Data source

Date

Thumbnail

Search results

982 records were found.

Entrada de Marmelar. Construção de Caminho Municipal de Alcaria da serra a Marmelar. Está visível o depósito e a placa toponímica.
Fotografia de rua de Selmes, avistando-se ao fundo a Igreja de Santa Catarina. Abaixo vemos inscrita a seguinte informação: "O Velho Candeeiro".
Pavimentação de ruas na vila de Vidigueira; Largo Frei António das Chagas – Rua a poente do Mercado. Observamos, do lado direito da fotografia, a parede lateral e as traseiras do Mercado Municipal e a bica aí existente. Encontram-se vários carros estacionados em frente a uma oficina de mecânica aí existente, podendo ler-se na placa existente na parede a seguinte informação: “Lubrificantes Fina”.
João Manuel Pulido no Museu Castro Guimarães. Encontra-se no exterior, sentado na escultura de pedra de um leão. No verso consta a seguinte informação “Cascais, Julho de 1953; O «Leão de Pedra» no jardim do Museu Castro Guimarães”.
Cortejo de oferendas a reverter para o Hospital de Vidigueira, realizado no ano de 1956. Fotografia de grupo captada junto à Praça Vasco da Gama, onde podemos ver, em cima, da esquerda para a direita, Justa Morais Carapinha, Custódia Cigarro, Joana Mota, Maria Joana Boga Pires, Clarinda Mateus, Rosa Cigarro, Maria das Dores Bacalhau, Mariete Lula Ramalho, Maria Rosa ("da Alzira"), Leonarda Bonito Janeiro e Damiana Faveira. Em baixo, da esquerda para a direita vemos António ("Chapinha"), Serrano, Carlos (filho do sr. Caetano, enfermeiro no Hospital), Maria Correia, Diamantino Correia, Francisco de Pedrógão do Alentejo, Domingos “Sapateiro”, António Lúcio (“Florinhas”), Aires Coxinho (“Alhuta”), Manuel Ferrinho, Domingos Noronha (“Pinote”) e Armando da Silva (motorista da firma José Mendes Carvalho). Vejam-se também as fotografias A-0011, A-0019 e A-0039.
Procissão em Honra de Nossa Senhora das Relíquias em Alcaria da Serra na década de 50 do século XX.
Antigo açude acima da ribeira de Selmes que servia de suporte ao moinho.
Registo das deliberações tomadas nas sessões do Conselho Municipal do Concelho de Vidigueira no período entre 1937 e 1959.
Festa do 1º de Maio em Marmelar em finais dos anos 70. Podemos observar a presença de cinco adultos (quatro mulheres e um homem) e duas crianças. Da esquerda para a direita, desconhece-se a primeira, a segunda trata-se de Rosa Ganhão, a terceira é Marciana e a seu lado vemos Mariana Carolina Pegas. O homem trata-se de Manuel Ganhão. A criança mais à frente é Luís Ganhão enquanto que a outra não foi identificada.
Registo das deliberações tomadas nas sessões do Conselho Municipal do Concelho de Vidigueira no período entre 1959 e 1974.
Cortejo de oferendas realizado no ano de 1956 a reverter para o Hospital. Fotografia captada junto à Praça Vasco da Gama, sendo visíveis vários animais muares que puxavam as carroças provenientes das várias casas agrícolas e comerciais como é o exemplo da "Casa Agrícola Pulido Garcia - Para os Pobres" e de "António João Contente - Agente em Vidigueira", informações presentes nos cartazes identificativos. Fotografia de grupo em que podemos ver, em cima, da esquerda para a direita, Maria Joana Bastos, Ana Rocha, Cipriana Carrujo, Maria Josefa Leirão, Maria Luísa, Bernardina Rocha, Maria das Relíquias, Maria Catarina, Rosária Ganço e Rosa Faveira. Em baixo, da esquerda para a direita pode ver-se José António Coxinho, Joaquim Leirão, João Noronha, Jacinto Cunha, José Francisco Trole Prego, Joaquim Bastos, Joaquim “Ralo” e Maria Romana. Vejam-se também as fotografias A-0011, A-0016 e A-0039 que complementam o presente acontecimento de cariz social.
Monte das Cortes de Baixo, em Selmes, na década de 60/70 do século XX.
Moinho da Casa Branca. Fotografia alinhada à direita, onde se destaca, ao centro, um curso de água, por cima do qual vemos uma ponte que faz ligação ao moinho visível do lado direito. Abaixo da fotografia vemos inscrita a seguinte informação: "Moinho da Casa Branca". Do lado esquerdo, inscrita a caneta, encontramos a seguinte inscrição: "Viana, 7 de Outubro de 1904 - Josezinha - Como vae e sua mãe? Diga se recebeu um bilhete postal meu convidando-a a vir a feira. Rodrigo Nobre Gusmão".
Fotografia de grupo tirada aquando da inauguração da Caixa de Crédito Agrícola de Vidigueira, na Rua Miguel Bombarda (onde funcionou, igualmente, anos mais tarde o Cartório Notarial). Da esquerda para a direita pode ver-se Francisco José Palma, Dionísio Efigénio, Humberto Contente, Redes (pai de Maria Olivia e Marianita Redes Silva), José Francisco Pinto Goes ("Vinagre"), Francisco Domingos Neves (talhante do Mercado Municipal), Francisco Domingos Pinto Goes e António Manuel Baião Lança. O jovem rapaz que se encontra a meio é Eduardo Pinto. No verso, ao centro da fotografia, consta um carimbo do fotógrafo ou casa de fotografia: “Agência de Reportagens Lisbonense – Rua dos Penedos 9 Évora”. Remonta a finais da década de 50 ou inícios da década de 60 do século XX.
Cruzeiro. Fotografia captada junto à Igreja de S. Francisco, Igreja Matriz, mais especificamente, ao Cruzeiro, avistando-se ao fundo o “Chalé” ao lado da palmeira (antigo Grémio da Lavoura). No canto inferior direito vemos inscrita a palavra “Guto”.
Retrato de Francisco Correia de Herédia, o Visconde da Ribeira Brava. Exerceu os cargos de governador civil dos distritos de Beja, Lisboa e Bragança; foi deputado da Nação durante e após a monarquia e presidente da Câmara Municipal de Vidigueira entre 1890 a 1892 e 1899 e 1900. Natural da Ribeira Brava, na Ilha da Madeira, casou com D. Joana Gil de Borja de Meneses e Macedo, ficando ligado à Vidigueira. Teve ligação no episódio do Regicídio e, mais tarde, no golpe revolucionário de 12 de Outubro de 1918, sendo assassinado 4 dias depois durante a “leva da morte”. No canto inferior direito encontramos a seguinte inscrição: “António J. Janeiro” / Foto-Amadôr 14/7/1924 (fotografia tirada a um quadro existente na antiga Sociedade Democrática Vidi-Fradense, à qual o visconde estava ligado por questões políticas, posteriormente, denominada de Sociedade União Recreativa Vidigueirense (durante o regime de Salazar), cuja sede estava situada entre a Rua Longa e a Rua Cândido dos Reis. Era uma colectividade com um número pequeno de sócios, com ambiente familiar e requintado que era apanágio dos seus bailes e festas.
Estrada Municipal entre as Estradas Nacionais 18 e 258 por Selmes (Ponte da Ribeira de Selmes). Fotografia proveniente do Serviço de Obras da Câmara municipal de Vidigueira.
Fotografia do Dr. Joaquim Jorge de Carvalho (médico que exerceu também as funções de Presidente da Câmara Municipal de Vidigueira entre 1959 a 1963 e 1967 a 1969) e do Dr. Carlos César Sotto-Mayor Figueira (Presidente da Câmara Municipal de Vidigueira entre 1938 e 1958). Encontram-se sentados lado a lado num sofá, estando mais pessoas presentes embora as respectivas caras não estejam visíveis.
Praça da República. Fotografia tirada à Praça da República por António Cunha a partir da Igreja da Misericórdia. Década de 80 do século XX.
Retrato de José António Palma Caetano com cerca de 4 ou 5 anos de idade, remontando o registo fotográfico ao final da década de 30 do século XX. Encontra-se de pé, naquilo que parece ser um espaço de quintal, a contar pela presença dos vários vasos com flores, apoiado a um pequeno cadeirão de verga.
Retrato de crianças sentadas sob uma oliveira. Junto aos jovens rapazes está visível uma escada e um chapéu no chão. Da esquerda para a direita pode ver-se José Cristo e João Manuel Pulido. Atrás deles vemos Francisco Feliciano Pulido.
