos aos sócios da Secção Distrital de Viseu do Sindicato Nacional dos Farmacêuticos à Direção Nacional da Ordem dos Farmacêuticos, parecer acerca do horário de trabalho das Farmácias, envio de felicitações ao Senhor Presidente do Conselho de Ministro dos Negócios Estrangeiros pelo acordo estabelecido com a Santa Sé, aquisição de máquina dactilográfica, convocação de Assembleia Geral; Divulgação de convocatória de Assembleia Geral nos jornais periódicos da região “Política Nova” e “Jornal da Beira”. Nas atas deste livro também foram discutidos os orçamentos da instituição para o exercício dos diferentes anos nele descritos.
Pasta de correspondência avulsa recebida e expedida da Associação dos Farmacêuticos do Centro de Portugal, correspondente ao período de 30 de março de 1927 a 26 de abril de 1933, composta por documentos manuscritos e datilografados nomeadamente ofícios, cartas e telegramas organizados cronologicamente, e tratam de diversos assuntos nomeadamente sobre votos de sentimento pelo falecimento de Lima Duque, Alberto Malta e de Aureliano José dos Santos Viegas, questões relativas à publicação do regimento do preço dos medicamentos, denúncia do exercício ilegal de farmácia, parecer do conselho fiscal relativo ao movimento de sócios e ao movimento de caixa, mapas de registo de estupefacientes, eleição de corpos gerentes, representação da Associação e da Sociedade no funeral de Vicente José de Seiça e de Alberto Malta, subscrição de ajuda monetária para Manuel das Dores Tello da Fonseca, recorte de jornal sobre a lei do selo das especialidades farmacêuticas, pedido de jornais da Sociedade Farmacêutica Lusitana, homenagem a Alberto Malta, representação da Associação dos Farmacêuticos do Centro de Portugal ao Ministro de Guerra reforçando o parecer da Sociedade Farmacêutica Lusitana de limitar a esfera de ação da Farmácia Central do Exército, marcação de reunião entre associações, direção técnica de farmácias por farmacêuticos empregados públicos, saudação ao presidente do Real Colégio de Farmacêuticos de Madrid, apreciação do projeto de lei sobre o exercício profissional de medicina, especialidades farmacêuticas estrangeiras, marcação de reunião com Bissaya Barreto, reunião de comissões, representação ao Ministro do Interior acerca do número de habitantes por farmácia nas cidades da zona centro e comparação com outras cidades da Europa. Nomes mencionados: Alberto Malta, Antero dos Reis Gomes, António Antunes dos Santos, António de Jesus Pita, António Maria da Gama Júnior, António Pais Mamede, António Pinho, Arménio do Amaral Ferreira, Associação dos Farmacêuticos de Setúbal, Associação dos Farmacêuticos do Centro de Portugal, Associação dos Médicos Portugueses, Aureliano José dos Santos Viegas, Bento da Silva Marques, Bissaya Barreto, Carlos Cândido Coutinho, Centro Farmacêutico do Algarve, Centro Farmacêutico Português, Ernesto Mercier de Miranda, Fernando Pimenta, Guilherme de Barros e Cunha, João Mateus Fernandes, Joaquim Pedro de Morais, José Rodrigues Marques, Lima Duque, Manuel das Dores Tello da Fonseca, Ministério da Guerra, Real Colégio dos Farmacêuticos de Madrid, Rui Augusto Alves Mendes, Sociedade Farmacêutica Lusitana, União dos Farmacêuticos de Braga, Vicente José de Seiça, Victor Branco.
Livro Copiador de Correspondência Expedida pela Sociedade Farmacêutica Lusitana, de 1 de agosto de 1883 a 30 de junho de 1884, organizado cronologicamente. Inclui índice da correspondência expedida no ano económico de 1883 a 1884, contendo cópias manuscritas de correspondência sobre diversos assuntos, nomeadamente sobre eleição de Corpos Gerentes e Comissões, louvores por serviços prestados à Sociedade, admissão e demissão de sócios, análises a órgãos e alimentos, pareceres das Comissões, comissão para estudar a celebração do congresso e exposição farmacêutica em Lisboa em 1885, envio de diplomas, jornais e cópias do estatuto aos sócios, pagamento de quotas, exercício ilegal de farmácia, ofertas à biblioteca e arquivo da Sociedade, envio de amostras de plantas naturais de Bissau à Sociedade, representação da Sociedade na eleição de juristas para a Junta de Crédito Público. Entre os destinatários encontram-se Acelino Augusto Lopes, Agostinho Sisenando Marques, Alfredo da Silva Machado, António Augusto de Ascensão, António Gomes Roberto, António Joaquim Pinto, António José de Araújo, António José Pimentel, António Martins Vidigal Salgado, António Sátiro Xavier de Castro, Augusto de Oliveira Abreu, Augusto Ribeiro dos Santos Viegas, Benjamim Fériu, Boaventura de Lima Sanches, Cândido Ferreira da Mota, Centro Pharmacêutico Portuguez, Cesário Correia da Silva, Colégio de Farmacêuticos de Madrid, Duarte Pereira Dias Ribeiro, Elizeu Victor Machado, Emílio Manuel Fragoso, Firmino Augusto de Pina Coelho, Francisco de Assis Aragão Araújo, Francisco de Carvalho, Francisco José de Oliveira Xavier, Francisco José Malato, Ignacio Figueiroa y Hernandez, João Cardoso Júnior, João de Jesus Pires, Joaquim Alves Cristóvão, Joaquim António Cardoso, Joaquim de Santana Machado Figueiras, Joaquim José Alves, Joaquim José Cândido de Campos Taborda, Joaquim Simões Serra, José António da Mota, José António de Oliveira, José Augusto Pancada, José Bento Coelho de Jesus, José Dionísio Correia, José Ferreira da Silva, José Gomes de Matos, José Maria de Miranda, José Maria Ribeiro Retina, José Mendes de Assunção, José Mendes Jara, José Pereira Rodrigues, José Ribeiro Guimarães Drack, José Tedeschi, José Tomás de Sousa Martins, Manuel Augusto da Mota Feliz, Manuel Francisco do Amaral, Manuel Gomes Soares, Manuel Vicente de Jesus Abrantes, Manuel Vicente de Jesus, Miguel Barbosa da Costa, Ministério do Reino, Procurador Régio, Próspero Ribeiro Chaves Meireles, Ricardo Xavier da Silva, Silvério Mendes Marques Couceiro.
Livro Copiador de Correspondência Expedida pela Sociedade Farmacêutica Lusitana, de 5 de novembro de 1922 a 5 de dezembro de 1924, organizado cronologicamente e contendo cópias manuscritas, em folhas numeradas, de correspondência expedida sobre diversos assuntos, nomeadamente sobre eleição de Corpos Gerentes e Comissões, pagamento de quotas, diplomas e jornais, pareceres das Comissões, votos de sentimento pelo falecimento de Edmundo Pimenta, José Maria Soares Teixeira e de Júlio Maria Sousa, exercício ilegal de farmácia, arrendamento do laboratório da Sociedade, aumento das taxas postais, imposto de selo das especialidades farmacêuticas, aumento do preço dos medicamentos, projeto de reforma do exercício profissional de farmácia, questões relativas aos horários de abertura de farmácias, envio de representações ao governo, oferta de obrigações de empréstimo, admissão e demissão de sócios, imposto de transação de produtos, propriedade de várias farmácias por um farmacêutico. Entre os destinatários encontram-se Administração Geral dos Correios, Adolfo Teixeira, Alberto da Costa Veiga, Alberto de Almeida Oliveira Malta, Alfredo da Silva Machado, Américo Augusto Mendes, Aníbal Dias Saraiva, António Afonso Lopes, António Borges Sacoto, António Domingos de Oliveira, António Maria da Gama Júnior, Associação dos Estudantes da Faculdade de Farmácia de Coimbra, Associação de Classe dos Empregados de Farmácia da Região Sul, Aureliano José dos Santos Viegas, Caetano da Gama Cruz Nunes, Câmara Municipal de Lisboa, Colónia Agrícola de Vila Fernando, Companhia dos Telefones, Companhias Reunidas Gás e Eletricidade, Direção Geral das Contribuições e Impostos, Domingos Martins Caro, Eduardo Alves de Almeida, Emídio Gonçalves de Azevedo, Ernesto Augusto dos Santos, Estação de Correios do Porto, Estudantina Madrilena de Coimbra, Faculdade de Farmácia de Lisboa, Flaviano Falcão Correia, Governo Civil de Évora, Governo Civil de Lisboa, Guilhermino José Trancos, Inspeção Técnica do Selo das Especialidades Farmacêuticas, Isidoro Marques Baptista, João Augusto dos Santos, João de Deus Camacho Pimenta, João Francisco de Jesus, João Norberto Gonçalves Guerra, João Paiva da Costa, João Simões Costa, João Teixeira Soares, José Maria Pinto da Fonseca, José Martins da Costa, José Pedro Xavier Rodrigão, José Valentim, Júlio Augusto da Cruz, Luís Pedro Branquinho, M. Joaquim Oliveira, Manuel Pinheiro Nunes, Manuel Valente Serrano, Ministério das Finanças, Ministério do Trabalho, Montepio Geral, Roque dos Reis Branco, Sociedade de Medicina Veterinária, Vicente José de Seiça, Victor Branco. Nomes referidos na correspondência que não constam da lista de destinatários: Eduardo da Cunha Frias, Manuel Luís de Sequeira, Miguel Fadon Lizaso, Morais Sarmento.
Contém cartas de Augusto Soares de Sousa Batista dirigidas ao Dr. Salazar a informá-lo sobre vários jornalistas e jornais do Brasil, quem apoia, ou não, o regime de Salazar. Diz Augusto Batista: no Brasil "os cargos públicos são geralmente tomados pelos filhos de sírios, judeus e italianos. Os filhos dos portugueses irão em último lugar", entre outros. Também menciona a Salazar, que Rui Jorge de Faria, de Lisboa possui um manuscrito em pergaminho do séc. XIV em idioma português, existindo no Brasil um microfilme. Os filólogos brasileiros "acreditam que se trata do primeiro documento em língua portuguesa, anterior aos de D. Diniz". Os brasileiros querem adquiri-lo, mas Augusto Batista reforça a idéia de que tal documento deve ser comprado, e não sair de Portugal. Integra o jornal "Diário de Notícias" com o artigo "A visão de Salazar sobre o atual momento / Na ordem interna e na ordem internacional - conforme a entrevista concedida a "O Seculo" - transcrito do "Diário da Manhã", cujo artigo é da autoria de Leitão de Barros (1 f.). Nesta entrevista Salazar proíbe o jornalista de tirar apontamentos. Diz: "E instalado, rapo, então, com toda a dignidade da caneta, como quem verga o florete em guarda, para o grande assalto..." Mas a caneta fica no ar... - Não meu caro Sr.: Tenho muita pena, mas não respondo de forma alguma a um interrogatório.. Vou falar-lhe... Conversaremos algumas horas, até vários dias, se quiser, mas nada de apontamentozinhos, de sebenta... ouça! Apenas procure fixar o espírito do que ouviu, redija como entender, seja quanto possível, fiel... E mais nada! (...) Os grandes maestros regem sem partitura... eu o ajudarei no que puder." Inclui a lista de "Delegados do Brasil", a saber: - Albino Sousa Cruz (Presidente do Gabinete Português de Leitura); - José Rainho da Silva Carneiro (Presidente do Liceu Literário Português); - Augusto Soares de Sousa Batista (da Federação das associações portuguesas do Brasil); - Guilherme Perestrelo d'Orey (do Conselho da Colónia); - José António de Azevedo (da Obra de Assistência aos portugueses Desamparados); - Domingos Cândido da Silveira (Presidente do centro Português (...); - Boaventura Barreiros (da Casa de Portugal - São Paulo), entre outros. Integra a lista dos "Emissários do Ultramar", a saber: - Timor, Macau, Goa, Angola e Moçambique, São Tomé, Cabo Verde, Guiné, bem como os régulos de Teixeira Pinto e Bofota.
