Type

Data source

Date

Thumbnail

Search results

You search for braga and 9,900 records were found.

A fotografia poderá estar relacionada com as funções de arquiteto que Octávio Lixa Filgueiras exercia no Gabinete de Estudos da Direção do Norte dos Edifícios Nacionais (Ministério das Obras Públicas).
Nome do esposo: José Pedro Braga Passaporte Naturalidade: Évora (Sé) Idade: 21 anos Filiação: António Pedro Passaporte e Mónica Arsénia Passaporte, naturais de Évora (Sé) Profissão: Comerciante Nome da esposa: Helena Maria Carreta Naturalidade: Fronteira Idade: 27 anos Filiação: João Alves Carreta e Teresa de Jesus Gadé, naturais de Fronteira Profissão: Doméstica
Parecer favorável do Vogal Armando de Lucena - na sequência do solicitado pelo Padre João Manuel de Barros - para que se proceda, na Oficina do Museu de Arte Antiga, ao restauro de um quadro de autoria de Josefa de Óbidos, pertencente à Igreja dos Congregados, de Braga.
AA: Manuel de Passos Braga, casado, comerciante, da cidade de Viana do Castelo RR: Luís Fernandes, barbeiro, da mesma cidade. Trata-se de uma acção julgada segundo o Decreto de 29 de Maio de 1907, destinada à liquidação de uma dívida 3$00 escudos, proveniente de uma compra a crédito de um relógio de mesa. Tipologia e suporte: Manuscrito, original
Inventariada: Maria das Dores Pereira Braga, viúva de José Viriato dos Reis Lemos, moradora que foi na vila de Ponte de Lima, falecida em 9 de janeiro de 1887, sem testamento; Inventariante: Miguel Roque dos Reis Lemos, sogro da inventariada, morador na vila de Ponte de Lima. Filhos: Júlio, de 7 anos; Dâmaso, de 5 anos; Adelaide Adélia, de 4 anos.
Testamento de mão comum de Francisco José da Costa Braga e de sua mulher Antónia Benedita, moradores na rua do Paço, da cidade de Évora. Fizeram um ao outro testamenteiro do que primeiro falecer. O tabelião foi Francisco Joaquim Rodrigues e Silva.
Natural da freguesia de São Vicente do Penso, arcebispado de Braga, e morador em Lisboa, filho de Domingos Simões e de sua mulher Mariana da Silva; neto paterno de Gonçalo Simões e de sua mulher Francisca Freire; neto materno de Lourenço da Silva e de sua mulher Susana Fernandes, todos naturais de São Vicente do Penso.
Natural da freguesia da Sé, Porto, filho de Custódio Ribeiro Braga, natural da freguesia de São Lourenço de Sande, e de sua mulher Maria Josefa, natural da freguesia de São Martinho, Cedofeita; neto paterno de Domingos Ribeiro e de sua mulher Maria Marques, naturais de São Lourenço de Sande; neto materno José Martins e de sua mulher Josefa Maria, naturais de Cedofeita.
As fotografias 000662 a 000673 foram tiradas numa visita de José Gouveia e família (a mulher Aidinha, o filho José Manuel, os pais José e Zélia) a tia Aurora na sua quinta de Tamel. Nesta estadia foram passear a Braga, Barcelos e Viana do Castelo.
Músicos compositores de valsas populares. Carlos Augusto Alves Braga (1842-1888) foi o 2º marido da bisavó materna de Mécia Sena. Francisco Freitas Gazul (1842-1925) foi professor, compositor, violoncelista, contrabaixista e maestro. Joaquim José Garcia Alagarim (1830-1897) foi professor de violino no Conservatório Real de Lisboa; chefe da orquestra da Sé.
Músicos compositores de valsas populares. Carlos Augusto Alves Braga (1842-1888), com o violoncelo, foi o 2º marido da bisavó materna de Mécia Sena, Maria do Rosário Pires. Francisco Freitas Gazul (1842-1925) foi professor, compositor, violoncelista, contrabaixista e maestro. Joaquim José Garcia Alagarim (1830-1897) foi professor de violino no Conservatório Real de Lisboa; chefe da orquestra da Sé.
