Type

Data source

Date

Thumbnail

Search results

You search for braga and 14,139 records were found.

Pedidos de autorização para contrair empréstimos, feitos pela Câmara Municipal de Braga ao Ministério das Finanças.
Trad. Mário Braga. Barcelos: Companhia Editora do Minho; [Porto]: Civilização, 1966. Col. Teatro. Dois exemplares. Dedicatória no primeiro exemplar: «Para Branquinho da Fonseca, com um abraço do camarada e admirador Mário Braga, Coimbra? 21-04-1966». Dedicatória no segundo exemplar:«Para Branquinho da Fonseca, com um abraço do sincero admirador Mário Braga, Coimbra 9-1-1967»
Trata-se do pedido de empréstimo de 370 contos destinado ao abastecimento de água à cidade de Braga. Desconhece-se se o pedido foi concedido.
Trata-se do empréstimo de 370 contos destinado ao abastecimento de água à cidade de Braga, com o aproveitamento da água das minas das Sete Fontes. Foi autorizado por portaria publicada no Diário do Governo, II série, de 28 de Julho de 1938.
Trata-se do empréstimo de 570 contos destinado à expropriação de prédios salientes, sobre o alinhamento, no início da Avenida Marechal Gomes da Costa, em Braga. Foi autorizado por portaria publicada no Diário do Governo n.º 146, II série, de 26 de Junho de 1944. Contém projectos. .
Trata-se do empréstimo de 1000 contos destinado a várias obras de urbanização na cidade de Braga. Foi autorizado por portaria publicada no Diário do Governo n.º 210, II série, de 6 de Setembro de 1963. Contém projecto de urbanização e memória descritiva.
Promotor: Associação Cultural de Fotografia e Cinema de Braga.
Trata-se do empréstimo de 300 contos solicitado pela Comissão de Iniciativa e Turismo de Braga a fim de acorrer às despesas da construção de um edifício para a sua sede, construção da avenida Marginal ao rio Este, conclusão do Parque das Diversões e expropriações. Autorizado por despacho ministerial de 10 de Março de 1934.
Projetos de Braga.
O Mosteiro do Salvador de Braga era feminino, pertencia à Ordem de São Bento e estava sob jurisdição diocesana. O mosteiro é também designado por São Salvador. Em 1592, foi fundado por iniciativa do arcebispo de Braga D. Agostinho de Castro, que nesse ano comprou casas na cidade, com o intuito de para aí transferir as monjas beneditinas do Mosteiro do Salvador de Vitorinho das Donas. Em 1602, foi habitado pelas monjas do Mosteiro do Salvador de Vitorinho das Donas que resistiram e tiveram de ser transferidas à força. Em 1834, no âmbito da "Reforma geral eclesiástica" empreendida pelo Ministro e Secretário de Estado, Joaquim António de Aguiar, executada pela Comissão da Reforma Geral do Clero (1833-1837), pelo Decreto de 30 de Maio, foram extintos todos os conventos, mosteiros, colégios, hospícios e casas de religiosos de todas as ordens religiosas, ficando as de religiosas, sujeitas aos respectivos bispos, até à morte da última freira, data do encerramento definitivo. Os bens foram incorporados nos Próprios da Fazenda Nacional. Depois de 1893, o Mosteiro foi extinto, à data em que ainda viviam três monjas.
Consequências do terramoto de 1755 em Braga. Edificação da catedral de Braga sobre as ruínas de templo pagão. Recorte de jornal, datado de 1886, com notícias acerca das manifestações em Braga, contra a desanexação - Braga e Guimarães.
Braga, vista da Praça da República e das arcadas
Vista panorâmica de Braga tirada do Bom Jesus.
Trad. Mário Braga. Barcelos: Companhia Editora do Minho; [Porto]: Civilização, 1966. Col. Teatro. Dedicatória: «Para Branquinho da Fonseca, com um abraço do admirador sincero Mário Braga, Coimbra?, 9-1-1967»
Visita do Ministro das Obras Públicas, Eng. Arantes e Oliveira à Igreja dos Congregados, em Braga.
Comemoração, em Braga, do 40º aniversário da Revolução Nacional com a presença do Presidente da República, Américo Tomás, do Ministro das Obras Públicas, Eng. Arantes e Oliveira, o arcebispo de Braga D. Francisco Maria da Silva, e o presidente da Câmara de Braga, Viriato José Amaral Nunes entre outras personalidades. Te Deum na Sé de Braga; inauguração da rodovia para o Bom Jesus do Monte.