Contém provas fotográficas monocromáticas de 8,5x13,5 cm e 16x21 cm, não legendadas, além de recortes de jornais nacionais e internacionais, de diversos tamanhos, que documentam as viagens oficiais do presidente Craveiro Lopes, acompanhado da primeira-dama, Berta Craveiro Lopes, a Moçambique, à Federação Centro-Africana (ou Federação da Rodésia e Niassalândia) e à União Sul-Africana (ou União da África do Sul). Há também provas nos versos das folhas. O conteúdo do álbum dá ênfase à visita do casal presidencial à União Sul-Africana, não só por ser o único acontecimento provido de fotografias, como por evidenciar maior incidência no conjunto de temáticas que constam de folhas intercalares, a saber: "Visita a Moçambique" (folha 1), "Visita a Salisbúria" (folha 3), "Visita de S[sua] Ex[celênci]a o presidente da República Portuguesa a Pretória - 3-9-56 a 5-9-56" (folha 5), "Antes da visita à África do Sul - 3-9-56" (folha 6), "A president welcomed" [Chegada à África do Sul] (folha 11v), "Deposição de coroas no 'National War Memorial' e no 'Voortrekker Monument' - 3-9-56" (folha 22), "Banquete - 3-9-56" (folha 27), "Receção da colónia portuguesa na embaixada, na manhã de 4-9-56" (folha 32), "Receção na embaixada [de Portugal em Pretória], na tarde de 4-9-56 (folha 37)", "Jantar oferecido pelo primeiro-ministro [sul-africano]" (folha 45), "Visita à missão portuguesa de Brentwood Park - 5-9-56" (folha 46), "Partida [de Pretória] - 5-9-56" (folha 47) e "Ornamentações e iluminações públicas em Pretória" (folha 53). Alguns recortes contêm ilustrações fotomecânicas, muitas delas correspondentes às imagens das provas, permitindo assim recuperar legendas para estas últimas. A capa apresenta, no canto inferior direito, somente a palavra inglesa "Photographs" gravada a ouro, indiciando a aquisição comercial do álbum, por parte do ofertante do resultado já montado, que neste caso é o embaixador português em Pretória, conforme comprova um cartão-de-visita agrafado na folha 1, com a seguinte dedicatória: "Com os cumprimentos do / gen[eral] Abranches Pinto / Embaixador de Portugal / 26-10-56". Este álbum é muito similar àquele que o sucede (ver, abaixo, o elemento de informação "Unidades de descrição relacionadas"), estruturado com as mesmas temáticas e contendo as mesmas provas, variando apenas a quantidade de recortes e a cor da encadernação. Deduz-se, portanto, que um exemplar terá sido oferecido ao presidente Craveiro Lopes e o outro à primeira-dama. Encadernação em inteira de pele sintética castanha, com os bordos pespontados de fio castanho; na lombada, atilhos de seda castanha trançada.
Inclui a cópia de "Le modèle de la Société Dualiste dans les Sciences Humaines" por Michel de Coster; o artigo de FERREIRA, Alberto - "Sobre a aplicação do modelo dualista à sociedade portuguesa moderna e contemporânea". p. 20-23; o "Extrato do relatório de Circunscrição Administrativa do Chitato, respeitante ao ano de 1949, elaborado pelo Administrador" o qual refere as "Mulheres de trabalhadores contratados", e [...] as regalias que se concedem [...]; apontamentos sobre o "feitiço"; documentos sobre "Aspetos sociais mais relevantes das comunidades rurais" (Dundo, 26 de novembro de 1970); carta (Lunda, 27 de novembro de 1970), escrita em papel timbrado do Instituto de Investigação Científica de Angola; as "II Jornadas sociais: Conclusões lidas na sessão de encerramento"; LIMA, Mesquitela - "La terminologie de la parenté chez les Tshokwé: extrait de L' Ethnographie: Revue de la Société d' Ethnographie de Paris, année 1966". Paris: Librairie Orientaliste Paul Geuthner; "Subsídios para uma Classificação dos Agrupamentos Humanos de Angola" por José de Sousa Bettencourt, Boletim do Instituto de Investigação Científica de Angola (p. 219-245); "III - ação social" (p. 7-11), refere DIAMANG. Encontra-se arquivado nesta pasta a sebenta "Angola: Tradição e Modernismo: curso realizado de 22 a 26 de maio de 1973" por Mesquitela Lima (Assistente do I.I.C.A.), em Luanda, na Faculdade de Economia. Inclui: "Folclore Muxiluanda: Quinta Rosalinda. Organização da Agência Kizomba"; "III Conferência de Mesa Redonda: Para uma estratégia integrada do desenvolvimento de Moçambique" pelo Dr. Parcídio Costa (A.I.M.), Boletim da A.I.A., n.º 87; "III Conferência de Mesa Redonda: Elementos para uma estratégia de desenvolvimento industrial diferenciada em relação à metrópole e ao Ultramar" relator Dr. Rui Santos Martins; uma prova fotográfica de duas imagens 961 e 962 com o carimbo "Expedição Portuguesa ao Muatiânvua. África" e respetiva identificação assinada por Henrique de Carvalho; imagem de escultura; apontamento manuscrito (Quissacala, 21 agosto de 1967); as seguintes publicações "Lunda: terras e gentes de Angola/7.º caderno/rigoroso exclusivo", "Atualidade económica" n.º 211. (Luanda, 25 setembro 1969); excerto da carta de Henrique de Carvalho dirigida ao conselheiro António Ennes em 9 de junho de [18]94 (quatro cópias); recortes dos jornais "O Comércio" (30 e 31 de ago. 1971, de 1 e 2 de set. 1971); jornal "Tribuna dos Musseques" n.º 186. (24 dez. 1970); "Revista de Angola: quinzenário ilustrado" n.º 229. (15 dez. 1970), que publica a comunicação feita ao país pelo Presidente do Conselho sobre o novo Estatuto das Províncias Ultramarinas. Apontamento sobre "Eletrificação; "Saber para viver" sobre educação; o ensino do catecismo em Quioco pela Missão Católica Masculina de Saurimo (27 de outubro e 5 de maio de 1970).
Contém cartas, postais, jornais, telegramas, de Francisco Veloso, advogado, residente em Lourenço Marques; D. Manuel, Cardeal, para o Dr. Salazar (tratamento familiar, apenas "António" e "Manuel"); Suor Chiara, serva di Gesù Crocifisso, Génova (17 de janeiro de 1943), entre outros. Integra a carta do Patriarca para o Dr. Salazar a enviar-lhe um trecho de uma carta da Irmã Lúcia (vidente de Fátima), datada de Tuy, 7 de novembro de 1945: "... o Salazar é a pessoa por Ele (Deus) escolhida para continuar a governar a nossa Pátria (...) E na verdade bem pouco nos pediu, se olharmos para as tribulações e angústias dos outros povos. Depois é preciso dizer a Salazar que os víveres necessários ao sustento do povo não devem continuar a apodrecer nos celeiros, mas serem-lhe distribuídos". Reúne brochuras de D. Manuel Gonçalves Cerejeira, sendo que uma intitulada "Alocução em Fátima na Peregrinação dos Municípios Portugueses", datada de 23 de julho de 1967, aborda o tema da missão que tem Portugal mediante a vontade de Deus, transmitida à vidente de Fátima por Nossa Senhora. De acordo com a carta do falecido Bispo de Leiria, D. José A. Correia da Silva, em 24 de outubro de 1939, a missão de Portugal é "orar e reparar por si e pelas outras nações". O Cardeal Cerejeira alude a excertos da carta da vidente Lúcia, neste caso, sobre a guerra "eminente" cujo "principal castigo será para as nações que queriam destruir o reino de Deus nas almas (...)”. Remata,“ A profecia realizou-se à letra. Na carta original, de que ignoro o destino mas que tive na minha mão, esclarecia-se que a proteção prestada a Portugal durante a guerra era devida 'em atenção à Consagração ao Coração Imaculado de Maria feita pelo Episcopado português'." Em 1917, no fim da carta, a Irmã Lúcia pediu ao Papa que se dignasse "fazer a consagração do Mundo ao Imaculado Coração de Maria com menção especial pela Rússia, prometendo Nosso Senhor 'abreviar os dias de tribulação com que tem determinado punir as nações dos seus crimes (...)". Na sua homilia, o Cardeal explica o "Conteúdo universal e ecuménico de Fátima”: "A mensagem de Fátima foi comunicada a três crianças inocentes (...)”, dirigida a gente simples (...). As "Aparições de Fátima estão ligadas à questão do conflito entre as forças do bem e as do mal".
Contém cartas do Conde (Jorge) Stucky de Quay, consultor económico, residente no Estoril, dirigidas ao Dr. Salazar. Refere "como a Lei sobre os fatos de banho não foi revista, terei de passar as minhas férias em Biarritz, onde toda a gente pode tomar banho sem o cabo de mar às costas". O Conde aborda todo o tipo de assuntos, em uma das cartas propõe a Salazar a redução "do horário dos funcionários públicos”: “aos sábados deviam trabalhar só até às 13h e usufruírem a tarde”. Cita o conselho do seu pai: “Nesta vida, para vencer são precisas três coisas, irradiar simpatia, ter ideias novas e ter bom senso”. Acrescenta, "o seu drama é estar só". Obrigado a viajar pelas estradas nacionais, na qualidade de Presidente do Conselho de Administração de uma mina de volfrâmio (Minas de Cerva), verifica o péssimo estado em que se encontram as estradas. Segundo o Presidente da Junta Autónoma das Estradas não há verba. Face ao exposto, sugere ao Dr. Salazar o seguinte: o Banco de Portugal possui 4 a 5 biliões de “stock” de oiro. Para que serve todo esse oiro? Vende-se oiro e procede-se à reconstrução de estradas. O autor reafirma “O drama seu [Salazar] é estar rodeado de incapazes em muitos setores, e sinto que muitas vezes V. Ex.ª, se encontra sozinho...”. Reúne cartas do Conde para o Dr. Francisco Maia de Loureiro, Secretário Provincial do Fomento de Angola relativamente a finanças, economia, comércio, política. Também sobre assuntos da sua vida privada (a expulsão do seu genro Alberto Coronel do Clube de Ténis do Estoril, resultado da denúncia de 300 camisas “Lacoste”). Inclui cartões postais - da Suíça, Cordoba, Cote D'Azur – Cannes; um cartão de votos de Bom Ano enviado pelo "Crédit Suisse", um dos moinhos da Holanda, outro da "Carrera de Caballos (Granja de San Ildefonso - Segovia"), entre outros. Contempla duas fotografias de noivos (José Stucky). Integra três fotografias da "Regata às Berlengas para disputa do troféu Salazar" (n.ºS 603-605). Inclui um exemplar do Relatório do "Crédit Suisse" do ano de 1961; outro de "La Croix de Sinople organe de l'Ordre Militaire et Hospitalier de Saint-Lazare de Jerusalem, june 1962"; o Boletim da "União de Grémios de Lojistas de Lisboa". Reúne jornais e recortes, entre outros.