Fotografia de grupo de mulheres, amigas, que terá sido captada, muito possivelmente, enquanto colegas na aprendizagem da costura em Vidigueira. Da esquerda para a direita observa-se Antónia Carvalho Baião, Maria Teresa Goes ("Bia Batuca"), Rosa Carvalho Pires, Francisca da Conceição Fialho Palma e Cipriana Goes da Silva. As senhoras presentes nas extremidades encontram-se sentadas em cadeirões de madeira, enquanto que as restantes estão em pé, ao centro, junto a uma pequena mesa de apoio em madeira que ostenta uma jarra com flores.
Fotografia de grupo. Consta no verso a seguinte informação “Vidigueira 15-5-1953; Em casa do tio Fernando com a tia Lúcia e os Tonecas”.
Cerimónia de inauguração do abastecimento de água à Vidigueira (Bica da Cascata). A imagem de Nossa Senhora das Relíquias foi trazida da Igreja do Carmo para proceder à bênção das águas. Como é visível na fotografia, a imagem de Nossa Senhora das Relíquias encontrava-se presente nas cerimónias, elevada no andor. O largo da Cascata estava ornamentado com motivos vegetalistas e bandeiras monárquicas, estando presente a elite social, política e religiosa, destacando-se ao centro o Visconde da Ribeira Brava. Na monografia “Vidigueira e o seu Concelho” de José Palma Caetano, surgem desenvolvimentos a este respeito que passamos a transcrever: «O do abastecimento de água era dos mais importantes para a vila. Discutido na sessão de 3 de Março, houve alguns pareceres contrários, mas a proposta acabou por ser aprovada, tendo-se decidido contrair para isso um empréstimo de 6 contos de réis. As respectivas obras começaram em Junho, e em Março do ano seguinte a Câmara preparava já a cerimónia da inauguração desse melhoramento, resolvendo trazer da Igreja do Carmo a imagem de Nossa Senhora das Relíquias, a fim de se proceder à bênção das águas. Diz-se que nas festas da inauguração as águas correram ininterruptamente durante três dias. E afirma-se também que os Pulidos nunca utilizaram essa água, bebendo a da sua Quinta de S. Lázaro. As águas então canalizadas para a Vidigueira vinham da Serra do Mendro e as respectivas nascentes foram cedidas pela família Barahona, que se contavam entre os maiores latifundiários do concelho e, segundo consta, era também contrária ao projecto». Nota: A rivalidade entre regeneradores e progressistas fez-se sentir também de maneira aguda na Vidigueira, tendo os primeiros como expoente a família Pulido e os segundos o visconde da Ribeira Brava. A essa rivalidade partidária e ideológica acrescia ainda a circunstância de os Pulidos constituírem uma antiga família vidigueirense, que produziu alguns homens notáveis, mesmo a nível nacional, enquanto Ribeira Brava era por assim dizer um «estranho» - como muitas vezes lhe chamaram –, que veio parar à Vidigueira por ter casado com a filha de D. José Gil, o proprietário da Quinta do Carmo, que o visconde depois herdou e onde, por isso, estabeleceu a sua residência. A animosidade e as contendas – em que se misturavam paixões políticas e interesses de vária ordem – entre o visconde e os Pulidos ficaram célebres na vila.
Baile, possivelmente nos Santos Populares, pela presença, ao centro, daquilo que parece ser um mastro, à volta do qual podemos observar inúmeras pessoas a dançar, entre as quais, o Prof. Carapeto, Carolina Carrujo, Maria Eveline e Francisco José Lula.
Cortejo de oferendas a reverter para o Hospital. Fotografia tirada junto à Bica da Cascata, na direcção da Mercearia Barradas (actual dependência bancária “Santander Totta”). Observam-se inúmeras carroças, carros de parelha e um tractor, decorados e identificados com a casa agrícola a que pertenciam (visualizando-se “Cortes de Baixo”, “Donativos de Selmes”, “SAPEC”) e com a qual estavam a participar na causa social. Vejam-se também as fotografias A-0016, A-0019 e A-0039 ambas relacionadas com o mesmo evento de cariz social.
Fonte ou bica em Pedrógão do Alentejo. Podemos observar duas mulheres próximo da bica, estando uma delas a segurar um cântaro que está a encher com água enquanto a outra aguarda. Da bica para o lado esquerdo da fotografia são visíveis vários cântaros e latas no chão que esperam a sua vez para receber o precioso líquido. À esquerda vemos um jovem rapaz a correr.
Procissão em Honra de Nossa Senhora das Relíquias em Vidigueira no ano de 1964. A fotografia foi captada junto à Praça Vasco da Gama e ao antigo posto de Correios de Vidigueira. Destaca-se a presença de inúmeros populares e, ao centro, o andor de Nossa Senhora das Relíquias.
Apesar da falta de informação respeitante ao presente registo fotográfico, os dados que temos apontam para que este se refere à visita de Sua Excelência Reverendíssima, o Bispo D. José Patrocínio Dias, realizada à Vidigueira por volta de 1940. Observa-se a presença de um aglomerado de pessoas na Praça do Município, junto à Igreja da Misericórdia, bem como, vários cartazes onde se lê “Viva a Missão”, “Vila de Frades vos saúda” ou “Viva o Sr. Bispo de Beja”. As cerimónias religiosas tiveram lugar junto à parede lateral da Igreja, podendo ver-se o palanque e o pálio do lado direito (mais pormenorizadamente nas fotografias seguintes, A-0014, A-0015 e A-0041).
Abastecimento de água em bica ou fontanário de Pedrógão do Alentejo. Observa-se uma concentração de pessoas (na generalidade mulheres e crianças) junto à bica e também à sombra das habitações, aguardando a sua vez para encher os cântaros ou latas que, desde a fonte, partem em grande número formando um “U”.
Fotografia da Família Caetano, conforme constatamos através da inscrição que possui no verso onde se lê: “Como lembrança ofereço a minha comadre e compadre um grupo da minha família vendo-se na sua rectaguarda a nossa residência. Januario Augusto Caetano, Maria Catarina Candeias Caetano. Tirado em 2 de Maio de 1930”
Apesar da falta de informação respeitante ao presente registo fotográfico, os dados que temos apontam para que esta se refere à visita de Sua Excelência Reverendíssima, o Bispo D. José Patrocínio Dias, realizada à Vidigueira entre 1938 e 1940. Observa-se a presença de um aglomerado de pessoas junto à parede lateral da Igreja da Misericórdia, destacando-se um palanque ornamentado, simulando um altar exterior e estando presente, do lado esquerdo, a imagem de Nossa Senhora das Relíquias, padroeira local. À direita vemos um pálio sob o qual vemos o Bispo sentado.
Registo fílmico de um desfile integrado nas "Comemorações Henriquinas" que tiveram lugar em Lisboa, neste caso concreto, na Avenida da Liberdade, no ano de 1960 por ocasião da celebração dos 500 anos da morte do Infante D. Henrique. Vídeo produzido por Carlos Pulido. Para a sua introdução neste contexto, foi reproduzido na máquina projectora da marca “Paillard”, modelo “Bolex M8” (onde era feita habitualmente a sua reprodução) e captado com uma máquina digital. Destaca-se a inexistência de som, referindo-se os ruídos presentes ao equipamento de reprodução.
Fotografia de grupo no areal da praia na Figueira da Foz. A fotografia foi tirada por volta do ano de 1965, data em que o grupo de cantores vidigueirense, “Os Vindimadores”, se deslocou ao Porto para fazer a sua primeira gravação de estúdio. Atrás, da esquerda para a direita, pode ver-se Gertrudes Ramalho, Maria das Dores Gil Palhete, Maria Luísa Covas, Fernanda Mansos, Dulce Mansos, Maria Francisca Pancrácio, Joaquim Borralho, Idalina Faveira, Natércia Rosária Borges Lança, Ana Carolina Galvão e Domingas “Ferrinho”. À frente, de cócoras, estão 3 homens, podendo ver-se, da esquerda para a direita, António Sabina, Calhau (de Vila Alva) e Manuel Lúcio. No verso, encontramos inscrita a caneta, a seguinte informação: “Figueira da Foz”.
Fotografia representativa de laboração agrícola, nomeadamente, o charruar tradicional com tracção animal e charrua controlada pelo homem que a segura e manobra à rectaguarda. Captada na Quinta de Santa Clara em Vidigueira, sendo visíveis várias laranjeiras e, da esquerda para a direita, estão presentes António José Cristo e João Manuel Pulido. No verso consta a seguinte data “18-5-1954”.