Músicos compositores de valsas populares. Carlos Augusto Alves Braga (1842-1888), primeiro da esquerda em cima, foi o 2º marido da bisavó materna de Mécia Sena. Francisco Freitas Gazul (1842-1925) foi professor, compositor, violoncelista, contrabaixista e maestro. Joaquim José Garcia Alagarim (1830-1897) foi professor de violino no Conservatório Real de Lisboa; chefe da orquestra da Sé.
Inventariado: Alexandre Guilherme Braga Alfaiate, casada com Catarina Gertrudes Delgado, residente na Avenida D. Nuno Alvares Pereira, na cidade de Évora. O inventariado não fez testamento. Data de óbito: 1965-04-25 Inventariante: Catarina Gertrudes Delgado. Filhos: 1-Joaquim António Delgado Alfaiate, de 16 anos.
Sobre a direita, junto ao pilar, da frente para trás, Carlos Manuel, Jorge Caetano e Miguel Caetano, filhos de Octávio Lixa Filgueiras, no Bom Jesus, Braga. Octávio Lixa Filgueiras era casado com Olívia Maria Neves de Oliveira Filgueiras, tendo seis filhos: Maria Leonor, Maria Madalena, Octávio Manuel, Miguel Caetano, Carlos Manuel, e Jorge Caetano de Oliveira Filgueiras.
Inventariado: Bento António da Rocha Braga, casado, morador que foi no lugar de Carris, Merufe, Monção, falecido em 5 de agosto de 1852; Inventariante: Joaquina Enes, a viúva, moradora no lugar de Carris, Merufe, Monção. Filhos: Manuel António, solteiro, de 40 anos, ausente em Castela, Espanha; Maria, solteira de 30 anos; António, solteiro, de 26 anos, ausente em Castela, Espanha; Rosa, solteira, de 24 anos.
Inventariado: Manuel António da Rocha Braga, casado, morador que foi no lugar de Carris, freguesia de Merufe, Monção, falecido em 14 de março de 1885; Inventariante: Rosa Gonçalves, a viúva, moradora no lugar de Carris, freguesia de Merufe, Monção. Filhos: Manuel António da Rocha, de 34 anos, casado com Carolina Afonso; Maria da Rocha, solteira, de 25 anos; Francisco da Rocha, solteiro, de 23 anos; José da Rocha, solteiro, de 22 anos; António da Rocha, solteiro, de 17 anos.
Arrolamento das pessoas que o pároco de S. Lourenço do Mato, achou estarem confirmadas pelo Arcebispo de Braga, D. Frei Caetano Brandão, não tendo no entanto tal facto ocorrido no tempo em que ele curava esta freguesia. Contêm os seguintes elementos: nome dos crismados e, eventualmente, filiação, estado civil e lugar de residência Além de conter os rol de crismados descrito, inclui ainda os assentos de batismos, casamentos e de óbitos
Natural da freguesia da Sé, Porto, filho de Custódio Ribeiro Braga e de sua mulher Maria Josefa, naturais da mesma cidade; neto paterno de Domingos Ribeiro, natural da freguesia de São Lourenço de Sande, termo de Guimarães, e de sua mulher Maria Marques, natural da freguesia de Santa Leocádia de Besteiros, termo de Guimarães; neto materno de José Martins, natural da freguesia de São Martinho, Lordelo do Douro, e de sua mulher Josefa Maria, natural de Cedofeita, Porto.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Cessão de talha e de dois portões de ferro desmontados que se encontram em depósito na Sé do Porto e na Sé de Braga ao Comissariado da Exposição Histórica do Mundo Português de 1940 para aplicar em trabalhos daquela Exposição. Os fragmentos de talha foram aplicados na "Nau Portugal" e "certamente perdidos com a transformação da nau em fragata", segundo informação de 12 de Dezembro de 1947, da Direcção-Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais.
Original: Bilhete-postal ilustrado. Coleção: F. Braga; 779
Contém os autos de justificação de faternidade com o seu irmão o padre José Ferreira Braga. Contém: carta de publicação às freguesias, secreta moribus, carta comprovativa de ordens em latim e em pergaminho.