A subsérie O casamento madeirense de Cristóvão Colombo arquiva vários apontamentos manuscritos, recortes de jornais e diversas publicações sobre o navegador e família. Os documentos são os seguintes: Cx. 3, doc. 21: Um conjunto intitulado "Chistovão Colombo esteve no archipelago da Madeira?". S.d. Cx. 3, doc. 22: Um conjunto manuscrito com o título "Casam.to. Sogros. - Foi para P. Santo ou Madeira?". S.d. Cx. 3, doc. 23: Um apontamento manuscrito intitulado "O período da vida de Christovão Colombo em terras portuguesa. (Estudo histórico). S.d. Cx. 3, doc. 24: Vários apontamentos manuscritos intitulados "Colombo em Portugal e nas colonias, conforme as Historias de Fernando, cap. IV até XI". S.d. Cx. 3, doc. 25: Um conjunto manuscrito intitulado "Subsídios para o estudo dos quatorze annos de vida de Christovão Colombo por terras portuguesas. 1470-1484". S.d. Cx. 3, doc. 26: Um conjunto de apontamentos manuscritos intitulados "Extractos e Notas a respeito de Colombo", (Do folheto L'Histoire de Christophe Colombe Attribué a son Fils Fernand, par M. Henry Harripe, Paris, 1875). S.d. Cx. 3, doc. 27: Um conjunto manuscrito intitulado "Carta aos Reis de Hesp. em 1501" e "Diogo Colombo filho". S.d. Cx. 3, doc. 28: Um conjunto manuscrito intitulado "Colombo por Irving". S.d. Cx. 3, doc. 29: Um conjunto manuscrito com bibliografia columbina. S.d. Cx. 3, doc. 30: Um conjunto de apontamentos manuscritos intitulados "Bibliographia columbina". S.d. Cx. 3, doc. 31: Um livro intitulado Comemoração da Descoberta da América. Memória sobre a Residência de Christovam Colombo na Ilha da Madeira (Lisboa, Typographia da Academia Real das Sciencias, 1892), por Agostinho de Ornellas, Sócio Correspondente da Academia Real das Sciencias de Lisboa. Cx. 3, doc. 32: Um artigo intitulado "As viagens de Colombo", Iniciação (Cadernos de Informação Cultural, Lisboa, 1941). Cx. 3, doc. 33: Um volume manuscrito intitulado "Excerptos do Opúsculo a Mulher de Colombo, por Nicolau Florentino (António Maria de Freitas)". Cx. 3, doc. 34: Um livro da autoria de Nicolau Florentino, intitulado A Mulher de Colombo (Lisboa, Pap. e Typographia Guedes, 1892). Insere "Um quadro genealógico das famílias Moniz e Perestrello". O livro contém várias anotações manuscritas.
Apontamentos e recortes de artigos publicados sobre madeirenses ilustres, como navegadores, conselheiros, oficiais, escritores, pintores, eclesiásticos, médicos ou diplomatas, entre outros, séc. XIX e séc. XX. Não são biografias completas, mas recolhas de jornais, revistas, enciclopédias e livros, bem como manuscritos da autoria do Padre Fernando Augusto da Silva. Biografados: Aires de Ornelas Vasconcelos; Adolfo de Sousa Rodrigues; Alberto Artur Sarmento; Alexandre Luís da Cunha; Alfredo César de Oliveira; Alfredo Miguéis Vital Miguéis; Agostinho de Ornelas e Vasconcelos; Alípio Augusto Ferreira; Aníbal Álvares da Silva; Antero Drummond de Menezes; António de Abreu; António Alfredo de Santa Catarina Braga; António Alves da Silva; António Aurélio da Costa Ferreira; António da Câmara de Carvalhal Esmeraldo (2.º Conde de Carvalhal); António Correia Herédia; António Evaristo de Ornellas (Barão de Ornellas); António Feliciano Rodrigues (Castilho); António da Gama; António Gil Gomes; António Gonçalves da Câmara; António Joaquim Gonçalves de Andrade; António João de França Bettencourt; António José de Sousa Almada; António Lomelino de Vasconcellos; António da Luz Pita; António Teixeira; António de Teive; António Velloso de Lira; António Vicente Varella; António da Visitação; Arsénio Pompílio Pompeu do Carpo; Baltazar Dias; Baltazar de Teive; Belchior de Teive; Caetano Alberto Soares; Clemente Freitas da Silva; Carlos Eloy Mota Freitas; Damião das Chagas; Daniel Costa; Daniel Ferreira Pestana; Diogo Colombo; Eduardo Clementino Nunes; Feliciano José Teixeira; Fernando Augusto da Silva; Fernando de Morais de Vasconcelos; Fidelino de Freitas Branco; Francisco de Andrade; Francisco António Ferreira; Francisco Antunes de Freitas e Abreu; Francisco de Castro; Francisco Clementino de Sousa; Francisco Correia Herédia; Francisco Joaquim de Sá Camello Lampreia; Francisco Joaquim Pestana; Francisco João Moniz; Francisco João Roscio; Francisco Justino Gonçalves de Andrade; Francisco Luís Pereira de Sousa; Francisco Manuel de Oliveira; Francisco de Paula Medina e Vasconcellos; Francisco de Santa Thereza; Francisco de Sousa; Francisco de Valhadolid; Frazão Sardinha; Gregório Baptista; Gregório Nanzianzem de Medina e Vasconcellos; Henrique Franco; Henrique Henriques de Noronha; Ignácio José Correa Drummond; Isabel da Veiga; Jacintho António de Sousa; Jacinto de Sant'Anna e Vasconcellos (Visconde das Nogueiras); Jaime Constantino de Freitas Moniz; Justiniano de Nóbrega; Januario Vicente Camacho; Jeronymo Alves da Silva Pinheiro; João da Câmara Leme Homem de Vasconcellos (Conde de Cannavial); João Francisco d'Oliveira.
O arquivo de Luís Marino contém uma Colecção Literária inédita com vinte e seis volumes organizados da seguinte maneira: dezasseis volumes, Panorama Literário do Arquipélago da Madeira, s. d. [1968]; um volume, Musa Insular. (Poetas da Madeira. E de não Madeirenses que cantaram a nossa Terra), s. d. [1976]; cinco volumes, Galeria Biográfica, s. d. (inclui o volume, Escritos de Octávio de Marialva); dois volumes, Temas Literários I e II [1982]; um volume, Poetas da Nossa Terra; um volume, A Indústria de Bordados na Madeira. Um pouco da sua história. Verifica-se que o dicionário Panorama Literário do Arquipélago da Madeira faz um inventário exaustivo de quem é quem na Ilha da Madeira e na Ilha do Porto Santo. Os nomes encontram-se ordenados por ordem alfabética. Sucede, porém, que Luís Marino nem sempre conseguiu contemplar esta sequência. Também, por vezes, o que está em evidência não é o nome de um determinado autor, mas o título da sua obra. Assim as referências a publicações não constituem secções próprias, mas seguem a ordem alfabética dos biografados (vol.1, fl. 344). Como é próprio numa obra desta natureza, os dados de alguns biografados estão incompletos. Neste caso, Luís Marino teve a preocupação de deixar espaços em branco, com a nota manuscrita "acrescentar", o que revela que não considerava a sua obra acabada ou sequer revista. Além de escritores, jornalistas, desportistas e comerciantes, entre muitas outras profissões, intelectuais ou não, Panorama Literário do Arquipélago da Madeira é um repositório de informação, importantíssimo, sobre autores, livros, jornais, revistas, colectâneas, almanaques, boletins, anuários, álbuns, dedicatórias, conferências, tertúlias, polémicas, discursos, sociedades comerciais, instituições públicas, toponímia, comemorações, entre muitos outros assuntos. Muitos destes nomes são, totalmente, desconhecidos nos nossos dias. Também, fornece o conhecimento de nomes peculiares, definidores de um determinado extracto social ou época, como por exemplo, Pulquério, Bluete, Gafira, Celisa, Nicásio ou Oldemiro. Reporta estrangeiros que nasceram ou viveram na Ilha da Madeira. Inventaria famílias. Relembra madeirenses naturais que emigraram, mas que marcaram a terra natal, não só com o seu trabalho, mas também, com a sua escrita. Ressalta o esforço daqueles que se fixaram na Ilha da Madeira. Assim se refere a estes conterrâneos ao longo da sua obra: "ser filho de madeirenses e ter vivido nesta ilha, sua Pátria adoptiva, cerca de vinte anos, achamos de justiça incluí-lo, nesta obra" (vol. 2, fl. 167). Desta maneira, além de dados biobibliográficos importantes para o conhecimento de quem é quem no Arquipélago da Madeira, o dicionário inédito Panorama Literário do Arquipélago da Madeira, fornece ao investigador os mais variados elementos para estudos e publicações, nas áreas genealógica, onomástica, histórica, literária, jornalística, empresarial, enciclopédica ou dicionarista, entre outras.
Contém a carta da Chefe de Orquestra (maestrina) Natércia Madalena Bela de Almeida Couto, 1.º Prémio do Conservatório Nacional de Paris, Diplomada pela Academia Chigiana (Siena-Itália) e Diplomada pela Faculdade de Filosofia e Letras de Madrid, dirigida ao Dr. Salazar, a solicitar uma audiência. Inclui o relatório do agente Manuel Gomes com informações sobre Natércia Couto. Nasceu a 17 de fevereiro de 1924, na freguesia do Lavradio, concelho do Barreiro e reside no Bairro Económico de Belém com seu pai, irmão (músicos) e madrasta. "Pertence a uma família de gente modesta e de bem, como ela, que é de uma seriedade e bondade em absoluto. É apologista do atual Regime. Em carta de 1953, Natércia Couto refere a sua veia de escritora, publicou livros, tendo outro no prelo "Sonhos de Fidalguia" dedicado a Nossa Senhora, o prefácio da sua lavra diz: "Um Portugal perfeito só podia sê-lo, tendo uma Rainha: Fátima. Presente de Deus à Pátria-Mãe, iniciou na nossa terra a Monarquia mais sublime: a do caminho do Espírito a par do caminho do [génio]. É seu trono uma azinheira. A coroa é feita com o ouro do amor dos homens de boa fé. Impôs Portugal como altar do Mundo. Reina como só Ela sabe reinar. E isso basta, a nós, que somos Portugal, para gritarmos ao Mundo inteiro, que Fátima e Maria, são Ambas Portuguesas". Por conseguinte, põe-se à disposição a fim de ser realizado um concerto em Portugal - o primeiro -, pois a sua carreira tem-se desenrolado no estrangeiro. A autora informa o Dr. Salazar que regeu a Orquestra Filarmónica Portuguesa, no Cinema Império. Tratou-se de um concerto benéfico para o Hospital de Cascais, "sob o alto Patrocínio das Ilustríssimas e Excelentíssimas Senhoras: Duquesa de Palmela, Marquesa de Tancos, Condessa de Monte Real, D. Carolina Mantero, D. Isabel Espírito Santo Silva, D. Irene das Dores Penim Vilar Gomes, D. Maria do Carmo Tarujo Formigal, D. Maria da Luz de Melo e Faro Passanha, D. Maria Teresa Moser Mantero e D. Vera Espírito Santo Ricciardi". Do programa musical constam os compositores: Weber, Borodin, Maurice Sandoz e Wagner. Contempla a biografia de Natércia Couto, bem como diversos programas relativos a espetáculos, fazendo parte o "Fado" de Burnay-Blanc, a "Dança Portuguesa - da suite n.º 1", de Ruy Coelho, entre outros nomes do panorama musical nacional. Reúne recortes de jornais, entre outros.