Postal de factura da “Mercearia Barradas” (actual Banco Santander Totta). Da esquerda para a direita pode observar-se: Romão Barradas (irmão do dono da loja que, com um carro puxado por um cavalo, abastecia de petróleo, com um bidon, a Vidigueira e as aldeias), João Barradas, desconhecido, desconhecido, António Pinto Esteves (irmão do Augusto fotógrafo e alfaiates), António Rosa (pedreiro), desconhecido, José Francisco Pólvora Barradas (dono da loja), Zé da Cuba, Manuel Gatinho (abastecendo o seu carro). Na fachada da mercearia encontrava-se a seguinte informação: "José F. Pólvora Barradas - Casa fundada em 1921 - Fazenda, Mercearias, Louças, Vidros e outros artigos - Correspondente bancário e de seguros, Sub. Depositário - Shell Gazolina, petróleo e óleos".
Quinta de Santa Clara em Vidigueira. A conduzir o carrinho-de-mão junto à estrada ladeada por eucaliptal, transportando lenha, podemos ver António José Cristo. Atrás dele surgem 3 crianças, tratando-se, da esquerda para a direita, de João Manuel Pulido, Maria Josefa Cristo e José Cristo. Meados da década de 50 do século XX. Cedida por Maria e José Cristo
Fotografia de turma composta, atrás, da esquerda para a direita, por Catarina Carrinho Martins, Joana Coelho Goes, desconhecida, Benta Maria Quaresma Guerreiro, professora Estér (?) e professora Maria Cantinho. À frente, de joelhos, pode ver-se, da esquerda para a direita, menina austríaca (acolhida na Vidigueira na altura da 2ª Guerra Mundial), sobrinha de D. Maria Isabel Pulido (de Portel), Ivone Janeiro e Maria Perpétua Mendes Pires. Década de 40 do século XX.
Fotografia de grupo de mulheres numa carroça. Da esquerda para a direita pode ver-se Vitória Pinheiro, Gertrudes Maria Rosa Mendes, Maria das Relíquias Rosa Mendes e Maria Perpétua Mendes Pires. No canto inferior esquerdo pode observar-se a sombra do fotógrafo. No verso encontramos, inscrita a caneta, a seguinte informação: “Em Alcaria aos 18-11-1947”.
Ovelhas dentro do prisco (corredor em rede onde se imobilizam as ovelhas para fazer a ordenha) no Monte das Cortes de Baixo em Selmes. São visíveis dois homens e um rapaz. O homem que se encontra mais à esquerda é António Mouchinho e o jovem é o seu filho José Mouchinho, desconhecendo-se a identidade do outro homem presente. Década de 40.
Fotografia que apresenta cena de costura. Podem ver-se duas mulheres sentadas a costurar com as peças ou roupas no regaço. Atrás delas está presente uma máquina de costura. Do lado direito, embora desfocada, está uma criança vestida com um bibe. A mulher que se encontra ao centro é a aprendiz de costureira ou modista Maria Joaquina Palma (mãe de José Palma Caetano), desconhecendo-se a identidades dos outros elementos presentes.
Grupo de nove mulheres e três crianças, à frente das quais se apresentam os trabalhos elaborados pelas mesmas durante o Curso Singer a que terão tido acesso. Na parte inferior da fotografia pode ler-se “Curso Singer – Ensino gratuito bordado máquina - Vila de Frades 4-11-1936”.
Barca de passagem que fazia a travessia do rio Guadiana, próximo de Marmelar, em direcção a Moura. Na fotografia a barca transporta uma carroça, um animal muar e várias pessoas. Preso por uma corda à barca seguia um pequeno barco.
Fotografia de grupo composto por homens, mulheres e crianças na apanha da azeitona.
Apesar da falta de informação respeitante ao presente registo fotográfico, os dados que temos apontam para que esta se refere à visita de Sua Excelência Reverendíssima, o Bispo D. José Patrocínio Dias, realizada à Vidigueira por volta de 1940. Este elemento fotográfico parece estar relacionado com uma grande seca que assolou o Alentejo tendo sido realizado, posteriormente, um evento religioso em que a população do concelho se deslocou à Vidigueira, encabeçada pelos regedores que transportavam uma cruz. A cerimónia religiosa teve lugar junto à parede lateral da Igreja da Misericórdia e também com uma procissão, daí vermos este registo fotográfico captado junto à antiga escola primária Vasco da Gama e ao antigo Posto de Correios (edifício de 1º andar, no lado direito da fotografia). A procissão é extensa, prolongando-se a mesma ao longo do troço que nos é possível ver, no sentido da Rua General Humberto Delgado (antiga Rua de Moura). Estão presentes muitas crianças, bem notórias do lado direito da fotografia, bem como alguns populares a assistir. É visível uma cruz, vários pendões e cartazes com os seguintes dizeres: “V. de Frades vos saúda!”, “Viva o S. Bispo de Beja!”, “Benvinda seja a paz!”, “Viva a S. Missão!”. As fotografias A-0013, A-0014, A-0015 e A-0041 complementam o acontecimento.
Boletim municipal "Notícias da Vidigueira" do mês de Dezembro de 2014. Possui os seguintes artigos: - Vidigueira apoia o cante alentejano (Grupo de Cante Alentejano da Escola de Música da Câmara Municipal de Vidigueira; Grupo Coral e Instrumental “Vilafradense”; Grupo Coral da Adega Cooperativa de Vidigueira, Cuba e Alvito, C.R.L.; Improvisos do Sul; Grupo Coral “Os Vindimadores” de Vidigueira) - Assembleia Municipal aprova documentos previsionais para 2015 - Dr.ª HELENA D’ AGUILAR, Vice-presidente da Câmara Municipal de Vidigueira – Vidigueira apoia o Cante Alentejano / Boas Festas - Inauguração do Núcleo de Exposições de Marmelar (arqueologia) - Emprego Inserção - Iluminação de Natal - Pólo do Centro Social e Loja + Voluntariado de Vila de Frades (inauguração) - ETAR de Marmelar (limpeza dos reservatórios e trabalhos de manutenção) - Escola Primária de Selmes (construção de espaço para refeitório) - Magusto S. Martinho (funcionários e colaboradores da C.M.V.) - Dia do Funcionário (palestra/formação sobre motivação e desempenho individual e em equipa; jantar convívio; Revista “Portugal à Gargalhada” no Teatro Politeama) - Equipa de manutenção de espaços verdes - Equipamento de protecção individual - Recepção aos participantes do Projecto COMENIUS - Parceria Terras Dentro – Oficinas Temáticas; Promoção do Pão e Doçaria Alentejana - Oferta de formação no pré-escolar promovida pela Câmara Municipal de Vidigueira (aulas de inglês) - Voluntário americano (Global Volunteers) para ensino da língua inglesa - Apoio à primeira infância (apoios financeiros na vacinação) - Comemoração do Dia do Idoso (almoço convívio com animação musical; visitas ao concelho; actividades desportivas; passeio avós e netos; cuidados de saúde e viagem ao Santuário de Fátima) - Banco Alimentar contra a fome (recolha de alimentos no concelho através do Banco Local de Voluntariado) - População Sénior - Autarquia próxima dos munícipes (melhoria das condições de vida e inserção social – Serviço de Acção Social no apoio à renda da habitação; tarifa da água; cabaz alimentar; melhorias habitacionais) - Magusto Sénior - Avós e Netos - Oferta e Banco de Manuais Escolares - Acção Social Escolar (apoio alimentar, manuais escolares, material escolar e trasnsporte) - Cante Alentejano no 1º ciclo - Expressão motora, expressão musical na educação pré-escolar - Auxílios económicos a estudantes do ensino superior (prémio de ingresso e prémio de frequência; bonificação de aproveitamento escolar e bonificação de rendimentos do agregado familiar) - Actividades socialmente úteis – Bolseiros - Centro Multifacetado de Novas Tecnologias – Apresentação do livro “Galveias” de José Luís Peixoto; AZULDESEJO, oficina de pintura em azulejo; Contos ao Luar; Um Conto por Mês - IX Bienal Salão das Artes (pintura e escultura) - Exposições – “António Inverno”, pintura de António Inverno (Paços do Concelho); “Alentejo”, serigrafias dos alunos da EBI de Santa Maria de Beja (Museu Municipal) - Festa de Natal para as escolas do concelho - Tributo a Ary dos Santos no 40º aniversário da Revolução de Abril e no 30º aniversário da morte do poeta (com José Fanha, Daniel Completo e actuação do Grupo de Cante Alentejano da Escola de Música da C.M.V.) - Escola de Música – classe de animação musical (3-5 anos); iniciação musical (a partir dos 6 anos); formação musical; cursos livres de órgão electrónico, piano, viola/guitarra clássica e de acompanhamento, flauta de bisel, cavaquinho e bandolim; grupo infantil e juvenil de Coral Alentejano - Oficinas de Teatro - “Heróis do Ambiente” - Município de Vidigueira marca presença na Vitifrades (17ªs Festas Báquicas) - Balcão de informação turística - Bolsa de Turismo de Lisboa - Turismo Sénior – INATEL – Vidigueira recebe 600 visitantes - Festa da Juventude (desportos radicais, concertos, hip-hop, zumba, insuflável, biblioteca de verão, concurso de dj`s, convívio desportivo, peddy papper, cinema ao ar livre, exposição de fotografia, entrega de manuais escolares e apoios à 1ª infância) - Desporto Municipal – “Viva Mais” e “Sábados Desportivos” - Dia Internacional da Juventude - Jogos Tradicionais e Xadrez - Programa OTL – longa duração - Férias Jovens 2014 - GAJ organizou viagem ao espectáculo “Quidam” (Cirque du Soleil) no Meo Arena - Câmara Municipal atribui subsídios às Associações - Raid BTT – Trilhos de Baco - XVI Concentração Motard de Vidigueira - “Mercado da Terra” (Mercado Municipal de Vidigueira) - Mercados de Verão - Rainha das Vindimas de Portugal – Carolina Carrinho representou a Vidigueira - Próximos eventos: Noite de reis 2015, Entrudo 2015, Sabores da Caça 2015 em Selmes - Fim de Ano Prata na Praça da República em Vidigueira – Banda Toc & Foge, Ruben Baião, Dj Twist and Sound, espectáculo de fogo-de-artifício, oferta de kit passagem de ano
Fotografia de grupo de amigos. Em cima, da esquerda para a direita vemos João Baião, Manuel Domingos Marreiros e José Francisco Aniceto. Em baixo, da esquerda para a direita podemos observar João Noémio Rosa Bico, Armando Silva e João António Rosa Carvalho. O registo remonta a inícios da década de 50 do século XX.
