Type

Data source

Date

Thumbnail

Search results

You search for braga and 12,448 records were found.

A fotografia apresenta acima de tudo a igreja de S. João do Souto e não uma panorâmica do Campo do Souto.
A fotografia foi realizada no âmbito das funções que o arquiteto tinha no Gabinete de Estudos da Direção do Norte dos Edifícios Nacionais.
A fotografia poderá estar relacionada com as funções de arquiteto que Octávio Lixa Filgueiras exercia no Gabinete de Estudos da Direção do Norte dos Edifícios Nacionais (Ministério das Obras Públicas).
A fotografia poderá estar relacionada com as funções de arquiteto que Octávio Lixa Filgueiras exercia no Gabinete de Estudos da Direção do Norte dos Edifícios Nacionais (Ministério das Obras Públicas).
Carta. Oficial substituto do Instituto Financeiro e Comercial de Lisboa.
Carta. Nomeando-o Oficial do Instituto Indústrial e Comercial de Lisboa.
Correspondência.
Músicos compositores de valsas populares. Carlos Augusto Alves Braga (1842-1888), com o violoncelo, foi o 2º marido da bisavó materna de Mécia Sena, Maria do Rosário Pires. Francisco Freitas Gazul (1842-1925) foi professor, compositor, violoncelista, contrabaixista e maestro. Joaquim José Garcia Alagarim (1830-1897) foi professor de violino no Conservatório Real de Lisboa; chefe da orquestra da Sé.
Músicos compositores de valsas populares. Carlos Augusto Alves Braga (1842-1888), primeiro da esquerda em cima, foi o 2º marido da bisavó materna de Mécia Sena. Francisco Freitas Gazul (1842-1925) foi professor, compositor, violoncelista, contrabaixista e maestro. Joaquim José Garcia Alagarim (1830-1897) foi professor de violino no Conservatório Real de Lisboa; chefe da orquestra da Sé.
As fotografias 000662 a 000673 foram tiradas numa visita de José Gouveia e família (a mulher Aidinha, o filho José Manuel, os pais José e Zélia) a tia Aurora na sua quinta de Tamel. Nesta estadia foram passear a Braga, Barcelos e Viana do Castelo.
Sobre a direita, junto ao pilar, da frente para trás, Carlos Manuel, Jorge Caetano e Miguel Caetano, filhos de Octávio Lixa Filgueiras, no Bom Jesus, Braga. Octávio Lixa Filgueiras era casado com Olívia Maria Neves de Oliveira Filgueiras, tendo seis filhos: Maria Leonor, Maria Madalena, Octávio Manuel, Miguel Caetano, Carlos Manuel, e Jorge Caetano de Oliveira Filgueiras.
Natural da freguesia de São Vicente do Penso, arcebispado de Braga, e morador em Lisboa, filho de Domingos Simões e de sua mulher Mariana da Silva; neto paterno de Gonçalo Simões e de sua mulher Francisca Freire; neto materno de Lourenço da Silva e de sua mulher Susana Fernandes, todos naturais de São Vicente do Penso.
Testamento de mão comum de Francisco José da Costa Braga e de sua mulher Antónia Benedita, moradores na rua do Paço, da cidade de Évora. Fizeram um ao outro testamenteiro do que primeiro falecer. O tabelião foi Francisco Joaquim Rodrigues e Silva.
Nome do esposo: José Pedro Braga Passaporte Naturalidade: Évora (Sé) Idade: 21 anos Filiação: António Pedro Passaporte e Mónica Arsénia Passaporte, naturais de Évora (Sé) Profissão: Comerciante Nome da esposa: Helena Maria Carreta Naturalidade: Fronteira Idade: 27 anos Filiação: João Alves Carreta e Teresa de Jesus Gadé, naturais de Fronteira Profissão: Doméstica
Inventariado: Alexandre Guilherme Braga Alfaiate, casada com Catarina Gertrudes Delgado, residente na Avenida D. Nuno Alvares Pereira, na cidade de Évora. O inventariado não fez testamento. Data de óbito: 1965-04-25 Inventariante: Catarina Gertrudes Delgado. Filhos: 1-Joaquim António Delgado Alfaiate, de 16 anos.
Inventariada: Maria das Dores Pereira Braga, viúva de José Viriato dos Reis Lemos, moradora que foi na vila de Ponte de Lima, falecida em 9 de janeiro de 1887, sem testamento; Inventariante: Miguel Roque dos Reis Lemos, sogro da inventariada, morador na vila de Ponte de Lima. Filhos: Júlio, de 7 anos; Dâmaso, de 5 anos; Adelaide Adélia, de 4 anos.
Remição do foro de quatro galinhas e 0$10 e do laudémio de 8-1, impostos num prédio urbano de dois andares e lojas sito à Rua do Castelo, n.º 1, 3 e 5, freguesia de São João do Souto, da cidade de Braga, requerida por Alda Fernandes Martins, sua enfiteuta.
Remição do foro anual de $07 em dinheiro e meia galinha, com o laudémio de 8-1, imposto numa morada de casas com dois andares, situada na Rua do Cabido, n.º 15 e 17, situada na freguesia da Sé, que pertencera ao Cabido da Sé de Braga, requerida por José Maria da Costa Júnior.
Incorporação na Fazenda Nacional e remição dos foros constantes dos arrolamentos da freguesia da Sé, sob as verbas nº 567, 567 A, 568, 884, 930 e 931, impostos em nove leiras de terra lavradia e duas casas encravadas em prédios do enfiteuta, no sítio de Hortas, freguesia da Sé, da cidade de Braga, sendo requerente Guilherme da Cunha Reis.