A família Costa Cabral era oriunda de Algodres (Beira Alta). Dois membros desta família, António Bernardo da Costa Cabral e José Bernardo da Costa Cabral, filhos do conselheiro António Bernardo da Silva Cabral, foram destacados políticos do século XIX. António Bernardo da Costa Cabral (1803-1889), licenciado em Direito pela Universidade de Coimbra, dedicou-se à causa liberal o que o obrigou a exilar-se no estrangeiro, só tendo regressado a Portugal após o triunfo de D. Pedro IV. Em 1833 foi em missão oficial aos Açores, onde esteve três anos. Aderiu à revolução de Setembro, teve papel activo na Belenzada e na Revolta dos Marechais, e após a entrada em vigor da Constituição de 1838, foi ministro da Justiça. Em 1842 encabeçou a revolução Cartista no Porto e proclamou a Carta Constitucional abolida em 1836. Foi ministro do Reino do novo governo até 1846, data em que teve de se exilar devido à Revolução da Maria da Fonte. Foi uma figura de primordial importância na sua época e a ele se devem, entre outras medidas, a publicação do novo Código Administrativo, a reorganização da Guarda Nacional, a reforma das câmaras municipais, a reforma dos estudos liceais, a abertura de estradas, a construção do Teatro de D. Maria II. De regresso ao país foi presidente do Conselho (1849) de onde saiu pela revolta do Marechal Saldanha, em 1851. A partir da Regeneração dedicou-se à diplomacia tendo sido ministro no Brasil e embaixador na Santa Sé. Foi grão mestre da Maçonaria (desde 1841), em 1845 foi-lhe concedido o título de Conde, e em 1878 foi feito marquês de Tomar. José Bernardo da Costa Cabral (1801-1869) licenciado em Direito pela Universidade de Coimbra, irmão de António Bernardo da Costa Cabral foi seu activo colaborador e um dos chefes do cartismo nortenho. Exerceu os cargos de juiz do Supremo Tribunal de Justiça, de governador civil no Porto e em Lisboa; substituiu, interinamente, António Bernardo nas pastas da Justiça e do Reino. A revolução da Maria da Fonte obrigou-o ao exílio, tendo regressado em 1847. O 2º Conde de Tomar, António Bernardo da Costa Cabral (1835-1905), filho de António Bernardo da Costa Cabral, casou com D. Sofia Adelaide Dias e Sousa, filha de Bartolomeu dos Mártires Dias e Sousa, fidalgo da Casa Real, grã cruz da Ordem de S. Gregório Magno, da Santa Sé, e comendador das de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa, de Santiago e de Carlos III, de Espanha.
Contém recortes de provas tipográficas de notícias, submetidas à apreciação da Comissão de Censura previamente à respetiva publicação no jornal. Cada folha apresenta, na maior parte dos casos, datação manuscrita correspondendo ao dia em que a censura foi aplicada. Apresenta ainda, na generalidade, o carimbo do Serviço de Censura da Redação do jornal O Século e o carimbo de "Visado pela Comissão de Censura". Entre os temas censurados, podem ser destacados os seguintes: - Instabilidade no setor bancário: "Confiança" (6/1) (7/1) - Comércio externo: "Vai acabar o diferencial da bandeira" (19/1) - Precárias condições de emigrantes portugueses: "A situação dos emigrantes no Brasil e em França" (8/1) (9/1) - Críticas a legislação sobre a indústria vitivinícola (24/1) (26/1) - Situações de miséria social: "Criança abandonada" (7/1) - Questões de ensino: "Os alunos da Universidade de Madrid fazem protestos, tendo os de direito, numa reunião, aprovado a greve" (8/1) "A propósito dos abonos no serviço de exames e das gratificações em dívida pelos desdobramentos" (27/1) (28/1) (29/1) - Questões laborais: "Crise de trabalho" (3/1) (6/1) "A desesperada situação das classes trabalhadoras em Aljustrel" (6/1), "No Alentejo já falta o dinheiro, pagando-se os salários dos trabalhadores com géneros" (8/1) "É desesperada a situação das classes trabalhadoras na região de Abela" (9/1) - Questões coloniais: "A crise que Angola está sofrendo" (19/1) - Situações ou potenciais situações, nacionais e internacionais, de instabilidade política, institucional, social ou outra: "Nos Estados Unidos. Explosão de bombas" (1/1) "Suicídio de um preso político em Itália" (3/1), "Em França. Uma bomba no Hotel dos Embaixadores em Paris" (5/1), "Dinamitistas em Cuba" (12/1) "Boatos" [de uma revolução contra o presidente Carmona] (22/1) [Ira popular dirigida contra os alunos do Instituto Comercial de Lisboa] (24/1) "Em Barcarena explodiu uma granada [...]" (27/1) - Promoções, nomeações e demissões, reintegrações, mudanças de ministérios, deslocações dos membros do governo e outras entidades: "Embaixador do Brasil em Lisboa" (1/1) (3/1) "Ministro da Justiça" (25/1) "Ministro das Colónias" (30/1) - Impostos: "Os fornecedores do mercado de Figueiró dos Vinhos recusam-se a pagar as taxas lançadas pela Câmara Municipal" (8/1) - Questões autárquicas: "Foi suspensa a posse da nova comissão administrativa do município de Vagos" (18/1) - Política governamental: "O conselho de ministros suspende o decreto que obrigava os jornais a inserir notas oficiosas" (9/1) - Relações diplomáticas: "Esquadra britânica vem convidar o chefe de estado a visitar a corte de Jorge V" (10/1) - Censura da imprensa: "Uma violência" [Prisão do vendedor do jornal "Diário de Coimbra"] (1/11) - Fotografias de entidades da época e outras (4/1) (7/1) (8/1) (14/1) (23/1) (25/1) (27/1) - Oposição à ditadura: "A Academia Republicana promove um banquete de confraternização no dia 31 de Janeiro [...]" (16/1) - Repressão do estado: "Polícia de informações" (3/1) Por último, refira-se a censura de notícias de crimes.
Loures: Fl. 30: 27-11-1813. Representação dos proprietários do Distrito de Santo Adrião; fl. 100v-101: 9-11-1814. Requerimento de Josefa Maria, de Sacavém, pedindo o pagamento de uma casas que lhe foram tomadas para boletos. Torres Vedras: fl. 80v: 27-7-1814. Prisão de Frei António de São João Baptista pertencente ao Regimento de Milícias de Torres Vedras; fl. 153v: 5-9-1815. Pedido de Joaquim dos Reis, homem pardo, para regressar à Vila de Torres Vedras. Vila Franca de Xira: fl. 137v-138: 10-6-1814. Rapto das três filhas do capitão-mor de Vila Franca de Xira António Feliciano de Sousa; fl. 146-146v: 24-7-1815. Privilégios de António de Almeida, Voluntário Real da Posta. Assuntos diversos: fl. 7v, 15 (numeração de todos os barcos que navegam no Tejo); fl. 13v (falecimento e luto pela alma da Senhora Infanta D. Mariana, tia de D. João; ordem aos Corregedores das Comarcas da Estremadura e Alentejo para facilitarem a consução de grãos aos portos de Lisboa); fl. 16 (requisição e envio de 4 calceteiros para trabalharem nos consertos e reparos das estradas de Sintra e Colares); fl. 32v (obrigação dos moradores de Lisboa fornecerem móveis para uso dos oficiais britânicos nos quartéis onde são alojados por boletos); fl. 34v (consertos nas estradas dos termos de Sintra de Colares); fl. 41v-43 (inquérito aos inspectores dos transportes do Reino); fl. 49v-50, 52v-53, 55v, 176-176v (salteadores); fl. 50v (consules estrangeiros residentes em Lisboa); fl. 51, 81, 127v, 150v (cobrança e escrituração da Contribuição Extraordinária de Defesa); fl. 58 (envio de 1 aparelhador e 4 calceteiros para trabalharem nos consertos das estradas de Sintra e Colares); fl. 63 (condução de trigo da Província do Alentejo para Lisboa); fl. 64v (peste nos portos do Levante, Mediterrâneo e Barbarescos); fl. 66 (transporte de 50 peças de artilharia tomadas pelo Exército Português na Batalha da Vitória para o arsenal da Marinha); fl. 71v-72 (imposição de taxas por algumas Câmaras aos jornaleiros nos seus jornais); fl. 73, 79, 90-90v, 95-95v (proibição de matar vitelas e vacas de criação); fl. 75v-76v (imposição da Contribuição Extraordinária de Defesa aos negociantes britânicos - 30.6.1814); fl. 98-98v (Setembrizada); fl. 137-137v, 184-184v (corridas de touros em Viseu e corridas de cavalos no Campo Grande); fl. 140 (prestação de auxílio pelos Regimentos de Linha aos lavradores onde os corpos militares estão estacionados); fl. 141v-142 (gratificação aos cobradores da Contribuição Extraordinária de Defesa); fl. 143 (lista dos quartéis dos diferente Corpos de Linha do Exército Português); fl. 191-191v (alistamento geral dos habitantes da cidade de Lisboa).
Documentação relativa à organização e constituição da família, à sua gestão patrimonial e financeira, e ainda relativamente a actividades individuais e coleccionismo, nomeadamente, certidões de registo de baptismo, casamento e óbito; declarações de autorização para matrimónio; declarações de justificação de idade; notas, rascunhos e apontamentos biográficos; notas, rascunhos e apontamentos genealógicos; autos e mandados de posse; cartas precatórias, citatórias e executórias; certidões de acórdãos de indemnização; certidões de autos de vistoria; certidões de autos e sentenças cíveis; certidões de confirmação de disposições testamentárias; certidões de escrituras de acréscimo de bens vinculados; certidões de escrituras de cedência; certidões de escrituras de emprazamento; certidões de escrituras de fiança de bens; certidões de escrituras de instituição de vínculo; certidões de escrituras de obrigação; certidões de escrituras de sub-rogação de bens vinculados; certidões de missas; certidões de notificações; certidões de privilégios; certidões de reconhecimento de foreiros; certidões de registo predial; certidões relativas a inventários; contratos de arrendamento; declarações de compromisso; declarações de desistência; declarações de obrigação; declarações relativas a sociedades; editais; licenças de obras; licenças relativas à capela; louvações de prazos e foros; mandados de penhora; notas, rascunhos e apontamentos; procurações; registo de títulos vinculados; requerimentos; róis e inventários de bens; termos de fiança; vedorias de propriedades; declarações de doação; declarações de partilhas; declarações de permuta; declarações de venda; certidões de autos e sentenças de arrematação; certidões de escrituras antenupciais; certidões de escrituras de compra e venda; certidões de escrituras de doação; certidões de escrituras de dote; certidões de escrituras de partilhas; certidões de escrituras de permuta; certidões de escrituras de transacção e amigável composição; certidões de escrituras de trespasse; licenças para transacção de propriedades; testamentos; contas; facturas e recibos; quitações de missas; registo de receitas e despesas; requerimentos; autos e mandados de penhora; certidões de escrituras de empréstimo; declarações de dívida; declarações de quitação de dívidas; facturas e recibos de pagamento de dívidas; facturas e recibos de pagamento de juros; requerimentos; termos de fiança; certidões de pagamento de décima; certidões de rendimento colectável; certidões de teor de lançamento da décima; declarações de isenção de pagamento de impostos; declarações relativas à contribuição predial urbana; facturas e recibos de pagamento de contribuições; facturas e recibos de pagamento de sisas; certidões de bom comportamento; certidões de registo criminal; certificados de habilitações; documentos de produção literária; notas, rascunhos e apontamentos; procurações; cartas de demissão; cartas de mercê; cartas-patente; certidões de escrituras de tença; certidões de mérito; certidões de registo de privilégios; certidões de tempo de serviço; convites; diplomas de nomeação; documentos relativos a actividades profissionais; licenças militares; processos relativos a promoções; provisões régias; requerimentos; cartões de apresentação; correspondência recebida; rascunhos de correspondência expedida; fotografias; panfletos e jornais.