São Tiago de Guilhofrei, Ruivães, Vermoim, Cavalhães, Braga, São Barolomeu da Esperança, Eira Vedra, Vieira, São Vieira do Penso
Visita do Ministro das Obras Públicas, Eng. Arantes e Oliveira a obras em construção no distrito de Braga. Visita ao Farol da Boa Nova em Leça da Palmeira.
Caldelas, São João de Rei, Salamonde, Braga, Lugar do Pico, São João de Brito, Santa Eulália de Crespos, Santa Maria do Bouro
Visita do Presidente do Conselho, Almirante Américo Tomás e do Ministro das Obras Públicas, Eng. Arantes e Oliveira à Santa Casa da Misericórdia e Hospital de S. Marcos em Braga.
Fachada da Casa dos Crivos, em Braga. Exemplar únicodo tipo de casas peculiares da cidade do séc. XVI As portas e janelas estão cobertas por gelosias, que representam a tradição monástica da cidade.
Documentação produzida no âmbito da atribuição de pensões aos ministros da religião católica que a elas tivessem direito e que as tivessem requerido, de acordo com a Lei da Separação do Estado das Igrejas de 20 de Abril de 1911, referente ao distrito de Braga. Contempla os concelhos de Amares, Barcelos, Braga, Celorico de Basto, Esposende, Fafe, Guimarães, Terras de Bouro, Vieira do Minho, Vila Verde e Vila Nova de Famalicão.
Braga é uma cidade portuguesa, capital de distrito, situa-se no Noroeste da Península Ibérica, precisamente entre o Rio Douro e o Rio Minho. Pertencendo a duas bacias hidrográficas, a bacia hidrográfica do rio Cávado a Norte e a bacia hidrográfica do rio Ave a Sul.
Documentação produzida no âmbito da atribuição de pensões aos ministros da religião católica que a elas tivessem direito e que as tivessem requerido, de acordo com a Lei da Separação do Estado das Igrejas de 20 de Abril de 1911, referente ao concelho e distrito de Braga.
O cabido é um órgão consultivo encarregue de promover na igreja Catedral um culto mais solene e órgão de administração eclesiástica diocesana, que é erecto, inovado ou suprimido pela Santa Sé. As suas funções repartiam-se por: cantar diariamente no coro, a missa e as horas canónicas, desenvolver e apoiar uma escola de ensino em vários níveis, administrar os bens capitulares, assistir ao bispo quando celebra de pontifical, dar parecer ou consentimento em muitos actos da administração diocesana, substituir o bispo quando a Sé está vaga. Em 1071, foi restaurada e promovida a Arquidiocese metropolitana de Braga Em 1072, o Cabido da Sé de Braga foi criado pelo bispo D. Pedro. Em 1165, o arcebispo D. João Peculiar confirmou os estatutos do cabido, composto por 40 cónegos, no máximo. Em 1545, 23 de Março, perdeu território jurisdicional com o estabelecimento da Diocese de Miranda. Em 1600, o arcebispo D. frei Agostinho de Jesus procedeu à reforma dos estatutos do cabido, que vigoraram até 1949.
Trata-se do empréstimo de 12.000 contos destinado a obras de urbanização da cidade, nos terrenos compreendidos entre as avenidas João XXI e Salazar e as ruas Bernardo Sequeira e de Baixo. Foi autorizado por portaria publicada no Diário do Governo n.º 222, II série, de 21 de Setembro de 1973.
Projetos de Palmeira - Braga.
Estatutos dados por frei Agostinho de Jesus, arcebispo de Braga (1588-1609). Inclui: - "Traslado dos capítulos da primeira concórdia entre o arcebispo D. frei Bartolomeu dos Mártires e o Cabido da Sé de Braga feito pelos doutories João Afonso e António Francisco, e confirmados pelo Cardeal Infante (1568-01-02); - "Regimento da contagem do coro da igreja primaz, reformado, sendo contadores dele o cónego João Pinheiro Leite e o cónego António Xavier (1764); - vários acórdãos do cabido (1673-1810).
Trata-se do empréstimo de 2900 contos destinado à remodelação da rede eléctrica da cidade (2600 contos) e ao melhoramento do abastecimento de água à cidade (300 contos). Foi autorizado por portaria publicada no Diário do Governo n.º 131, II série, de 4 de Junho de 1955. Contém projecto da obra.
