Type

Data source

Date

Thumbnail

Search results

You search for benavente and 1,333 records were found.

Substitui no cargo Diogo Leitão que perdeu o ofício por erros declarados: fizera cartas de venda, dizendo que os compradores receberam todo o dinheiro, o que não era verdade. El-rei o mandou pelo doutor Rui Boto, do seu Conselho e chanceler-mor de seus reinos e senhorios. Pero Ribeiro por Pero da Fonseca, fidalgo da Casa d'el-Rei e escrivão da chancelaria a fez.
Recebeu 363$390 reais: 190$000 reais de Fernão Lourenço, tesoureiro da Casa da Mina; 9$390 reais de Pero Afonso, mestre das v.
El-rei o mandou por D. Pedro de Castro, do seu conselho e vedor de sua fazenda. Francisco de Matos a fez.
O mancebo perdoou-lhe, como se sabe pela apresentação de um público instrumento, feito por Pero Peixoto, tabelião na vila de Santarém, a 6 de Fevereiro de 1496. Pagou 1.400 reais para a arca da piedade a frei Fernando, esmoler, segundo um seu assinado e de Álvaro Fernandes, capelão. El-rei o mandou pelos doutores Pero Vaz, seu capelão-mor e vigário de Tomar e Fernão Rodrigues, do seu Conselho, daião de Coimbra, ambos desembargadores do Paço. João Jorge a fez.
Cópia do livro original, mandada efectuar por D. Afonso V (cf. nota marginal registada no f. 162v). Contém diversos traslados, nomeadamento o regimento dos gados do reguengo de Valada, feito por D. Duarte (f. 99v-100), a carta de foro de Cartaxo dada em 1313 (f. 101), a doação do relego, serviço real e serviço novo dos judeus e dos direitos dos mouros de Santarém, feita por D. Afonso V ao infante D. Fernando, duque de Viseu e de Beja e senhor da Covilhã, em 1468 (f. 162 bis v). Inclui, ainda, traslados de documentos datados de 1201, 1305, 1424 e 1449. Registos do Reguengo de Tojosa (f. 109v-111v).
Na carta refere que as terras da Leziria da Corte do Lobo foram percorridas pé por pré por Manuel Marques "homem iminentíssimo" que as achou em estado miserável sem ter aruela real que era necessário fazer com portas ou meias portas.
Proveniência: Patriarcado de Lisboa Requisitória para se proceder a diligências "de genere" por parte do avô paterno do habilitando, para ser promovido a ordens menores e sacras. Naturalidade do habilitando: Benavente, freguesia de Nossa Senhora da Graça Filiação: Domingos da Fonseca Correia e Juliana Baptista Naturais: Benavente, freguesia de Nossa Senhora da Graça Avós paternos: Simão da Fonseca e Simoa Correia Naturalidade do avô paterno: Triana, termo de Alenquer Naturalidade da avó paterna: Benavente, freguesia de Nossa Senhora da Graça
Filiação: António Eugénio Cortes Paim dos Reis e de Piedade Paim Idade: 34 Profissão: Proprietário Estado Civil: Casado Naturalidade: Benavente Residência: Évora Destino: Espanha Motivo: Viagem de negócios
Filiação: António Paim dos Reis e de Piedade Paim dos Reis Idade: 36 Profissão: Proprietário Estado Civil: Casado Naturalidade: Benavente Residência: Évora Destino: Espanha e França
Inventariado: João d`Almeida, de Benavente, João Antão; Inventariante: Roza Marques. Tem apenso: Autuação do testamento de João d`Almeida, 1860.
Autor: José Manuel Peça; réu: Maria Benavente e seus filhos; residência do autor: Maiorga - Alcobaça; residência do réu: Valado dos Frades - Nazaré.
Coplas de "Vida airada: revista em 2 actos e 14 quadros" da autoria de Álvaro Machado e Fernando Luz. Música, parte original e parte coordenanda de António Benavente.
Treslado de uma carta de penhora vinda da 4ª Vara de Lisboa/Sebastião Gonçalves de Azevedo/António Benavente Moniz da Maia
João da Costa Frescata / José António Simões / Emília da Conceição ou Emília Benavente Maia / João da Silva Amado / Lucinda Gonçalves Ramalho. 2º ofício. 2 apensos.