Pega no Monte do Panasco, próximo de Vera Cruz. A pegar a vaca, do lado esquerdo encontramos João Baião e à sua direita o seu primo José Manuel Baião. Ao fundo, estão visíveis mais animais junto da cerca de madeira. Cedida por João Baião
Fotografia tirada junto à fachada da Mercearia Barradas, estando visível o canto da casa da D. Maria de Aires (do lado esquerdo), ainda sem os azulejos amarelos que a individualizam, e a bica da cascata, ao fundo. São visíveis várias crianças a circular. Fotografia original cedida pelo Sr. José Augusto Barradas ao Museu Municipal de Vidigueira.
Fotografia de grupo de três mulheres mascaradas no Carnaval de 1956. Da esquerda para a direita pode ver-se Joana Mota, Felisbela Roque e Custódia Cigarro.
Fotografia de Francisco Cigarro, vestido com a farda militar, durante o cumprimento do serviço militar no ano de 1926. Encontra-se em pé, de perna cruzada, apoiado com a mão numa cadeira.
Fotografia de dois militares, irmãos “Grade”, podendo ver-se, da esquerda para a direita, Luís António Lança (Guerra de França) e Manuel Lança (Guerra de França e Alemanha). Datada entre 1914 e 1919.
Procissão em Honra de Nossa Senhora das Relíquias em Alcaria da Serra. Destaca-se a procissão a dobrar a esquina de uma rua, encabeçada por um homem que segue à frente hasteando um pendão, auxiliado por uma senhora de cada lado. Atrás destes vemos várias crianças a acompanhar a procissão. Vêem-se, igualmente vários populares a assistir à passagem da cerimónia processional. Este registo remonta à década de 1950.
Fotografia de equipa de futebol de Marmelar em finais dos anos 70 do século XX. Na fila de trás, de pé, da esquerda para a direita pode ver-se desconhecido, José Rato, José Espanhol, João Henriques, desconhecido, desconhecido, José Baetas, Manuel Pedro, Joaquim Galhetas, desconhecido, José Gonçalves, Jacinto Rosa, Jaime Barreira. Em baixo, da esquerda para a direita, encontramos José Serrano, Manuel Marques, desconhecido, Manuel Fialho, António Doce, Manuel Cavaco, José Arsénio, Joaquim Doce e desconhecido. Quanto aos dois jovens mais à frente, desconhece-se o da esquerda e o outro trata-se de Gaudêncio Fialho.
Vara de porcos com porqueiros (o porqueiro à direita era o Sr. António Anico) no Monte da Fareleira, Pedrógão. Monte pertencente à proprietária das Cortes de Baixo em Selmes, a Sra. D. Maria José Acabado Quintão Pereira. Possui inscrição no canto superior esquerdo da “J.M. Soares, Lisboa”. No canto inferior direito está inscrita a data de 1939.
Máquina que fazia trabalhar a debulhadora fixa (movida por juntas de bois para levá-la até esta última). Próximo dos bois vemos um homem segurando uma enorme vara de madeira que o auxiliava na orientação dos animais. Ao lado direito da máquina verificamos a presença de pelo menos dois homens. Monte das Cortes de Baixo, Selmes, década de 40.
Pesca no Guadiana. Grupo de 3 elementos masculinos em preparativos para a pesca junto ao rio Guadiana em Pedrógão do Alentejo, estando duas nassas à sua frente. Apresentam-se descalços, usam chapéu e são visíveis ainda dois cães no canto inferior direito.
Sapateiro em Pedrógão do Alentejo. Fotografia onde se vê uma criança, rapaz, e 3 homens, todos eles sentados e usando avental, à excepção do homem que se encontra mais à direita. Ao centro, entre eles, encontramos uma mesa ou bancada de sapateiro. Também ao centro, um dos homens segura um martelo parecendo destacar-se dos demais e aparentando ser ele o mestre sapateiro. Observa-se a presença de calçado e de formas de ferro.
Retrato de bebé do sexo feminino que se apresenta sentado num cadeirão de verga. Possui uma touca com laçarotes de lado, usa vestido com renda, meias e sandálias. Ao pescoço está visível um fio.
Lavagem de roupa em Pedrógão do Alentejo. Senhora debruçada sobre o alguidar onde lava a roupa. À sua frente vemos um balde e um outro alguidar.
Grupo Regional de Cantores Vidigueirenses – 1954 “A. Mourato – Moura”. Fotografia de grupo regional dos cantores de Vidigueira datada de 1954. Trata-se de um trabalho a preto e branco da autoria de A. Mourato executado em Moura. Na imagem podem ver-se 11 elementos do grupo coral dispostos como que em palco; 5 atrás, em pé, podendo ver-se, da esquerda para a direita, desconhecido, desconhecido, José dos Santos Casadinho Lula (“Ratado”), José "Abinha" e Francisco Gantes, conhecido por “Melão” e 6 à frente, sentados, tratando-se, da esquerda para a direita, de Francisco Doutor ("Tarrota", pai de Francisco Doutor Covas), Domingos Ramalho (“Papa Toucinho”), Jacinto Gantes, Lampreia de Gusmão, desconhecido e Domingos Garcia. Como fundo, cortina escura, tendo na parte central a bandeira do grupo com designação “Grupo Regional dos Cantores Vidigueirenses”.
Fotografia do Monte das Cortes de Baixo em Selmes. Ao fundo, próximo dos casões, podemos observar a presença de cerca de quatro pessoas, embora de forma pouco perceptível que permita identificá-las.
Juntas de bois alinhadas em Alcaria da Serra. São visíveis 6 homens na fotografia suportando varas de madeira com as quais orientavam os animais nos trabalhos do campo, nomeadamente, no lavrar das terras, serviço para o qual eram requisitados.