Relatório acerca de pedido da Câmara Municipal de Braga para efectuar prospecções e escavações arqueológicas em diversos castros dos arredores daquela cidade, com o objectivo de enriquecer com os espólios resultantes dessas escavações as colecções do Museu D.Diogo de Sousa. Segundo referência a ofícios da Câmara, os castros onde se pretende realizar explorações arqueológicas são: o Monte de Castro, na freguesia de Dume; o da Cividade, na área da cidade; o Monte da Senhora da Consolação, na freguesia de Nogueiró; o Monte de Santa Marta, na freguesia de Nogueira e o Monte das Caldas, na freguesia de Sequeira. Foi a Câmara autorizada a explorar o Castro de Santa Marta (da freguesia de Nogueira)
Processo enquadrado no tema "direito de resposta". O processo inclui: exposição de Maria de Sousa Lima Barbosa Braga, com anexos; correspondência trocada entre o Conselho de Imprensa, o director de "O Comércio do Porto", e a queixosa; relatório e parecer do relator; propostas; deliberação aprovada no plenário do Conselho de Imprensa do dia 21/12/1987; recortes de imprensa. Relator: João Cordeiro Pereira. O Processo inclui, ainda, cópia de um ofício dirigido pelo Conselho de Imprensa ao Procurador-Geral da República acerca da "situação ilegal do director de informação da Agência Lusa de Informação", o jornalista Alberto Carvalho.
Relação dos sócios do Sindicato Nacional dos Farmacêuticos da Secção Distrital de Braga. Nesta relação são mencionados membros diretivos desta secção,sendo eles Manuel Joaquim de Paiva, Manuel José Gomes Coelho, José Martins de Abreu, Geraldo da Silva Brito, Francisco Augusto Alvim, Hernani Pastor Barreto; mencionados são também os sócios João António Pacheco Leite, Joaquim da Silva Ferreira Monteiro, José António Pereira, Manuel Jesus de Sousa, José Baptista Vieira, Francisco Alves, Palmira Alves de Sá, Fernando Morgado, Arnaldo José M. de Barros, Bernardo dos Santos Ferreira, Alberto Pereira da Cruz, Cecília S. Correia Martins, José Leite Dias Machado, Manuel Esteves Campante, Antero José Barreto Faria e José de Oliveira Pinto,
Natural e morador no Rio de Janeiro, filho de Manuel da Silva Braga, natural de São Paio de Parada, Couto de Tibães, homem de negócio, familiar do Santo Ofício, e de sua mulher D. Ana Maria de São Joaquim, natural da freguesia da Candelária, Rio de Janeiro; neto paterno de Domingos da Silva e de sua mulher Águeda Gonçalves, naturais de São Paio de Parada; neto materno de Paulo de Araújo Ferreira, natural de Viana, escrivão dos defuntos e ausentes no Rio de Janeiro, e de sua mulher D. Inácia da Cunha Nogueira, natural da freguesia da Candelária, Rio de Janeiro.
Naturalidade do nubente: Avis (Matriz) Filiação do nubente: Francisco Joaquim da Costa Braga e Ana Rita de Viterbo Bexiga Naturalidade da nubente: Santo António de Alcórrego, concelho de Avis Filiação da nubente: Joaquim da Silva e Maria Leonor Contém o requerimento dos nubentes pedindo licença para contraírem matrimónio, a declaração dos párocos sobre proclamas, impedimentos e examinação dos nubentes na doutrina cristã, as certidões de batismo dos nubentes, a comissão de perguntas para diligências matrimoniais, a inquirição de testemunhas a favor dos nubentes e o termo de conclusão do processo.
Contém, entre outros documentos, o requerimento dos nubentes pedindo licença para contraírem matrimónio, o Breve Apostólico de dispensa matrimonial do 3º grau de consanguinidade, apresentado no Arcebispado de Évora, por parte dos impetrantes Cosme Godinho da Costa Braga e Maria Ana Marques Garcia, moradores em São Lourença das Galveias, os artigos justificativos das premissas do breve alcançado, o rol das testemunhas para justificação das premissas exigidas no mesmo, a inquirição das testemunhas, a árvore genealógica do tronco comum dos nubentes e o despacho deferindo a celebração do casamento.