Maria de Jesus / José Francisco Bravo e António Pinto de Figueiredo; apenso ao processo de Querela 5083/1910 da Comarca de Benavente
1.º Outorgante: António Lourenço Carreira, Vila Chã do Monte, fr. Torredeita 2.º Outorgante: Joaquim José Benavente e Maria Perpétua, fr. Sé, conc. Lisboa
Questões relativas aos contratos do almoxarifado do pescado de Lisboa; requerimentos relativos a diversos assuntos de pescarias; navegabilidade entre Benavente e Lisboa; alvará relativo à pesca de baleias.
Filiação: Firmino António de Oliveira e Custódia do Sacramento Oliveira Naturalidade: freguesia e concelho de Benavente; distrito de Santarém Idade: 31 anos Destino: Rio de Janeiro
Carta. Administração da Capela, instítuida por Álvaro Anes, e sua mulher, Catarina Martins, sita no termo da vila de Benavente, chamada , o Monte da Saúde.
Alvará. 14 moios de pão traçados em trigo e cevada pagos anualmente pelos sobejos do Almoxarifado de Benavente por falecimento de seu marido Pedro Teixeira.
Alvará. 9 moios e 52 alqueires de terra no Paúl de Toijouto, almoxarifado de Benavente em 3 vidas e 2 moios de terra sitos em Almasetem, na Malveira.
Carta. Administração de Capela que na Ermida de S. Bento da vila de Benavente instituio o Prior da mesma, o Frei Francisco Soares.
Carta. Administração de Capela que na Ermida de S. Bento da vila de Benavente instituio o Prio da mesma, o Frei Francisco João.
Alvará. 9 moios de 52 alqueires de terra no Paúl de Trigesta no Almocxarifado de Benavente e 2 moios de terra sitos em Albacetim.
Apostila. Ofício de Escrivão e Tabelião do Juízo de Direito da Comarca de Benavente, para idêntico ofício vago na de Satam.
Apostila. Transferindo-o para o lugar de Delegado do Procurador Régio da comarca de Benavente, desta para a de Fornos de Algodres, daí para a de Mangualde,....
Alvará. Para haver 2 moios de trigo, 4 moios e meio de cevada e 24$000 rs como Monteiro-mor da vila de Benavente e Salvaterra.
Apostila. Delegado do Procurador Régio de Vila Nova de Foz Côa, Lousada, Odemira e de Juiz de Direito da Ilha de S. Jorge, Arouca, Mértola, Benavente e Sintra.
Carta. Escrivão das Sisas da vila de Benavente, por estar casado com Maria de Barros, filha de Belchior Serrão de Faria e Paula de Barros.
A acção prende-se com uma casa na rua dos Ourives da Prata, por ser fiador de rendas em atraso de uma terra em Benavente.
A acção prende-se com umas rendas em atraso de uma terra chamada "Corte dos Partos", termo de Benavente, de que era fiador.
Conta corrente do 3º lanço de estrada, começado em 16 de Janeiro de 1876,referente à estrada distrital nº 79 de Vendas Novas a Benavente e Samora.
Comédia em três actos da autoria de Jacinto Benavente a ser representada por uma Companhia espanhola. Tipologia e suporte: Documento impresso
Drama em três actos da autoria de Jacinto Benavente a ser representado por uma Companhia espanhola. Tipologia e suporte: Documento impresso
Comédia em três actos da autoria de Jacinto Benavente para ser representada no Teatro do Ginásio Tipologia e suporte: Documento dactilografado
Cinedrama em duas partes da autoria de Jacinto Benavente, tradução de José Sarmento, encenada por Berta de Bivar e Alves da Cunha. Tipologia e suporte: documento dactilografado
Inclui o Almoxarifado das Jugadas de Santarém, Mesa Mestral da Ordem de São Bento de Avis da vila de Benavente, Paul da Asseca, Campos da Valada e Alpampilher.