O presente livro de actas é composto maioritariamente por autos de vereação mas inclui também termos de depósito, autos de posse, termos de nomeação, autos de arrematação, autos de eleição, autos de vereação e acórdão, termos de pregão e termos de juramento. No canto superior esquerdo da capa consta colada uma antiga etiqueta onde vemos a seguinte informação: "N.º 20, Acórdãos de 1790 até 1796". Na própria capa, ao centro, encontramos ainda uma inscrição onde podemos ler “Acórdãos, 1790 até 1796”. No verso da primeira folha consta o termo de abertura, onde se pode ler que o livro haveria de servir para os acórdãos da vila da Vidigueira, estando numerado e rubricado com a rubrica que diz “Mira”, correspondente a Francisco José de Mira, que o redigiu e assinou em 5 de Março de 1790. Possui termo de encerramento na frente da folha 152 onde se lê, além da informação presente no termo de abertura, que o livro contém um total de 152 folhas. As folhas 19, 137, 138 e 139 encontram-se em branco, tal como sucede com a frente das folhas 5, 50, 126, 135, 140 e 147 e o verso das folhas 24, 36, 40, 49, 55, 73, 128 e 152. Mau estado de conservação apresentando sinais (galerias) de actividade bibliófaga, humidade e fungos, principalmente nas primeiras 30 folhas, ao longo do corte superior e dianteiro, não permitindo o visionamento da numeração e da rúbrica como é habitual no canto superior direito e dificultando, obviamente, a leitura do documento. A contracapa está rasgada e com muitos vincos de dobras.
O presente livro de actas é composto maioritariamente por autos de vereação mas inclui também termos de juramento, termos de depósito, autos de arrematação, auto de provisão/eleição, autos de posse, termos de pregão, termos de fiança, autos de nomeação, termo de desistência, cópia de alvará e cópia de provisões. No canto superior esquerdo da capa consta colada uma antiga etiqueta onde vemos a seguinte informação: "N.º 21, Acórdãos de 1796 até 1803". Na própria capa, ao centro, encontramos ainda uma inscrição onde podemos ler “Acórdãos desde 1796 até 1803”. Na frente da primeira folha encontramos o termo de abertura, datado de 14 de Março de 1795, onde se lê que o livro haveria de servir para os acórdãos da vila de Vidigueira, levando no fim encerramento em que se declara quantas folhas tem, estando todas numeradas e rubricadas com a rubrica do juiz de fora, José da Silva e Abreu, que redigiu e assinou o presente termo. A informação presente na folha 77 e frente da folha 78 encontra-se rasurada. O termo de encerramento, existente no verso da folha 298, além de possuir a mesma informação e data do termo de abertura, acrescenta que o livro possui um total de 298 folhas. Contudo, apenas contém inscrições até ao verso da folha 243, apresentando-se as restantes, até ao final, em branco, facto pelo qual não se apresentam aqui. Encontramos ainda em branco as folhas 127, 148 e 195, bem como, a frente das folhas 4, 12, 23, 24, 25, 29, 53, 67, 87, 98, 120, 135, 136, 143, 149, 166, 176, 180, 219, 230 e 298 e o verso das folhas 10, 14, 75, 80, 85, 96, 97, 109, 119, 121, 126, 134, 138, 142, 147, 174, 194 e 229. A última inscrição, no verso da folha 243, trata-se de um auto de vereação datado de 29-10-1807. Apresenta sinais de humidade e fungos, no canto superior direito, sensivelmente, nas primeiras 70 folhas.
O presente livro de actas é composto maioritariamente por autos de vereação mas inclui também autos de posse, autos de arrematação, termos de juramento, termos de depósito, cópia de registo de alvará, auto de vereação e acórdãos, termos de fiança, termos de obrigação e registo de carta régia. Na própria capa, ao centro, encontramos uma inscrição onde podemos ler “Acórdãos 1803 até 1809”. Na frente da primeira folha está presente o termo de abertura, datado de 12 de Junho de 1803, onde consta que o livro haveria de servir para os acórdãos da câmara, estando numerado, rubricado e levando no fim termo de encerramento, assinado por João Vilanova Vasconcelos Almeida que o redigiu. O termo de encerramento, presente no verso da folha 248, além da informação existente no termo de abertura, refere que o livro finda com 248 folhas mas logo abaixo está uma rectificação de que o mesmo possui 298 folhas. O termo de encerramento não está no final como seria suposto e refere um total de 298 folhas quando na realidade surgem actas após o mesmo, indo a numeração até à folha 317, última folha do livro. As folhas 54, 88, 170, 228 à 237, 285, 286, 316 e 317 estão em branco, tal como sucede com a frente das folhas 49, 55, 69, 80, 107, 132, 145, 152, 154, 167, 172, 238, 283, 289 e 298 e o verso das folhas 1, 59, 81,87, 100, 105, 113, 166, 202, 227, 273, 274, 278, 281, 301, 308, 313 e 315. Verificam-se alguns erros na numeração, nomeadamente, números omissos, passando por exemplo da folha 82 para a 84 e da folha 309 para a folha 311. Papel selado, ao centro do corte superior, onde se lê “20 reis – Cauza Pública”.
O presente livro de actas é composto maioritariamente por autos de vereação mas inclui também autos de arrematação, autos de posse, termos de fiança, termo obrigação e termo de depósito. Na própria capa, ao centro, encontramos uma inscrição onde podemos ler “Vereações 1809 até 1814”, existindo uma outra logo abaixo com informação repetida das datas extremas, “1809 até 1814”. Na frente da primeira folha do livro, no canto superior esquerdo, encontramos colada uma antiga etiqueta que contém a seguinte informação: “N.º 23, Acórdãos de 1809 até 1814”. Nesta mesma folha está presente o termo de abertura do livro, datado de 15 de Julho de 1809, onde constatamos que o livro haveria de servir para as vereações da câmara da vila da Vidigueira, estando numerado e rubricado com a rúbrica “Matoso”, usada pelo juiz de fora, Joaquim António Alho Matoso que redigiu e assinou o presente termo, adiantando ainda que leva termo de encerramento no final. O termo de encerramento consta no verso da folha 198 e indica-nos que o livro tem 198 folhas. Não possui contracapa. As folhas 91, 111, 135, 136, 137 e 197 encontram-se em branco, tal como sucede com a frente das folhas 9, 21, 25, 68, 88, 93, 98, 108, 113, 128, 138, 145, 147, 153, 170, 188 e 198 e o verso das folhas 1, 19, 28, 37, 41, 62, 71, 134, 146, 152, 168 e 187.
O presente livro de actas é composto maioritariamente por autos de vereação mas inclui também autos de posse, autos de arrematação, auto de eleição, termos de fiança, termo de juramento e termos de depósito. No canto superior esquerdo da capa consta colada uma antiga etiqueta onde vemos a seguinte informação: "N.º 24, Acórdãos de 1814 até 1818". Na própria capa, parcialmente coberta pela referida etiqueta, encontramos uma inscrição, mais uma vez, com referência a “Acórdãos 1814 até 1818”. Constam ainda várias inscrições na capa, pouco perceptíveis, que não conseguimos transcrever na íntegra. Na frente da primeira folha encontramos o termo de abertura, datado de 31 de Março de 1814, no qual se lê que o livro haveria de servir para as vereações do senado da vila da Vidigueira, indo numerado e rubricado com a rúbrica “Matoso”, usada pelo juiz de fora Joaquim António Alho Matoso que redigiu e assinou o presente termo, acrescentando que no fim leva encerramento. O dito encerramento, presente no verso da folha 200, além da informação que encontramos no termo de abertura, indica que o livro possui 200 folhas. Encontramos em branco as folhas número 56, 57, 74, 75, 92 à 99, 119, 164 e 173, tal como sucede também com a frente das folhas 27, 45, 47, 62, 72, 76, 83, 85, 90, 100, 109, 111, 114, 121, 128, 132, 142, 144, 157, 161, 174, 192 e 200, e o verso das folhas 1, 24, 26, 32, 46, 51, 53, 59, 63, 71, 73, 77, 84, 91, 108, 113, 115, 131, 143, 156, 172 e 191.
Fotografia de grupo de homens vidigueirenses. Em cima, da esquerda para a direita, vemos Carvalho, seguido de Praça de Almeida (exerceu a profissão de latoeiro e aferidor) e Augusto José Soares (chapeleiro e responsável pelas primeiras sessões de cinema realizadas na Vidigueira e arredores). Em baixo, da esquerda para a direita, vemos Joaquim da Rosa Bastos, desconhecendo-se a identidade dos restantes. Corresponde sensivelmente à década de 1930.