Recortes dos jornais "Diário Popular", "Mundo Desportivo", "Diário de Lisboa", "A bola", "O Comércio do Porto", "Diário de Notícias", "Vela Lisboa", "Figueira Sport", "Norte Desportivo", "Litoral", "O comércio", produzidos durante os Jogos da XVII Olimpíada. Contém os seguintes títulos: "As regras olímpicas foram respeitadas na nomeação do novo «comité»", "Os médicos noruegueses pretendem acabar com o box", "Foi encontrada a solução para uma crise que se arrastava há dois anos", "Uma importante remodelação do Comité Olímpico Português, com vista aos Jogos de Roma, em 1960", "A escolha de dirigentes para o Comité Olímpico Português levantou (e levantará) controvérsias!", "Festas e mais festas nos Jogos Olímpicos de Inverno", " Nota de abertura", "Normas para a selecção da equipa de vela que representará Portugal nos Jogos Olímpicos de Nápoles, em Agosto de 1960", "Portugal nos Jogos Olímpicos de Roma. Um lugar honroso está plenamente ao alcance da nossa equipa "shell de 4", "XVII Olimpíada em Roma... Continuaremos a desafinar, no concerto das competições internacionais...", " Intenção primordial (e possível): representação nacional ao nível das melhores", "Não iremos para passear", " Postais de S. Tomé", "Preparação cuidadosa permite supor presença condigna em greco-romana", "Em que condições vai o remo português a Roma?", "Atletismo Português nos Jogos Olímpicos. Presença assegurada em número a fixar depois de um estágio em Joinville", "Falando do Tiro aos Pratos com Guy de Valle Flor «-Estaremos representados este ano nos Jogos Olímpicos, em Roma!", "A propósito de... Desconfianças", "A representação nacional nos Jogos Olímpicos de Roma e a bela atividade desenvolvida pelas Federações com o construtivo auxílio do Comité Olímpico", "Ginástica, Acerca dos «obrigatórios» masculinos para os Campeonatos Nacionais de 1960", "Halterofilismo, os candidatos portugueses aos Jogos Olímpicos bateram records, mas não alcançaram os mínimos", "Carta desportiva de Moçambique", "Jogos Olímpicos à vista... o Comité Olímpico não tem ideias feitas...", "O Comité Olímpico Português e os próximos «Jogos» de Roma", "Natação, excelentes marcas nas provas de ontem", "O tiro nos Jogos Olímpicos. Os atiradores Portugueses têm condições para bom comportamento", "Jogos Olímpicos de Inverno", "Os Comités de Portugal e Espanha «têm a casa em ordem»", "Não haverá «mínimos» para a escolha dos nadadores que representarão o País nos «Jogos Olímpicos»", "A representação de Portugal nos desportos náuticos: três nadadores, três barcos de vela, um barco de remos", "Está limitada a três nadadores a representação da equipa nacional nos Jogos Olímpicos de Roma", "Para Portugal não Há anos Olímpicos?", entre outros.
Contém documentação organizada por assuntos ou temas que constituiram matéria de apresentações públicas de David Ferreira, no contexto de conferências ou palestras pública. Organizadas entre 1984 e 2009, estas apresentações foram promovidas pela Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (por exemplo, pelo GAPIC, conferência «A medicina como vocação», realizada em novembro de 2005) ou por instituições externas, como a Sociedade Portuguesa de Microscopia Eletrónica, a Universidade do Minho ou Instituto de Ciências da Saúde da Universidade Católica (conferência «Problemas e dilemas da medicina contemporânea» proferida no âmbito do mestrado em Educação Médica), subordinadas ainda a problemáticas da investigação científica como a «clonagem» ou a «fertilização in vitro», bem como a aspetos da organização social e institucional da ciência. Para cada um desses temas, o produtor reuniu informações diversas e aparentadas: correspondência, separatas ou artigos impressos, programas e brochuras, coleções de imagens impressas em acetatos. Na presente unidade de instalação, encontram-se ainda diversas informações acerca do 7º, 8º e 12º «Workshop Educação pela Ciência» (FML; GAPIC), na forma de brochuras, programas, artigos de jornais e revistas, entre as quais, o número 2 da «Revista da Faculdade de Medicina de Lisboa», publicado em fevereiro/março de 2005. Outra documentação respeita à organização da conferência «A contribuição da FCG para o desenvolvimento da microscopia eletrónica em Portugal», proferida por David Ferreira em 2006, na Universidade do Minho. Este conjunto documental é completado por uma coletânea de apontamentos manuscritos sobre mecenato, recortes de imprensa e outros documentos sobre a atividade de diversas fundações portuguesas, entre as quais a FCG que, entre 2006 e 2007, celebrou o seu Cinquentenário (onde se inclui informações sobre os «Foruns Gulbenkian em saúde»). Entre outros materiais compilados, sem relação direta com os anteriores, subsiste uma brochura de 1956 com o programa preliminar da «First European Regional Conference on electron microscopy», organizada em Estocolmo pelo Karolinska Institutet, bem como informações comerciais da RCA - Radio Corporation of America -, na publicação «Scientific Instruments News» (nd., c. 1955), bem como uma cópia impressa de «Vibroacustic disease: biological effects of infrasound and low-frequency noise explained by mechanotransduction cellular signalling», artigo da autoria de Mariana Alves Pereira e Nuno Castelo Branco publicado na revista «Science Direct», em 2007. Finalmente, conservam-se separatas e cópias impressas de artigos relacionadas com a governação das academias e sociedades científicas.
Livro Copiador de Correspondência Expedida pela Sociedade Farmacêutica Lusitana, de 30 de julho de 1873 a 28 de junho de 1877, organizado cronologicamente e contendo cópias manuscritas de correspondência expedida sobre diversos assuntos, nomeadamente sobre eleições de Corpos Gerentes, Comissões e Delegados, admissão e demissão de sócios, análises de órgãos, café, pílulas de apiol, água, medicamentos, terra e arsénico, relação de sócios no Rio de Janeiro (Brasil), permuta de jornais com outras associações, envio de diplomas, jornais e cópias do estatuto aos sócios, pagamento de quotas, pareceres das Comissões, interpretação do Regimento do Preço dos Medicamentos, comprovativo de habilitação farmacêutica, abertura de farmácias, pagamento de impostos pelos farmacêuticos e farmácias, nomeação de Pedro Augusto Franco, Mariano Cirilo de Carvalho, Visconde de Carregoso, Ernest Baudrimont, Francisco José da Cunha Viana para sócios honorários, exercício ilegal de farmácia, dissolução do Montepio Farmacêutico, ofertas à biblioteca e arquivo da Sociedade, votos de louvor por serviços prestados à Sociedade, cedência do laboratório para análises, votos de sentimento pelo falecimento dos sócios Duque de Saldanha e de Bernardino António Gomes. Entre os destinatários encontram-se Abílio Nunes Guardado, Adriano Ernesto Hokt Bandeira, Agostinho Sisenando Marques, Alfredo da Silva Machado, Alfredo Salles Veloso e Horta, André Joaquim Monteiro, Angel Bellogin Aguasal, António Nobre Correia de Brito, António Augusto Félix Ferreira, António Casimiro Mourato, António da Costa Veiga, António de Araújo Assis, António Dias de Oliveira, António Frias de Mattos, António Gomes Roberto, António Gonçalves Canaveira, António Joaquim Lopes Taveira, António Joaquim Pinto, António Joaquim Vieira Barros, António José Cardoso, António José Martins Barreto, António José Martins Pereira, António José Ramalho, António José Rodrigues Barbosa, António José Teixeira, António Lopes da Cunha, António Lopes do Rego, António Luís Rodrigues Alves Pinto, António Maria Mendes Gragera, António Vaz Agostinho, António Vaz Teixeira, Associação dos Melhoramentos das Classes Laboriosas, Associação Instrução Popular (Lamego), Augusto de Oliveira Abreu, Augusto Máximo da Veiga, Augusto Ribeiro dos Santos Viegas, Augusto Simões de Abreu, Banco Nacional Ultramarino, Bento Xavier Moreira Cardoso, Bernardo de Campos Vieira, Bernardo Pinto Soares de Miranda, Cândido Augusto da Silva Cabral, Cândido José Pinto da Fonseca, Carlos Augusto de Oliveira, Carlos Augusto Lopes, Carlos César Pinto, Charles Marchant, Constantino Rodrigues Cardoso, David Teixeira Mendes, Domingos António Soeiro, Domingos Barata Dinis, E. Van de Vyvere, Eduardo Júlio Janvrot, Emílio Augusto Ramos e Rosa, Enrique Lemming, Ernest Banchimont, Ernesto de Santana da Cunha Castelo Branco, Eusebe Fernando, Félix da Fonseca Moura, Felizardo António Gonçalves, Filipe António de Sousa Teles [ver Filipe Augusto], Francisco António da Silva Pinho, Francisco António de Campos, Francisco António de Moura, Francisco António Pinto Carvalho de Abreu, Francisco da Fonseca Bernardes, Francisco de Assis Aragão Araújo, Francisco Fortunato de Assis, Francisco José Cabral Quadros, Francisco José da Cunha Viana, Francisco José de Oliveira, Francisco Porfírio Albano Gonçalves, Francisco Silvestre de Macedo, Francisco Xavier de Sousa, Frederico Albino de Araújo Leite, G. N. Zaviniano, Guilherme José da Silveira, Henrique António Gama, Henrique de Barros Gomes, Imprensa Nacional, Inácio José de Carvalho, Jacinto Heliodoro José de Mello, Jerónimo Barbosa de Queiroz, João Agostinho Ferreira Chaves, João António Rosa, João Augusto de Oliveira Abreu, João Crisóstomo da Costa Simplício, João de Jesus Pires, João Elisiário Antunes, João Francisco Delicioso, João Gonçalves Barrigudo Bravo, João Inácio Ferreira Lapa, João Inácio Gonçalves, João José de Sousa Telles, João Lourenço Monteiro, João Pedro de Pina, João Rodrigues de Noronha, João Sátiro Xavier Leitão, João Tomás da Silva Pinto, Joaquim António Santos, Joaquim António Torres, Joaquim Augusto Mano, Joaquim da Costa, Joaquim de Santana Machado Figueiras, Joaquim Emídio de Sousa Pinto, Joaquim José Alves, Joaquim José de Miranda Sarmento, Joaquim José Guerra, Joaquim Raimundo Maldonado, Joaquim Rodrigues Pereira da Silva, Joaquim Simões Serra, Joaquim Urbano da Veiga, José António de Oliveira, José Augusto da Silva Gameiro, José Bento Coelho de Jesus, José Carrilho de Mattos, José Correia da Costa, José Correia Pinto de Morais Júnior, José de Freitas e Oliveira, José de Mattos Saraiva, José de Paiva Cardoso, José Dionísio Correia, José Duarte Cardoso, José Francisco Ferreira Dinis Sampaio, José Gabriel de Sousa e Silva, José Henrique Melageiro Júnior, José Ivo Carreira, José Joaquim Pinto de Almeida, José Maria de Castro Bacelada, José Mendes de Assunção, José Mendes Jara, José Pereira Rodrigues, José Raimundo Alves Sobral, José Ramos Melicio, José Ribeiro Guimarães Drack, José Romão Caeiro Júnior, José Silvério Ribeiro, José Tedeschi, José Tomás de Sousa Martins, José Victor Carril Barbosa, Juvêncio Gomes de Figueiredo, Leonel Aires dos Santos Maia, Leopoldino Augusto da Cunha Figueiredo, Luís José da Rosa Limpo, Luís Maria da Costa, Luís Vicente Fortuna, Manuel António Pinho, Manuel de Oliveira Neto, Manuel Duarte Ferreira, Manuel Gonçalves Duque, Manuel Joaquim Pereira Leite, Manuel Lopes Pereira, Manuel Mendes Lopes, Manuel Pereira de Barros, Manuel Tavares de Almeida, Manuel Vicente de Jesus, Maria José Cruz de Oliveira e Silva, Mariano de Carvalho, Miguel José de Sousa Ferreira, Ministério do Reino, Nicolau Agostinho Baião Reynaud, Paulo José Henriques, Pedro Augusto Franco, Pedro Fernandes da Cunha, Pedro Machado de Oliveira, Policarpo dos Reis Cavaleiro, Procurador Régio, Ramon Ortiz de Montellano, Rodrigo da Silva Carvalho, Sabino José da Silva Veloso, Sebastião Timóteo da Trindade, Silvério da Costa Rosa, Société de Pharmacie à Bruxelles, Teodoro Simões de Faria, Tomás de Aquino Alves, Université de Athènes, Veríssimo Gomes Ferreira Lobo, Visconde de Carregoso.