Requerimento da Empresa Braga e Companhia pedindo a prorrogação da exploração do Teatro de São Carlos para dar espectáculos de declamação e concertos da Orquestra Sinfónica Portuguesa durante a época de 1915-1916; informação do Chefe da Repartição de Instrução Artística, António Ferrão, expondo superiormente as condições em que a concessão deveria ser autorizada; despacho do Ministro da Instrução Pública; cópia do ofício enviado pela Repartição de Instrução Artística ao Comissário do Governo junto do Teatro de São Carlos, comunicando o despacho ministerial; cópia do ofício enviado por António Ferrão ao Director da Escola da Arte de Representar comunicando a prorrogação da concessão do Teatro à empresa Braga e Companhia, com diversas condições, entre as quais "a de conceder entrada gratuitamente, duas vezes por mês, aos professores e alunos dos dois últimos anos dessa escola e autorizar esses mesmos alunos a assistir aos ensaios gerais, sós ou acompanhados dos seus professores"; requerimento da já citada empresa, pedindo que sejam dadas as ordens necessárias para que o Teatro seja posto "à disposição da empresa no dia 15 de setembro em que é costume iniciar os trabalhos preliminares das temporadas teatrais"; parecer do Chefe da Repartição de Instrução Artística; cópia dos ofícios enviados por esta Repartição à empresa e ao fiel do Teatro de São Carlos, comunicando que a empresa está autorizada a explorar o teatro a partir do dia 15 de setembro.
Diário das Contas da Secção Distrital de Braga do Sindicato Nacional dos Farmacêuticos com início a 2 de janeiro de 1939 e término a 24 de maio de 1941. O livro encontra-se numerado e possui termo de abertura e de encerramento datado de 22 de junho de 1939. Este livro contém um registo tipicamente mensal do movimento total de capital desta associação, independentemente dos movimentos se tratarem de despesas ou entradas. Cada registo de movimento de capital está associado a uma tipologia de movimento identificada com um número: 6 – quotas, 7 – rendas, 8 – despesas de cobrança, 11 – viagens, 14 – expediente, entre outros, permitindo desta forma contabilizar o capital total movimentado por esta associação nos dois anos aqui descritos.
Contém o auto de sequestro do Hospício dos frades Crúzios, situado no Campo de São Sebastião das Carvalheiras, da cidade de Braga. A 22 de Julho de 1834, João Manuel Afonso, meirinho do juízo da correição, António José Lopes, oficial da Vara, João Batista Dias, escrivão, procederam ao sequestro da casa (com seis quartos), refeitório, cozinha, quintal, um quarto com oratório onde se celebra Missa. O Oratório é composto por um retábulo e urna com a Imagem de Nossa Senhora do Amor em estampa, docel de talha, entre outros objetos, sendo o Dr. Tomás Florêncio d' Antas Faria depositário dos mesmos. Integra ainda, a nomeação dos louvados: pedreiros, carpinteiros e fazendeiros, bem como a avaliação do edifício do Hospício e estado de conservação.
Exequente: O Ministério Público Executado: José, filho de Manuel António da Rocha Braga e de Antónia Gonçalves, natural da freguesia de Merufe da comarca de Monção, morador no lugar de Carris da dita freguesia, lavrador, de 20 anos de idade. Motivo: por falta injustificada de comparência à Junta Distrital de Inspeção, tendo sido ordenados contra ele mandados de captura.
Testamento de mão comum de Manuel Severino da Silveira e Almeida e de sua mulher Maria José da Costa Braga, Proprietários, moradores na Praça Grande da cidade de Évora. Fizeram um ao outro testamenteiro do que primeiro falecer. O tabelião foi Manuel Joaquim Ribeiro da Silva.
As fotografias 000182 a 00189 foram tiradas num passeio de domingo de José Gouveia fez com os amigos e familiares a Guimarães e Braga.