O presente livro de actas é composto na sua quase totalidade por termos de vereação mas inclui também termos de fiador, termos de arrematação, termos de pregão, termos de juramento, termos de posse, termos de nomeação, cópia de alvarás de nomeação, termos de depositário, termos de eleição, termos de obrigação e termos de notificação. No canto superior esquerdo da capa consta colada uma antiga etiqueta onde vemos a seguinte informação: "N.º 9, Acórdãos de 1736 até 1739". Inscrito na própria capa encontramos ainda a inscrição “Acórdãos 1736 até 1739” e, ao avesso, indicação de que o livro haveria de servir para os acórdãos do ano de 1736 e 1737. No termo de abertura lê-se que o livro haveria de servir para os acórdãos do senado da câmara da vila da Vidigueira no ano de 1736, sendo escrivão proprietário da mesma, Francisco Fragoso de Matos, estando todo rubricado pelo juiz que escreveu o presente termo com a rubrica Zarcos. O termo de encerramento, datado de 5 de Novembro de 1736, refere que o livro tem 100 folhas, incluindo a do encerramento, e vai numerado e rubricado pelo juiz Luís Martins Zarco que usa a rubrica Zarco e o assinou. A frente das folhas 44 e 100 encontram-se em branco, tal como sucede também com o verso das folhas 43 e 78.
Fotografia que apresenta dois homens sentados num banco de jardim envergando a farda da Banda da Vidigueira. Da esquerda para a direita podemos ver José Franco Antunes (era alfaiate) e António Franco Antunes (era chapeleiro na "Chapelaria Sport" de Augusto Soares). No verso encontramos inscrita a data “Em 20 de Junho de 1947” e uma assinatura sendo perceptível o apelido “Franco”.
Retrato de Manuel Libânio Lança Coxinho.
Mocidade Portuguesa junto à Escola Primária Vasco da Gama. O jovem que segue à frente faz-se acompanhar de um tambor. No verso encontramos inscrita a seguinte informação: “Vidigueira, Praça Vasco da Gama – Abril de 1941 – Centros da M.P. de Vila de Frades e Vidigueira. Podemos ver ainda um carimbo onde se lê: “Carrasco – R. Nova do Almada – Lisboa”.
Dentro do Tempo... Agenda Cultural e Desportiva n.º 15 - Fevereiro e Março de 2002: - Nota de abertura – António Mendonça, Presidente da Câmara Municipal de Vidigueira - Sumário / Ficha Técnica - Destaques: Carnaval 2002 / Programa Férias em Movimento (férias do Carnaval) / Novas classes de natação (aprendizagem), bebés e hidroginástica juvenil (Clube de Desportos Aquáticos de Vidigueira) - Actividades em Fevereiro: Futebol (campeonato distrital de juniores) C.F. Vasco da Gama-F.C. Serpa / Futebol (campeonato 2ª divisão distrital – seniores) G.D.C.F. Pedrógão-Barrancos / Cortejo de Carnaval / Desfile de fantasias de Carnaval / Futebol (campeonato distrital de escolas) C.F. Vasco da Gama-Despertar (B) / Andebol (2ª divisão nacional) Vasco da Gama- Estreito (Madeira) / Tourada à alentejana; baile (Pedrógão) / Futebol (campeonato distrital do Inatel) Vilafradense-Póvoa de S. Miguel / Desfile de Carnaval (corso carnavalesco; espectáculo musical com duo “Part-Time”) / Baile de máscaras (conjunto musical de “Carlos Coelho”; artista Luís Portela e suas bailarinas; surpresas; entrega de prémios) / Futebol (campeonato distrital de juniores) C.F. Vasco da Gama-Aldenovense / Futebol (campeonato distrital da 1ª divisão de seniores) C.F. Vasco da Gama-Guadiana (Mértola) / Futebol (campeonato distrital do Inatel) Vilafradense-Louredense / Futebol (campeonato distrital de iniciados) C.F. Vasco da Gama-S. Domingos / Montaria aos javalis / - Actividades em Março: Futebol (campeonato 2ª divisão distrital - seniores) G.D.C.F. Pedrógão-Centro Cultura e Desporto / Comemorações do Dia Internacional da Mulher (encontro do executivo autárquico com as mulheres do concelho; distribuição de flores; exposição temática “Violência Doméstica”; debate sobre “Depressão”; Noite de Fados; passeio Rota do Fresco; encontro de mulheres do concelho com lanche convívio e animação musical) / Futebol (campeonato distrital do Inatel) Vilafradense-Trigaches / Futebol (campeonato distrital da 1ª divisão - seniores) C.F. Vasco da Gama-Cabeça Gorda / Futebol (campeonato 2ª divisão distrital - seniores) G.D.C.F. Pedrógão-V.N. Baronia / Comemorações do Dia da Árvore – plantação de árvores e lanche convívio / Futebol (campeonato distrital de escolas) C.F. Vasco da Gama-Aldenovense / Futebol (campeonato distrital do Inatel) Vilafradense-Quintos / Futebol (campeonato distrital da 1ª divisão - seniores) C.F. Vasco da Gama-Entradense / Câmara Municipal de Vidigueira presente na 19ª Ovibeja - Suplemento n.º 14 – Património Natural e Construído do Concelho de Vidigueira: Castelo / Galinha d`Água / Cipreste - Cinema - Ambiente: Nunca é demais recordar – Política dos 3 R`s (Reduzir, Reutilizar, Reciclar) - Passatempos - Telefones Úteis - Música - Gastronomia no Alentejo (receitas): Ensopado de borrego; Filhós - Poesia Popular – “Desejava ser poeta” (Justino Fialho) - Calendário - Vamos Recordar – fotografia de equipa de futebol
O presente livro de actas é composto na sua quase totalidade por termos de vereação mas inclui também termos de nomeação, acórdãos, cópia de provisões, termos de arrematação, termos de pregão, mandados, termos de posse, termos de fiador e/ou fiança, termos de juramento, termos de lanços, termos de obrigação, inventário e cópia de alvará. Inscrita na própria capa, ao centro, encontramos a inscrição “Acórdãos 1741 até ao mesmo ano”. É visível, embora muito timidamente, uma outra inscrição que por esse motivo não conseguimos identificar e mencionar. A primeira folha, onde consta o termo de abertura, encontra-se rasgada. No referido termo, datado de 8 de Agosto de 1741, podemos ler que o livro haveria de servir para os acórdãos das vereações na câmara da vila da Vidigueira, estando numerado e rubricado pelo juiz, Caetano de Fonseca de Melo que também a assina, com a rubrica de “Mello”. No verso da folha 96, está presente o termo de encerramento que contém a mesma informação presente no termo de abertura, acrescida do número total de 96 folhas que o livro possui. A folha 37 encontra-se em branco, bem como, a frente da folha 28 e o verso das folhas 51, 78 e 80.
"Notícias da Vidigueira" (n.º 28) do mês de Janeiro e Fevereiro de 2000. Possui os seguintes artigos: - Editorial – Só Milhões - Inaugurações em Selmes – Selmes inaugura novo Centro de Dia e sede da Junta de Freguesia, uma excelente prenda de Natal - “Se as coisas aparecem feitas é porque alguém as faz ou manda fazer” – Entrevista com o presidente da Junta de Freguesia de Selmes - Comemorações do Dia Internacional da Mulher (5º Encontro de Mulheres) - Bolsas de estudo - Associações de Selmes: Mirante (Associação Juvenil Cultural Ambiental e Desportiva de Selmes) - Órgãos Sociais; Associação de Caçadores de Selmes – Órgãos Sociais - FAIA – Fundo de Apoio ao Investimento no Alentejo - Vitifrades /99 (festa do vinho da talha) – colóquios técnicos, actividades desportivas e recreativas, animação musical com destaque para a fadista Maria da Fé - Vidigueira participou na ExpoAlentejo (Exposição Agro-Alimentar e Feira do Turismo e do Artesanato, em Beja) - Semana Gastronómica do Porco - Lista dos pedidos de cedência de transporte (com motorista) da C.M.V. referente ao 2º semestre de 1999 - Transferências de verbas e atribuição de subsídios pela C.M.V. em 1999 - Lista dos novos candidatos admitidos a bolseiros para o ano lectivo de 1999/2000 - Bolseiros a quem foram renovadas as bolsas de estudo no ano lectivo de 1999/2000 - Alunos que terminaram os cursos - Biblioteca Municipal / Calouste Gulbenkian – Estatística de leitores e utilizadores - Câmara premeia melhores alunos do concelho - Crianças e idosos do concelho festejam o Natal / Jantar de Natal dos funcionários da C.M.V. - Cantar os Reis: “Os Vindimadores” e “Os Amigos da Vidigueira” - Exposição de presépios, fotografias e artesanato - Informação Municipal – “Terras de Pão, Gentes de Paz” – Rádio Vidigueira - A Fauna no concelho de Vidigueira – Grou (por Manuel Carvalho) - Ditados Populares - “Conquista” – Poesia do Dr. José A. Palma Caetano - “Gaste água como se fosse ouro” - Resumo das deliberações da Câmara Municipal de Novembro e Dezembro - C.M.V. – Edital – Calendarização, local, periodicidade e horário das reuniões de câmara para o ano 2000 - C.M.V. – Edital – Taxa da Contribuição Autárquica sobre o valor patrimonial dos prédios urbanos - Assembleia Municipal – Edital – Torna públicas as deliberações da reunião ordinária de 20 de Dezembro de 1999 - Conselho Municipal de Segurança de Vidigueira - Obras Municipais em curso: casa mortuária de Vila de Frades; reparação de caminhos agrícolas (estrada de Santa Clara) - Aterro sanitário está já em funcionamento - Iluminação pública - Câmara adquiriu novo equipamento – Corta-Relva Automotriz
Grupo de pessoas pertencentes à Legião Portuguesa em frente à respectiva sede, situada no Largo D. Violante. O doador reconhece a pessoa em destaque, tratando-se mais especificamente do Capitão Rosa (que fez campanhas militares em África). Cedida pelo Sr. José Augusto Barradas ao Museu Municipal de Vidigueira.