Versão de Silva Tavares da comédia em três actos "La curci", da autoria de Jacinto Benavente, representada no Teatro do Ginásio. Tipologia e suporte: Documento dactilografado
Peça em três actos da autoria de D. Jacinto Benavente, adaptação de Maria Matos, representada no Teatro Avenida. Tipologia e suporte: documento dactilografado
Comédia em quatro episódios da autoria de Jacinto Benavente, tradução de Norberto Lopes para ser representada no Teatro Nacional D. Maria II. Tipologia e suporte: Documento dactilografado
Variedades em um acto de Armando Machado Baptista, aprovados com cortes, a representar pelo Grupo Cénico de Benavente. Inclui relatório dos censores. Tipologia e suporte: Documento dactilografado
Variedades em um acto, aprovado com cortes, a ser representado pelo Grupo Cénico Amador de Benavente. Tipologia e suporte: Documento dactilografado
Farsa em três actos de Jacinto Benavente, tradução de João Mendes, S.J., a representar no Centro Académico de Braga. Tipologia e suporte: Documento dactilografado
Comédia em dois actos, três quadros e um prólogo de Jacinto Benavente a representar pela Companhia Lope de Vega. Tipologia e suporte: Documento dactilografado
Cargo: vedor da Casa Real. A ação prende-se com o despejo de Gertrudes Maria da Natividade da courela "Malveira", termo de Benavente.
A acção prende-se com a herança de Francisco Rodrigues dos Santos e Benavente. O processo correu pelo cartório do escrivão Basílio Diogo de Faria.
Cargo: vedor da Casa Real. A ação prende-se com o despejo das courelas Botelhada, Pestanas e Farilhão, termo de Benavente, arrendadas a António da Costa Vidigal.
Cargo: vedor da Casa Real. A ação prende-se com invsaão do propriedade no termo de Benavente, por parte de Maria Margarida.
Proveniência: Arcebispado de Lisboa Assunto: Requisitória para se proceder, na vila de Benavente, a diligências de “vita et moribus" a favor do justificante, para se ordenar de ordens sacras. Naturalidade do justificante: Santarém Morador: Benavente Filiação: Lourenço Dias e Catarina Rodrigues
Proveniência: Arcebispado de Lisboa Assunto: Requisitória para se proceder a diligências "de genere" por parte dos avós paternos do justificante. Para habilitação a ordens menores e sacras. Naturalidade do justificante: Benavente Filiação: João Ribeiro e Camila de Queirós Avós paternos: Diogo Ribeiro e Clara Nunes Naturais: Benavente Avós maternos: Domingos Jorge e Cecília de Queirós Naturais: Vila de Nogueira (Bispado de Coimbra)
Proveniência: Arcebispado de Lisboa Assunto: Requisitória para se proceder, na vila de Benavente, a diligências de “vita et moribus" a favor do justificante, para se ordenar de ordens sacras. Naturalidade do justificante: Santarém Morador: Benavente Filiação: Lourenço Dias e Catarina Rodrigues
Proveniência: Arcebispado de Lisboa Requisitória para se proceder na vila de Benavente, a diligências de “vita et moribus" a favor do habilitando, para se ordenar de ordens menores. Naturalidade do justificante: Benavente Compatriota do Arcebispado de Liboa. Filiação: Brás Ferreira Félix e Maria da Cruz
Proveniência: Arcebispado de Lisboa Requisitória para se proceder, na vila de Benavente, a diligências de património a favor do justificante, para se ordenar de ordens sacras. Naturalidade do justificante: Lisboa Filiação: Manuel de Oliveira, vestimenteiro das 3 ordens militares, o qual comprara a Lourenço Vaz preto uns olivais, no termo de Benavente, com os quais se dotava o justificante.