Livro de Atas das Sessões da Direção da União dos Farmacêuticos do Distrito de Braga correspondentes ao período de 27 de junho de 1899 a 4 de dezembro de 1933. As atas encontram-se manuscritas e contêm indicação dos membros presentes nas sessões e análise de assuntos propostos pelos diferentes membros. Contém algumas atas da Assembleia Geral. Nas sessões deste livro foram discutidos diversos assuntos nomeadamente sobre eleição de corpos gerentes, admissão e demissão de sócios, pagamento de quotas, pedido da Associação Médica do Distrito de Braga para auxilio na instalação de um sanatório para tuberculosos na cidade, estudo para a instalação de um laboratório químico, inquérito a estabelecimentos sobre a venda de substâncias e remédios de composição secreta, exercício e propriedade ilegal de farmácia, venda de águas medicinais, poções de vinho com extratos de quina, regimento do preço dos medicamentos, instalação de um posto de vigilância sanitária, venda de medicamento e substâncias sem receita, aviamento de fórmulas de curandeiros, votos de sentimento pelo falecimento de Bento Joaquim Pereira Veiga e de Luís António Fernandes, envio de relatório de contas aos sócios, convite para participação em sessão da Associação dos Farmacêuticos Portugueses, reforma do ensino farmacêutico, projeto sobre o exercício de farmácia, convites da Sociedade Química Farmacêutica e do Centro Farmacêutico Português para assistir a conferências, questões relativas ao ensino de química farmacêutica, nomeação de Álvaro Pipa para integrar como vogal a comissão encarregada de dar parecer o projeto da selagem dos medicamentos especializados, envio de convites aos sócios para assistir às sessões, eleição de um delegado na União para integrar comissão responsável por reformar o Exercício profissional, convite para Congresso Nacional de Farmácia organizado pelo Centro Farmacêutico Português, fiscalização da selagem dos medicamentos, pedido de proteção do Montepio de S. José, questões relativas à existência de farmácias privativas, projeto de reforma do regulamento interno e estatutos, reorganização da associação, venda ilegal de medicamentos, redução do preços dos medicamentos de 20% às classes desfavorecidas, questões relativas ao horário e turnos nas farmácias, abertura e encerramento de farmácias, queixas contra o fiscal, convite para comissão e inscrição no Congresso Nacional de Farmácia organizado pela Sociedade Farmacêutica Lusitana, reorganização da União Farmacêutica de Braga, parecer acerca da definição de especialidades farmacêuticas, homenagem a Alberto Malta, participação na comissão revisora da pauta alfandegária, reestruturação das escolas de farmácia em faculdades, queixas contra o jornal O Monitor de Farmácia, dissolução da associação e passagem dos sócios para o Sindicato. Nomes mencionados nas atas: Abílio Fonseca de Carvalho, Abílio Gomes Ferreira da Costa, Acácio Ortiz dos Santos, Adelino José da Silva, Alberto Coelho Nogueira, Alberto Guerra, Alberto Joaquim da Costa Machado Vilela, Alberto Lemos Zagalo Gomes Coelho, Alberto Martins, Alberto Pereira Cruz, Alfredo A. Leão Martins, Alfredo da Silva Machado, Alfredo Pereira, Álvaro Augusto Ferreira Pipa, Alvim Barroso, Amâncio Arménio Avelino de Almeida, Amarino Pereira Castilho, Amorim de Carvalho, Aníbal de Almeida, Aníbal Gomes de Almeida, Antero Faria, António Alves Dias, António C. Carvalho Queiroz, António Domingos Alvim, António Joaquim R. Valente, António Joaquim Ribeiro, António José Rodrigues Pereira, António Júlio Correia, António Maria da Cunha Barbosa, António Maria Gama Júnior, António Marques Paula Abrantes Santos, António Rodrigues Pereira Veiga, António Rodrigues Valente, António Teixeira