Trata-se do empréstimo de 1240 contos destinado a: 1) nova pavimentação da Avenida Marechal Gomes da Costa (550 contos); 2) nova pavimentação do Largo de Maximinos, Rua do Caires e Largo da Estação (250 contos); 3) reconstrução da capela do cemitério (100 contos); 4) nova pavimentação da Rotunda General Carmona (90 contos); 5) reconstrução de edifícios escolares, em estado de ruína (250 contos). Foi autorizado por portaria publicada no Diário do Governo n.º 217, II série, de 17 de Setembro de 1946. A 19 de Fevereiro de 1947, a Câmara Municipal solicitou autorização para aplicar o saldo de 282 contos na construção do aeródromo, o que foi autorizado por portaria de 7 de Setembro de 1946.
O Convento de Santa Teresa de Jesus de Braga era feminino, e pertencia à Ordem dos Carmelitas Descalços. Em 1742, foi fundado, tendo tido origem num recolhimento feminino, de Terceiras Regulares de votos simples. Em 1767, mediante autorização do arcebispo de Braga, passou à observância das leis das Carmelitas Descalças. Em 1834, no âmbito da "Reforma geral eclesiástica" empreendida pelo Ministro e Secretário de Estado, Joaquim António de Aguiar, executada pela Comissão da Reforma Geral do Clero (1833-1837), pelo Decreto de 30 de Maio, foram extintos todos os conventos, mosteiros, colégios, hospícios e casas de religiosos de todas as ordens religiosas, ficando as de religiosas, sujeitas aos respectivos bispos, até à morte da última freira, data do encerramento definitivo. Os bens foram incorporados nos Próprios da Fazenda Nacional. Em 1902, o convento foi encerrado após o falecimento da última freira.
Casa das Gelosias em Braga.
Fábrica de cortumes, em Braga.
A fotografia poderá estar relacionada com as funções de arquiteto que Octávio Lixa Filgueiras exercia no Gabinete de Estudos da Direção do Norte dos Edifícios Nacionais (Ministério das Obras Públicas). Traseiras da biblioteca da Braga, Largo do Paço, em Braga.
Certidão Negativa. Filiação: Rafael da Silva Braga.
Certidão Negativa. Filiação: Manuel Medeiros Braga.
Ficha de inscrição individual com fotografia de Carlos Braga, atleta da equipa de vela, na XVII Olimpíada de Roma, em 1960.
(Cartas Conjunto) 1 Cartão dirigido a João José Cochofel; Uma carta dirigida a Carlos de Oliveira pela Ed- Ulisseia de 14 Fev- 1959; Uma declaração de Carlos de Oliveira datada de 17 Fev- 1959; *uma carta de Mário Braga de 1959; *Cartão de Mário Braga dirigido a João José Cochofel datado de 17 Fev- 1959-*Nota: ver a classificação 6-2-254;6-2-255;6-2-256
Rua de S.João em Braga.
Jorge Caetano acompanhado de Maria Leonor, filhos de Octávio Lixa Filgueiras, na Quinta de Valinhas, São Martinho de Dume, Braga, pertencente a Álvaro da Luz Neves, tio materno de Olívia Filgueiras.
Arrolamento dos bens cultuais da freguesia de Espírito Santo de Braga, distrito de Braga, concelho de Terras do Bouro, constando de: Igreja do Espírito Santo de Braga.
Trata-se do empréstimo de 215 contos destinado à conversão do empréstimo contraído, com aval camarário, pela extinta Comissão de Iniciativa e Turismo de Braga. Foi autorizado por portaria publicada no Diário do Governo n.º 120, II série, de 24 de Maio de 1940.
Trata-se do pedido de empréstimo de 400 contos destinado ao alargamento e terraplanagem do campo de aviação de Palmeira, com vista à construção de um aeródromo. O pedido não foi autorizado. Contém projecto e memória descritiva e justificativa do campo de aviação de Braga.
Trata-se do empréstimo de 339 contos pedido pela Confraria do Bom Jesus do Monte, com o aval da Câmara Municipal de Braga, e destinado à conversão do empréstimo concedido em 1932 àquela instituição. Foi autorizado por portaria publicada no Diário do Governo n.º 46, II série, de 26 de Fevereiro de 1940.
