Type

Data source

Date

Thumbnail

Search results

326,444 records were found.

Peça desenhada : alçado : fachada de edifício, zona de intervenção de Vila Nova de Gaia/Santo Ovídeo.
Memória descritiva. Faria parte de um anteprojecto?
Peça desenhada : alçado e fachada lateral de edifício, zona de intervenção de Vila Nova de Gaia/Santo Ovídeo.
Auto de medição, zona de intervenção do Campo Alegre. Contém auto de medição, nota de serviço.
Peça desenhada : planta de indicação e localização, zona de intervenção de Vila Nova de Gaia/Santo Ovídeo. Escala 1/1000.
Trata-se de uma factura de pagamento ao empreiteiro, ou seja, o dono paga ao empreiteiro segundo os valores e processos de pagamento acordados na adjudicação (caderno de encargos). O pagamento é dividido em fatias do total. O auto de medição é passado mediante a factura apresentada pelo empreiteiro sobre uma ou mais fatias específicas. Antes de se realizar o pagamento o arquitecto ou fiscal tem de confirmar se o trabalho específico na factura foi efectivamente realizado de acordo com o caderno de encargos.
Peça desenhada : zona degradada a recuperar, zona de intervenção de Vila Nova de Gaia/Santo Ovídeo. Escala 1/100.
Correspondência enviada - informação dos serviços administrativos do SAAL Norte às brigadas técnicas e outros destinatários.
Correspondência enviada - informações dos serviços administrativos do SAAL Norte às brigadas técnicas e outros destinatários.
Os relatórios eram feitos mensalmente e referiam os trabalhos desenvolvidos pelas Brigadas Técnicas e as suas relações com as Organização de Moradores, o programa de actividades a desenvolver e as necessidades de serviços ou pessoal. Relatava a experiência da Brigada em questão podendo-se, desta maneira, avaliar o processo em curso e daí retirar as respectivas ilações.
Correspondência enviada dos serviços administrativos do SAAL Norte às brigadas técnicas e outros destinatários.
Correspondência enviada dos serviços administrativos do SAAL Norte às brigadas técnicas e outros destinatários.
Peça desenhada : alçados e perfis, zona de intervenção de Massarelos.
Peça desenhada : planta de interior : T3 B, zona de intervenção de Massarelos. Escala 1/50.
Peça desenhada : planta de interior de habitações, zona de intervenção de Massarelos.
Peça desenhada : planta de interior de habitações, zona de intervenção de Massarelos.
Contém publicações periódicas de várias zonas de intervenção e documentos relativos a aspectos a ter em conta na realização de um jornal de bairro.
Trata-se de uma factura de pagamento ao empreiteiro, ou seja, o dono paga ao empreiteiro segundo os valores e processos de pagamento acordados na adjudicação (caderno de encargos). O pagamento é dividido em fatias do total. O auto de medição é passado mediante a factura apresentada pelo empreiteiro sobre uma ou mais fatias específicas. Antes de se realizar o pagamento o arquitecto ou fiscal tem de confirmar se o trabalho específico na factura foi efectivamente realizado de acordo com o caderno de encargos.
Contém recortes de imprensa de jornais nacionais.
Autos de medições dos trabalhos da zona de intervenção de Massarelos.
Contém recortes de imprensa de jornais nacionais.
Os periódicos a que se refere esta série são os periódicos de bairro produzidos das diferentes zonas de intervenção do SAAL. Trata-se na maior parte dos casos, de edições artesanais com número limitadíssimo de exemplares. Estas publicações periódicas dão-nos a conhecer determinadas realidades vividas na época, tais como críticas ao sistema, reivindicações e sugestões bem como o estado e andamento das operações SAAL. Os recortes de imprensa, que obedecem a um propósito funcional de gerir informação, são extraídos de imprensa local e nacional.
Peça desenhada : cortes de interior de edifícios, zona de intervenção de Massarelos.
Contém publicações periódicas de imprensa de bairro.
Peça desenhada : corte interior de habitação, zona de intervenção de Massarelos.