O presente livro contempla o registo das deliberações da Câmara Municipal de Vidigueira sobre os mais variados assuntos de interesse municipal no ano de 1997, sendo então presidente da edilidade, Carlos Jorge Labego Goes.
No verso encontramos inscrita a seguinte informação: “Exposição do Mundo Português, Lisboa, 1940 – Pavilhões da Vida Popular. Ao fundo, à esquerda, Padrão dos Descobrimentos”. «A Exposição do Mundo Português merece ser considerada uma das grandes iniciativas político-culturais do Estado Novo, em razão dos meios empregues e do significado ideológico que lhe estava subjacente. Decorreu em 1940, no contexto de uma dupla comemoração: oito séculos depois de 1140, data entendida como a da independência nacional, e três séculos passados sobre a Restauração. (…). A Exposição teve lugar na zona lisboeta de Belém, junto ao Rio Tejo. O certame era composto por secções de História, Etnografia e do Mundo Colonial. Entre os inúmeros pavilhões destacavam-se os seguintes: da Honra e de Lisboa (Cristino da Silva), da Fundação, Formação e Conquista, da Independência, dos Descobrimentos (Pardal Monteiro), da Colonização, dos Portugueses no Mundo (Cottinelli Telmo) e ligada a este o pavilhão de Portugal de 1940 dirigido por António Ferro; de Etnografia Metropolitana com a Reconstrução das Aldeias Portuguesas (Segurado), da Vida Popular (Veloso Reis), o colonial com a reprodução da vida ultramarina e o Pavilhão do Brasil do teorizador da Casa Portuguesa (Raul Lino), que parecia refletir o "glorioso prolongamento da nossa civilização atlântica". Do conjunto surgia a imagem de Portugal como cabeça de um majestoso império e dono de um passado de glórias invulgares. Junto da Torre de Belém foi montada uma caravela, da responsabilidade de Leitão de Barros e Martins Barata, e o "Padrão dos Descobrimentos" que, de uma forma simbólica encerravam a exposição. A direção e planificação dos trabalhos foi entregue a Cottinelli Telmo (1897-1948), um artista multifacetado, conhecido, sobretudo, pela sua obra arquitetónica. Nesta grandiosa realização cosmopolita trabalhou a maioria dos artistas modernistas (12 arquitetos, 19 escultores e 43 pintores), com a exceção de Soares, Eloy, Cassiano Branco e Keil do Amaral, numa época em que Portugal parecia alheado do resto da Europa a viver o horror da guerra. Aliás, esse era um dos objetivos do evento: demonstrar a eficácia governativa do regime, capaz de manter Portugal longe dos problemas mundiais devastadores, numa aparente atmosfera de progresso e de prosperidade». in Língua Portuguesa com Acordo Ortográfico [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2015. [consult. 2015-06-08 09:48:42]. Disponível na Internet: http://www.infopedia.pt/$exposicao-do-mundo-portugues
O presente livro contempla o registo das deliberações da Câmara Municipal de Vidigueira sobre os mais variados assuntos de interesse municipal. “Este livro ha de servir para nele se lavrarem as actas das sessões da Câmara Municipal do concelho de Vidigueira. Vai numerado e rubricado em todas as suas folhas com a rubrica “José C Guerreiro” que uso e leva no fim termo de encerramento. Vidigueira e secretaria da Câmara Municipal aos 21 de Abril de 1928. O Presidente da Comissão Administrativa, José Mendes Carvalho Guerreiro”
Fotografia do avião bombardeiro nazi da 2ª Guerra Mundial que aterrou de emergência na zona de Santa Marta (Moura) em 1941. Através do link http://pt.scribd.com/doc/109626673/Historias-de-avioes-da-II-Guerra-Mundial-no-Baixo-Alentejo, podia ler-se no dia 21-5-2014 a seguinte informação: “Portugal manteve-se neutro na Segunda Guerra Mundial mas a população contactou de perto com algumas incidências do conflito. Em 1941, um bombardeiro alemão despenhou-se em Amareleja, outro aterrou de emergência nos arredores de Moura; no ano seguinte, um avião inglês foi obrigado a aterrar perto de Serpa (...)”.
António Ragageles, militar durante a Guerra do Ultramar, em Moçambique, ostentando um pequeno macaco ao ombro junto à tenda.
Abastecimento de água a Vila de Frades – Fontanário.
Fotografia de homem sentado no burro com duas crianças, uma à sua frente e outra atrás, numa rua em Pedrógão do Alentejo. Pendurada do burro, vemos uma nassa.
Fotografia de irmãos, uma jovem menina com casal de crianças. A jovem menina apresenta-se de pé, atrás do casal de crianças que se encontra sentado, cada qual em sua pequena cadeira de madeira. Trata-se de Ana Palma (Carvalho) e dos irmãos gémeos Fernando Palma e Francisca Palma.
"Notícias da Vidigueira" (n.º 9), edição especial, datado de 20 de Abril de 1996. Possui os seguintes artigos: - Dia grande (22ª comemoração da Revolução dos Cravos; inauguração das piscinas municipais) - Toda a população do concelho é convidada (inauguração das piscinas municipais) - Piscinas municipais da Vidigueira – Utilização automática de bagaço de azeitona e energia solar no aquecimento do ambiente, água das piscinas e águas sanitárias - “Os Cágados são livres, não os leves para casa” - ICN - Destaque fotográfico para piscina coberta e campos de ténis - Comemorações do 25 de Abril – Programa
Alunos da Escola Primária de Vidigueira (onde consta Armando Gomes Figueiredo, pai da D. Céu Figueiredo). No lado direito da fotografia encontramos inscrita a seguinte informação: “Campos e Pires Photographos”.
Fotografia tirada no Monte dos Juns (monte próximo de Santana, Portel). Destaca-se o enorme empilhamento das pranchas de cortiça. Este procedimento, que é realizado após o descortiçamento, permite assim a secagem da cortiça ao ar para que esta perca a humidade. Estão presentes dois homens, um que se encontra no chão a selecionar as pranchas e um outro em cima da pilha a acondicioná-las. Um monte sobressai altaneiro à direita deste registo fotográfico. Remonta à década de 1940 ou 1950.
Vista parcial da Vidigueira, captada da Torre de Menagem, tendo como ponto ou foco principal, a Torre do Relógio.
Grupo de amigos, podendo ver-se, em cima ao centro, Teresa Espada, em convívio durante o carnaval junto ao rio em Pedrógão do Alentejo.
Neste registo fotográfico sobressai a debulhadora mecânica fixa e as medas de palha (montes ou aglomerados de palha) e cereal a debulhar. Estão presentes várias pessoas junto à máquina destacando-se duas delas em cima da mesma. À direita podemos ver a máquina que fazia trabalhar a debulhadora fixa, em destaque no registo ou documento 8 (B-000008) desta secção das “Artes e Ofícios”. Terá sido captada no Monte das Cortes de Baixo, em Selmes, na década de 1940 ou 1950.
Convívio entre grupo de amigos, homens, junto ao portal da ermida de Sta. Clara. Posam para a fotografia com um tacho e vários garrafões de vinho, remetendo assim para um piquenique ou petisco que fizeram ou iam fazer.