Idade do noivo: 23 Naturalidade do noivo: Évora (Sé) Filiação do noivo: Joaquim José Baptista e Umbelina Maria, naturais de Évora (Sé). Profissão: Trabalhador Idade da noiva: 33 Naturalidade da noiva: Santo Estevão da Ribeira de Canha (Benavente) Filiação da noiva: Manuel Vitorino, natural de Coruche e de Cristina Mendes, natural de Santo Estevão da Ribeira de Canha (Benavente). Profissão: Doméstica
Proveniência: Patriarcado de Lisboa Requisitória para se proceder em Benavente a diligências de “vita et moribus" a favor do habilitando, compatriota do patriarcado de Lisboa, para ser promovido a ordens menores e sacras. Naturalidade do habilitando: Benavente Filiação: Domingos da Fonseca Correia e Juliana Baptista
Proveniência: Patriarcado de Lisboa Requisitória para se proceder na vila de Benavente a diligências de “vita et moribus" a favor do habilitando, para ser promovido a ordens sacras. O habilitando era compatriota do Patriarcado de Lisboa. Naturalidade do habilitando: Benavente Filiação: Domingos da Fonseca Correia e Juliana Baptista
Proveniência: Arcebispado de Lisboa Requisitória para se proceder, na vila de Benavente, a diligências de “vita et moribus" a favor do habilitando, para se ordenar de ordens de diácono. Naturalidade do habilitando: Benavente Morador: Freguesia de Santa Justa, Lisboa Filiação: Brás Ferreira félix e Maria da Cruz
Proveniência: Arcebispado de Lisboa Requisitória para se proceder, na vila de Benavente, a diligências de “vita et moribus" a favor do habilitando, para se ordenar de ordens de presbítero. Naturalidade do habilitando: Benavente Morador: Freguesia de Santa Justa, Lisboa Filiação: Brás Ferreira félix e Maria da Cruz
Proveniência: Patriarcado de Lisboa Requisitória para se proceder em Benavente a diligências de avaliação das fazendas de património, com que se dotou o habilitando, para ser ordenado de ordens sacras. Consta o edital do património e as inquirições de justificação do mesmo. Naturalidade: Benavente Filiação: José dos Reis e Maria de Torres Branco
Proveniência: Bispado de Elvas Requisitória para se proceder em Benavente a diligências de visita e avaliação de um benefício curado na Igreja Matriz de Benavente com que o padre constituira património. Consta o edital do património e as inquirições de justificação do mesmo. O padre recebera Breve Apostólico de Secularização e para provar as premissas do dito breve teve de constituir património.
Autos de colação e confirmação do frei Sebastião Leitão, natural da vila de benavente, professo do hábito de Avis, para beneficio curado na igreja matriz de N.ª Sr.ª da Graça na vila de Benavente. Consta neste processo uma carta recebida do arcebispo de Lisboa, D. Rodrigo da Cunha. Neste processo existem também outros documentos inerentes à confirmação desta nomeação.
Constam os autos de justificação para compatriota do Arcebispado de Évora, que se fizeram na vila de Benavente. Quando se habilitou a ordens de epístola era prioste na vila de Benavente. Constam inquirições “de genere” que se fizeram na vila de Benavente, na cidade e Bispado de Santarem e no Patriarcado de Lisboa Oriental, e inquirições de “vita et moribus” que se fizeram na vila de Benavente e na cidade de Évora, a favor do habilitando, por requisitórias e comissões do Dr. Manuel Álvares Cidade, provisor das justificações “de genere” do Arcebispado de Évora; o processo de património que contém, entre outros documentos, a escritura de doação para ordens sacras que fizeram os pais do habilitando; as diligências de visita e avaliação do património e o edital do mesmo afixado na Igreja Matriz da vila de Benavente; os documentos inerentes a ordens de evangelho e ordens de missa.
Contém: Petição, rol de testemunhas, apresentação de comissão, depoimento dos justificantes, mandado de diligências, ... Tipologia e suporte: papel e pergaminho
Contém: Bula Apostólica, petição, rol de testemunhas, comissão apostólica, mandado apostólico,... Primos em 1º grau fls. 3 contém selo de chapa (com desenho de uma mão). Tipologia e suporte: papel e pergaminho
Contém: Breve Apostólico, petição, rol de testemunhas, comissão apostólica, mandado apostólico,... fls. 2v contém selo de chapa e de timbre (com desenho de duas espadas cruzadas), fls. 4 contém selo de chapa, fls. 23v contém selo de chapa da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (com desenho das 5 quinas, 7 castelos e a Cruz de Cristo). Tipologia e suporte: papel e pergaminho
Constam a justificação, em virtude da petição do habilitando, em como era o único filho varão de seus pais e que tinha cinco irmãs donzelas e inquirições “de genere” que se fizeram no Bispado de Coimbra, no Arcebispado de Évora e na vila de Coruche, a favor do habilitando, por requisitórias e comissão do Dr. José Borges de Barros, Provisor das justificações “de genere” do Arcebispado de Évora.
Constam: o processo de compatriota, as inquirições “de genere” que se fizeram no Arcebispado de Lisboa e no Bispado de Viseu, a favor do habilitando, por requisitória do Arcebispado de Évora, o processo de património e um Breve Apostólico, do Papa Inocêncio XI, para se ordenar extra têmpora de todas as ordens sacras. O habilitando foi impedimento de se ordenar por ter fama de mulato por parte de seu pai mas foi dispensado.