Livro Copiador de Correspondência Expedida pela Sociedade Farmacêutica Lusitana, de 10 de maio de 1913 a 15 de novembro de 1916, organizado cronologicamente e contendo cópias manuscritas, em folhas numeradas, de correspondência expedida sobre diversos assuntos, nomeadamente sobre eleição de Corpos Gerentes, Comissões e Delegados, convites para exposições, admissão e demissão de sócios, exercício ilegal de farmácia, reforma do serviço de saúde do Ultramar, projeto de lei de reorganização das associações de socorros mútuos, pareceres das Comissões, convites para a sessão aniversária da Sociedade, publicação de artigos em jornais, obrigações de empréstimo para a construção do edifício sede da Sociedade, pagamento de quotas e diplomas, projeto de lei relativo a especialidades farmacêuticas, fundação da Associação de Estudantes de Farmácia da Universidade de Lisboa, regulamento da escola de medicina veterinária de Lisboa, representação no Congresso Internacional de Farmácia em Haia, votos de sentimento pelo falecimento de Venâncio Firmino de Sampaio, Luís Pinto Leão de Oliveira, Manuel Vicente de Jesus Abrantes, João José de Matos Gama, António Ferreira, Marciano Pereira dos Santos Beirão, Serafim de Paz Medeiros, José da Ponte e Sousa, José Ribeiro Guimarães Drack, António da Fonseca Pinto, António Carvalho da Fonseca, Joaquim Urbano da Veiga, Francisco José de Amorim, Aurélio Chagas Franco e de José Pereira Rodrigues, cedência de salas da Sociedade a outras associações, questões relativas à publicação do jornal, anúncios no jornal, donativos, queixas de farmacêuticos, regulamento do selo das especialidades farmacêuticas, questões relativas aos empregados de farmácia, relação dos objetos deteriorados e inutilizados pela tentativa de roubo, permuta de jornais entre associações, revisão da farmacopeia portuguesa, análises a lactato de creosota e éter anestésico, informações sobre farmacêuticos residentes no Brasil, inventário da mobília, alterações ao regimento interno, inspeção às drogarias, venda ilegal de medicamentos, legislação farmacêutica, projeto de reforma dos serviços hospitalares, contribuição para monumento de homenagem a Camões em Paris, consumo anual nas farmácias de substâncias medicamentosas, a sua existência em depósito e preço, importação de produtos químicos, questões relativas ao regimento de preço dos medicamentos, envio de jornais aos sócios, abertura de concursos para cargos de farmacêuticos, doações à biblioteca e arquivo da Sociedade, nota de quotas em atraso, notas de débito, pagamento de licenças, regulamentação das horas de trabalho, tabela reguladora do descanso semanal, projeto de reorganização dos serviços farmacêuticos militares, reforma do exercício farmacêutico, contas correntes, alterações à pauta aduaneira. Entre os destinatários encontram-se Abel Martinho de Sousa Alves, Academia Politécnica do Porto, Acúrcio Gil Farinha de Campos, Adelino Augusto Ferreira Bairrão Ruivo, Adelino de Moura Santos, Afonso Xavier Lopes Vieira, Alberto da Costa Veiga, Alberto de Almeida Oliveira Malta, Alberto Saturnino Falcão de Gouveia Mendonça, Albino António Freire de Andrade, Alexandre José Mário Mendes, Alfredo da Silva Machado, Alfredo Faustino de Andrade, Alfredo Pereira, Aníbal Dias Saraiva, Ateneu Comercial de Lisboa, António Carmindo de Sousa Lamy, António Carvalho da Fonseca, António da Mota Soares, António da Silva Amorim, António de Almeida Oliveira Malta, António Dionísio Garras, António Faustino de Andrade, António Ferreira, António Gomes Duque, António Joaquim Cardote, António Joaquim Ferreira da Silva, António Júlio Gomes, António Macieira, António Maria da Gama Júnior, António Martins Vidigal Salgado, António Moreira Beato, Artur Fernandes da Silva, Artur Lino Cardoso, Artur Teixeira de Macedo, Associação Central da Agricultura Portuguesa, Associação Comercial de Lojistas de Lisboa, Associação de Médicos Portugueses, Associação de Socorros Mútuos Aliança Nacional, Associação dos Advogados, Associação dos Empregados de Bancos e Câmbios de Lisboa, Associação Farmacêuticos Portugueses, Augusto Alberto de Carvalho, Augusto José Carlos de Oliveira, Augusto Pereira da Silva, Augusto Pimentel Teixeira, Augusto Simões de Abreu, Aurélio Leonardo do Rego, Balbina Leão de Oliveira, Banco Economia Portuguesa, Bartolomeu Dias Pereira, Bento César Pereira, Bernardino Machado, Bernardo Augusto da Costa Simões, Bernardo Ribeiro de Sousa, Bruno da Silva Lomba, Caetano de Figueiredo Ferreira, Câmara dos Deputados, Câmara Municipal de Lisboa, Camilo Simões Pacheco, Carlos Augusto Cordeiro, Carlos Cândido Coutinho, Carlos Hugo da Costa Santos, Carlos Martins de Carvalho e Costa, Carlos Vieira da Silva Teles, Centro Farmacêutico Português, César Dinis Bastos dos Reis, Charles Lepierre, Cirino da Silva, Clube Militar Naval, Comissão Administrativa do Município de Lisboa, Comissão de Censura às Publicações Periódicas de Lisboa, Comissão de Inquérito das Providências, Comissão de Subsistências, Comissão Executiva da Exposição de Arte na Escola, Comissariado da Polícia Civil de Coimbra, Constança da Glória de Freitas e Silva, Diogo José da Encarnação Carvalho, Direção Geral das Alfândegas, Direção Geral de Saúde, Domingos Estanislau da Silva, Eduardo Martins da Fonseca, Emílio Augusto de Faria Estácio, Emílio Fragoso, Ernesto dos Santos, Escola de Farmácia de Lisboa, Escola de Medicina Veterinária, Escola Superior de Farmácia do Porto, Estação Telégrafo Postal (Arruda dos Vinhos, Condeixa-a-Nova, Avelar), Evaristo Guilherme Fauchier Faure, Fausto Cardoso de Figueiredo, Fernando Augusto da Paixão, Fernando Pimenta, Filomena Freire Chagas Franco, Firmino António Souto Maior Raposo, Flaviano Eugénio Falcão Correia, Florêncio Pereira Garcia, Francisco da Ponte e Sousa, Francisco de Carvalho, Francisco Fernandes, Francisco José Pereira, Fridolin Greiner, Gaspar Maria do Nascimento, Gaudêncio Pires de Campos, Gertrudes Lobo Sampaio, Governo Civil de Lisboa, Governo Civil do Funchal, Grémio Lusitano, Guiomar Machado de Freitas Beirão, Henrique Calado Mendes, Hiel L. Lawrée (?), Higino António da Silva, Humberto da Cunha Correia, Isac Júlio Fonseca da Silveira, J. J. Hofman (?), Jaime Eugénio Ribeiro de Mendonça, João Alves da Silva, João Augusto dos Santos, João Baptista da Silva Matos, João Carlos Alberto da Costa Gomes, João de Deus Camacho (?) Pimenta, João Francisco de Jesus, João José Pereira Leal, João Lopes da Silva, João Mateus Fernandes, João Mendes Carreiro, João Mendes da Fonseca, João Norberto Gonçalves Guerra, João Rodrigues de Noronha Júnior, João Simões da Costa, Joaquim Albino Fernandes, Joaquim de Almeida e Cunha, Joaquim de Jesus Cardoso e Sousa, Joaquim Duarte Ferreira, Joaquim Lopes da Mota Capitão, Joaquim Pedro de Morais, Joaquim Pedro Martins, Joaquim Pereira Cardoso, Joaquim Tavares, Joaquim Teotónio Segurado, Joaquim Urbano da Veiga, Joaquim Vieira da Silva, Jornal O Instituto, José Alemão de Mendonça Cisneiros de Faria, José António da Costa Júnior, José Antunes de Sousa, José Augusto Carolino, José Augusto Marques de Melo, José Baptista Limpo Júnior, José Barbosa Guimarães de Lima, José Bento de Almeida, José Carvalho da Fonseca Júnior, José Curry da Câmara Cabral, José da Ponte e Sousa, José da Silva Simões, José de Assunção Mimoso, José de Matos Casaca, José Emílio Nunes Vaz, José Feliciano Alves de Azevedo, José Francisco Mendes, José Gonçalves Bandeira, José Henrique dos Santos Paiva, José Henriques de Paiva, José Justo de Leão Júnior, José Maria Pereira Ferraz, José Maria Pinto da Fonseca, José Pedro Alves, José Pedro Estanislau da Silva, José Pedro Xavier Rodrigão, José Pereira Pedroso, José Valentim, José Vaz de Oliveira, José Veiga Ferrão Pais, Juízo de Investigação Criminal, Júlio Augusto da Cruz, Luís António da Costa, Luís Fernandes Martins, Luís José Botelho Seabra Lopes, Luís Júlio Dias Soares, M. J. Monteiro Guimarães e Filho, Manuel Adriano Mourato Vermelho, Manuel André Júnior, Manuel de Sousa Lima, Manuel Diehl Granjo (?), Manuel dos Santos Marrazes, Manuel dos Santos Pereira Brazão, Manuel Fernandes da Cruz, Manuel Ferreira Giraldes, Manuel Godinho de Matos, Manuel Luís Sequeira, Manuel Rodrigues Machado, Manuel Valente Serrano, Maria Guilhermina Jordão da Veiga, Maria José de Moura Gama, Maria José Fernandes Pereira Rodrigues, Maria Luísa da Fonseca Monteiro Abrantes, Maria Luísa Machado da Fonseca Pinto, Mário Artur Borges de Oliveira, Mário Augusto de Azevedo da Costa Santos, Mário Júdice de Oliveira, Martinho Fernandes Piloto, Mealheiro das Viúvas e Órfãos dos Operários que Morreram de Desastre no Trabalho, Miguel Fadon Gonzalez Lizaso, Ministério das Finanças, Ministério de Instrução Pública, Nuno Freire Dias Salgueiro, Palmira do Sacramento Esteves Medeiros, Rafael Baião Vieira, Raúl Adriano Lourenço de Almeida, Raúl Ferreira Vidal, Rodrigo da Silva Ramos, Sebastião Vítor Abreu da Silva, Serafim Pires Coelho David, Silvério Marques Couceiro, Sociedade de Ciências Agronómicas de Portugal, Sociedade de Medicina Veterinária, Sociedade Mercantil Portuguesa, Sociedade Portuguesa da Cruz Vermelha, Sociedade Químico Farmacêutica do Porto, Teotónio Alberto Mendes, União dos Farmacêuticos de Braga, Vasco Sequeira de Morais, Vicência da Ponte e Sousa, Victor da Silva Feitor, Virgílio Mesquita Lopes, Zeferino de Sousa. Nomes referidos na correspondência que não constam da lista de destinatários: Aires Correia da Fonseca, Alfredo Teodoro Simões Manso, Alfredo Tovar de Lemos, Antonino Alves Barata, António Bernardo de Miranda, António dos Santos Pires, Ernesto Rocha e Castro, Fortunato Rocha da Fonseca, Francisco de Almeida, Joaquim Nicolau Cavaca.