Contém publicações periódicas de imprensa de bairro.
Planta de projecto pertencente ao processo de Declaração de Utilidade Pública da operação Massarelos. Desenho M4. Escala 1/2000.
Pasta com recortes de imprensa retirados de periódicos nacionais.
Planta de Zona Degradada da operação de Massarelos. Planta M. Escala 1/2000.
Correspondência sobre assuntos vários. Convocatórias, comunicados, folhas volantes, propostas e circulares.
Série constituida por fichas tipo de inquérito dirigidas ao agregado familiar. Incidiam em cada bairro ou ilha objecto de intervenção do SAAL. Estes inquéritos faziam parte de um processo obrigatório feito pelas brigadas técnicas. Podia integrar-se nos DUO. A análise destes inquéritos reflectem as condições socio-económicas das familias alvo.
Contém fichas de inquéritos dirigidas aos moradores, apontamentos manuscritos da relação de inquilinos, preços do aluguer e outros apontamentos.
Este processo contém ficha com elementos de identificação e ficha de inscrição para admissão de pessoal ao Fundo de Fomento da Habitação do funcionário Joaquim de Azevedo Figueira.
Peça desenhada : plantas, cortes e alçados, zona de intervenção de Vila Nova de Gaia/Santo Ovídeo. Escala 1/100.
Peça desenhada : alçado e fachada lateral de edifício, zona de intervenção de Vila Nova de Gaia/Santo Ovídeo.
Estruturas, betão armado, plantas, corte, alçado.
Peça desenhada : planta geral : zona de expansão, zona de intervenção de Vila Nova de Gaia/Santo Ovídio. Escala 1/100.
Hoje em dia também designado por "projecto prévio". Aprovado o processo de Declaração de Utilidade Pública pelo Secretário do SAAL Norte e depois de marcada uma reunião com a Comissão ou Associação de Moradores e a Brigada Técnica era estabelecido um prazo para a elaboração do anteprojecto que se destinava a ser entregue na respectiva Câmara Municipal para aferição e aprovação. Continha os seguintes documentos: Peças desenhadas e outros elementos gráficos que explicitem a planimetria e altimetria das diferentes partes componentes da obra e fixem com rigor o seu dimensionamento, onde deveria ser mostrada a viabilidade de realização de todos as infra-estruturas urbanísticas. Peças escritas que descrevem e justificam as soluções adoptadas. Descrição dos sistemas e dos processos de construção previstos para a execução da obra e das características técnicas e funcionais dos materiais, elementos de construção e equipamento e estimativa do custo da obra.
Correspondência emitida/recebida pelo Fundo de Fomento da Habitação, Direcção de Habitação do Norte e Câmara Municipais.
Planta com as parcelas degradadas da 2ª fase pertencente ao processo de Declaração de Zona Degradada da zona de intervenção de Chaves de Oliveira, S. Roque/Porto.
Correspondência relativa à Associação de Moradores da ala contínua do Viso.
Planta com plano de expropriação referente à zona de intervenção de Chaves de Oliveira. Desenho nº5. Escala 1/500.
Conjuntos de documentos heterogéneos de carácter geral, insuficientemente relevantes para se incluirem nos processos anteriores.
Plano do plano de expropriação, 2ª fase da zona de intervenção de Cheves de Oliveira. Contém os limites do terreno a expropriar e o terreno expropriado na 1ª fase. Escala 1/1000.
Plano de expropriação : 2ª fase, zona de intervenção de Chaves de Oliveira. Escala 1/500.
Contém proposta de formação de brigada, processo de expropriação, parecer, correspondência, facturas mensais de honorários, relatórios mensais, contrato de brigada, peças desenhadas : planta topográfica, planta cadastral, planta de expropriação, planta de localização da operação, planta de zona degradada a recuperar, plantas cortes e alçados, planta geral de Vila Nova de Gaia.