Mendes, Antunes Lima, Arnaldo José Miranda de Barros, Artur Carneiro Leite Lisboa, Artur Novais Vilaça, Augusto Marques Rego, Augusto Moreira de Castro, Avelino Aires Duarte, Avelino de Freitas, Avelino Fernandes de Castro, Bento Joaquim Pereira Veiga, Bernardo Ferreira, Bruno da Silva Lomba, Caetano Romeu Cerqueira, Camilo Gonçalves Ramos, Camilo Pereira Sampaio, Carolino Abel Rodrigues Serrano, Casimiro Gonçalves da Silva, Cecília Correia Martins, Costantino Gomes da Cunha, Deodato da Fonseca e Silva, Domingos José de Sousa Gomes, Duarte Pereira Dias Ribeiro, Emílio Fragoso, Ernesto Pio Vasconcelos Peixoto Morais, Ester C. Reis Cardoso Teixeira, Fernando António Alves de Oliveira, Fernando António Barbosa Lamela, Fernando Morgado, Francisco António Alves Mendes, Francisco Augusto Alvim, Francisco de Melo Alvim, Francisco Falcão, Francisco Gomes, Francisco Januário da Silva e Cunha, Francisco José Barbosa, Francisco Pereira Campos, Francisco Pereira Silvério, Francisco Xavier de Paiva, Francisco Xavier Gonçalves de Lima, Franklim António de Oliveira, Gabriel António dos Santos Gouveia, Gaspar Peres de Castro, Geraldo da Silva Brito, Guilhermino Teixeira Rebelo, Heitor António Peixoto Morais, Henrique José Alves, Henrique Zenha, Hilário de Lima, Ildefonso Alfredo da Silva Monteiro, Ilídio José Caldas, Jaime Valongo, Januário Barbosa, João António Lopes, João Cardoso da Costa Guimarães, João de Almeida Sousa Júnior, João Evangelista Gonçalves Ferreira, João José da Mata, João José Vaz Pinto, João José Vaz Pinto, João Monteiro da Cunha Azevedo, João Pacheco Leite, João Paiva da Costa, João Ribeiro Veloso, Joaquim da Apresentação Pereira Ribeiro, Joaquim da Silva Ferreira Monteiro, Joaquim José de Oliveira, Joaquim Pedro de Morais, Joaquim Pereira Ribeiro, Jorge Carlos Antunes Gomes, José Alves de Faria, José Alves de Freitas, José António da Costa Pipa, José António Pereira, José Augusto Pires, José Baptista Vieira, José Bento Marques, José da Costa, José de Moura e Silva, José de Sousa Gomes, José Domingos Lopes, José Estevão de Morais Sarmento, José Fernando de Macedo, José Ferreira Monteiro, José Figueiredo, José Gonçalves Oliveira Neiva, José Inácio Pereira Caldas, José Joaquim do Carmo Torres, José Leite Dias Machado, José Maria Mendes Fragoso, José Martins de Abreu, José Mendes da Costa Júnior, José Narciso da Fonseca Oliveira, José Ramalho, Júlio José de Brito, Leopoldino António de Almeida Rainha, Lúcio da Fonseca e Sarmento, Luís António Fernandes, Luís António Monteiro, Luís Augusto Ribeiro de Almeida, Luís João do Vale Rego, Luís Teixeira Pinto de Nóbrega, Manuel António de Noronha, Manuel António Esteves Campante, Manuel Barroso, Manuel Coelho de Oliveira Gomes, Manuel Correia, Manuel das Dores Tello da Fonseca, Manuel de Jesus e Sousa, Manuel J. de Matos Vieira, Manuel Joaquim de Paiva, Manuel José da Silva Graça, Manuel José Gomes Coelho, Manuel Pinto Pereira, Manuel Rodrigues Pires, Manuel Soares Correia, Maria do Sameiro Ferro da Silva, Maria dos Prazeres Rodrigues de Carvalho, Maria Leonor Valongo, Miguel Fadon Lizaso, Paulo Freire, Plácido Elias Barbosa Lamela, Raúl do Couto Pereira, Rebelo da Silva, Rodrigo de Carvalho, Rodrigo José Leite Dias, Saúl Alírio Pereira, Zeferino José da Silva Rego.
Relativo ao pedido de informação feito pelo Director sobre a existência de algum apontador que, sem inconveniências para o serviço, deseje ser transferido para a Direcção deObras Públicas do distrito de Braga Local: Distrito de Viana do Castelo. Distrito de Braga
Contém os autos de justificação de faternidade com o seu irmão Caetano José Braga, clérigo inminoribus. Contém: carta de publicação às freguesias, secreta moribus, comissão moribus.