Livro de Registo Geral das Sessões Comissão de Redação da Sociedade Farmacêutica Lusitana Nº 2, correspondente ao período de 3 de maio de 1853 a 5 de março de 1858. Livro manuscrito, organizado cronologicamente, com o registo de atas das sessões onde foram discutidos diversos assuntos nomeadamente sobre a instalação da Comissão de Redação, eleição dos cargos, questões relativas à impressão do jornal, escolha e organização das matérias segundo a estrutura do jornal (Farmácia (portuguesa e estrangeira), Química, Física, História Natural, Diversidades, Direito Farmacêutico Português, Saúde Pública, Peças Oficiais, História da Farmácia, Toxicologia, Expediente Farmacêutico, Revista dos Jornais e Abusos de Polícia Farmacêutica), correspondência recebida, regulamentação relativa à utilização e tradução de artigos, envio de circulares aos sócios, angariação de subscritores, distribuição de tarefas. Para além da listagem de artigos a publicar no jornal foram abordados diversos temas nomeadamente águas potáveis da cidade do Porto, pureza do subazotato de bismuto, abusos da polícia farmacêutica, observações sobre a eterização pelo clorato de zinco, fórmulas extraídas do Anuário Terapêutico de Bouchardat, legislação farmacêutica, meio de purificar as águas, ácidos tartárico e racémico, projeto das escolas especiais de farmácia, fórmula de pastilhas de caracóis, fórmulas de tinta para penas de ferro, preparação do percloreto de ferro, pomada contra as afecções escrofulosas, análise química da Água Santa, exercício ilegal de farmácia, representação da Sociedade ao Governo, sinopse meteorológica, observação sobre a manita, tradição acerca da igasurina (novo alcaloide), programa do curso de matéria médica, formulário ou coleção de fórmulas citadas no regimento de 1854, farmácia e toxicologia, falsificações de sulfato de quinina, cianeto de potássio, colódio, óleos e gorduras, memória sobre o amendobi (Arachis Hypogea), necrologia de João Quintino de Avelar e João Ferreira da Silva e Oliveira, glicerina, regimento dos delegados do físico-mor de 16 de maio 1744, iodoreto de amido, modificação do aparelho de Woulf, moléstia das vinhas, óleo de fígado de bacalhau, preparação do algodão de colódio, estatutos da Universidade de Coimbra de 28 agosto 1772, ácido prússico, emprego do molibdato de amónio, análise químico legal do alegado envenenamento de José da Silva Ferreira Rino, reflexões sobre o Código Farmacêutico Lusitano, águas de Carenque, xarope de limões artificial, presença do níquel e de cobalto em algumas água ferruginosas, quadro da Sociedade, lista dos delegados, subdelegados e subscritores, fórmula de hidrolado volátil de mostrada, doces de farmácia, ópio indígena, conservação de sementes, glicerolados medicinais, digitalina e digital, águas minerais, tártaro emético, formulário da Sociedade, folheto com as propriedades rubefacientes do rabano rústico, caracteres distintivos de diversos sais, regimento de preços, emprego do permanganato de potassa, ácido arsenioso, licor de Fowler, amylena de Louis Figuier, pomada mercurial, estricnina, dosagem do ácido carbónico nas águas minerais, constituição das águas de Vichy, epidemia de febre amarela em Portugal em 1857. Contém informação de que, por diversas razões, não foram transcritas para o livro as atas das sessões que decorram entre 19 de novembro de 1855 até 21 de março 1857. Nomes mencionados nas atas: Agostinho Albano da Silveira, Albano Abílio Andrade, António Augusto da Costa Simões, António Baptista Alves Leitão, Bernardino António Gomes, Caetano Maria Ferreira da Silva Beirão, Carlos Eugénio Correia, Carlos Ribeiro, Florêncio Peres Furtado Galvão, Francisco Fortunato de Assis, Francisco José da Cunha Viana, Henrique José de Sousa Telles, João Agostinho Ferreira Chaves, João de Loureiro, João de Sousa Pereira, João José de Sousa Telles, João José Pereira, João Luís Pipa, Joaquim José Alves, Joaquim José de Melo, Joaquim Nunes Barbosa, José Alexandre Rodrigues, José Dionísio Correia, José Joaquim da Silva Pereira Caldas, José Pereira de Azevedo, José Tedeschi, Júlio Máximo de Oliveira Pimentel, Lázaro Joaquim de Sousa Pereira, Lázaro Tavares Afonso e Cunha, Lourenço António Correia, Manuel Vicente de Jesus, Mariano Cirilo de Carvalho, Miguel Capistrano de Amorim, Pedro José da Silva, Pedro José Pinto, Pedro Manuel de Araújo, Sebastião Betâmio de Almeida, Tomás de Carvalho.
Livro Copiador de Correspondência Expedida pela Sociedade Farmacêutica Lusitana, de 10 de julho de 1879 a 30 de junho de 1880, organizado cronologicamente. Inclui índice da correspondência expedida no ano económico de 1879 a 1880, contendo cópias manuscritas de correspondência sobre diversos assuntos, nomeadamente sobre admissão e demissão de sócios, pagamento de quotas, envio de diplomas, jornais e cópia de estatuto aos sócios, eleição de Corpos Gerentes e Comissões, pareceres das Comissões, análises de órgão, líquidos, pílulas e de alimentos, subscrição para o Congresso Internacional de Geografia Comercial, cedência do laboratório para realização de análises, doações à biblioteca e arquivo da Sociedade, esclarecimento de dúvidas de sócios, nomeação de Miguel Ventura da Silva Pinto, João Francisco Delicioso, José Bento Coelho de Jesus, João de Jesus Pires e de Carlos von Bonhorst para sócios honorários e de Eduardo Júlio Janvrot para sócio benemérito, colaboração com a Faculdade de Filosofia da Universidade de Coimbra em homenagem a Félix de Avelar Brotero, oferta de exemplares do Regimento do Preço dos Medicamentos pelo Governo Civil de Lisboa, esclarecimentos e exemplos relativos ao Regimento, envio de representação à Câmara dos Deputados relativa ao selo de licenças, considerações sobre o auxílio do governo para publicação do jornal, celebrações do tricentenário de Camões, trasladação das ossadas de Vasco da Gama e Luís Vaz de Camões, conta da receita e despesa com a publicação do jornal, relação das corporações e indivíduos que receberam o jornal gratuitamente, receita de infuso de cato macerado. Entre os destinatários encontram-se Alfredo da Silva Machado, António Augusto Félix Ferreira, António Barata de Figueiredo Taborda, António Gomes Duque, António Gomes Roberto, António Joaquim Pinto, António José Martins Pereira, António José Pimentel, António Nobre Correia de Brito, António Sátiro Xavier de Castro, Augusto de Oliveira Abreu, Augusto Ribeiro dos Santos Viegas, Bairro Central de Lisboa, Bernardo Pereira Maia, Carlos von Bonhorst, Charles Louis Creteur, Claudino José Vicente Leitão, Comissão da Imprensa para a celebração do bicentenário de Camões, Comissão de reforma do regimento dos preços dos medicamentos, Congresso de Geografia Comercial, Daniel Filipe dos Santos, Meyer, Domingos António Pita Simões, Duarte Pereira Dias Ribeiro, Eduardo Coelho, Eduardo Júlio Janvrot, Emília Carolina de Pádua Leal, Ezequiel Augusto Barata Taborda, Francisco António Alonso de Puga, Francisco António de Goes, Francisco das Dores Magalhães, Francisco de Castro Freire, Francisco Freire de Andrade, Francisco José de Oliveira Goes, Francisco Xavier Rodrigues, Governo Civil, Isidra Carolina dos Santos, Jardim Botânico da Universidade de Coimbra, João Agostinho Ferreira Chaves, João Carlos Rodrigues da Costa, João de Deus Baptista, João de Jesus Pires, João Francisco Delicioso, João José de Sousa Telles, João Pires Coelho, João Tomás da Silva Pinto, Joaquim Baptista de Lemos, Joaquim de Santana Machado Figueiras, Joaquim José Alves, Joaquim Manuel Ferreira Chaves, Joaquim Simões Serra, Joaquim Urbano da Veiga, José Agostinho Ferreira Chaves, José António de Oliveira, José Augusto da Silva Gameiro, José Augusto Madeira de Andrade, José Bento Coelho de Jesus, José de Matos Casaca, José Dionísio Correia, José Gomes de Matos, José Joaquim Brochado Caldas, José Mendes de Assunção, José Mendes Jara, José Pereira Rodrigues, José Ribeiro Guimarães Drack, José Tedeschi, José Tomás de Sousa Martins, Júlio Augusto Henriques, Manuel Francisco do Amaral, Manuel Vicente de Jesus, Maria Taborda de Oliveira Abreu, Mariana Amália Maduro da Veiga, Miguel José de Sousa Ferreira, Miguel Ventura da Silva Pinto, Ministério do Reino, Nicolau Agostinho Baião Reynaud, Procurador Régio, Rodrigo Afonso Pequito, Silvério Alves da Silva, Tomás de Aquino Alves, Universidade de Coimbra, Van de Wacle, Veríssimo Gomes Ferreira Lobo.