Para se iniciar qualquer tipo de construção abrangida pelo processo SAAL era fundamental a organização do processo de Declaração de Utilidade Pública (DUP). Este processo destinava-se a formalizar a superfície necessária para a realização da operação de recuperação e/ou construção. Os documentos constituintes são: Uma memória descritiva e justificativa da operação onde se descreve a situação encontrada no terreno. A justificação das áreas necessárias. A planta de localização das zonas a expropriar que se destinava a localizar a operação em relação ao envolvente com indicação da freguesia, concelho e distrito. Uma planta cadastral que continha a indicação dos diversos talhões em que estava dividida a propriedade. Oo processos de DUP deviam ser entregues à Comissão Coordenadora do SAAL Norte, à Associação de Moradores, à Câmara Municipal e ao Fundo de Fomento da Habitação.
Peça desenhada : planta de habitações pré-fabricadas, zona de intervenção de Chaves de Oliveira. Escala 1/100.
Peça escrita da zona de intervenção de Matosinhos/Leça da Palmeira. Tipologias: correspondência da Brigada Técnica, comunicados, circulares, convocatória, folha informativa, proposta, moção.
Peça desenhada da zona de intervenção de Chaves de Oliveira. Fossa séptica, betão armado, cortes. Escala 1/20.
Correspondência recebida e expedida relativa à gestão de pessoal e afectos ao SAAL.
Peça desenhada da zona de intervenção de Chaves de Oliveira : fossa séptica (3 compartimentos) planta e cortes. Escala 1/20.
Correspondência recebida e expedida relativa à colocação do funcionários do SAAL. Mapas de pessoal.
Processo de construção da zona de intervenção de Massarelos. Contém peças escritas e peças desenhadas.
Plano de urbanização de Massarelos. Contém memória descritiva, plantas, projecto de construção.
Associação de Moradores de Massarelos - projecto de construção. Contém proposta, programa de concurso, caderno de encargos, projecto de infraestruturas, drenagem de águas fluviais, memórias descritiva e justificativa, saneamentos: planta saneamento, perfil longitudinal, câmara de visita.
Cabe à Câmara Municipal aprovar os projectos de construção ou de remodelação de habitações elaboradas pelas cooperativas de habitação económicas ou pelas associações de moradores. Os elementos constituintes dos projectos de construção são: as peças escritas (memória descritiva e justificativa, o caderno de encargos, as medições e orçamentos) e as peças desenhadas (implantação, alçados, perfis, pormenores). Estes elementos do projecto podem não corresponder a uma só fase mas abranger fases sucessivas. O projecto de construção também se denomina de projecto de execução.
Notas de serviço, autos de medição da zona de intervenção de Massarelos.
Este processo contém ficha com elementos de identificação e ficha de inscrição para admissão de pessoal ao Fundo de Fomento da Habitação do funcionário António Cândido de Sousa Fernandes e outros dodumentos relativos à sua admissão.
Este processo contém ficha com elementos de identificação do funcionário e ficha de inscrição para admissão de pessoal ao Fundo de Fomento da Habitação.
Este processo contém ficha com elementos de identificação do funcionário e ficha de inscrição para admissão de pessoal ao Fundo de Fomento da Habitação relativo ao funcionário Francisco da Silva Cascais e outros documentos relativos à sua admissão.
Este processo contém ficha com elementos de identificação de funcionário e ficha de inscrição para admissão ao Fundo de Fomento da Habitação do funcionário Carlos Trindade Abrantes Almeida.
Este processo contém a ficha com elementos de identificação do funcionário e ficha de inscrição para admissão de pessoal ao Fundo de Fomento da Habitação, relativo ao funcionário Rui Manuel Trindade Brás Afonso e outros documentos relativos à sua admissão.
Peça desenhada da zona de intervenção de Maceda/Acácio. Planta de implantação / localização. Escala 1/100. Desenho nº2.
Este processo contém a ficha com elementos de identificação do funcionário e ficha de inscrição para admissão de pessoal ao Fundo de Fomento da Habitação, relativo ao funcionário Ramiro Teixeira e outros documentos relativos à sua admissão.