Neste registo fotográfico, captado num olival, podemos ver quatro mulheres e um homem junto à oliveira mais próxima, onde surgem encostadas 5 escadas de madeira. O homem encontra-se no solo, segurando uma vara entre as mãos, que utilizaria para varejar a azeitona (batendo nos ramos ou pernadas por forma a que as azeitonas caíssem para os panos dispostos em redor do tronco da árvore). Duas das mulheres, presentes na fotografia, estão no chão manuseando os panos, enquanto as outras duas estão em cima das escadas ripando a azeitona (percorrendo os ramos da oliveira com as mãos, retirando dessa forma as azeitonas). É visível, do lado direito, um saco de serapilheira, usado para o transporte da azeitona.
"Notícias da Vidigueira" (n.º 6) do mês de Julho a Setembro de 1995. Possui os seguintes artigos: - Que ninguém decida por mim - Complexo de piscinas de Vidigueira quase pronto – Mais de 300 crianças já tiveram aulas de natação - Alqueva: e depois do descongelar do sonho? - Dia 1 de Outubro, Eleições Legislativas – Votar é preciso - O voto jovem marca o futuro - Vasco da Gama dá sentido a geminação alentejana - Novo formato, novo cabeçalho - Eleição da Assembleia da República – Locais e horários de funcionamento das secções de voto - Abertura turística do concelho e apoio a iniciativas empresariais – dois grandes objectivos imediatos do GAMA - Com a mira no desenvolvimento – GAMA renova-se e prepara-se para agir - A Gente que Somos: A Época Visigótica; Padre Gabriel de Matos; A Nossa Senhora d`Aires - Curiosidades da região – Águia-Cobreira - Férias Desportivas/95 – Novas modalidades, novos amigos - Concelho limpo - Idosos foram a Nisa e crianças a Sines - Cultura e Ambiente fizeram o Verão das crianças da Vidigueira - Cedência de transportes - Reformados, pensionistas e idosos já têm a sua associação - Destaque fotográfico para: Urbanização dos Quintalões; alargamento do cemitério de Marmelar e construção de gavetões; reparação da E.M.519-Vidigueira-Alcaria da Serra-Marmelar - Resumo das deliberações de Câmara – Julho e Agosto/95 - Ruas sim, Estrada não - Alentejo: 22 PDM ratificados - Vamos ter mais água, as obras já começaram - Apelo à poupança de água
Fotografia que nos mostra em destaque e dominando o cenário, medas de palha (montes de palha). São visíveis quatro pessoas. Um homem e uma criança, que se encontram mais próximos e, um pouco mais afastados, à esquerda, estão dois homens, um deles envergando presa pela cabeça uma saca de serapilheira que o protegia no transporte dos fardos de palha, feito a ombro, depois destes estarem presos e envoltos com arame. Captada na freguesia de Pedrógão do Alentejo.
Parada da Legião Portuguesa em frente à sede situada no Largo D. Violante, antiga e posterior sede do Partido Comunista, em Vidigueira. Do lado esquerdo pode ver-se a Banda. Cedida pelo Sr. José Augusto Barradas ao Museu Municipal de Vidigueira.
O presente livro de actas é composto na sua quase totalidade por autos de vereação mas inclui também termos de fiador, autos de arrematação, termos de nomeação e autos de posse. No canto superior esquerdo da capa encontramos uma inscrição pouco visível e perceptível mas que, após visionamento do termo de abertura, nos permite avançar que refere livro das testemunhas e coimas de Vila de Frades. Ao centro da capa, vemos apenso um cordel ou atilho em couro que permitia atar e fechar o livro ligando a atilho similar que existiria também na segunda orelha da contracapa. Possui termo de abertura na frente da primeira folha, no qual consta que o presente livro haveria de servir para nele se escreverem os depoimentos das testemunhas dadas nas coimas da câmara de Vila de Frades. Foi redigido em 4 de Novembro de 1817, em Vila de Frades, e tem indicação que está numerado e rubricado com a rúbrica Matoso, usada pelo juiz de fora, Joaquim António Alho Matoso que o redigiu e assinou. Após o final do termo mas antes da assinatura foi colocada uma ressalva que refere que o livro haveria de servir para os autos de vereações. Os autos de vereação de 25 de Setembro de 1820 e de 3 de Outubro de 1820 encontram-se inutilizados com vários riscos, estando presente no início dos ditos termos a seguinte informação: “Aprovado na forma de portaria de 21 de Agosto de 1823”. No verso da folha número 100 podemos ver o termo de encerramento que, além da informação presente e já indicada no termo de abertura, acrescenta que o livro possui um total de 100 folhas. Abaixo do termo de encerramento está presente um assento ou termo, datado de 12 de Abril de 1818, assinado pelo escrivão Elias Fragoso de Matos, referente ao pagamento do selo do livro. Apresenta manchas provocadas pela humidade, maioritariamente ao longo do corte dianteiro e corte superior do livro. A frente das folhas números 36, 59, 84, 89, 97 e 100 encontra-se em branco, tal como sucede com o verso das folhas números 1, 35, 58, 88, 96 e 99.
Agenda Cultural e Desportiva n.º 19 - Dezembro de 2002: - Mensagem de Natal – Dr. António Rodrigues Mendonça, Presidente da Câmara Municipal de Vidigueira - Votos de Boas Festas e Bom Ano Novo - Sumário / Em destaque… “Vitifrades – 5ªs Festas Báquicas 2002”; “Canto de Natal” (Coral Trítono; Coral Os Amigos da Vidigueira; Banda Filarmónica dos Bombeiros Voluntários de Vidigueira; Coral Vozes da Vidigueira; Coral Os Vindimadores de Vidigueira) - Programa de Dezembro: Inauguração das iluminações de Natal / Festas de Natal com os alunos do Jardim de Infância e 1º ciclo / Concerto de Natal (Grupo Polifónico Vozes de Vidigueira; Banda Filarmónica dos Bombeiros Voluntários de Vidigueira; Grupo Ado-que de Selmes) / Almoço de Natal dos funcionários da Câmara Municipal de Vidigueira / Festas de Natal dos Centros de Dia do Concelho / Convívio de Natal com os reformados / Vitifrades – inauguração; apresentação dos vinhos monovarietais; Coral Polifónico “Vozes da Vidigueira”; espectáculo com “Groove” e “Adiafa”; manhã desportiva BTT, TT e passeio equestre; 3º Encontro de Bandas Filarmónicas; maratona fotográfica; prova de vinhos e produtos regionais; noite de fados; 7º Raid alentejano de orientação; colóquio “A Comercialização de Vinhos em Portugal”; rota das adegas por Vila de Frades com animação musical (Tuna dos antigos alunos do Liceu Nacional de Évora; Grupo Coral Os Amigos do Barreiro; Grupo Coral “Vozes do Alentejo” de Vila de Frades; Tuna Académica Mastigamatuna) - Desporto: Futebol (campeonato distrital da 1ª divisão) C.F. Vasco da Gama Vs F.C. Castrense; Futebol (campeonato distrital Inatel) G.D. Vilafradense Vs Santo Amadorense; Passeio de BTT “Rota das Adegas”; 7º Raid alentejano de orientação Alvito vs Vila de Frades; Futebol 5 (campeonato distrital) Mirante vs Moura; Futebol (campeonato distrital 2ª divisão) C.D.F.C. Pedrógão vs A.C. Brinches; Futebol (campeonato distrital da 1ª divisão) C.F. Vasco da Gama Vs Almodovarense; Futebol (campeonato distrital Inatel) G.D. Vilafradense Vs Póvoa de S. Miguel; Futebol (campeonato nacional iniciados) C.F. Vasco da Gama Vs Portimonense; Futebol (campeonato distrital infantis) C.F. Vasco da Gama Vs Piense S. C.; Futebol (campeonato distrital júniores) C.F. Vasco da Gama Vs S. C.Cuba - Os Nossos Artistas… Manuel Carvalho - Publicações – Livros… “O Artesão do Efémero” de Pedro Ferro - Sugestões de Natal – Músicas - Sugestões de Natal – Livros - Sugestões de Natal – Filmes - Sugestões de Natal – Jogos - Ceia de Natal – Bacalhau cozido com couves / Perú recheado / Rabanadas douradas - Semana gastronómica do porco - Clubes e Associações - Grupo Coral “Vozes da Vidigueira” - Portugal no seu melhor / Ficha Técnica / Calendário Dezembro / Provérbios - Os Nossos Poetas… Francisco Carlos Bentes - Cinema
João Manuel Pulido junto ao rio Avon, na cidade de Warwick, capital do condado de Warwickshire, no Reino Unido, tendo como cenário, o castelo medieval de Warwick. No verso encontra-se inscrita a seguinte informação “Warwick 28-3-1976”.