Livro Copiador de Correspondência Expedida pela Sociedade Farmacêutica Lusitana, de 8 de julho de 1891 a 22 de junho de 1892, organizado cronologicamente. Inclui índice da correspondência expedida no ano económico de 1891 a 1892, contendo cópias manuscritas de ofícios sobre diversos assuntos, nomeadamente sobre cunhagem de medalhas para sócios, admissão e demissão de sócios, condecoração de Agostinho Sisenando Marques com a Ordem de S. Tiago, morada da Sociedade Farmacêutica Lusitana na Rua do Benformoso n.º 157 1º andar em Lisboa, ofertas à biblioteca e arquivo, pagamento de medalhas e quotas, pareceres das Comissões, verificação de preços de medicamentos com o regimento, proibição de uso de medalhas da Sociedade por militares e outras que não pertençam ao uniforme ou à sua graduação, preços e tarifa a aplicar às especialidades farmacêuticas estrangeiras, eleição de Corpos Gerentes e Comissões, votos de sentimento pelo falecimento de Victor Carril Barbosa e João de Jesus Pires, projeto de reforma da pauta aduaneira, leis de saúde, envio de jornais e cópias do estatuto aos sócios, análises a água, colaboração com o Centro Farmacêutico Português, reunião sobre cooperativas farmacêuticas na farmácia Vasconcelos, importação de medicamentos secretos, nomeação de António Joaquim Ferreira da Silva para sócio honorário e de Agostinho Sisenando Marques para sócio benemérito, louvores por serviços prestados à Sociedade, exercício ilegal de farmácia, questões relativas a exames de farmácia, publicação de anúncios no jornal. Entre os destinatários encontram-se Abel Augusto Proença, Achileu Augusto da Piedade, Agostinho Ferreira Chaves, Agostinho Sisenando Marques, Alfredo da Silva Machado, Antonino Alves Barata, António Augusto Proença, António Duarte Maneiras, António Duarte Silva, António Ferreira, António Gomes Duque, António Joaquim Ferreira da Silva, António Pedro Cardoso Alves de Azevedo, António Piloto, Associação dos Advogados - Lisboa, Associação Humanitária Camões - Lisboa, Augusto de Oliveira Abreu, Augusto Ignacio Sisenando, Augusto Ribeiro dos Santos Viegas, Bernardino Luís Machado Guimarães, Centro Farmacêutico Português, Conde do Restelo, Custódio José Rodrigues de Oliveira Guimarães, Direção Geral do Ultramar, Domingos Francisco da Silva Nogueira, Domingos Gomes da Silva Barbosa, Emílio Augusto de Faria Estácio, Emílio Agnello Ramos Rosa, Emílio Fragoso, Escola Médico-cirúrgica - Porto, Faculdade Medicina - Bahia, Feliciano Castilho de Almeida, Filipe Gomes Vieira, Francisco de Assis Aragão Araújo, Francisco José Malato, Francisco Vidigal da Costa Simas, Francisco Xavier de Paiva, Henrique Eduardo Nunes dos Santos, Hermenegildo Carril Barbosa, J. J. de Mesquita Pimentel, João de Matos Casaca, João Pais da Cunha Mamede, Joaquim Duarte Ferreira, Joaquim José Alves, Joaquim Urbano de Veiga, José Acúrcio Nunes Rego de Carvalho, José Augusto Pancada, José Augusto Piteira Falcão, José Bento Coelho de Jesus, José Ferreira da Silva, José Joaquim da Silva Pereira Caldas, José Joaquim Moreira, José Maria de Jesus Reia Campos, José Maria Pereira, José Pedro Estanislau da Silva, José Pereira da Machada, José Tedeschi, Laboratório Municipal do Porto, Luciano Cordeiro., Manuel dos Santos Costa, Manuel Ferreira da Cunha, Manuel Pinheiro Chagas, Manuel Pinto, Manuel Vicente Falcoeiras, Maria das Dores de Azevedo Pires, Mariano Cyrillo de Carvalho, Miguel José de Sousa Ferreira J. Irmão, Ministério da Guerra, Ministério da Marinha, Ministério das Obras Públicas, Ministério do Reino, Pedro Fernandes da Cunha, Próspero Ribeiro Chaves Meireles, S. P. Langley, Sebastião José Dantas, Silvério Botelho Moniz de Sequeira, Silvério Mendes Marques Couceiro, Silvestre Simões Ferreira, Sociedade das Ciências Médicas - Lisboa, Sociedade de Geografia - Lisboa, Thomaz Ribeiro, Veríssimo Gomes Ferreira Lobo. Nomes referidos na correspondência que não constam da lista de destinatários: Elísio Fernandes das Neves Tavares, Francisco Júlio Tavares Magalhães, Joaquim Mendes Correia, José das Neves Pereira da Cruz, José Maria Soares Teixeira.
Livro Copiador de Correspondência Expedida pela Sociedade Farmacêutica Lusitana, de 6 de julho de 1890 a 26 de junho de 1891, organizado cronologicamente. Inclui índice da correspondência expedida no ano económico de 1890 a 1891, contendo cópias manuscritas de ofícios sobre diversos assuntos, nomeadamente sobre abusos do exercício legal de farmácia, pagamento de quotas, envio de diplomas, jornais e cópias do estatuto aos sócios, admissão e demissão de sócios, pareceres das Comissões, relação das farmácias e administradores do concelho de Montemor-o-Velho, nomeação de Henrique Maurício Jorge de Lima para sócio benemérito e de Isidoro da Fonseca Moura e Manuel Nepomuceno para sócios honorários, eleição de Corpos Gerentes e Comissões, votos de sentimento pelo falecimento de Francisco César Pereira, João Dinis Simões, Joaquim Baptista de Lemos e Ernesto de Santana da Cunha Castelo Branco, ofertas à biblioteca e arquivo da Sociedade, colaboração com o Centro Farmacêutico Português, representação para não aprovação do tratado Algo-Luso, reforma do estatuto da Sociedade, descontos ilegais em medicamentos, análises a substâncias medicinais, cloridrato de cocaína e sulfato de quinina, administração ilegal de farmácias, reforma do ensino farmacêutico, louvores pelos serviços prestados à Sociedade, reforma da pauta das alfândegas, homenagem a António da Silva Porto, livro de matrícula de aspirantes farmacêuticos, selo de licença dos farmacêuticos. Entre os destinatários encontram-se Agostinho Ferreira Chaves, Agostinho Sisenando Marques, Albino António Freire de Andrade, Alfredo da Silva Machado, Antónia Cecília de Santana, Antonino Alves Barata, António Augusto da Costa Simões, António Augusto de Ascensão, António Correia de Figueiredo, António de Carvalho Pessoa, António Fernandes de Magalhães, António Joaquim de Sousa, António Joaquim Pinto, António José de Araújo, António José Pimentel, António Manuel Augusto Mendes, António Pedro Cardoso Alves de Azevedo, António Vieira de Almeida, Augustin Nicot, Augusto de Oliveira Abreu, Augusto Simões Abreu, Aureliano José Santos Viegas, Bento César Pereira, Bento Pereira Pedroso, Caetano Domingos Drolhe, Carlos Augusto Lopes, Carneiro Neves, Centro Farmacêutico Português, Comissão executiva da - grande subscrição nacional a favor da defesa do país, Custódio José Rodrigues de Oliveira Guimarães, Domingos Francisco da Silva Nogueira, Emídio da Silva Monteiro Macedo, Emídio Gonçalves de Azevedo, Emílio Augusto de Faria Estácio, Emílio Fragoso, Francisco Alves Vieira Júnior, Francisco de Assis Aragão Araújo, Francisco de Carvalho, Francisco José de Amorim, Francisco José Malato, Francisco Xavier de Paiva, Gaspar Simões Viana, Henrique António Gama, Henrique Maurício Jorge de Lima, Izidoro da Fonseca Moura, J. Burmeiter, João António Carretas, João António Pereira, João de Jesus Pires, João José da Costa, João José de Sousa Telles, João José Freire, Joaquim António de Almeida Rainha, Joaquim António Vaz Leirinha, Joaquim Duarte Ferreira, Joaquim José Alves, Joaquim José Caetano Castela, Joaquim Mendes Correia, Joaquim Simões Serra, José Alberto Marques Silva, José António de Oliveira, José Baptista, José Bento Coelho de Jesus, José Bernardo Birra, José Cardoso da Silva Guimarães, José Elísio Mendes Alves, José Ferreira da Silva, José Maria de Jesus Reya Campos, José Maria Pereira de Miranda, José Maria Soares Teixeira, José Mendes de Assunção, José Mendes Jara, José Pedro Estanislau da Silva, José Ribeiro Guimarães Drack, José Rodrigues Pereira, José Silvestre Ribeiro, José Tedeschi, José Tomás de Sousa Martins, Júlio de Sande Sacadura Botte, Luciano Cordeiro, Manuel Cordeiro Manso, Manuel dos Santos da Loura, Manuel Nepomoceno, Manuel Vicente de Jesus Abrantes, Maria da Glória Alves de Lemos, Mariano Cirilo de Carvalho, Matias da Silva Lopes, Miguel José de Sousa Ferreira, Pedro Fernandes da Cunha, Pedro Wenceslau de Brito Aranha, Prospero Ribeiro Chaves Meireles, Sebastião António Delrisco, Silvério Mendes Marques Couceiro, Silvestre Simões Ferreira, Sociedade de Geografia de Lisboa, Veríssimo Gomes Ferreira Lobo, Vicente José de Seiça, Virgínia Simões.
Livro Copiador de Correspondência Expedida pela Sociedade Farmacêutica Lusitana, de 15 de julho de 1877 a 14 de junho de 1878, organizado cronologicamente. Inclui índice da correspondência expedida no ano económico de 1877 a 1878, contendo cópias manuscritas de correspondência sobre diversos assuntos, nomeadamente sobre parecer sobre o Regimento do Preço dos Medicamentos, preparações para a comemoração do aniversário da Sociedade, proibição de venda de águas minerais em estabelecimentos não dirigidos por farmacêuticos, eleição de Corpos Gerentes e Comissões, obras no edifício, votos de sentimento pelo falecimento dos sócios António de Sousa Dias e de Lázaro Joaquim de Sousa Pereira, votos de louvor por serviços prestados à Sociedade, comprovativo de prática farmacêutica, queixas sobre abusos das autoridades, empréstimo de salas a outras associações, venda ilegal de medicamentos em mercearias, análises de órgãos, gordura e papel, admissão e demissão de sócios, envio de diplomas, cópias do estatuto e jornais aos sócios, pareceres das Comissões, fórmula da mistura salina composta, pagamento de quotas, nomeação de Luiz Góngora, José Cases y Montserrat e de Augusto de Oliveira Abreu para sócios honorários, divisão em farmacêuticos de primeira e segunda classe, pagamento de licenças e selos por farmácias e farmacêuticos, farmacopeia portuguesa, projeto de lei de saúde relativa ao exercício farmacêutico. Entre os destinatários encontram-se Academia de Sciencias Medicas da Catalunha, Academia Medico-pharmaceutica de Barcelona, Agostinho Vicente Lourenço, Aleixo Tavares, Alfredo da Silva Machado, António Augusto de Aguiar, António Augusto Félix Ferreira, António Gomes Roberto, António Joaquim Rosado e Silva, António Vaz Teixeira, Associação dos Melhoramentos das Classes Laboriosas, Augusto de Oliveira Abreu, Augusto de Simões Abreu, Carlos Augusto May Figueira, Claudino José Vicente Leirão, Comissão da Farmacopeia Portuguesa, Comissão dos festejos de 24 de junho da Rua dos Calafates, Companhia Comercial Farmacêutica do Porto, Domingos António Pita Simões, Elisiário Augusto Lindsay, Emile Gilbert, Ernesto de Santana da Cunha Castello Branco, Estanislas Andreu Verro, Ezequiel Augusto Barata Taborda, Francisco Fortunato de Assis, Francisco José da Cunha Viana, H. Verhasselt, Henrique Maurício Jorge de Lima, Instituto Geral de Agricultura, Izidoro da Costa Azevedo, Jerónimo Joaquim da Silva Guimarães, João Baptista Barbosa Gomes Osório, João de Jesus Pires, João Francisco Delicioso, João José de Sousa Dias, João José de Sousa Telles, João Tomás da Silva Pinto, Joaquim Baptista Lemos, Joaquim José Alves, Joaquim Rodrigues Pereira da Silva, Joaquim Simões Serra, Joaquim Urbano da Veiga, José Alberto Marques Silva, José Augusto da Silva Gameiro, José Bento Coelho de Jesus, José Cases y Montserrat, José Correia da Costa Júnior, José de Freitas e Oliveira, José Dionísio Correia, José Gomes de Matos, José Januário da Silveira e Costa, José Mendes de Assunção, José Mendes Jara, José Pereira Rodrigues, José Ribeiro Guimarães Drack, José Tedeschi, José Tomás de Sousa Martins, Júlio Carlos Gonçalves, Luiz Góngora, Manuel Francisco do Amaral, Manuel Matos Viegas, Manuel Vicente de Jesus, Maria José Cruz de Oliveira e Silva, Mary Fary Ferreira, Miguel José de Sousa Ferreira, Pedro José da Silva, Policarpo dos Reis Cavalheiro, Procurador Régio, Real Associação Central de Agricultura Portuguesa, Tomás de Aquino Alves, Veríssimo Gomes Ferreira Lobo.