Este processo contém ficha com elementos de identificação de funcionário e ficha de inscrição para admissão de pessoal ao Fundo de Fomento da Habitação, relativo ao funcionário de nome Carlos Alberto do Espírito Santo Delfim.
Planta com localização do Bairro do Acácio. Escala 1/2000.
Este processo contém ficha com elementos de identificação do funcionário e ficha de inscrição para admissão de pessoal ao Fundo de Fomento da Habitação, relativo ao funcionário de nome António Luís Fernandes de Cerveira Pinto. Contém também outros documentos relativos à sua admissão.
Planta de implantação : localização da zona de intervenção do Bairro de Maceda/Acácio. Planta nº1. Escala 1/2000.
Processo individual do funcionário de nome Carlos Alberto Esteves Guimarães com declaração.
Este processo contém ficha com elementos de identificação de funcionário e ficha de inscrição para admissão de pessoal no Fundo de Fomento da Habitação, relativo ao funcionário Fernando Valentim Pinto da Cruz Parati. Contém também outros documentos relativos à sua admissão.
Fazem parte desta série _ peças desenhadas _ todo o tipo de desenhos que o arquitecto cria e que não fazem directamente parte dos projectos de arquitectura das habitações a construir, ou seja, que não apresentam associação a qualquer processo.
Correspondência.
Correspondência - SAAL Norte/Porto.
Correspondência da Associação de Moradores de S. Pedro da Marinha/Espinho.
Planta de Declaração de Zona Degradada da operação SAAL do Bairro de Vilar. Escala 1/500.
Correspondência.
Correspondência relativa à Associação de Moradores e Brigada Técnica de Carcavelos e Boavista, referente a obras de emergência.
Planta de zonamento da zona de Vilar pertencente ao processo de Declaração de Utilidade Pública. Planta nº5A. Escala 1/500.
Fazem parte desta série _ peças desenhadas _ todo o tipo de desenhos que o arquitecto cria e que não fazem directamente parte dos projectos de arquitectura das habitações a construir, ou seja, que não apresentam associação a qualquer processo.
Planta com esquemas de ocupação, pertencente ao processo de Declaração de Utilidade Pública. Planta nº5.
Relatórios, facturas, recibos de pagamento.
Correspondência enviada dos serviços administrativos do SAAL Norte às brigadas técnicas e outros destinatários.
Fazem parte desta série _ peças desenhadas _ todo o tipo de desenhos que o arquitecto cria e que não fazem directamente parte dos projectos de arquitectura das habitações a construir, ou seja, que não apresentam associação a qualquer processo.
Pareceres sobre os relatórios das brigadas das zonas 6, 8 e 12B, relativamente ao processamento das facturas.
Parecer sobbre o relatório da brigada da zona 7, relativamente ao processamento de facturas.
Auto de medição de trabalhos da zona de intervenção do bairro de Vilar.
Trata-se de uma factura de pagamento ao empreiteiro, ou seja, o dono paga ao empreiteiro segundo os valores e processos de pagamento acordados na adjudicação (caderno de encargos). O pagamento é dividido em fatias do total. O auto de medição é passado mediante a factura apresentada pelo empreiteiro sobre uma ou mais fatias específicas. Antes de se realizar o pagamento o arquitecto ou fiscal tem de confirmar se o trabalho específico na factura foi efectivamente realizado de acordo com o caderno de encargos.
Notas de serviço, autos de medição, da zona de intervenção de Vilar.
Boletim da comissão de moradores da Vitória, nº1.
Os periódicos a que se refere esta série são os periódicos de bairro produzidos das diferentes zonas de intervenção do SAAL. Trata-se na maior parte dos casos, de edições artesanais com número limitadíssimo de exemplares. Estas publicações periódicas dão-nos a conhecer determinadas realidades vividas na época, tais como críticas ao sistema, reivindicações e sugestões bem como o estado e andamento das operações SAAL. Os recortes de imprensa, que obedecem a um propósito funcional de gerir informação, são extraídos de imprensa local e nacional.