Trata-se do empréstimo de 900 contos destinado à transferência da Igreja de S. Lázaro da cidade de Braga, para permitir o desenvolvimento urbanístico da zona entre as avenidas da Imaculada Conceição e Marechal Gomes da Costa. Foi autorizado por portaria publicada no Diário do Governo n.º 293, II série, de 16 de Dezembro de 1964.
Trata-se do empréstimo de 5000 contos destinado à remodelação da rede eléctrica dos transportes da cidade de Braga e à reparação da rede de abastecimento de água. O pedido inicial montava a 10.000 contos, só tendo sido concedidos 5000 contos. Foi autorizado por portaria publicada no Diário do Governo n.º 17, II série, de 21 de Janeiro de 1957.
Velhote Saloio Manuel Braga.
Certidão Negativa. (D.Maria I, Lv.23, fl.115v). Filiação: Francisco Gomes Braga.
Carta. Visconde de S. Luís Braga em sua vida.
Apostila. Visconde de S. Luís Braga, declarando-o súbdito Português.
Carta. Título de Visconde de S. Luís de Braga.
Alvará. Legitimação. Filiação: José António Braga, Ana da Silva.
A Igreja de São João do Souto pertencia ao arcebispado do Braga. Localização geográfica actual: União das Freguesias de Braga (São José de São Lázaro e São João do Souto) (Braga, Braga)
Crê-se que esta reportagem terá sido o resultado de um contrato de encomenda. O antigo Paço Arquiepiscopal, é onde hoje funciona o Arquivo Distrital de Braga e a Biblioteca Pública. O edificio do Paço Arquiepiscopal voltado para a Praça do Municipio, onde hoje funciona a Biblioteca Pública sofreu un incêndio em 1866 e foi reconstruído em 1930 sob a direção de Manuel Fernandes de Sá.
Certidão Negativa. Filiação: Rafael da Silva Braga.
Certidão Negativa. Filiação: Rafael da Silva Braga.
As fotografias 001675 a 001679 foram tiradas em Braga, por acasião do jogo de futebol do Campeonato Português, da primeira divisão, entre o Sporting Clube de Braga e o Futebol Clube do Porto.
Carta. Apresentação na Igreja Paroquial de S. Vitor da cidade de Braga.
Alvará. Escrivão do Juízo dos Feitos da Fazenda. Filiação: Manuel Soares Braga.
Carta. Escrivão e Tabelião do Juízo de Direito da comarca de Braga.
Carta. Escrivão e Tabelião do Juízo de Direito da Comarca de Braga.
Carta de Padrão. Tença de 30$000 rs. Filiação: Custódio Nogueira Braga.
Carta. Apresentação de Pároco da Igreja de S. Victor da cidade de Braga.
Carta. Mercê das honras que competem aos conegos da Sé Primaz de Braga.
Alvará. Legitimação. Filiação: José António Braga e Ana da Silva.
Alvará. Legitimação. Filiação: José António Braga e Ana da Silva.
Carta. Juiz e Recebedor das Sisas da cidade de Braga pela renúncia de Manuel Pimentel de Araújo.
Portaria. Permissão para poder levantar as armas na porta da sua Fábrica de Curtume, Sola, Couro e Aparelho, em Braga.
Autor: José Salreta; música do Maestro Silveira Pais. Título: O Lourenço de Braga: opereta popular em 3 atos, representada várias vezes na cidade de Braga e em outras terras do Minho sempre com geral agrado do público. Editor: Braga: Esc. Tipografia Oficina S. José, 1951.
Vista aérea sobre o Santuário do Bom Jesus de Braga. O Santuário do Bom Jesus do Monte, também referido como Santuário do Bom Jesus de Braga, localiza-se na freguesia de Tenões, na cidade, concelho e distrito de Braga, em Portugal.
Rossio de trás da Sé em Braga.
Rossio de trás da Sé em Braga.
Rossio de trás da Sé em Braga.
Vista parcial de um dos lados do Santuário do Bom Jesus do Monte ou Santuário do Bom Jesus de Braga, com diversos adultos e crianças de passagem.
Alvará. Fidalgo Cavaleiro com 1600$000 rs de moradia por mês e 1 alqueire de cevada por dia. Filiação: Rafael da Silva Braga.
Cópia da relação de pessoas alojadas em unidades hoteleiras de Esposende e Braga (elementos informativos: nome, idade, grau de parentesco, local e custo diário).
Dois exemplares da ficha de inscrição individual de João Francisco Braga Marquilhas, atleta da modalidade de esgrima, na XXIII Olimpíada de Los Angeles, em 1984.