Remição de dois foros, um de duas galinhas e 0$32, em dinheiro, e outro de duas galinhas e 0$22, em dinheiro e do laudémio de 8-1, impostos, respectivamente, nas casas n.º 22 e 23, do prédio sito na Rua da Sé, freguesia da Sé, da cidade de Braga, requerida por Salvador José Pereira.
Remição do foro de duas galinhas e 0$20 em dinheiro e do laudémio de 8-1, que incide sobre um prédio urbano, sito no Largo de São João do Souto, n.º 9, freguesia de São João do Souto, da cidade de Braga, requerida por Lídia da Conceição Rocha Freitas Castro.
Músicos compositores de valsas populares. Carlos Augusto Alves Braga (1842-1888) foi o 2º marido da bisavó materna de Mécia Sena. Francisco Freitas Gazul (1842-1925) foi professor, compositor, violoncelista, contrabaixista e maestro. Joaquim José Garcia Alagarim (1830-1897) foi professor de violino no Conservatório Real de Lisboa; chefe da orquestra da Sé.
Natural da freguesia da Sé, Porto, filho de Custódio Ribeiro Braga, natural da freguesia de São Lourenço de Sande, e de sua mulher Maria Josefa, natural da freguesia de São Martinho, Cedofeita; neto paterno de Domingos Ribeiro e de sua mulher Maria Marques, naturais de São Lourenço de Sande; neto materno José Martins e de sua mulher Josefa Maria, naturais de Cedofeita.
AA: Manuel de Passos Braga, casado, comerciante, da cidade de Viana do Castelo RR: Luís Fernandes, barbeiro, da mesma cidade. Trata-se de uma acção julgada segundo o Decreto de 29 de Maio de 1907, destinada à liquidação de uma dívida 3$00 escudos, proveniente de uma compra a crédito de um relógio de mesa. Tipologia e suporte: Manuscrito, original
Pedido de transferência de bens para o Ministério das Finanças, sendo requerente Manuel Joaquim Ferreira, enfiteuta que paga o foro de uma galinha e $120 com laudémio de 8-1, imposto numa morada de casas na Rua Nova de Sousa, n.º 116 e 118, freguesia da Sé da cidade de Braga, que pretende a remição desse foro.
Remição do foro de duas galinhas e 0$23, em dinheiro, com o laudémio de 8-1 e vencimento a 29 de Setembro, impostos numa casa sita ao Rossio de Trás da Sé, n.º 27 e 28, da cidade de Braga, requerida por João Palmeira.
Parecer favorável do Vogal Armando de Lucena - na sequência do solicitado pelo Padre João Manuel de Barros - para que se proceda, na Oficina do Museu de Arte Antiga, ao restauro de um quadro de autoria de Josefa de Óbidos, pertencente à Igreja dos Congregados, de Braga.
Carta enviada pela direção do Colégio da Regeneração em Braga a Clara Carolina Malheiro a solicitar uma prenda para um bar que intentavam fazer no mês de junho. Contém o nome da presidente, vice-presidente, secretaria, tesoureira e diretoras. Morada: Viana do Castelo.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Natural da freguesia da Sé, Porto, filho de Custódio Ribeiro Braga e de sua mulher Maria Josefa, naturais da mesma cidade; neto paterno de Domingos Ribeiro, natural da freguesia de São Lourenço de Sande, termo de Guimarães, e de sua mulher Maria Marques, natural da freguesia de Santa Leocádia de Besteiros, termo de Guimarães; neto materno de José Martins, natural da freguesia de São Martinho, Lordelo do Douro, e de sua mulher Josefa Maria, natural de Cedofeita, Porto.
Cessão de talha e de dois portões de ferro desmontados que se encontram em depósito na Sé do Porto e na Sé de Braga ao Comissariado da Exposição Histórica do Mundo Português de 1940 para aplicar em trabalhos daquela Exposição. Os fragmentos de talha foram aplicados na "Nau Portugal" e "certamente perdidos com a transformação da nau em fragata", segundo informação de 12 de Dezembro de 1947, da Direcção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais.
Inventariado: Bento António da Rocha Braga, casado, morador que foi no lugar de Carris, Merufe, Monção, falecido em 5 de agosto de 1852; Inventariante: Joaquina Enes, a viúva, moradora no lugar de Carris, Merufe, Monção. Filhos: Manuel António, solteiro, de 40 anos, ausente em Castela, Espanha; Maria, solteira de 30 anos; António, solteiro, de 26 anos, ausente em Castela, Espanha; Rosa, solteira, de 24 anos.
Inventariado: Manuel António da Rocha Braga, casado, morador que foi no lugar de Carris, freguesia de Merufe, Monção, falecido em 14 de março de 1885; Inventariante: Rosa Gonçalves, a viúva, moradora no lugar de Carris, freguesia de Merufe, Monção. Filhos: Manuel António da Rocha, de 34 anos, casado com Carolina Afonso; Maria da Rocha, solteira, de 25 anos; Francisco da Rocha, solteiro, de 23 anos; José da Rocha, solteiro, de 22 anos; António da Rocha, solteiro, de 17 anos.
Arrolamento das pessoas que o pároco de S. Lourenço do Mato, achou estarem confirmadas pelo Arcebispo de Braga, D. Frei Caetano Brandão, não tendo no entanto tal facto ocorrido no tempo em que ele curava esta freguesia. Contêm os seguintes elementos: nome dos crismados e, eventualmente, filiação, estado civil e lugar de residência Além de conter os rol de crismados descrito, inclui ainda os assentos de batismos, casamentos e de óbitos